Última semana da Feira de livros da UFSC prevê mais lançamentos

31/03/2011 16:51

Fotos: Paulo Noronha/Agecom

Uma teoria da adaptação, obra inédita de Linda Hutcheon que lança um novo conceito da pós-modernidade marca os lançamentos da próxima semana, que também incluem Shakespeare e Paul Claval. Prossegue até o final da próxima semana (8/4), na Praça da Cidadania da UFSC, a Feira de Livros da Editora da UFSC/LEU que oferece com descontos muito vantajosos 8.200 mil volumes de suas antigas e novas coleções.

(more…)

Debate público sobre o trânsito no entorno da UFSC

31/03/2011 16:07

O trânsito no entorno da UFSC está um caos! E eu com isso?

Lançada campanha educativa para sensibilizar a comunidade universitária para discutir e contribuir com sugestões sobre como melhorar o sistema viário no entorno da UFSC. As contribuições devem ser postadas pelo formulário eletrônico do site da campanha http://pare.paginas.ufsc.br. Também haverá um Debate Público dia 5/4, das 15h às 18h, no Auditório do Centro Tecnológico ( CTC). Período da campanha: 30/3 a 30/4.

(more…)

Exposição Máscaras e Tramas, Tramas e Máscaras inaugura nesta sexta

30/03/2011 17:44

A artista plástica Ina Castro

A artista plástica Ina Castro apresentará seu trabalho a partir de sexta-feira, 1º de abril, na exposição “Máscaras e Tramas, Tramas e Máscaras”, no Espaço Estético do Colégio de Aplicação (CA) da UFSC. Serão exibidas 16 máscaras em papel machê, estruturadas em arame e pintadas com tinta automotiva, e seis pinturas abstratas, nas quais tramas em tricot são dispostas interagindo sobre as telas. A visitação, gratuita, ocorre até o dia 1º de maio, das 7h30 às 19h30.

Nas pinturas, a artista optou por uma fusão das quatro técnicas que sempre desenvolveu separadamente: a pintura, a colagem, a escultura e a trama em tricot, e entre os materiais usados estão areia de praia, pigmento e polímero vinílico. Nas máscaras, a característica decorativa é resultado da técnica “papel machê”, uma mistura de jornal picado, água e polímero vinílico (espécie de cola), que permite ao objeto trabalhado maior rigidez. A ideia surgiu do Movimento da Commedia dell’Arte do século XVI e foi adaptada para os estilos Afro e Vienense.

Ina Castro (Maria Regina Ziegler de Castro) é professora e artista plástica graduada pela Faculdade Bennett de Ensino do Rio de Janeiro. Sua primeira exposição, focada em esculturas, foi em 1973, ainda no Rio. O contato com o Colégio de Aplicação foi realizado através da participação da professora na Oficina Aberta Polo UFSC, como ministrante de cursos e como integrante do Programa Arte na Escola.

SERVIÇO:

O QUÊ: Exposição “Máscaras e Tramas, Tramas e Máscaras”

QUANDO: 1º de abril a 1º de maio

HORÁRIO: 7h30 às 19h30

LOCAL: Espaço Estético CA/UFSC

CONTATO: Professora Fabíola () e Helena ()

Fonte: Colégio de Aplicação da UFSC

Palestra aborda a economia da China: de país pobre a maior economia mundial

30/03/2011 16:26

Foto: Antônio Barañano / TeleNews Torres

O Grupo de Pesquisas em Economia Política dos Sistemas-Mundo (GPEPSM) e o Centro Acadêmico de Relações Internacionais (CARI) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) promovem a palestra “China: 1950/2020, de país pobre a maior economia mundial”, proferida pelo professor Vladimir Milton Pomar, geógrafo, empresário e editor das revistas “Negócios com o Brasil” e “Negócios com a China”.

O evento será realizado nesta sexta-feira, 1º de abril, às 14h, no auditório do centro Sócio-Econômico (CSE), com o objetivo de demonstrar como a China passou de economia mais pobre do mundo em 1949, segundo dados da ONU, para segundo maior em 2010 e com a perspectiva de se tornar a primeira economia mundial em 2020.

Mais informações pelo telefone (48) 3721-6627 ou pelo e-mail .

Antropólogo italiano propõe o estupor na relação entre as culturas

30/03/2011 10:43

Se fosse para sintetizar o pensamento de Massimo Cavenacci, o oposto do dito popular “quem gosta de velharia é museu” exprimiria bem o que prega o antropólogo italiano. Não há nada mais atual do que colecionar as relíquias do contemporâneo. Ao falar sobre Os desafios do museu no século XXI, o catedrático da Universitá di Roma La Sapienza e professor convidado do Departamento de Psicologia da UFSC defendeu a polifonia dos museus, a exposição de acervos museais em espaços dinâmicos da cidade e a apropriação das tecnologias digitais para a autorrepresentação das culturas e identidades.  Em suma, o museu contemporâneo deve se constituir na mobilidade da vida urbana, incorporar as novas tecnologias e estar atento à pluralidade das culturas. A conferência atraiu uma plateia de cerca de cem pessoas, entre alunos, professores e comunidade em geral para o pequeno auditório do Museu Universitário na tarde da terça (29), abrindo o primeiro evento do ciclo de debates O Pensamento do Século XXI e da série Museu em Curso deste ano.

Fotos: Paulo Noronha/Agecom

Lançador de instigantes neologismos conceituais como “multivíduo performático” e “desnativização” o autor de A cidade polifônica – Ensaios sobre a antropologia da comunicação urbana mostrou que as posturas e performances de corpo são objetos privilegiados das coleções museológicas do presente e propôs que o museólogo suspenda o conceito de nativo, à medida que traduz um olhar colonialista em relação ao outro. “O museu deve favorecer a multiplicação da subjetividade”, afirmou. Dentro desse contexto, é fundamental repensar sua função na sociedade. E para isso, Massimo defende que “a identidade da cultura não pode ser só das raízes”, lembrando a expressão “from roots to routes” (de raízes para rotas): “O museu contemporâneo precisa mudar, de raízes para itinerários. As raízes bloqueiam a cultura, enquanto que os itinerários favorecem as subjetividades”. A artista plástica brasileira Nele Azevedo, de acordo com o antropólogo, exemplifica essa ideia. Criadora de mil homenzinhos de gelo que foram colocados na escadaria da sala de concertos da Gendarmenmarkt, em Berlim, para uma campanha da WWF sobre o aquecimento global realizada em 2009, viu sua obra durar cerca de meia hora. “É interessante pensar na força de um tipo de arte que, descongelando, vira água. Acredito que uma parte do museu deve ser temporária, pois assim ele sempre se renova”.

A renovação dos espaços que abrigam a arte contribuiria para que os espectadores – ou os “performáticos”, que seriam os observadores que interagem mais ativamente com as obras – pudessem experimentar diante do outro, do estranho e do diferente o “estupor”, definido pelo dicionário português Priberam como “efeito, geralmente imobilizante, de grande espanto ou surpresa”. Massimo afirma que o som da palavra o agrada, preferindo relacioná-la ao espanto, mas acredita que essa significação ainda não seja a mais adequada. “A arte precisa modificar a identidade das pessoas. Não posso ser o mesmo depois de interagir com ela”. Mas para que essa transformação possa acontecer, é necessário que o performático se permita se entregar ao estupor. “É o posicionamento corporal em relação ao que é desconhecido e que desejo encontrar. É um momento antes da contemplação, e meu corpo precisa se abrir – boca, olhos, nariz, ouvidos – para absorver a obra de arte”.

A câmera dentro da câmera dentro da câmera

O professor mostrou fotos feitas dos chamados nativos, em que são retratados de maneira inferior aos colonizadores, podendo criar um tipo de deslocamento ou de invasão – “e se pensarmos na definição de ´nativo`, que ´provém de determinado lugar´, um índio seria nativo na Europa?” – defendendo seu direito à autorrepresentação e à desnativização. “Fui convidado pelos Bororos, no início dos anos 1990, a participar do ritual de furação de orelhas, que acontece a cada sete anos. Cheguei com câmeras, e me deparei com três deles gravando a atividade. Meu papel clássico, então, estava em crise; eles precisavam ser os sujeitos que davam sentido ao próprio ritual. Coloquei, nesse momento, minha câmera atrás das deles, enquadrando-as, para registrar o contexto”.

Além dessa multiplicidade cognitiva, que é potencializada também pela internet, Massimo já disse, em entrevista ao blog overmundo, que gosta de ”utilizar o artigo no singular, e o pronome no plural, isto é, o eus”. “O conceito de multivíduo, para mim”, continua, “é um conceito mais flexível, mais adequado à contemporaneidade. Por que significa que multivíduo é uma pessoa, um sujeito, que tem uma multidão de eus na própria subjetividade”. Esse eus também foi representado através de imagem que mostrava uma mulher se despindo da própria pele abrindo zíperes que tinha espalhados pelo corpo, revelando outras camadas epidérmicas. “Como o museu enfrenta o pós-humano, isto é, a arte digital? Que tipo de experiências podemos desenvolver? Quantas peles a gente tem? Há um número limitado? Quais as diferenças entre corpo e tecnologia?”, questiona.

Museu & cinema

Tahuany Coutinho, de 24 anos, é caloura de Museologia e assistiu à palestra. “Gosto da possibilidade de perceber o museu não simplesmente como um espaço onde as obras são expostas, mas sim como oportunidade de transformação através do contato com a arte”. A estudante conta que alguns professores do curso defendem o ponto de vista do antropólogo, e ressalta que o “museu não deve ser para alguém e sim com alguém”. Quase formada em Artes Cênicas, Tahuany veio de São Paulo com a intenção de se graduar em Cinema, mas acabou optando por Museologia por causa do viés antropológico do curso. No entanto, vê semelhanças entre os dois, quando pensa na importância do museu se valer de recursos, como os audiovisuais – como fazem os museus paulistas da Língua Portuguesa e do Futebol -, para envolver os performáticos.

Os projetos ´O Pensamento no Século XXI` e ´Museu em Curso` foram concentrados em torno dessa conferência para evidenciar os desafios das instituições museológicas hoje. Na continuidade do projeto Museu em Curso, a cada mês, será realizada uma palestra voltada para as diversas áreas da teoria e da prática museológica.

Mais informações: 48 3721-8604 ou 9325 ou .

Por Cláudia Schaun Reis/Jornalista na Agecom e
Raquel Wandelli/Jornalista na SeCArte

Eleições para o CUn

30/03/2011 10:35

A  Comissão Especial Eleições para Representantes dos Servidores Técnico-Administrativos  junto ao Conselho Universitário divulgou a relação dos candidatos inscritos para o pleito (Edital 001/CE/2011), com ordem na cédula segundo sorteio realizado na Secretaria dos Conselhos.

1- Geraldo Botelho Lage – Titular/HU
Edílson da Silva – Suplente/PRAE

2- Otávio Pereira – Titular/CFH
Pedro Candido Machado Filho – Suplente/CTC-EPS

3- Francisco Carlos da Silva – Titular/DMSG
Miguel Arcângelo Broering – Suplente/PREG
4- Luciano Ferreira Farias – Titular/PRDHS
Francisco Felipe da Silva Jr – Suplente/PRDHS

Inscrições para representação no Conselho Universitário

29/03/2011 11:45

A Pró-Reitoria de Desenvolvimento Humano e Social (PRDHS) divulgou o Edital nº 001/PRDHS/2011 que convoca e abre inscrições para eleição dos representantes dos servidores técnico-administrativos em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) no Conselho Universitário.

As inscrições dos candidatos devem ser feitas na Secretaria Geral dos Órgãos Deliberativos Centrais, no térreo da Reitoria, até esta terça-feira, 29 de março (8h às 12h e das 14h às 17h). A eleição ocorre no dia 5 de abril.

Mais informações: (48) 3721-9030 ou  .

Parceria inovadora assegura exames médicos no campus da UFSC

29/03/2011 11:19

Fotos: Paulo Noronha / Agecom

A Universidade Federal de Santa Catarina e a Unimed Florianópolis lideraram e construíram uma parceria que está servindo de modelo para outras instituições no Estado e no país. A conquista desse novo patamar no campo da saúde, dentro de uma visão preventiva, foi comemorada pelos seus dirigentes na noite desta segunda-feira (28/03), na inauguração informal do espaço para a realização periódica dos exames médicos dos servidores técnico-administrativos e docentes da Universidade.

Após reunião e entrega de placa de reconhecimento à direção da Unimed no gabinete do reitor, os representantes das duas instituições conheceram as instalações do novo serviço no Centro de Cultura e Eventos. A visita foi acompanhada pela administração central da UFSC e pelos gestores da empresa.

Implementado sob orientação e coordenação da Pró-Reitoria de Desenvolvimento Humano e Social da UFSC (PRDHS), o espaço foi viabilizado pela Unimed e, até o momento, já beneficiou mais de mil servidores. Segundo o diretor do Departamento de Desenvolvimento e Atenção Social e à Saúde, Marcelo Fontanella Webster, foram atendidos o Hospital Universitário (HU), parte do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH) e está em andamento a convocação dos servidores e professores do Centro Tecnológico (CTC). Todos os servidores serão agendados via carta individual e específica.

O pró-reitorde Desenvolvimento Humano e Social, Luiz Henrique Vieira e Silva, ressaltando a parceria como um avanço concreto na saúde preventiva, deixou claro que esse serviço nada tem a ver com o Plano de Saúde da UFSC e que, portanto, não significará ônus algum para os usuários. Os exames periódicos, esclarece, colocam em prática o decreto federal nº. 6.856, em 2009, determinando exames clínicos, laboratoriais e de imagem para todos os servidores públicos federais.

O reitor Alvaro Prata classificou a parceria com a Unimed de inovadora, “porque, na prática, prioriza e manifesta a preocupação com a saúde e não com a doença”. Ao entregar a placa de reconhecimento ao diretor de Gestão Comercial e Marketing, Octavio R. Lebarbenchon Neto, o reitor frisou que a parceria vem se mostrando boa para os dois lados, suprindo, na sua opinião, de forma adequada as necessidades e demandas da comunidade universitária.

O vice-reitor Carlos Alberto Justo da Silva (o Paraná) aproveitou para sustentar a importância da qualidade do serviço. Para ele, os resultados do modelo de parceria derrubam preconceitos e resistências. “A Unimed mais perto dos usuários ajuda a construir uma relação de confiança e produz uma avaliação positiva no conjunto da Universidade”, assinalou.

Lebarbenchon Neto, prestigiado no ato por mais três gestores da Unimed, constatou na parceria com a UFSC uma mudança de paradigma. “Saímos do modelo tradicional. A inovação é total, porque mudamos para uma parceria direta, deslocando-nos para onde os fatos acontecem”, resumiu. Ele estava escudado pelo gerente do Departamento de Relacionamento Corporativo, Ricardo Tiago Deeke, pelo gestor corporativo Luiz Messias Neto e pelo supervisor de relacionamento corporativo Eduardo Pedrini.

O pró-reitor Luiz Henrique Vieira e Silva entende que a Unimed, ao adotar uma postura pró-ativa, deu uma nova face ao campus. A exemplo de outros eventos, a equipe da Pró-Reitoria de Desenvolvimento Humano e Social da UFSC compareceu em peso, sendo seu trabalho e dedicação referenciados pelo reitor Alvaro Prata.

Luiz Henrique ainda fez questão de salientar a integração com a Secretaria de Cultura e Arte (SeCArte), através do Departamento de Cultura e Eventos, que cedeu espaço para a saúde.  Na estimativa dos dirigentes da Unimed, “o contrato com a UFSC dá conta de 13 mil vidas”. A instalação de um Centro de Pronto Atendimento no bairro da Trindade, onde fica a UFSC, faria parte da estratégia de atender melhor à comunidade universitária. A Unimed sonha inaugurar o novo serviço ainda no primeiro semestre.

Mais informações: (48) 3721-9030

Por Moacir Loth / Diretor da Agecom

Conferência e exposição fotográfica traz impressões sobre a África

25/03/2011 18:49

Um pouco da visão de Osíris Duarte sobre o continente africano será compartilhada nesta terça, 29/03, às 18h30, no Auditório do Sintufsc: o seminário Nosso eu Africano – Uma viagem particular pela realidade da África sintetiza os vinte e dois dias em que o jornalista e fotógrafo visitou Senegal, Cabo Verde e Guiné Bissau.

O objetivo da viagem, segundo Osíris, era bem claro: contar histórias através de cobertura jornalística do Fórum Social Mundial de 2011 para sindicatos catarinenses. “A África é um continente com uma das maiores diversidades do planeta, em termos étnicos, culturais e religiosos. Sendo assim, seria impossível não trazer na bagagem, além das fotos e souvenirs, um monte de histórias curiosas, peculiares, interessantes e informativas”, atesta.

Serviço:

O quê: Seminário: Nosso eu Africano – Uma viagem particular pela realidade da África
Quando: Terça-feira, dia 29 de março, às 18h30.
Onde: Auditório do Sintufsc, Rua R. João Pio Duarte da Silva, 241 – C.Postal 5130 – Córrego Grande – Florianópolis/SC – CEP 88040-970
Quem: Osíris Duarte é jornalista profissional, Bacharel em Comunicação Social com habilitação em jornalismo pela Universidade do Vale do Itajaí em 2005, fotógrafo, blogueiro e assessor de imprensa do Sindicato dos Bancários de Florianópolis e Região.

Informações: 3234-2822 e 3234-3154 e .

Massimo Canevacci abre série “Museu em Curso”

25/03/2011 15:32

O antropólogo italiano Massimo Canevacci abre, na terça-feira, 29, o primeiro evento do ciclo de debates  ´O Pensamento no Século XXI` e da série ´Museu em Curso` deste ano. A conferência “O Museu no Século XXI” ocorrerá das 16 às 18 horas, no auditório do Museu Universitário Professor Oswaldo Rodrigues Cabral, na UFSC, em parceria com a Secretaria de Cultura e Arte (SecArte), Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PRPG) e Associação dos Amigos do Museu. Professor da Facultade Scienze della Comunicazione “La Sapienza”, de Roma, e professor visitante da UFSC, Canevacci abordará as possibilidades de apropriação das tecnologias digitais na representação da cultura urbana e na arquitetura contemporânea.

Referência internacional na área de comunicação museal, Canevacci atua desde 1984 no Brasil como pesquisador convidado para desenvolver pesquisas, conferências e cursos em universidades. Sua pesquisa, orientação didática e publicações se desenvolvem em torno da comunicação visual, arte digital, etnografia urbana e indígena, culturas da juventude, antropologia teórica e trocas entre antropologia e outras áreas do conhecimento. Atualmente coordena o projeto Carpe-Code, sobre metrópole comunicacional, design expandido, etnografia ubíqua e realidade aumentada.

Autor de A cidade polifônica, da Studio Nobel (1993), considerada uma obra fundamental para compreender a antropologia urbana através da mídia e da arquitetura, Canevacci dirigiu até 2001 a revista Avatar de etnografia, comunicação e arte visuais. Também publicou Comunicação Visual, pela Brasiliense, Fetichismos Visuais, da Ed. Atelier; Sincretismos, uma exploração das hibridações culturais, da Studio Nobel e Culturas Extremas, da DpA. Em processo de tradução no Brasil pela editora Annablume, escreveu La linea di polvere, publicado em Roma pela Meltemi (2007), como fruto de pesquisa que realizou sobre a cultura dos índios Bororo.

Os projetos ´O Ciclo Pensamento no Século XXI` e ´Museu em Curso` foram concentrados em torno dessa conferência para evidenciar os desafios das instituições museológicas hoje. “Vivemos um tempo em que as mídias e as identidades se multiplicam e modificam o espaço urbano, de modo que os registros de memória e de cultura precisam levar em conta processos de identidade cada vez mais sazonais e fragmentados”, lembra a secretária de Cultura e Arte Maria de Lourdes Borges. Na continuidade do projeto Museu em Curso, a cada mês, será realizada uma palestra voltada para as diversas áreas da teoria e da prática museológica.

Serviço:

O quê: Museu em curso, palestra com Massimo Canevacci
Quando: 29 de março, das 16h às 18h
Onde: Auditório do Museu Universitário da UFSC
Quanto: Entrada franca
Informações: 48 3721-8604 ou 9325
e-mail:
Serão fornecidos certificados

Divisão de Museologia
Museu Universitário Professor Oswaldo Rodrigues Cabral – UFSC
Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima – Trindade – CEP 88.040-900 – Florianópolis – Santa Catarina – Brasil
Telefones: 48 3721-8604 / 6473 / 9325

Por Raquel Wandelli/  Jornalista na SeCarte
(048) 37219459 e 99110524

Foto: Overmundo

Representação de servidores técnico-administrativos no Conselho Universitário

25/03/2011 10:43

A Pró-Reitoria de Desenvolvimento Humano e Social (PRDHS) divulgou o Edital nº 001/PRDHS/2011 que convoca e abre inscrições para eleição dos representantes dos servidores técnico-administrativos em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) no Conselho Universitário.

As inscrições dos candidatos devem ser feitas na Secretaria Geral dos Órgãos Deliberativos Centrais, no térreo da Reitoria, até 29 de março, das 8h às 12h e das 14h às 18h, sendo no dia 29/3 até às 17 horas. A eleição ocorre no dia 5 de abril.

Mais informações: (48) 3721-9030 ou  .

Feira de Livros da UFSC promove novos lançamentos até 8 de abril

25/03/2011 10:17

Shakespeare, Linda Hutcheon, Paul Claval, Agamben, Silveira de Souza. Teatro, sociologia, geografia, filosofia, poesia, literatura. Livros de qualidade com até 70% de desconto.

Fotos: Paulo Noronha/Agecom

A Editora da UFSC lançará novos títulos de autores de importância universal até o final da Feira de Livros, que vai até o dia 8 de abril, na Praça da Cidadania da UFSC, em parceria com a Liga das Editoras Universitárias (LEU). As novidades incluem nomes de projeção universal, como Linda Hutcheon, Paul Claval, Shakespeare, além do catarinense Silveira de Souza, lançado na terça-feira (22). Aberta no dia 15 de março, a Feira está oferecendo com descontos vantajosos à comunidade o clássico “Farmacognosia”, de diversos pesquisadores brasileiros e estrangeiros, e “A Coisa Perdida: Agamben comenta Caproni”, organizado e traduzido do italiano por Aurora Bernardini, renomada tradutora e ensaísta.

Funcionando das 9h às 19 horas, exceto aos sábados e domingos, em uma tenda climatizada na Praça da Cidadania, a exposição comercializa livros com descontos entre 15 e 70% para a comunidade universitária e o público em geral. Os títulos cobrem diversos campos do conhecimento, da cultura e da arte. Fazem parte das prateleiras os melhores títulos e lançamentos de algumas das editoras universitárias de destaque do país que integram a LEU, como a EdUSP, Ed. da UFMG, da UFBA e da Unicamp.

O carro-chefe da nova safra de títulos da UFSC é o segundo volume da antologia do mestre catarinense do conto Silveira de Souza, sob o título “Ecos no Porão II”, que foi lançado como parte das comemorações do aniversário da cidade e está sendo inscrito nos Prêmios Jabuti e Brasil Telecom de Literatura como o melhor livro de contos do ano. Entre outras grandes novidades da UFSC estão “Do jeito que Você Gosta”, de Shakespeare, e “Corpo e Performances”, de Stephan Arnulf Baumgärtel, um estudo sobre as montagens dessa mesma peça, um clássico do século XX.

Na próxima semana, a EdUFSC lançará na feira “Epistemologia da Geografia”, uma obra definitiva de um dos maiores geógrafos da atualidade, o  francês Paul Claval. Na última semana, finalmente, lançará o aguardado estudo “Uma Teoria da Adaptação”, da ensaísta canadense Linda Hutcheon, uma das maiores especialistas da atualidade em cultura globalizada e pós-modernismo. “A feira não é mais uma queima de estoque, mas uma oportunidade de adquirir obras fundamentais com preços muito abaixo do mercado”, explica o diretor da EdUFSC, Sérgio Medeiros. Além dessas obras, a Editora está colocando à disposição do leitor, nesse espaço, praticamente todos os títulos do seu catálogo.

Contatos: (48) 9911-0524 – 3721-9459

Assessora de Comunicação da SeCArte/UFSC – www.secarte.ufsc.br

Espetáculo Os Rinocerontes com desconto para servidores da UFSC

24/03/2011 08:20

O espetáculo Os Rinocerontes, de Eugène Ionesco, será encenado no Teatro da Ubro ( Escadaria da Rua Pedro Soares, 15, Centro – atrás do Colégio Coração de Jesus), de 24 a 27 de março, às 20h. Com adaptação e direção de Marcello Serra, a peça é uma realização do Núcleo de Oficinas da Cia. De Arte Irreversível e Mito Produções Artísticas. Ingressos: R$ 20,00  (inteira) e R$ 10,00 (estudantes, terceira idade e classe artística). Professores e STA´s da UFSC  R$ 8,00.

(more…)

Conferência sobre literatura argentina

22/03/2011 18:20

´Modos de ver-ler-escutar a literatura (a cultura) argentina. Apontamentos a partir de um debate`. Com Analía Gerbaudo, da Universidad Nacional del Litoral (Santa Fé – Argentina). Quinta, 24/03, às 15h30, na Sala Machado de Assis, no Centro de Comunicação e Expressão (CCE). Promoção da Pós-Graduação em Literatura e do Núcleo de Estudos Literários e Culturais (Nelic).

Informações: 3721-9582, 3721-6602 ou .

UFSC oferece curso de extensão em Gestão de Acervos Museológicos

22/03/2011 17:01

Foto: Thaine Machado

Pessoas que moram no raio de três quilômetros dos museus nas cidades brasileiras são as que menos visitam o seu acervo. Essa pesquisa recente do Observatório Nacional de Estudos de Público, vinculado ao Instituto Brasileiro de Museus, mostra o quanto os acervos de memória estão desvinculados das comunidades que representam. Quanto mais próximo o cidadão mora de uma instituição museológica menos se dispõe a conhecê-la, aponta o estudo de 2009. Capacitar pessoas que atuam no setor para que os museus deixem de ser arquivos mortos da história e da cultura de uma cidade, integrando-os ao público é o objetivo do Curso de Extensão Gestão de Acervos Museológicos, que o Núcleo de Estudos Museológicos da Secretaria de Cultura e Arte da Universidade Federal de Santa Catarina oferece de 7 de abril a 16 de junho.

Com aulas sempre às quintas-feiras, das 9 às 12 horas, na sala 606A, do Centro de Ciências da Educação e carga horária de 30 horas/aula, o curso é gratuito, aberto ao público em geral, mas se direciona a alunos dos cursos de biblioteconomia, arquivologia, museologia, professores, pesquisadores e profissionais da área de museologia que querem melhorar a integração com o público. “É preciso empreender todo um esforço de gestão para atrair a comunidade e torná-lo uma instituição viva, afinal, é a referência de sua história e de sua identidade que ele representa”, explica Francisco do Vale Pereira, historiador e coordenador do Nemu.

Oferecendo 30 vagas, o curso quer fortalecer a ação educativa dos museus, aperfeiçoando as formas de interação com os diferentes públicos visitantes e ensinando não só a quantificá-los, mas principalmente a qualificá-los. “A gestão de um museu precisa considerar as diferentes linguagens de cada público, seja ele crianças de uma escola, portadores de necessidades especiais, turistas, estrangeiros, indígenas ou pesquisadores”. Será ministrado pela museóloga Rosana Andrade Dias do Nascimento, doutora em História pela UFBA; professora de História da Arte no Curso de Design da UFSC e professora convidada do curso de Mestrado em Museologia da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa, com reconhecida atuação nacional e internacional na área de Documentação Museológica, Teoria Museológica.

Em Santa Catarina são aproximadamente 200 museus no Estado que têm como principal desafio melhorar a qualidade técnica dos acervos e mostrar sua importância à população. “O melhor caminho para cumprir esse desafio é prepará-los para preservar e difundir melhor os museus, de modo que estejam mais presentes na vida das cidades”, aponta Pereira. O curso capacita os gestores a realizarem o inventário do seu acervo, a cuidarem da sua reserva técnica, restauração e conservação em laboratórios e finalmente foca na exposição ao público, mostrando as diferentes dinâmicas de apresentação do acervo. “Quanto mais um gestor conhece e administra o seu acervo, mais tem condições de transformá-lo em uma ponte de ligação e diálogo com a sociedade em torno”.

Interessados devem enviar seu nome completo e CPF para o e-mail , ou entrar em contato pelo telefone: 3721 6318 / 9114 4477.

Programa:

  1. Conceito de Documento
  1. Documentação
    1. Definição básica;
    2. Documentação: na Museologia, na Biblioteconomia e na Arquivologia;
    3. A interdisciplinaridade e a documentação museológica.
  1. A Documentação Museológica: procedimentos de aquisição
    1. Ética de Aquisição;
    2. Políticas de Aquisição;
    3. Tipos de Aquisição;
    4. Documentação provisória para aquisição.
  1. Documentação Técnica Museológica
    1. Sistema de numeração;
    2. Procedimentos de marcação;
    3. Inventário;
    4. Sistema de Fichas: de Identificação, de Localização com Planta baixa, de Conservação;
  1. Diagnóstico de acervo.
  1. Banco de dados para acervos de museus.

Contatos: (48) 99110524 – 37219459

assessora de Comunicação da SeCArte/UFSC

UFSC vai participar da Semana Municipal do Livro Infantil

18/03/2011 19:45

Entre os dias 12 e 18 de abril serárealizada, em Florianópolis, a Semana Municipal do Livro Infantil, promovida pela Secretaria Municipal da Capital. Dentre os parceiros do evento, está a UFSC, que irá sediar, no dia 15 de abril, o 4° Seminário de Literatura Infantil e Juvenil:  “A leitura literária e a formação de leitores e mediadores de leitura”, no auditório do Centro de Ciências da Educação (CED) . No evento, a professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Glória Kirinus, fará a palestra “Quando os poetas pensam a Educação”, às 9h. O Seminário contemplará, também, a apresentação do Projeto Clube da Leitura: a gente catarinense em foco, da Secretaria de Educação de Florianópolis, às 14h.

Duranteo toda a Semana Municipal do Livro estão previstos lançamentos de obras, varal literário, diversas oficinas, espetáculos musicais e de contação de histórias, além de teatro.

O evento foi instituído em 2010, pela lei 8.125, para ser realizado na semana que abranger o dia 18 de abril, Dia Nacional do Livro e Dia do Nascimento do Escritor Monteiro Lobato. As escolas básicas e desdobradas da rede municipal de ensino estarão recebendo espetáculos promovidos pelo SESC. Um exemplo é o “Baú de histórias infantis”, formado por pequenos contos, histórias e poemas intercalados com músicas. Outra atração será “Estórias do meu planetinha”, que contempla contos com reflexões sobre o cuidado com o meio ambiente e o futuro dos seres vivos. No SESC Prainha haverá várias apresentações artístico-culturais pela manhã e à tarde, com entrada gratuita para as unidades educativas.

A Praça XV de Novembro será palco de um varal literário com poemas e crônicas. Os textos serão produzidos por crianças, adolescentes e profissionais das unidades educativas do município. Haverá também um varal literário na região do continente, promovido pela Biblioteca Pública Municipal Barreiros Filho, com produções das crianças que participarem das atividades no local durante a Semana.

Frankolino

Mesclando teatro de animação, contação de história e música, o espetáculo Causos do Frankolino entrelaça realidade e ficção para levar ao público histórias do imaginário popular relacionadas às crenças e costumes da herança cultural açoriana.

Durante a Semana do Livro, o espetáculo, baseado nas pesquisas do professor e folclorista Franklin Cascaes, será apresentado gratuitamente no Terminal de Integração do Centro (Ticen) e na Praça XV de Novembro. A promoção é da Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes. A narrativa é conduzida pelo boneco Frankolino, manipulado pela atriz e arte-educadora Andréa Rihl, e conta com apoio da atriz e musicista Carina Scheibe, do grupo de teatro Jabuti de Florianópolis.

Barca dos Livros

Na Lagoa da Conceição, a Biblioteca Barca dos livros receberá estudantes para sessões de leitura e narração de histórias. No local haverá ainda Oficina de Soldadinho de Papel e grupos de conversação em inglês, francês, espanhol, italiano, e alemão.

Calçada da Criança

Ao lado Catedral Metropolitana, a Rua Padre Miguelinho será transformada na Calçada da Criança, no dia 14 de abril, à tarde. Neste espaço lúdico haverá oficina de montagem de personagens em argila, a partir da obra Brincadeiras
Infantis na Ilha de Santa Catarina, da escritora Telma Piacentini.

Lançamento de livros

Na Câmara Municipal de Vereadores serão lançados dois livros. “É Tempo de Pão por Deus”, de Eliane Debus, marcado para o dia 14 de abril.  Com tradução de Tabajara Ruas e ilustração de Jandira Lorenz, no dia 18 de abril, será relançado “O Perseverante Soldadinho de Chumbo”, de Hans Christian Andersen.

Oficinas

O Núcleo de Tecnologia Municipal, ligado á Secretaria de Educação, estará realizando três oficinas para educadores de todas as redes de ensino. Uma delas é sobre Histórias em Quadrinhos e outra a respeito de Radionovela com base na literatura infantil.  A terceira oficina é de Brinquedos Óticos. As inscrições devem ser feitas pelo telefone 2106-5909 ou pelo endereço eletrônico: .

A Biblioteca Central da SME também realizará oficina de Contação de Histórias, com 25 vagas para bibliotecários, professores, auxiliares de ensino e auxiliares de sala. As Inscrições pelo telefone 2106-5907.

Na Biblioteca Municipal Barreiros Filho, no Bairro de Fátima, ocorrerá diversas atividades: exposição de livros e fotos, contação de histórias, varal literário, cinemateca, confecção de livros e teatro de fantoches.

O SESC de Santa Catarina é correalizador do evento. São parceiros da iniciativa a Fundação Franklin Cascaes, Barca dos Livros, Universidade Federal de Santa Catarina, Biblioteca Municipal Barreiros Filhos e unidades educativas.

Mais informações: Heliete S. Millack (Coordenadora da Semana Municipal do Livro): 2106-5911 e 9118-3923 ou na página do evento.

Representação de servidores técnico-administrativos no Conselho Universitário

18/03/2011 19:25

A Pró-Reitoria de Desenvolvimento Humano e Social (PRDHS) divulgou o Edital nº 001/PRDHS/2011 que convoca e abre inscrições para eleição dos representantes dos servidores técnico-administrativos em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) no Conselho Universitário.

As inscrições dos candidatos devem ser feitas na Secretaria Geral dos Órgãos Deliberativos Centrais, no térreo da Reitoria, até 29 de março, das 8h às 12h e das 14h às 18h, sendo no dia 29/3 até às 17 horas. A eleição ocorre no dia 5 de abril.

Mais informações: (48) 3721-9030 ou  .

Chega às bancas Ecos no Porão, obra maior de Silveira de Souza

18/03/2011 19:03
Florianópolis é o cenário para uma legião de homenzinhos fazendo cooper com calções esdrúxulos, tristes velhos pederastas, velhinhos trovadores, desempregados, avozinhas, solteironas, aposentados, enfim, habitantes da vizinhança da Ilha onde pulsa um coração decrépito, murchando para a vida, que pode ser acordado de súbito por um pequeno incidente, a fuga de um canário ou uma rajada de vento. Mas Florianópolis não é mero pretexto para o quase octogenário escritor Silveira de Souza descrever o local onde nasceu e viveu. Mais do que isso, a Ilha é o “mundinho” onde se constituem essas “figurinhas ridículas” e apaixonantes do grotesco que vão ganhar dramaticidade e lirismo em Ecos no Porão, o segundo volume da antologia de contos de Silveira, que a Secretaria de Cultura e Arte e a Editora da Universidade Federal de Santa Catarina lançam na próxima terça-feira, dia 22 de março, às 10 horas, com a presença do autor, durante a Feira de Livros da UFSC e Liga das Editoras Universitárias, na Praça da Cidadania.

Esses habitantes ao mesmo tempo ordinários e excêntricos dos porões da ficção de Silveira, que podem estar no café, na Beira-Mar, na Praça XV, no Calçadão ou em quarto de hotel, carregam um traço em comum: todos experimentam o vazio da existência. Mas ao longo das 137 páginas são surpreendidos no automatismo banal do seu dia a dia urbano por sutis acontecimentos que anunciam possibilidades de passarem do mundinho para o “mundão” e conhecerem uma dimensão mais sublime da vida. E o que produz o acesso ao mundão? Uma sinfonia de Bethoven, um sonho ou um pesadelo, uma emoção inesperada, uma cena da memória, um abalroamento de carro, enfim, interferências mais ou menos perceptíveis que alteram o estado de coisas e, como em um poema hai kai, sugerem uma revelação.

Nem sempre os seres da Ilha percebem essas epifanias cujo deslinde o autor deixa a cargo da perspicácia e prazer do leitor, como anota bem o editor da obra, Sérgio Medeiros Vieira. “Em geral essas mudanças provocam os personagens momentaneamente, levando-os para a absoluta estranheza, mas não chegam a arrancá-los em definitivo do seu mundinho”, diz o diretor da Editora, que chama atenção para a delicadeza e a sofisticação da obra. É como se as possibilidades de sair do vazio estivessem por toda parte, mas os habitantes não se dispusessem a enxergá-las.

A exemplo do primeiro volume, Ecos no Porão II traz na capa a ilustração de um grande artista plástico catarinense, neste caso uma instalação de Fernando Lindote. Em papel pólen, a obra reúne três seleções do próprio autor dos livros Canário de assobio (1985), Relatos escolhidos (1988), Contas de vidro (2002) e ainda cinco contos inéditos, entre eles a narrativa metalinguística “Ecos no porão”, que dá nome à obra e traduz uma metáfora de Silveira para as deformações estilísticas da leitura dos escritores clássicos que inundam seu imaginário desde os dez anos de idade. Vendidas com desconto de 50% durante a Feira EdUFSC/LEU (R$ 15,00), que se estende até o dia 8 de abril, na Praça da Cidadania, os dois volumes apresentam-se, assim, no crivo do escritor e do editor, como o melhor da safra de Silveira.

Os personagens velhos passeiam por grande parte dos contos, mas assumem uma expressividade absoluta em “Vidraças partidas”, onde a decrepitude ganha um lirismo refinado na tentativa de sublimar o vazio através do amor sexual por um jovem. Todavia, em “O olho de Deus”, uma carta assinada aos efebos por mais um velho – funcionário público – aturdido pelo vazio, Silveira alcança um domínio da linguagem que fica à altura da ironia de Franz Kafka no conto “Convenção à Academia”.

Volta e meia Paulo, uma espécie de superego do autor passeia pelas narrativas. Ele mesmo um senhor de baixa estatura e calvo, e conversa franca e elevada, como o homenzinho de “olhinhos afiados” e “face rechonchuda” do conto “He, He, He, He!”, da coletânea Contas de vidro. Como se acometido de uma inspiração sublime, o baixote interrompe a reunião de engravatados executivos encafifados com o planejamento publicitário da empresa para contar um episódio bizarrísimo envolvendo os índios e índias tupinambás e Jean de Léry, missionário francês que narrou sua visita ao país por volta de 1557 na obra Le voyage au Brésil. Em seu relato aparentemente nonsense, o homenzinho exalta “um canto sublime, de extraordinária beleza”, que se produz inicialmente de um murmurante “he, he, he” entre os varões da tribo e contagia o coro das mulheres até assumir a proporção de um canto catártico. O personagem é calado pela perplexidade desdenhosa dos executivos, que retomam sua reunião sem se dar conta do caráter revelador da intempestiva história.

E assim, com sua habilidade inigualável com a língua, uma boa dose de humor e ironia e um olhar lírico para o grotesco, Silveira parece rir-se baixinho ao final de cada história onde reside uma possibilidade de revelação que nunca se entrega sem esforço do leitor… E é como se ouvíssimos os ecos longínquos do seu “he, he, he…” por trás de cada um dos 28 contos.

ENTREVISTA

A Ilha e seus habitantes na ficção de Silveira de Souza

Considerado pelo escritor Salim Miguel um dos maiores contistas brasileiros da atualidade, Silveira publicou O cavalo em chamas (Ática 1981) e Janela de varrer (Bernúncia, 2006). Como contista e tradutor de autores universais, participou ativamente do Grupo Sul, movimento que trouxe o Modernismo para Santa Catarina nos anos 40 e 50.  Aposentado do serviço público, desenvolveu sua carreira literária em meio à rotina de diversas funções, de professor de matemática do Instituto Estadual de Educação e da Escola Técnica Federal de Santa Catarina, a diretor da Divisão de Informação e Divulgação do Departamento de Extensão Cultural da UFSC. Também atuou no setor de editoração da Fundação Catarinense de Cultura como coordenador das Edições FCC. De mãos ágeis e tão falantes quanto seus contos, mais falantes do que ele próprio, Silveira, concedeu esta entrevista:

O que norteou esta seleção de contos do segundo volume de  Ecos no Porão e o que a diferencia do anterior?

– O plano geral que norteou a preparação de Ecos no Porão, volumes I e II, foi proporcionar uma seleção dos que considero meus melhores textos publicados em livros, desde 1960 até o presente. A única pequena diferença que existe no segundo volume, em relação ao primeiro, é que ele contém alguns relatos inéditos e outros que fizeram parte de coletâneas com outros autores.

Percebe-se em todos os contos uma consciente localização do cenário de Florianópolis que vai muito além do mero retrato ou panorama da cidade pelo escritor. Em que tipo de intenção estética se inscreve essa presença geográfica de Florianópolis na sua ficção?

– De fato, Florianópolis é o cenário de todos os relatos. Por não se tratar de um guia turístico, mas de um livro de ficção literária, o leitor não vai encontrar descrições pormenorizadas ou exaltações entusiásticas a respeito de suas paisagens e recantos pitorescos. O que existe são apenas brevíssimas indicações dessa geografia, integradas à ação e à mente dos personagens. Foi minha intenção que esses personagens se comportassem como habitantes de uma ilha, que a ilha fosse, indireta ou inconscientemente, um componente importante de sua psicologia. Creio que isso diferencia um tanto os meus relatos dos relatos de autores de outros estados.

Alguns elementos naturais marcantes de Florianópolis também são recorrentes na narrativa, como o vento, o mar, as aves. Parece que você dá aos elementos inumanos uma vida e uma participação muito mais específica e marcante do que a de mero cenário para expressão do universo humano…

– Pode ser algo ilusório, mas sempre achei que as ilhas, e em especial a nossa Ilha de SC, propiciam uma aproximação maior do universo humano com outros universos, como o universo de seres inumanos (o mar, os ventos) e o universo de outros viventes, como os peixes, as aves, os insetos, os pássaros, as árvores e os bosques.

Apesar da aparente banalidade de suas vidas, os personagens sempre ganham a possibilidade de uma anunciação ou de uma revelação. Nem sempre se dão conta dessas possibilidades e nem sempre elas têm a força de arrancá-los do seu mundinho… O que você diz sobre isso?

– Na verdade não sei se a minha vida é banal, ou se o mundo de minha literatura é banal. Faz algum tempo que deixei de qualificar as coisas. Quando às vezes tento fazer uma retrospectiva da minha vida até o momento, me dou conta que ela foi pontilhada de fases diversas e até mesmo contraditórias; uma, extremamente tumultuada, com muita bebida, fumaça, cortinas vermelhas e anarquias boêmias; outra (como na infância) cheia de descobertas maravilhosas; outra, tediosa e presa às obrigações sem muito sentido, que eu precisei encarar para poder comprar, como disse certa vez Tom Jobim, “o uisquinho das crianças”; e ainda outra (como presentemente), tranquila e voltada para o estudo e a meditação. Mas, banal ou não, houve algo em todas essas fases que me salvou de um mergulho na mediocridade absoluta: um interesse pela criação literária, que me acompanha desde a infância. Quanto a meus relatos literários os personagens em geral vivem nesse mundinho, sem heroísmos, sendo muitas vezes surpreendidos por (para eles) estranhas ocorrências que podem despertá-los para uma dimensão de suas vidas antes desconhecida.

Ainda que voltado para as delicadezas da existência e da alma, os contos sempre iniciam com cenas concretas, personagens que têm vida corpórea própria, para que depois se deem as abstrações e possibilidades de reflexões filosóficas. Está aí uma escolha estética consciente?

No meu caso, não houve escolha. O modo como escrevo os meus relatos foi nascendo naturalmente, seja como resultado de constante exercício, seja como uma visão muito pessoal do mundo (e da criação literária ou da criação de modo geral), que foi nascendo com a vivência e com as impressões causadas no contato com obras de grandes ficcionistas, com pinturas, músicas, revistas diversas, cinema, paisagens, pessoas, bichos, mil coisas.

- E qual o lugar da velhice nos seus contos. Pode comentar que traço há em comum nesses personagens aparentemente reféns da solidão e da decrepitude?

O velho do conto Vidraças partidas (que considero o meu  conto melhor realizado) é um caso especial. Ele existiu, costumava passear pela Felipe Schmidt, de terno e gravata, nos anos 1960, usando um chapéu de feltro. Pensei nele, na sua figura, quando pintou o tema do relato, uma experiência de extrair algo lírico de um comportamento que normalmente se julga degradante.

Você  faz uma literatura ao mesmo tempo densa e econômica, como poucos contistas. Como chegou a essa síntese e que autores o influenciaram nessa escolha estética?

– Harold Bloom escreveu que toda a escritura é uma espécie de releitura. Se ele estiver certo, devo dizer que leio desde os dez anos de idade (estou hoje beirando os 78). Em todo esse tempo, passei por períodos de leitura em que determinado autor, às vezes determinados autores, monopolizavam a minha preferência. Posso citar alguns deles: Monteiro Lobato e Hans Christian Andersen, lá entre os dez e 12 anos. Depois, com o tempo, foram surgindo: Machado de Assis, Anton Checov, Dostoievski, Clarice Lispector, Kafka, Dyonélio Machado, Joseph Conrad, James Joyce, Thomas Mann, William Faulkner, Guimarães Rosa, Cortazar, Jorge Luis Borges, H.P. Lovecraft e mais alguns outros. Nem vamos falar de poetas, de compositores, de alguns desenhistas e pintores, e de alguns diretores de cinema. É provável que todos eles, de algum modo, tenham deixado alguma marca, numa frase, na estruturação de uma determinada estória, na caracterização de um dado personagem. Mas essa é uma praia para os críticos literários.

Alguns escritores, como Salim Miguel, o consideram o maior escritor catarinense da atualidade e um dos melhores contistas do Brasil. O que pensa disso?

– Não tenho como responder a isso. Mas devo dizer que, desde 1960, quando publiquei O Vigia e a Cidade, até agora, o propósito real ao escrever os meus relatos foi conseguir realizar algo que me satisfizesse interiormente, do ponto de vista de uma criação estético-literária. Nunca me interessou ser, como autor, maior ou menor, principalmente num momento em que Santa Catarina tem, residindo aqui e fora daqui, um conjunto de poetas e escritores de primeira linha, como o próprio Salim.

Texto e entrevista: Raquel Wandelli – assessora de comunicação da SeCArte/UFSC

e

Fones: 37219459 e 99110524

www.secarte.ufsc.br e www.ufsc.br

Conselho Universitário tem sessão extraordinária na terça

18/03/2011 18:40

O Conselho Universitário realizará sessão extraordinária na próxima terça, 22/03, às 8h30, com as seguintes pautas:

- Apreciação e aprovação das atas das sessões extraordinária e especial realizadas em 1º de março de 2011;

- Apreciação e aprovação da Prestação de Contas da Universidade, referente à 2010;

- Informes gerais.

A sessão acontece na sala professor Ayrton Roberto de Oliveira, no prédio da Reitoria, e poderá ser acompanhada ao vivo pela internet: http://150.162.3.12/conselho

Informações: www.conselhos.ufsc.br, ou (48) 3721-9522/ 3721-4916 ou 3721-9661.