Abertas as inscrições para workshop gratuito de criação de cenografia e figurino

04/05/2011 17:25

Dentro da proposta de compartilhamento de saberes do longa metragem de ficção Rendas no Ar, da diretora Sandra Alves e da Vagaluzes Filmes e a Usina da Alegria Planetária – SP,produtora associada da direção de arte, abre seu processo criativo no Workshop Tramas, que se realizará na Casa das Máquinas – Fundação Cultural Franklin Cascaes, de 16 a 20 de maio.  Inscrições: As rendeiras poderão se inscrever diretamente no Centro de Referência da Renda.de Bilro de Florianópolis. Outros interessados devem inscrever-se pelo email enviando carta de interesse. A seleção será feita por ordem de inscrição.

Destinado a artistas, artesãos, rendeiras e à comunidade de Santa Catarina, o workshop tem como objetivo a aproximação do fazer cinematográfico, trocando saberes e práticas, e reconstruindo aspectos da memória local. O workshop é gratuito e será coordenado por Kabila Aruanda, Renato Bolelli Rebouças e GisellePeixe, da equipe de direção de arte do filme, e funcionará como um ateliê compartilhado no qual os participantes poderão colaborar na produção dos figurinos e cenografia. Está em fase de formalização a parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina e o Projeto Fortalezas/UFSC para a realização das filmagens do longa-metragem na Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim.
Com larga experiência na troca interdisciplinar, a USINA DA ALEGRIA PLANETÁRIA-SP têm desenvolvido projetos baseados na reinserção de materiais e recursos, propondo alternativas ao fazer artístico. Muitas roupas e materiais descartados podem servir de base para o desenvolvimento de novas
idéias, permitindo uma experimentação de linguagens e formas. Esta prática tem sido desenvolvida pela USINA, pois além do caráter sustentável da ação, possibilita o contato com a memória inscrita nas peças. Materiais e padronagens extintas podem ser reinseridos, auxiliando de forma criativa o trabalho de construção do imaginário de uma época. O workshop oferece possibilidades de criação em colaboração, aproximando fazeres, atualizando conhecimentos e repertórios, práticas tradicionais e atuais. A escolha da Casa das Máquinas/FFC como local para sua realização aproximará o universo das tramas com a própria tradição das rendeiras do Centro de Referência da Renda de Bilro de Florianópolis, convidadas especialmente a participar do evento. A presença das rendeiras propiciará reflexão e valorização de sua herança cultural. No período do evento, enquanto os participantes atuam, o atelier estará aberto para visitação, recebendo o público que poderá acompanhar os detalhes desta produção tão instigante, e ainda contribuir doando peças antigas para a equipe. Serão aceitas rendas, roupas antigas, acessórios, fotografias, móveis e objetos marcados pelo tempo, inclusive com manchas, rasgados ou quebrados que poderão estar presentes em cena, na história situada no final do século XIX, na antiga Desterro.

Sobre a direção de Arte de Rendas no Ar
A direção de arte do filme Rendas no Ar tomou a renda como elemento para a construção da
visualidade. Este fazer, tão característico do litoral brasileiro e em especial da cidade de
Florianópolis, através da tradição açoriana, é construído por mulheres há séculos, definindo uma poética do feminino.. Expressão do sutil e do belo, parceira das redes que capturam peixes, a renda de bilro é aqui sinal de vida e de duração, transcorrência, tempo. A renda servirá como referência para a criação de figurinos e para a construção de camadas da espacialidade. Além das rendas, objetos, indumentária e materiais vindos de diferentes locais e com memórias próprias, vindos dos moradores de Florianópolis e de outras cidades, somam-se à beleza e ao mistério da locação da Ilha de Anhatomirim num conjunto expressivo muito especial.

Funcionamento
Carga horária: 25horas
Encontros: de 16 a 20 de Maio. Segunda a Sexta-feira, das 10h às 12h e das 14h às 17h.
Público-alvo: rendeiras, artistas têxteis, figurinistas, estilistas, cenógrafos, diretores de arte,
artistas visuais, estudantes das áreas e demais interessados.
Vagas: 25
Materiais necessários: Papel para desenho de livre escolha, instrumentos para desenho de
livre escolha (lápis, canetas, hidrocor, etc.), material de costura e bordado (agulhas, linhas de sua preferência, e outros de seu interesse), tesoura, bastidor para bordado.
Haverá emissão de certificado no final do workshop para freqüência superior a 75%

Contatos:
VAGALUZES FILMES [48] 9656.1867
comunicaçã
www.vagaluzesfilmes.com.br
http://vagaluzesfilmes.wordpress.com/
https://www.facebook.com/RendasnoAr
USINA DA ALEGRIA PLANETÁRIA [11] 4703.5614

www.usinadaalegriaplanetaria.blogspot.com
www.vagaluzesfilmes.com.br

Kabila Aruanda
É figurinista, estilista e artista plástico, professor de desenho de moda, e ainda Babalorixá do terreiro de candomblé Korrente da Alegria de Aruanda. Desde 1988 vem fazendo trabalhos para a televisão (Rede Globo Chico Total, Rede Record – Turma do Gueto), teatro (Sonho de uma Noite de Verão, direção de José Ronaldo Faleiro; Sim, Eu Sei, direção de Nando Moraes; As Criadas, direção de José Sizenando de Moraes; Grupo de clown A Tormenta; Companhia Bonecos Urbanos; Teatro de Paisagem – espetáculo Inversão e cinema (Anésia, um Vôo no Tempo, com direção de Ludmila Ferola; Os Camaradas, de Bruno de Andrade; Ela Perdoa), entre outros. Desenvolve junto a sua comunidade o projeto Sacológicas, de criação e produção de sacolas de tecid reaproveitado, que pretende contribuir para a redução do consumo de sacolas plásticas. É idealizador do projeto Usina da Alegria Planetária, um centro de criação, desenvolvimento e gestão de projetos artísticos sustentáveis, em implantação em Cotia-SP.

Renato Bolelli Rebouças
Arquiteto, diretor de arte e cenógrafo. Diretor de arte do Grupo XIX de Teatro de 2004 a 2009, com quem realizou Residência Artística na Vila Maria Operária Zélia/SP, onde desenvolveu os
espetáculos Hygiene (2005) e Arrufos (2008), sendo por este vencedor do Prêmio Shell de Melhor Cenografia e vencedor de Melhor Projeto Visual pelo Prêmio da Cooperativa Paulista de Teatro. Entre seus trabalhos mais recentes, destacam-se direção de arte para os espetáculos, O animal na sala – 2009 (Linhas Aéreas), com direção de Renata Melo, Vestígios, de Marta Soares (2010); Anjo Negro + A Missão, São Paulo e Alemanha (2008); Negrinha (2007), monólogo com a atriz Sara Antunes, que recebeu prêmio de Melhor Cenografia no Festival de Teatro de Piracicaba; Memória da Chuva (2009), a convite do Contact Theatre, Manchester/UK. Ainda atua em ópera – Les Troyens – XIII Festival de Ópera de Manaus (2009) e cinema Corpo Presente (telefilme para a TV Cultura,2009). Mestre pela ECA/USP sobre as relações entre teatro, espaço e memória, percorrendo a trajetória do Grupo XIX na ocupação de espaços não-convencionais e professor do curso de pósgraduação em Design de Interiores na FAAP/SP.

Beto Guilger
Artista visual e performer. Autodidata em estudos e práticas artísticas. Desenvolve trabalho em
diferentes suportes, especialmente pintura a óleo, assemblage, instalação e performance. Realizou, entre 2002 e 2008, cursos de pintura para cegos no Laramara (São Paulo) e no Lar das Moças Cegas/Oficina Cultural Pagu (Santos), onde desenvolveu uma abordagem para o público especial e para a realização pictórica, reinventando as percepções das cores e formas. Em seu atelier em São Paulo (edifício Copan), realizou as exposições individuais Projeto NISE – No Interior Seu Eu – Artexperiência (2005), Casa do Artista – O universo Íntimo das Coisas (2007) e XMORADIAS com as performances “O discurso da traça”, “Vestigia Pedis” e “Nise” – projeto em parceria com o Sesc São Paulo e Goethe Institut (http://www.xmoradias.com – 2009). Participou de exposições coletivas na casadalapa (2009 e 2010), Espaço Maquinaria (2009), Instituto Cultural Brasil? Estados Unidos (2003), FUNARTE(2001), Capela do Morumbi (2001), Centro Cultural São Paulo (2000). Também atua em espaços públicos com o projeto Retire um Folheto (2007 a 2009).

Giselle Peixe
Museóloga, especialista em documentação museológica, com vasta experiência em museus e
patrimônio cultural, com ênfase em organização institucional e tratamento de acervos. Atuou no
Museu de Arte Sacra de São Paulo e participou de projetos no Museu Paulista da USP, Museu
Arquidiocesano de Mariana (MG), Departamento de Museus e Arquivos do Estado de São Paulo, Divisão de Iconografia e Museus da Prefeitura de São Paulo, Klabin, Museu da Imigração (SP), entre outras instituições públicas e particulares. É coordenadora da empresa Jequitibá Cultural Patrimônio, Educação e Arte. Participou do museu A CASA – Museu do Objeto Brasileiro, integrando, entre outros, o projeto Moda e Artesanato (2002), com a participação do estilista Walter Rodrigues, e em parceria com estudantes de design da Escola de Design de Eindhoven – Holanda, e ainda o projeto Cultura e Renda: Preservação e Difusão da Renda de Bilro (2008), realizado no Morro da Mariana Piauí, com patrocínio da Petrobrás Cultural.
Barbara Pettres/Jornalista
[48] 9926.6429 / 9917.7787 / 9977.9033