Estudo comprova eficácia do cálcio para dentição de leite

06/02/2002 15:06

Levando em conta que a primeira dentição é fundamental para o desenvolvimento da criança, uma pesquisa desenvolvida junto ao Programa de Pós-Graduação em Odontologia da UFSC comprovou que o uso de materiais liberadores de flúor podem ser decisivos para a manutenção dos dentes de leite. O estudo com o título “Influência de materiais restauradores liberadores de flúor, na evolução de lesões de cárie em esmalte de molares decíduos. Estudo in vitro”, foi a primeira Tese de Doutorado na área de Odontologia da UFSC. Desenvolvido na área de Odontopediatria, o estudo permitiu a comparação dos resultados obtidos com restaurações que usaram materiais liberadores de flúor e os tradicionais, que não contam com essa proteção.

“Outros estudos já haviam comprovado a importância destes materiais em dentes permanentes. A originalidades deste trabalho foi estudar os efeitos sobre a dentição de leite, comprovando que os materiais que liberam flúor realmente podem prevenir e até reverter os processo de cárie”, explica o professor Ricardo de Sousa Vieira, orientador do trabalhodesenvolvido pela dentista Lucineide de Melo Santos, natural de Maceió-Alagoas. O professor explica que o material liberador de flúor atua na prevenção e reversão da cárie secundária – aquela que surge a partir da fenda existente entre o material de restauração e o próprio dente. Segundo o professor, a cárie secundária é a maior causa de substituição de restaurações.

“A partir desse trabalho pode-se dizer que em crianças que não têm uma higiene muito adequada e que consomem alimentos cariogênicos como balas, chocolates e salgadinhos são mais protegidas com rstaurações com material que libera flúor. Segundo ele, este tipo de material não implica em custo mais lato do que os convencionais, mas ainda é pouco usado pelos dentistas pois tem como inconveniente não ser tão resistente quanto a amálgama tradicional, exigindo maior controle das condições da restauração.

Segundo o professor, é fundamental manter a dentição de leite até que ela realmente ela cai, por volta de sete anos até 12. “O dente decíduo faz parte do desenvolvimento da criança. Sem dente a criança mastiga mal, os músculos e ossos da face não têm um desenvolvimento adequado, a perda prematura pode provocar o encurtamento do arco e a falta de espaço para os dentes permanentes”, explica. O professor ressalta ainda que a perda precoce dos dentes de leite pode provocar inclusive problemas psicológicos, “Para a criança a aparência também é muito importante. Pode-se perceber que a criança sem nem ri muito”. Informações com o professor Ricardo de Sousa Vieira, fone 0**48 331 9920