Especial Jogos Educacionais: Outros olhares sobre a História Brasileira

20/09/2012 07:29

As ciências podem ser das mais variadas – humanas, exatas, da saúde – mas os professores em sala de aula têm a mesma preocupação: atrair a atenção e facilitar o entendimento dos conteúdos ministrados. Para isso, muitos deles se desdobram lançando mão da criatividade e, não raro, buscam no lúdico a alternativa para estimular a imaginação dos estudantes e auxiliar na fixação das matérias. A UFSC tem desenvolvido pesquisas sobre jogos educacionais e o Jornal Universitário n°429 trouxe algumas das tantas iniciativas desenvolvidas por seus professores e estudantes. As cinco matérias resumidas no JU estão sendo publicadas na íntegra no site da UFSC durante esta semana.

 

Outros olhares sobre a História Brasileira

.

Para Fernando, seria interessante que os professores pudessem indicar também os jogos como bibliografia complementar

“Meus professores reclamavam que não tínhamos tempo de estudar, mas que arranjávamos uma brecha durante o dia para jogar video-game”, relata Fernando Fernandes, de 18 anos. Vivendo desde pequeno num contexto em que a vida e os relacionamentos são naturalmente intermediados pela internet, Fernando utilizou, no ano passado, a bolsa de Iniciação Científica do Ensino Médio (Pibic-EM) do Colégio de Aplicação (CA) da UFSC para explorar o tema que lhe instiga tanto e provar que os jogos eletrônicos servem também para ensinar. “Eu mesmo aprendi o básico do inglês com os jogos”, atesta.

A ideia inicial era trazer, por meio da bolsa, um apanhado geral da história do vídeo-game, mas Fernando acabou mudando o foco da pesquisa: decidiu criar seu próprio jogo, que traz, em suas cinco fases, cinco eras da história brasileira: o descobrimento, o Brasil colônia, a Independência, a Proclamação da República e a Era Vargas.

Calouro de Arquitetura e Urbanismo na UFSC, Fernando almeja ser professor, e tem como uma de suas motivações inserir o vídeo-game nas pesquisas universitárias. “Hoje nos indicam livros e filmes para complementar os conteúdos ministrados em aula; seria legal indicarem jogos também”.

Durante o período de espera pelo início das aulas de Arquitetura, Fernando continuou a confecção do jogo, apesar da bolsa de 100 reais mensais do CA já ter acabado. A parte gráfica da primeira fase já está concluída – “tem que pensar em tudo: vestimentas, traços físicos, cenários”, e Fernando sabe que, utilizando uma ferramenta mais simples, como o RPG Maker 2003, não irá atingir resultados considerados profissionais. Mas a repercussão tem sido boa: durante a I Mostra de Projetos de Iniciação Científica do Aplicação, ocorrida em abril (onde 30 trabalhos como o de Fernando foram apresentados), o auditório onde o estudante compartilhou sua pesquisa ficou cheio. “As pessoas querem saber como fazer um video-game; acho que todo mundo tem na cabeça uma história que gostaria de transformar em filme ou jogo”, arrisca.

Em breve, Fernando terá a colaboração de um profissional importante: seu irmão, que está finalizando o curso de Música, fará a trilha sonora do game. O estudante pretende disponibilizar o jogo ao CA, a fim de que outros pontos de vista sejam explorados em sala de aula. “Quero trazer o modo de vida dos índios, e o que mudou com a colonização. A vinda dos portugueses não foi um descobrimento, e sim um confronto”.

Leia mais:

Bancando o detetive

Para conhecer o próprio lar

Humanos contra o lixo espacial

Outros olhares

Mais informações com Fernando:

Por Cláudia Schaun Reis / Jornalista da Agecom
Foto: Wagner Behr / Agecom

Tags: Colégio de AplicaçãoHistória do Brasiljogos educacionais