Curso Superior de Magistério indígena abre Universidade para todos

14/02/2011 20:43

Eles vieram de territórios localizados em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Espírito Santo atrás do antigo sonho de cursar uma faculdade específica para professores indígenas. Alguns casais deixaram os filhos com parentes nas aldeias e trouxeram os menores de colo para a sala de aula. Várias alunas ainda estão amamentando. O primeiro dia de aula mostrou que os 120 alunos Guarani, Kaingáng e Xokleng aprovados no Vestibular do Curso Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, iniciado na tarde de segunda, 14, na Universidade Federal de Santa Catarina, estão dispostos a enfrentar todas as dificuldades para completar sua formação como professores e ajudar seus povos na luta pelas condições de sobrevivência e pela defesa da sua cultura.

“Por meio da educação vamos superar o paternalismo dos órgãos indigenistas para conquistar nossa autonomia e defender nossa cultura”, sentenciou Getúlio Tójfa, coordenador pedagógico da Escola Cacique Vanhkre, em Ipuaçu, ao discursar em nome dos Cainkáng na cerimônia de recepção dos calouros e abertura do curso no auditório do Centro de Filosofias Humanas. O auditório lotado e multicolorido com a presença das lideranças das três etnias, dos representantes da rede de departamentos que integram o curso e das diversas entidades ligadas à promoção do índio fez dessa conquista pedagógica um momento de comemoração e também um ato político na defesa de uma educação inclusiva. Sobre a importância de realizar a primeira graduação específica em licenciatura indígena direcionada para professores das três etnias dos territórios do Sul e Sudeste do País, o reitor Álvaro Prata pontuou: “a UFSC assume sua condição de universidade dessa grande nação brasileira, que é não é somente dos brancos, mas sobretudo dos nativos”.

Com duração de quatro anos, o curso superior contempla alunos de Santa Catarina e de outros estados do sul e sudeste que não dispõem desse tipo de formação. Seguindo o método da pedagogia da alternância, que prevê o aprendizado teórico em sala e períodos de aplicação prática nas escolas das aldeias, os alunos-professores devem permanecer em torno de duas semanas hospedados em um hotel em Florianópolis e depois retornam aos seus territórios para reiniciar as aulas dois meses depois. O tempo de estudo na comunidade prevê pesquisas orientadas, estágios, projetos de intervenção comunitária nas escolas das aldeias.  Como conquista da luta das comunidades indígenas, de professores e pesquisadores da área, a graduação foi concebida pela Comissão Interinstitucional de Educação Superior Indígena (CIESI) em conjunto com representantes indígenas, a partir de projeto aprovado pelo Programa de Licenciatura Indígena do Ministério da Educação, explica a coordenadora do curso Ana Lúcia Vulfe Nötzold, do Departamento de História. O Prolind financia hospedagem e alimentação para docentes especialistas nas temáticas.

São 120 alunos aprovados no Vestibular, 40 de cada etnia. A maioria já atua em escolas de aldeias, mas há jovens indígenas recém-egressos do ensino médio e lideranças comunitárias e também índios formados em faculdades não específicas, de português e história, principalmente. É o caso de Keli, formada em Letras-Português pela Unasselvi, que veio com o marido Eduardo Tuquê e trouxe dois dos quatro filhos, um de quatro e outro de dois. Com dificuldades de se concentrar na aula e dar atenção aos filhos, eles pretendem conseguir alguém para levar as crianças de volta à aldeia Xokleng, em Ibirama, mas não querem desistir: “A gente precisa desse conhecimento na nossa língua específica para ajudar a fortalecer nossa cultura nas aldeias”, diz Keli. A índia Eunice Antunes, professora da Escola Itaty, do Morro dos Cavalos, que também discursou em nome do povo Guarani, ainda não acredita que a luta pela graduação se concretizou: “Parece que estou sonhando acordada! E todas as entidades e nós alunos demos o máximo para estar aqui. Não é um privilégio, é uma conquista!”

Com habilitação geral em Licenciatura da Infância e ênfase no ensino fundamental comum a todos, a formação desses alunos-professores será voltada para o eixo norteador Territórios Indígenas: Questão Fundiária e Ambiental no Bioma Mata Atlântica. A coordenadora Ana Lúcia lembra que a questão territorial está ligada ao direito do indígena de existência enquanto povo. “Quando se fala em acesso à cidadania, um dos direitos fundamentais é o de poder existir, que está ligado à questão da identidade e do território tão prementes hoje para esses povos”, enfatiza.  Até o quinto período, os acadêmicos estarão separados por etnia, cursando disciplinas específicas. Na sequência, optarão por uma das três terminalidades, que são: Licenciatura das Linguagens, com ênfase em Línguas Indígenas; Licenciatura em Humanidades, com ênfase em Direitos Indígenas e Licenciatura do Conhecimento Ambiental, com ênfase em Gestão Ambiental.

Os parceiros na UFSC incluem os departamentos de Antropologia (que vai ministrar disciplina de mitologia indígena), de Metodologia de Ensino, de Direito, de Engenharia Sanitária e Ambiental, entre outros, além do Museu Universitário, ligado à Secretaria de Cultura e Arte, que atuará com professores e infra-estrutura para atividades pedagógicas, científicas e culturais, conforme Maria Dorothea Darella, pesquisadora do Laboratório de Etnologia Indígena. Como parceiros externos, a Secretaria da Educação firmou um termo de cooperação para dar apoio pedagógico aos alunos que são também professores da educação indígena das rede pública estadual e flexibilizar o seu horário nas aldeias. A Funai financiar o deslocamento dos índios dos seus territórios para Florianópolis. Entidades como a Capi (Comissão de Apoio aos Povos Indígenas), CIMI (Conselho Indigenista Missionário) e Comin (Conselho de Missão entre Índios) participaram de todas as decisões de modo a preservar as especificidades e interesses das etnias.

Em Santa Catarina, 9.200 pessoas integram a população indígena, 2.812 pertencentes à faixa etária escolar entre um a 14 anos. Oferecendo formação superior pública e gratuita, o projeto cumpre a Lei de Diretrizes e Bases de 96, que determina a graduação dos professores de escolas indígenas. Em todo sul e sudeste do Brasil, somente a Unochapecó oferece um curso específico para Kaingángs e atendendo apenas professores de Santa Catarina.

Por Raquel Wandelli/ Jornalista na SeCArte

Fotos: Cláudia Schaun Reis/Jornalista na Agecom

Tags: Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica