UFSC integra seminário regional da Agenda 21 Catarinense

06/02/2002 17:55

Será realizado nesta quinta-feira 07/02 o primeiro seminário regional para elaboração da Agenda 21 Catarinense, documento que deverá apontar diretrizes e subsidiar políticas públicas para o desenvolvimento do Estado a médio e longo prazo. O encontro será realizado em Santo Amaro da Imperatriz, no Jomar Hotel Fazenda entre 8h e 18h. Os seminários regionais envolvem todos os assuntos da Agenda, sendo que a UFSC é responsável pelo tema Ciência, Tecnologia & Inovação, que vem sendo discutido em reuniões específicas na UFSC desde janeiro de 2001.

No dia 25 de fevereiro, o grupo Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável, coordenado pelo diretor do Centro Tecnológico, professor Ariovaldo Bolzan, volta a se reunir, a partir de 14h, no auditório do CTC/UFSC. O objetivo será a realização de uma avaliação do 1o Seminário Regional. Mais informações sobre o assunto com professor Ariovaldo Bolzan, coordenador do assunto Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável da Agenda 21 Catarinense – fone 331 33 – ou com Sueli Amália de Andrade, fone 9971 0859 ou 222 4934

Acompanhe abaixo o material que será apresentado nos Seminários Regionais em Santa Catarina

AGENDA 21 CATARINENSE PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

SEÇÃO A- SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO

CIÊNCIA, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA – UFSC

COORDENADOR: Prof. ARIOVALDO BOLZAN

COLABORADORA: Profª. SUELI AMÁLIA DE ANDRADE

PRINCÍPIOS, OBSTÁCULOS E DESAFIOS EM C&T&I PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE SC

Ariovaldo Bolzan, Sueli Amália de Andrade e Sérgio Boeira

Para subsidiar as propostas em C&T&I para o desenvolvimento sustentável de SC, é importante que se considere alguns princípios básicos. São de importância vital e pertinentes para comporem um Paradigma Sustentável e Humanizador em C&T&I os seguintes princípios:

PRINCÍPIOS:

· Sustentabilidade Multidimensional do Desenvolvimento e da Sociedade.

· Concepção Sistêmica e Dinâmica do Meio Ambiente (meio físico-químico, biológico e social-humano).

· Solidariedade sincrônica (com as gerações presentes) e diacrônica (com as gerações futuras).

· Responsabilidade Social e Ambiental de empresários, cientistas, pesquisadores e técnicos, voltada para o Bem Comum (Humano e da Natureza).

· Ética Multidimensional.

· Comprometimento Humano e Social.

· Educação como a base do desenvolvimento.

Em C&T&I para o desenvolvimento sustentável, alguns obstáculos precisam ser superados:

OBSTÁCULOS:

· Desvinculação dos setores de C&T&I em relação ao conjunto da Sociedade.

· Defasagem entre a cultura científica-tecnológica e a cultura das áreas sociais-humanas, com amplo predomínio da primeira, gerando a tecnociência eticamente desorientada e marginalizando as ciências humanas.

· Forte ênfase na disciplinaridade (fragmentação dos saberes) e fraca capacitação para a multi, a inter e a transdisciplinaridade (religação dos saberes).

· Forte manutenção e reprodução de sistema de aprendizado tecnológico passivo ou mimético.

· Fraco entrosamento entre Instituições de Pesquisa e Setor Produtivo.

Os desafios para se construir e desenvolver a C&T&I no estado catarinense, baseada na sustentabilidade multidimensional, capaz de gerar benefícios relevantes para a sociedade e para o meio ambiente como um todo, e que possam ser extrapolados para o País e o Mundo, são vários. Os principais são:

DESAFIOS:

· Construir uma C&T&I que considere, conjuntamente, as dimensões ecológica, social e econômica, protegendo o meio ambiente, melhorando a qualidade ambiental e de vida das pessoas e garantindo o bem-estar da sociedade.

· Substituir o sistema de aprendizado tecnológico passivo ou mimético por um ativo e complementá-lo com um sistema de inovação tecnológica.

· Substituir a estratégia de competitividade espúria (baseada em baixos salários e degradação ambiental) por uma estratégia de competitividade autêntica (baseada em melhoria da produtividade e na multi-sustentabilidade do desenvolvimento).

· Fortalecer os mecanismos de transferência de tecnologia, da academia para o setor produtivo, e os processos de interação criativa entre pesquisadores, educadores e empresários.

· Estimular o desenvolvimento de uma “ciência-cidadã”, que busque diminuir as desigualdades sociais e amplie a inclusão social das pessoas desfavorecidas na sociedade.

· Promover a interação entre Ciência & Tecnologia & Inovação com a Sociedade, não considerando-as como independentes e isoladas.

· Assumir a responsabilidade social/ambiental em C&T&I.

· Considerar a não-neutralidade axiológica da C&T&I.