Museu Universitário recebe coleção com objetos de etnias indígenas amazônicas

29/11/2011 09:35

Geólogo Rodrigo Sato doou ao Museu Universitário 180 objetos adquiridos em viagens ao norte do País, de 54 etnias indígenas amazônicas O material complementa importantes coleções deixadas por Sílvio Coelho dos Santos .

Há cerca de uma década, o geólogo Rodrigo Del Olmo Sato, 36 anos, começou a colecionar objetos etnográficos adquiridos em tribos indígenas da região amazônica para onde viajava prestando consultoria a empresas. Em pouco tempo, ele tinha em casa um acervo com 180 objetos, entre arco, flechas, cestarias, cerâmicas, artes plumares, colares, alfinetes de nariz e chocalhos, representando a cultura de 53 grupos indígenas do país. Começou então a classificá-los e catalogá-los e percebeu que a paixão tinha de dar lugar ao senso de preservação. Tomou assim a decisão de transferir esse acervo a uma instituição que pudesse conservá-lo e exibi-lo para mais pessoas e o Museu Universitário Oswaldo Rodrigues Cabral, da UFSC, pareceu-lhe o lugar ideal.

A coleção que a antropóloga Cristina Castellanorecebeu nesta segunda-feira (28) à tarde das mãos do geólogoem nome da direção do Museu Universitário vai ficar exposta dentro da coleção de Etnologia Indígena em regime de comodato por dez anos que podem ser renováveis pelo proprietário. “É só para eu ter a sensação de que ainda estou próximo desse material”, diz Sato, que resolveu fazer a cessão quando se deu conta da necessidade de um local adequado para preservar os frágeis objetos, sobretudo os adornos plumares. Natural de Curitiba e dono de uma empresa que presta consultoria na área de hidrogeologia, Sato realizou muitas outras viagens também pelo Estado de Santa Catarina, quando arregimentou um significativo mostruário sobre o modo de vida das etnias indígenas (Guarani, Xokleng e Kaingang) e também pensa em doá-lo ao museu futuramente.

A doação ocorreu no auditório do Museu Universitário, na presença de amigos do museu e de participantes do Projeto Museu em Curso, que vieram prestigiar a palestra do museólogo e antropólogo italiano, professor da SapienzaUniversitàdi Roma, VicenzoPadiglione,sobre patrimônio cultural nas comunidades. Advindo das tribos Apalay, Arara, Arawete, Baniwa, Bororo, Kalapalo, Paresi, Xokleng e Kaiapó-Gorotire, entre outras etniasdo norte do país, os objetosreceberão os cuidados necessários a sua preservação e integridade, garantiu Cristina. “A importância maior dessa doação é a diversidade de origens, o que abre flanco para novas pesquias”, explica a museóloga Viviane Wermelinger. O material complementa, segundo ela, a coleção de outros antropólogos que pesquisaram tribos do norte, como o já falecido Sílvio Coelho dos Santos, que se deteve na etnia Xokleng.

Texto: Raquel Wandelli, Jornalista na SeCArte/UFSC

Fones: 37218729 e 99110524

 

Fotos: Wagner Behr/Agecom

 

Tags: Etnias indígenas amazônicasMuseu UniversitárioRodrigo SatoUFSC