UFSC sedia em abril congresso sobre medicina de família e comunidade

26/03/2012 07:48

O Centro de Eventos da UFSC recebe entre os dias 25 a 28 de abril o “III Congresso Sul-Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade” e o “I Seminário Nacional de Comunicação Clínica”. O evento consolida a medicina de família e comunidade na Atenção Primária a Saúde (APS) e tem como tema central a Comunicação Clínica, habilidade fundamental para compreender a demanda de quem necessita de atendimento.

Na programação estão palestrantes nacionais e internacionais, além de atividades culturais, como concurso de contos, fotos e de vídeos, entre outras. O evento é realizado pela Associação Catarinense de Medicina de Família e Comunidade, e é  promovido pelas Associações Catarinense, Paranaense e Gaúcha de Medicina de Família e Comunidade, com apoio institucional da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade junto com a Universidade Federal de Santa Catarina.

Inscrições e mais informações: http://www.sulbrasileiromfc.com.br/index.php

Vestibular 2012: UFSC divulga quinta chamada de calouros e remanejados

22/03/2012 18:02

O Departamento de Administração Escolar da Universidade Federal de Santa Catarina (DAE/UFSC) divulgou nesta quinta-feira, dia 22 de março, dois editais: o  nº 13/GD/DAE/2012, referente à quinta chamada de calouros 2012 remanejados, e o Edital nº 14/GD/DAE/2012 , que traz a quinta chamada de calouros 2012.

Os candidatos remanejados devem comparecer à Coordenadoria de seu respectivo curso para iniciar as aulas no primeiro semestre letivo de 2012.

Os candidatos convocados na quinta chamada devem realizar a matrícula no período de 26 a 27 de março,  munidos da documentação exigida. O local da matrícula será no campus correspondente à classificação do aluno e na respectiva Coordenadoria do Curso, das 8h às 12h, e das 14h às 18h.

Mais informações pelos telefones do DAE: (48) 3721-9707, 3721-9331 e 3721-6553 ou pelo site www.dae.ufsc.br

 

 

Shakespeare fará público sonhar acordado no Bosque da UFSC

22/03/2012 17:57

Foto: Larissa Nowak

Alunos formandos do curso de Artes Cênicas da UFSC realizam no dia 25 de março, às 18 horas, no Bosque do Planetário, apresentação única da comédia de Shakespeare com adaptação voltada para o ar livre


No pôr do sol do domingo de 25 de março, às 18 horas, 25 alunos e profissionais de teatro levarão ao Bosque do Planetário da UFSC a montagem de Sonho de uma Noite de Verão dentro da pauta da Maratona Cultural. Celebração ao amor, à arte e à estação do verão, a comédia onírica mais famosa de Shakespeare fará o público se deslocar por diferentes cenários na floresta e sonhar acordado em um mundo de elfos, fadas, artesãos e nobres. Com entrada franca e aberta à comunidade externa, a peça aposta em uma adaptação pouco comum para teatro de rua itinerante, privilegiando o público infantil e adolescente, mas também encantou adultos em sua estreia em dezembro do ano passado.
Fruto da iniciativa de cinco formandos que fizeram dessa montagem o objeto de seu trabalho de conclusão de curso, Sonho de uma noite de verão faz parte do Projeto Shakespeare no Bosque, uma iniciativa da Secretaria de Cultura e Arte da UFSC e Curso de Artes Cênicas. A montagem é a segunda grande produção da primeira turma do Curso, que estreou a peça em dezembro passado, na chegada do verão. (A primeira produção foi Setembro, que aborda as consequências do ataque às Torres Gêmeas na instauração de uma nova ordem biopolítica de opressão). Para os alunos recém-formados, encenar ao ar livre a peça do dramaturgo inglês mais assistida e apreciada de todos os tempos foi também a realização de um grande sonho pessoal e profissional, lembra Rodrigo Carrazoni, que faz os personagens Píramo e Novelo.
No elenco, atuam 25 atores, a maioria deles alunos de Artes Cênicas e alguns atores profissionais convidados. Quem entrar no Planetário pelo acesso da Elase, no Pantanal, poderá avistar o palco sobre o Bosque e sob o céu estrelado, bem ao modo de Shakespeare no século XVII. Além de Carrazoni, que é responsável também pela preparação dos personagens humanos e Vera Lúcia Ferreira, que faz o divertido elfo Puck e é responsável pela adaptação do texto, integram o grupo de diretores os formandos, Janine Fritzen (maquiagem), Maria Luiza Iuaquim Leite (direção de arte e produção); Elise Schmitausen Schmiegelow (preparação dos personagens fantásticos). Durante mais de um ano eles trabalharam na montagem, dirigida por Márcio Cabral também aluno de Artes Cênicas, mas já com experiência profissional.
Ao escolher a abordagem estética, o Grupo do Sonho, que se formou em torno da montagem, valorizou a reflexão shakespeariana sobre o universo do imaginário, mostrando como os seres mágicos participam na realização de sonhos, e como o sonhador burla os obstáculos que lhe são impostos. O belo e o fantástico; o sonho e a realidade são os inspiradores, enfatiza Carrazoni. Sonhos, brincadeiras, intrigas, atrapalhação, poções mágicas que apaixonam o coração errado, e finalmente, entendimentos amorosos. Sonho de uma Noite de Verão é uma comédia de amor que conta a história de quatro casais enamorados e a deliciosa confusão de sentimentos e conflitos gerados na busca do amor.
TELEFONES PARA CONTATO:
(48) 32445027 – Falar com Vera
(48) 99132924 / 33047940 – Falar com Maria Luiza
(48) 96273777 – Rodrigo Carrazoni
(48) 3371-1733 e  9650-6190 – Márcio Cabral (diretor geral)
TEXTO E DIVULGAÇÃO:
Raquel Wandelli,
Jornalista na SeCArte/UFSC
Fones: 37218729 e 99110524
Shakespeare no Bosque faz público
sonhar acordado no meio da floresta
(depoimento sobre a estreia, em dezembro de 2011)
Nesse final de semana de quase verão, o público teve a oportunidade de participar da encenação de Sonho de uma noite de verão, de Shakespeare, no Bosque do Planetário da Universidade Federal de Santa Catarina pelo Grupo do Sonho, do Curso de Artes Cênicas. Foi um acontecimento teatral inesquecível e inusitado, que transportou a plateia pelo meio da floresta para três noites de sonho, amor, riso e magia.
O espetáculo apresenta uma diversidade de cenários, uma produção sonora, uma riqueza de personagens e figurinos que faz mergulhar no universo onírico de Shakespeare suspendendo as convenções sobre o que separa a imaginação da realidade. A iluminação e o colorido na floresta criam um clima de mistério e fantasia que faz o público reviver esse sonho shakespeariano como se também estivesse sonhando acordado.
As apresentações, que iniciaram na sexta-feira (2/12), tiveram um público surpreendente: integrados à narrativa, adultos, adolescentes e crianças caminham por todo o bosque atrás dos personagens que durante a peça se deslocam para diferentes cenários e palcos ao ar livre. Fadas, elfos, animais, seres encantados se misturam aos seres e sons do ambiente natural, como as borboletas, cigarras, pirilampos. Ao final de duas horas de narrativa, a plateia, ovacionou os atores de pé, dirigindo-lhe palavras de apoio e entusiasmo.
Realizado por cinco formandos da primeira turma de Artes Cênicas da UFSC com envolvimento de 32 estudantes e atores do curso e apoio da Secretaria de Cultura e Arte, Sonho de uma Noite de Verão é uma forma poética e engraçada de celebrar a chegada do verão. Sob a direção de Márcio Cabral, o Grupo do Sonho cria uma experiência artística marcante para crianças e adolescentes sobre a força do sonho e do imaginário.
Raquel Wandelli, jornalista (SeCArte/UFSC)

TV UFSC homenageia Florianópolis no seu aniversário de 286 anos

22/03/2012 17:38

Cena de "Desterro", de Eduardo Paredes

A programação especial dessa sexta-feira traz várias produções que mostram a natureza, a história e a vida contemporânea da capital catarinense. A estreia é “Desterro”, de Eduardo Paredes. O filme, de 18 minutos, lembra o episódio de 1894, após o sufocamento da revolução federalista no Sul do País, contra o presidente Floriano Peixoto. Ele então inicia um processo violente de repressão contra os revoltosos e a população de Desterro, nome que batizava a cidade na época, é aterrorizada pelos fuzilamentos na Fortaleza de Anhatomirim, que incluem diversas personalidades conhecidas e destacadas.O filme ganhou o prêmio de melhor fotografia em curta-metragem no Festival de Gramado, em 1992. Vai ao ar as 23h, com reprises às 22h de sábado e à meia-noite de domingo para segunda-feira.

Anhatomirim é uma das fortificações mostradas no documentário “Fortalezas da Ilha de Santa Catarina”, de Tatiana Kviatkoski. O documentário conta a história das construções do Sistema de defesa da Ilha de Santa Catarina no século XVIII, com os conflitos entre Espanha e Portugal como motivação e pano de fundo. O destaque são as construções projetadas pelo Brigadeiro José da Silva Paes: Santa Cruz, na ilha de Anhatomirim, São José da Ponta Grossa, na Ilha de Santa Catarina, Santo Antonio, na ilha de Ratones Grande, e Nossa Senhora da Conceição, na Ilha de Araçatuba. Além do processo histórico, também é mostrada a recuperação, pela UFSC, deste patrimônio histórico e a reabertura para visitação pela comunidade. Ao meio-dia.

Próxima à Ilha de Anhatomirim e à de Santa Catarina, fica a Enseada dos Currais, região do litoral conhecida como Baía dos Golfinhos. É esse o nome do documentário de GUstavo Cabral Vaz apresentado como TCC do Curso de Jornalismo em 1998.Hoje o local é um dos mais procurados no roteiro de escunas que levam turistas na expectativa de observar os mamíferos marinhos. Exibição às 10h.

A descoberta, em 2003, de filmes do final da década de 1930 e início da de 1940, que estavam no porão da casa que pertenceu por anos a Carl Hoepcke, na esquina das ruas Bocaiúva e Trompowsky, mostra a Florianópolis daquela época. Revela também a primeira cineasta catarinense, Edla von Wangenheim.

“Volta à Ilha em 16mm”, de Luiz Tasso Neto, que vai ao ar às 22h, utiliza essas imagens e informações históricas para revisitar esse período da história catarinense.

Os registros de Edla são parte importante de três outras produções: “Bocaiúva 42” será exibido às 22h30min. No Centro de Florianópolis, no endereço que dá nome ao fime, morava no século passado a família dela, das mais bem-relacionadas entre a cidade. O imóvel, que ficou conhecido como Casa do Barão (referência ao marido dela, o Barão Dietrich von Wangenheim),  hoje faz parte de um centro comercial e ainda é ponto de referência. O documentário de 2006, produzido por Rafael Alves e Vivian Beltrame Awad como trabalho de conclusão do Curso de Jornalismo, recupera imagens feitas entre as décadas de 1920 e 1940 pela família von Wangenheim e histórias do cotidiano da Capital, especialmente entre os descendentes de alemães, incluindo as dificuldades vividas no período da Segunda Guerra Mundial.

As imagens da pesca da baleia, também captadas por ela, fazem parte de “Armações”, Trabalho de Conclusão de Curso de Jornalismo de Rafael Carvalho e Dilson Branco, que mostram as vilas e povos que se dedicaram à caça da baleia no litoral catarinense. Além de contar as histórias da atividade e sua importância para a economia local, eles  tiveram oportunidade de produzir o óleo da baleia e constatar o benefício de sua utilização nas construções da época. O horário de exibição é 16h.

Às 23h30min, o documentário “Carl Hoepcke”, de Daiane Cristina Fagundes relembra o imigrante alemão que se tornou figura decisiva na industrialização da cidade que ainda se chamava Desterro quando ele chegou aqui, aos 22 anos, e onde morou até sua morte, em 1924. Parentes, pesquisadores e historiadores lembram como era a capital catarinense que ele encontrou no final do século XIX, após passar três anos na Colônia Blumenau e sua trajetória de empreendedor no comércio, indústria, navegação, até chegar a cônsul alemão e dono de um dos maiores conglomerados empresariais do Sul do Brasil.

O poeta Cruz e Sousa, catarinense reconhecido como maior simbolista do Brasil, foi assunto do UFSC Entrevista especial durante as comemorações dos 150 anos de seu nascimento, em novembro de 2011, com a escritora Eglê Malheiros e o cineasta Sylvio Back. Além de ensaios e críticas a respeito de Cruz e Sousa, Eglê escreveu também a peça “Vozes Veladas”, em torno da biografia trágica do poeta. Encenada em 1996 pelo grupo Pesquisa Teatro Novo e dirigida por Carmem Fossari, conquistou naquele ano o prêmio de Melhor Espetáculo, concedido pela União Brasileira de Escritores. Back é autor do longa-metragem “Cruz e Sousa – O Poeta do Desterro”, de 1998. A exibição da entrevista é às 18h.

“Peladas da Ilha” é uma grande reportagem em vídeo, de  Virgínia Melo Cardoso e Robson Martins, sobre o mundo da partidas de futebol informais em Florianópolis, com destaque para o comportamento masculino e a paixão nacional pelo esporte. O trabalho mostra essa prática única que é a pelada, onde independentemente da classe social, todos dividem a mesma identidade. São abordados, sempre de forma divertida, os diversos tipos de peladas entre pessoas de idades, profissões e situações econômicas diferentes. Vai ao ar às 20h.

O documentário “Alma Negra” foi produzido por Joice Balboa, Iuri Barcellos e Mariana Della Justina, com orientação de Antonio Brasil, para a disciplina de Grande Reportagem em Vídeo do curso de Jornalismo da UFSC em 2011. Conta o encontro entre a dança e a vida de Maria Aparecida Gonzaga, a Xuxu. Desde pequena sempre gostou de dançar, mas foi com a dança de rua e o hip-hop que ela ingressou no mundo artístico. Em 1989, Xuxu montou o projeto Dança Educação Arte e Cidadania no Instituto Estadual de Educação e logo as aulas práticas e teóricas motivaram a criação da Companhia de Dança Alma Negra. Hoje, aos 50 anos, dá aulas para pequenos grupos em casa, e ainda trabalha em uma coreografia para a Cia de Dança Alma Negra.

Para acompanhar a TV UFSC, sintonize o canal 15 da NET Florianópolis e veja a programação completa no site www.tv.ufsc.br/grade. Assista aos boletins de notícias também no www.youtube.com/tvufsc.

Por Fabio Bianchini – TV UFSC <>

Teatro da UFSC recebe segunda edição da Maratona Cultural

22/03/2012 16:23

Após o sucesso em sua primeira edição catarinense, em novembro de2011, aMaratona Cultural está de volta à Florianópolis.  Entre os dias 23, 24 e 25 de março, a Maratona vai movimentar a Ilha no seu aniversário de 286 anos.

O Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha, recebe nos dias 24 e 25 espetáculos teatrais, circenses e musicais. A Matinê Coletivo Circo Floripa abre a programação às 11 horas, no sábado (24), e volta a se apresentar às 17 horas. Na primeira apresentação, a classificação é livre, já na segunda, a classificação é de 12 anos.

À noite, os palhaços vão dar o ar da graça. Às 22 horas, a Traço Cia de Teatro apresenta o espetáculo “Noite de Palhaços”. A classificação é de 12 anos.

A Maratona continua no domingo (25), no Teatro da UFSC, às 11 horas tem apresentação da peça “Lulu Não Mora Mais Aqui”, do diretor Daniel Olivetto. Classificação livre.

Às 16 horas tem a comédia “Do Avesso – La Vaca Productora de Arte”, com direção de Renato Turnes. A peça tem classificação de 14 anos. Fechando a programação da Maratona Cultural no Teatro da UFSC, a Cia Experimentus, de Itajaí, apresenta a comédia Emoções Baratas (ou eu te amo Glória Píres), às 19 horas, com classificação de 14 anos.

O Bosque da UFSC (próximo ao Planetário) também receberá uma atração da maratona: a comédia teatral “Sonho de Uma Noite de Verão”, da UFSC, com direção de Marcio Cabral da Silva, no dia 25/03, às 19 horas. Com duração de 105 minutos, a peça tem classificação livre.

Maratona Cultural de Florianópolis

Em sua segunda edição, a Maratona Cultural pretende agradar ainda mais a população de Florianópolis, com apresentações culturais gratuitas, do teatro às artes plásticas, com a presença confirmada de atrações locais, estaduais e nacionais, sem falar na participação pra lá de especial de uma grande companhia de dança internacional.

Durante as 36 horas de programação extensa e variada, a Maratona Cultural passará por 30 pontos da cidade, com mais de 220 produtos culturais apresentados por 680 artistas, que terão a oportunidade de levar musica, dança, teatro e muita criatividade para crianças e adultos. Serão 63 SHOWS de música, 48 apresentações de teatro, 30 apresentações de dança, exposição de 25 artistas plásticos, 20 artistas circenses, exibição de 40 filmes e manifestações como grafite, apresentações folclóricas e intervenções urbanas levando muita diversão, cultura e entretenimento para os moradores de visitantes desta Ilha da Magia.

Então não perca! Maratona Cultural de Florianópolis 2012. Uma verdadeira imersão na produção cultural catarinense. Dias 23, 24 e 25 de Março.

Para a programação completa e outras informações, visite www.maratonacultural.com

A realização do evento na UFSC conta com o apoio do Departamento Artístico Cultural (DAC) e da Secretaria de Cultura e Arte (SeCArte) da Universidade Federa de Santa Catarina.

SERVIÇO:

O QUÊ: Maratona Cultural de Florianópolis, atrações na UFSC

QUANDO: Dias 24 e 25 (sábado e domingo) de março de 2012.

ONDE: Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha, Praça Santos Dumont, e no Bosque da UFSC, Trindade, Florianópolis

QUANTO: Entrada gratuita

SAIBA MAIS: Confira a programação em www.maratonacultural.com.

Programação no Teatro da UFSC

Teatro da UFSC – Praça Santos Dumont, 117, Trindade

Dia 24 de março

11h – Matinê de Circo – Coletivo Circo Floripa

Circo – 80 min.

Classificação: Livre

17h – Matinê de Circo – Coletivo Circo Floripa

Circo – 80 min.

Classificação: 12 anos

22h – Noite de Palhaços – Traço Cia de Teatro

Teatro – Comédia – 80 min.

Classificação: 12 anos

Dia 25 de março

11h – Lulu Não Mora Mais Aqui

Direção: Daniel Olivetto

Teatro – Infantil – 40 min.

Classificação: Livre

16h – Do Avesso – La Vaca Productora de Arte

Direção: Renato Turnes

Teatro – Comédia – 75 min.

Classificação: 14 anos

19h: Emoções baratas (ou eu te amo Glória Pires) – Cia Experimentus (Itajai)

Direção: Renato Turnes

Teatro – Comédia – 40 min.

Classificação: 14 anos

Programação no Bosque da UFSC (próximo do planetário)

Campus Universitário, Trindade

Dia 25 de março 

19h: Sonho de Uma Noite de Verão – UFSC

Direção: Marcio Cabral da Silva

Teatro – Comédia – 105 min.

Classificação: Livre

Fonte: Rafael Gomes – Acadêmico de Jornalismo, Assessoria de Imprensa do Departamento Artístico Cultural (DAC): SeCArte: UFSC

UFSC/Florianópolis não funciona nesta sexta, dia 23: Aniversário de Florianópolis

22/03/2012 16:07

Conforme calendário acadêmico da Universidade Federal de Santa Catarina e tendo em vista o feriado municipal nesta sexta-feira, dia 23 de março, e a definição do dia 24, sábado, como dia não letivo, a Administração Central da UFSC orienta às unidades administrativas e acadêmicas, de que as atividades do dia 24 poderão ser suspensas, a critério das chefias dos setores. As horas correspondentes devem ser compensadas conforme as necessidades de cada setor ou unidade.

Câmara Municipal de Florianópolis homenageia sete servidores da UFSC

22/03/2012 14:00

A Câmara municipal de Florianópolis realizará sessão solene, no auditório do Pleno do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, às 20h, do dia 23 de março em comemoração aos 286 anos da cidade. Na ocasião concederá Medalhas de Mérito do Município e Francisco Dias Velho e o Título de Cidadão Honorário a personalidades destacadas, dentre eles sete servidores da UFSC.

(mais…)

Conselheiro agradece apoio da UFSC a estudantes do Haiti

22/03/2012 12:54
Visita do Embaixador do Haiti à UFSC

Bien-Aimé: gratidão

Para agradecer o apoio dado aos 29 alunos de seu país que estudam em cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina,  o conselheiro Jackson Bien-Aimé, da embaixada da República do Haiti no Brasil, visitou a instituição na manhã desta quinta-feira, dia 22. Ele também almeja estender o tempo de permanência dos universitários que não concluirão o curso no período de 18 meses estabelecido no programa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) para acolher jovens que tiveram seus estudos interrompidos pelo terremoto de janeiro de 2010, que provocou a morte de 250 mil pessoas, a maioria na capital do Haiti, Porto Príncipe.

Bien-Aimé foi recebido pela pró-reitora de Ensino de Graduação, Yara Müller, que representou o reitor Alvaro Toubes Prata, e pelo secretário de Relações Institucionais e Internacionais, Ênio Luiz Pedrotti. O conselheiro também demonstrou interesse em fazer com que parte dos estudantes haitianos permaneça no Brasil para fazer cursos de mestrado e doutorado, podendo voltar ao país de origem e multiplicar o conhecimento adquirido na UFSC.

O conselheiro explicou que, além de destruir a estrutura física das universidades haitianas, o terremoto tirou a vida de muitos professores, inviabilizando a continuidade dos estudos por um grande número de universitários do país. “No momento do sismo, por volta das 17h, eles estavam em aula, o que aumentou o número de vítimas”, afirmou Bien-Aimé. Também a capacidade financeira do Haiti foi abalada, impossibilitando a recuperação das universidades destruídas pelo terremoto. Por fim, muitos jovens perderam pais e parentes, e ainda hoje o governo luta para alojar milhares de pessoas que ficaram desabrigadas dois anos atrás.

“Esses estudantes e o povo do Haiti jamais esquecerão a solidariedade dos brasileiros naquele momento, com ajuda humanitária, e mais tarde, ao receber os acadêmicos, para que não interrompessem os seus cursos”, disse o conselheiro. Pelo convênio da Capes, os alunos voltarão ao Haiti no final do curso para receber o diploma, dando sua contribuição para a recuperação e o desenvolvimento do país.

Solidariedade – De acordo com a pró-reitora Yara Müller, a possibilidade de parte dos alunos continuar no Brasil para os estudos de pós-graduação deve ser discutida no nível dos respectivos ministérios de Educação, e talvez no âmbito da diplomacia bilateral. O conselheiro adiantou que na próxima semana terá conversas no MEC e no Itamaraty, em Brasília, para tratar do assunto. “Queremos que eles tenham uma formação sólida e sustentável e possam nos ajudar a recuperar o Haiti”, ressaltou Bien-Aimé. O professor Ênio Pedrotti sugeriu que a UFSC crie um programa de cooperação para a formação de professores, repondo parte da mão de obra perdida no terremoto. “A solidariedade é que vai nos nortear”, afirmou ele.

Os estudantes haitianos que estão na UFSC fazem os cursos de Administração, Agronomia, Arquitetura, Comunicação Social, Direito, Economia, Enfermagem, Engenharia Civil, Engenharia Eletrônica, Engenharia Mecânica, Geografia, Informática, Medicina, Psicologia, Química e Relações Internacionais. Eles recebem uma bolsa de R$ 750,00, café da manhã, almoço e janta, e tiveram a passagem de vinda para pelo governo brasileiro.

Ajuda externa – Em palestra realizada no auditório da Reitoria após a visita protocolar, o conselheiro Jackson Bien-Aimé disse que hoje o Haiti é estável politicamente e que o governo luta para recolocar o país no rumo do desenvolvimento, apesar da pobreza do país. A ajuda da comunidade internacional, segundo ele, foi fundamental para a população, e nesse ponto o Brasil esteve na linha de frente.

O Haiti, país localizado na região do Caribe, é uma antiga colônia francesa com cerca de 10 milhões de habitantes e extensão territorial de 27.750 quilômetros quadrados. Primeira república negra do mundo, fundada em 1804 por antigos escravos, ela foi marcada por uma série de governos ditatoriais e golpes de estado que a tornaram o país economicamente mais pobre das Américas, com Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,404.

Por Paulo Clóvis Schmitz/jornalista na Agecom

Foto: Wagner Behr/Agecom

“Sonho de uma noite de verão” terá apresentação única no domingo

22/03/2012 12:32

Foto: Larissa Nowak

A apresentação ao ar livre da fábula mais assistida de Shakespeare encantou adultos e crianças na chegada de verão e está de volta para uma apresentação única e gratuita no encerramento da Maratona Cultural. No domingo, dia 25, o Grupo Sonho, formado por profissionais recém-formados do Curso de Artes Cênicas da UFSC, levará novamente ao Bosque do CFH, atrás do Planetário da UFSC, a peça “Sonho de uma Noite de Verão”. Dirigida por Márcio Cabral, a montagem é realizada pela primeira vez no Brasil nesse tipo de cenário. O espetáculo inicia às 18 horas, quando o sol se põe, convidando o público a entrar no mundo de elfos, fadas, artesãos e nobresque compõem essa comédia onírica em celebração ao amor, à imaginação e ao sonho.
(mais…)

Clínica de bebês

22/03/2012 10:10

O Departamento de Odontologia da UFSC dará início ao atendimento de crianças de 0 a 2 anos.Os interessados podem inscrever seus filhos pelo telefone 3721-9631 (das 7h30min às 18h30min) ou diretamente no Setor de Triagem da Odontologia (2o andar). Para início do atendimento, o responsável da criança deverá participar da palestra que ocorrerá no dia 27 de março, 3a feira, às 14 horas, no sala do CEPID, 2º andar do prédio da Odontologia/CCS/UFSC, na Trindade.

Silveira de Souza atrai vestibulandos na Feira do Livro

22/03/2012 09:57

Autor de Ecos no Porão II vai conversar com estudantes de ensino médio durante a Feira de Livros da Editora da UFSC. Lincoln Frias, autor de obra sobre a ética no uso de células-tronco também participa na próxima quarta (28) da Tarde de Encontro com Leitores.

Dois autores vão participar, na quarta-feira (28), da próxima Tarde de Encontro com Autores da Feira de Livros da Editora da UFSC, na Praça da Cidadania. Um deles é o consagradoescritor catarinense Silveira de Souza, autor do livro de contos Ecos no Porão 2, publicado pela Editora da UFSC  no ano passado e selecionado para o Vestibular da UFSC 2013. O outro é Lincoln Frias, que virá de Minas Gerais para conversar sobre o livro A ética no uso e na seleção de embriões, vencedor do Grande Prêmio Melhor Tese da UFMG 2011, que discute questões polêmicas na área da Bioética. Os encontros começam às 17 horas, na Tenda dos Autores, junto à Feira, e encerram às 19 horas com uma apresentação musical do Duo arirambacom Adriana Cardoso (voz) e Trovão Rocha (contrabaixo).
(mais…)

Professores da UFSC discutem em SP relação Brasil-Europa

22/03/2012 09:46

Um dia de discussões práticas e de decisões coletivas. Esse foi o resultado do primeiro dia da 6a. Reunião do Comitê Diretivo do Instituto de Estudos Brasil-Europa (IBE), realizada ontem, 21, na sede da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), na cidade de São Paulo. Participaram das discussões representantes da Unesp, Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Goiás (UFG), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Universidade Federal do Pará (UFPA).  A UFSC foi representada pelos professores Edson Di Pieri, Maria Lúcia de Barros Camargo e Paulo Emílio Lovato. Nesta quinta, 22, acontece o segundo e último dia de discussões.
(mais…)

Longa “A Antropóloga” e clipe “Reggae da Tainha” selecionados em dois festivais de cinema brasileiros

22/03/2012 08:47
Cena do filme "A Antropóloga" de Zeca Pires

Cena de "A Antropóloga"

“A Antropóloga” e o “Reggae da Tainha”, ambos dirigidos por Zeca Nunes Pires, cineasta e diretor do Departamento Artístico Cultural da UFSC, foram selecionados para o Festival de Cinema de Arraial D’Ajuda/Porto Seguro (Bahia) (www.arraialcinefest.com.br – de 24 a 31 de março) e para o Festival de Cinema de Blumenau – www.festivaldeblumenau.com.br – de 22 a 27 de abril).

Em Arraial D’Ajuda o clipe será exibido no dia 25/03 (domingo) e o “A Antropóloga” no dia 28/03 (quarta-feira), com a presença do diretor catarinense.

A Antropóloga está entre os filmes indicados pela Academia Brasileira de Cinema para o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, que ocorrerá em abril no Rio de Janeiro, e é considerado como o Oscar do cinema brasileiro.

“A Antropóloga” ficou entre os 15 finalistas brasileiros inscritos para representar o País na disputa por uma vaga entre os indicados ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2012. O longa estreou em abril nos cinemas da Capital.

Já o clipe “Reggae da Tainha”, conta com o cantor Valdir Agostinho, música de Júlio César Cruz e direção do cineasta Zeca Pires.
(mais…)

Música, palestra e concurso de logo marcam aula inaugural do NETI

21/03/2012 17:43
.

Aula inaugural abriu as comemorações dos 30 anos do NETI

Com o Auditório da Reitoria lotado, o Núcleo de Estudos da Terceira Idade (NETI) da UFSC ministrou sua aula inaugural nesta terça, 20/03, para alunos em sua maioria com mais de 70 anos. Ou com muito mais de 80, como eles mesmos corrigiram o reitor Alvaro Prata, que falava da diversidade etária dos estudantes da Universidade. A aula inaugural abriu as comemorações dos 30 anos do Núcleo.

A coordenadora do NETI, Jordelina Schier, lembrou das professoras pioneiras Lúcia Takase e Neusa Guedes, que “plantaram uma semente forte em solo fértil e contagiaram pessoas para o cuidado permanente desse plantio”. Jordelina ressaltou que “a colheita feita hoje é farta e de alta qualidade; nosso bem maior são as pessoas, jardineiros de fé que permanecem cuidando, inovando, disseminando conhecimento e dando sustentação ao trabalho iniciado há três décadas”.

Alunos permanentes – As cerca de 700 vagas oferecidas por semestre se distribuem em atividades voltadas a ações gerontológicas, cinedebates, curso de avós, autoconhecimento, grupo de encontro, grupo de canto, contação de histórias, línguas estrangeiras, biodança, informática, práticas energéticas e empreendedorismo. Mas em vez de concluir o semestre e alçar vôo, os alunos não se desligam do Núcleo. “As pessoas que passam pelo NETI tendem a permanecer, e com frequência mencionam a autorrealização, a melhora da autoestima e o resgate da autonomia e da cidadania”, completa Jordelina.

O grupo de canto Vozes da Ilha, composto por alunas do NETI – que trajavam a tradicional encharpe amarela do Núcleo – apresentou quatro músicas, além de abrir a solenidade com o Canto de Amor à Ilha – interpretado por Ilda Soares e o regente do grupo e acompanhado pelos presentes.

Ampliação – O reitor Alvaro Prata relatou que quando lhe questionam sobre o número de alunos da UFSC, ele precisa contabilizar aqueles de seis meses – do Núcleo de Desenvolvimento Infantil – até os de 80 anos do NETI – quando foi corrigido pela plateia. “Normalmente se pensa apenas nos estudantes de graduação. É preciso que a comunidade perceba que a UFSC agrega muito mais. A Universidade se afirma quando percebe isso. Poder conviver com aqueles que já têm suas experiências e estão dispostos a reparti-las conosco é muito enriquecedor”, afirmou. Destacando o reconhecimento do NETI no âmbito nacional, o reitor ainda mencionou um dos desafios do Núcleo. “Quando visitamos os outros campi de Araranguá, Curitibanos e Joinville, as pessoas nos perguntam quando é que haverá um NETI por lá”.

 

.

Professor Agostinho Both, da Universidade de Passo Fundo (UPF), ministrou a palestra “O idoso na Universidade”

O professor Agostinho Both, da Universidade de Passo Fundo (UPF), abriu a palestra “O idoso na Universidade” lembrando que sua instituição buscou o NETI quando deu início a um núcleo semelhante. “Me sinto como um filho do NETI, falando para meus irmãos”. Ele ressaltou a importância do idoso buscar uma nova identidade. “Todo o pensamento ocidental é direcionado à brevidade da vida. Os idosos não sabem o que fazer consigo mesmos. As famílias dos anos 1950 contabilizavam várias crianças. Hoje as crianças são poucas e há muitos idosos”.

Both salientou que nem todas as universidades abraçam essas novas exigências sociais. “Com o ingresso do idoso nessas instituições, abrem-se novas perspectivas de ensino, pesquisa e extensão; a longevidade exige que se renovem os conceitos das ciências e das políticas sociais em todas as áreas do conhecimento”.

Destacando o fato de que, ao envelhecer, muitas pessoas acabam se isolando da própria família, mesmo quando vivem no mesmo lar – pois de acordo com pesquisa realizada na UPF, 84% dos consultados “ não têm mais o que contar aos filhos e netos, que também não dialogam com seus pais e avós”, o professor defendeu a importância da Universidade nesse processo. “O idoso tem o que dizer e como dizer. Aqui eles são contadores de história, monitores que se integram na comunidade, ajudando outros a manifestar suas vozes”.

Escutar é o principal – Ana Maria Dutra ilustrou a fala do professor: ex-aluna do NETI – fez o curso de monitores e depois o de avós – vislumbrou no Núcleo diversas possibilidades. Hoje é voluntária da Associação Amigos do Hospital Universitário (AAHU), apoiando pacientes e parentes que vêm de outros municípios e passam o dia no entorno do HU esperando a hora de voltar para casa. Ela também é uma das que desenvolve atividades manuais junto aos que ficam internados, relatando que o momento de lazer, para eles, é estendido por mais tempo porque levam seus trabalhos para serem finalizados depois e continuam se comunicando no próprio hospital. “O principal trabalho do voluntário é conversar. É durante a visita que o paciente, principalmente o idoso, vai ter uma companhia”.

Pensando também na importância de ouvir o idoso, o NETI distribuiu durante o evento panfletos sobre o Grupo de Apoio à Longevidade (GAL), que realiza visitas a pessoas que vivem em isolamento em suas casas, com o objetivo de proporcionar contato social e integração comunitária. O GAL está cadastrando voluntários para participar da ação e também pessoas que necessitem das visitas.

30 anos, nova logo – Salomão Ribas Gomes, professor do curso de Design da UFSC, anunciou que no dia 25/03 será lançado edital para concurso da nova marca do NETI. Junto com o Núcleo, o Laboratório de Orientação da Gênese Organizacional (LOGO), em parceria com a Agência de Comunicação (Agecom), escolherá três propostas de alunos dos cursos de Jornalismo, Design ou Arquitetura. O estudante da marca vencedora será premiado com um IPad2, e os outros dois receberão menção honrosa.

Outras informações pelo telefone (48) 3721-9909.

Por Cláudia Schaun Reis/ Jornalista na Agecom

Fotos: Wagner Behr/Agecom

UFSC e Universidade de Weingarten estudam convênio para Colégio de Aplicação e NDI

21/03/2012 17:15

Participantes conversam sobre o convênio entre as duas universidades, que na graduação existe há seis anos

A UFSC recebeu no dia 16 de março a visita da delegação da Universidade de Educação Weingarten (Pädagogische Hochschule Weingarten), da Alemanha, formada pelo reitor Werner Knapp, pelo chefe do Escritório Internacional, Winfried Abt, e pela professora de psicologia, a brasileira Márcia Schillinger. O objetivo da visita é estudar um convênio para possibilitar a vinda de alunos alemães da área educacional que queiram fazer seu estágio no Colégio de Aplicação (CA) e no Núcleo de Desenvolvimento Infantil (NDI). A programação envolveu uma audiência na Reitoria, a visita ao CA e ao NDI.

A cooperação entre a UFSC e Weingarten existe há seis anos e até o momento envolve a graduação: todos os anos dois estudantes brasileiros vão à Alemanha e dois estudantes de lá vêm a Florianópolis, para uma temporada de um ano. A reitora em exercício e Pró-reitora de Ensino de Graduação, Yara Maria Rauh Müller, recebeu a delegação e ressaltou a importância do contato entre as duas instituições. O professor Knapp espera que os convênios existentes entre a UFSC e Weingarten avancem. Sua universidade tem grande interesse em expandir os convênios e ele está contente em ter esta oportunidade no Brasil.

O diretor do Colégio de Aplicação, Romeu Augusto de Albuquerque Bezerra, disse que convênios internacionais são importantes para a educação básica. “Já fizemos um convênio com o México e esperamos que nosso segundo seja com Weingarten”, disse. A professora Marise Koerich conta que o Colégio de Aplicação está preparado: o CA foi uma das 100 escolas brasileiras a receber do Instituto Goethe e do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD) equipamentos e materiais didáticos para o ensino do idioma.

Professora Yara Maria Rauh Müller, com o reitor Werner Knapp, a professora Márcia Schillinger e o chefe do Escritório Internacional, Winfried Abt

Na parte da tarde, a delegação conheceu as estruturas do Colégio de Aplicação e visitou o Núcleo de Desenvolvimento Infantil (NDI). Nas duas instituições, as conversas foram produtivas. Há muito interesse tanto do CA quanto do NDI em receber os alunos alemães que queiram fazer o estágio no Brasil. Os docentes de Weingarten querem estabelecer como pré-requisito que seus alunos tenham uma fluência básica em Português. O próximo passo será a elaboração de um esboço do que foi conversado, para se chegar a uma proposta conjunta durante este ano. A ideia é que os estágios comecem de forma consistente em 2013.

Também estiveram presentes na audiência na Reitoria o diretor do Departamento de Articulação Institucional da Secretaria de Relações Internacionais (Dearti/Sinter), Louis Roberto Westphal, a diretora do Centro de Ciências da Educação (CED), Vera Bazzo, e as professoras do Departamento de Metodologia de Ensino do CED, Elisabeth Trauer e Ana Regina Walther. O professor Westphal ressaltou a importância de se pensar também nos cursos extracurriculares de alemão, já que o Programa Ciência sem Fronteiras tem como meta enviar três mil estudantes brasileiros para a Alemanha em 2012, número que deve aumentar em 2013.

 

Por Laura Tuyama, jornalista na Agecom.

Fotos: Wagner Behr.

 

Inscrições abertas para seminário Brasil-Argentina de pesquisa em Jornalismo

21/03/2012 14:03

Já estão abertas as inscrições para o Seminário Brasil-Argentina de Pesquisa e Investigação em Jornalismo (Bapijor). O evento acontece nos dias 17 e 18 de abril no auditório da reitoria da UFSC, em Florianópolis. As vagas são limitadas a 200 inscritos. São três faixas de inscritos: alunos de graduação (R$ 10,00), alunos de pós-graduação (R$ 20,00) e jornalistas, professores e pesquisadores (R$ 40,00). As inscrições vão até 10 de abril.

Para se inscrever, os interessados devem acessar o site.

O Bapijor é uma iniciativa do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da UFSC (POSJOR) e do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS), com patrocínio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação Tecnológica de Santa Catarina (Fapesc) e Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (PRAE). O evento conta com apoio da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina (SJSC) e Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão Universitária (Fapeu).

Mais informações: http://www.bapijor.ufsc.br

Fonte: POSJOR

 

 

Mostra de documentários acontece nesta quinta

21/03/2012 13:03


.

Homem com uma câmera traz conceitos para captação da realidade

Homem com a camera de filmar, de Dziga Vertov e Rien que les heures, de Alberto Cavalcanti, serão exibidos nesta quinta, 22/03, às 20h, na Casa das Máquinas, na Lagoa da Conceição. Os dois filmes, da década de 1920, estão na programação da Mostra de Documentários promovida pelo Núcleo de Antropologia Visual da UFSC (NAVI), em parceria com a Casa das Máquinas.

A Mostra acontece quinzenalmente, sempre às quintas-feiras, às 20 horas, e os filmes são exibidos na Praça Bento Silvério, na parede externa da Casa das Máquinas. O evento tem como objetivo promover o debate acerca de culturas e discutir sobre os modos e políticas do dar aver, a partir dos aparatos e dispositivos audiovisuais além do campus universitário. As sessões são gratuitas e abertas ao público.


22/março: Sinfonias Urbanas

* Homem com a camera de filmar, diretor: Dziga Vertov, 1929, 67’

Homem com a camera de filmar é o mais puro exemplo da ruptura total do cinema com a literatura e a dramaturgia, uma autêntica iniciação aos segredos da linguagem cinematográfica. Dziga Vertov criou o Kino-Pravda (Cine-Verdade) e o Kino-Glaz (Cine-Olho), novos conceitos para captação da realidade, formatada dentro de uma montagem visionária que influenciaria o cinema do Pós-Guerra. As imagens são deslumbrantes e de grande impacto visual. Sem dúvida um dos filmes mais importantes de todos os tempos. A trilha sonora é composta e conduzida pela Alloy Orchestra, seguindo as instruções escritas por Dziga Vertov.

.

Rien que les heures: olho do presente sobre a cidade

* Rien que les heures, diretor: Alberto Cavalcanti, 1926, 60’

Alberto Cavalcanti, cineasta brasileiro – pouco conhecido por aqui – antecipa as sinfonias urbanas de Vertov e Ruttmann, quando realiza, em 1926, Rien que les heures.

Como escreve Elizabeth Sussex, “Rien que les heures, o primeiro filme que ousou mostrar a vida comum do dia a dia de uma cidade, merece um olhar com o olho do presente. Isso nos ajuda a desvendar a carreira de Cavalcanti como um todo: o approach dramático, a consciência social contrastando as vidas de ricos e pobres. Sua reputação sofreu uma negligência inicial porque seu impacto foi roubado pelo Berlin, de Ruttmann, realizado depois mas exibido antes na Inglaterra e na América”.

 

Confira também a programação para o mês de abril.

Procuradoria Federal na UFSC disponibiliza página

21/03/2012 12:33

A Procuradoria Federal junto à UFSC está divulgando o endereço de sua página, hospedada no link Estrutura do portal da UFSC: procuradoriafederal.ufsc.br.

De acordo com Nilto Parma, procurador-chefe na UFSC, “Trata-se, sem dúvida, de mais uma importante ferramenta de acesso a informações sobre direito e justiça”. O objetivo é que a página “possa representar um canal de comunicação permanentemente aberto e operante, à disposição dos integrantes da comunidade universitária, especialmente, os quais poderão interagir com o órgão que detém a competência legal para falar sobre assuntos jurídicos, no âmbito da UFSC”, completa.

Arquitetura discute Projeto do Parque Cultural das Três Pontas e apoia ato na Ponta do Coral

21/03/2012 11:52

A partir de 18h30min desta quarta-feira, 21 de março, no auditório do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFSC, será realizado debate e apresentação do projeto do Parque Cultural das Três Pontas.

O Departamento e o Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFSC apoiam também na sexta-feira, 23 de março, Aniversário de Florianópolis, um ato cultural em defesa da Ponta do Coral. As atividades iniciam às 14h. Estão programados shows com 12 grupos, entre eles Grupo Engenho, Júlio Black e Banda, Bateria do Baiacu de Alguém e Maracatu Arrasta a Ilha. Promovem o ato entidades da área cultural, sindical e ambiental da cidade.

A defesa da Ponta do Coral é uma causa histórica para o Curso de Arquitetura da UFSC, que desde o início dos anos 80 realizou manifestações culturais para que esta área se tornasse de utilização pública e cultural”.

O Colegiado do Departamento de Arquitetura e Urbanismo divulgou nota de apoio ao uso público e cultural desta área, pois constitui uma região de orla que, junto com a Ponta do Lessa, que está ao lado, e a Ponta do Goulart, em frente, conforma a embocadura do manguezal de Itacorubi e dá continuidade e alimenta a biota marinha da baía norte.

Participam como promotores e apoiadores as seguintes entidades:

Câmara de Meio Ambiente e Saneamento do Fórum da Cidade – COMINTER – Coletivo UC da Ilha
Movimento Ilha Verde – Aliança Nativa – Bloco Baiacu de Alguem – SALA VERDE ufsc – UATAPÍ – UFECO
GMURB ufsc – Curso de Arquitetura da UFSC – AMA ufsc – CALA ufsc – ANDES-SN ufsc – SINTRASEM
SINTESPE – SINERGIA – SEEB-BANCARIOS – SINASEFE – SINDASPIsc – SINDPREVSsc
SINTRATURB – CUT-sc – CONLUTAS-sc

Mais informações na UFSC: Lino Fernando Bragança Peres / / / (48)3721-4962

 

Integração e Transversalidade para a cultura de Florianópolis

21/03/2012 11:32
.

A mesa redonda Integração e Transversalidade contou com a participação de aproximadamente 30 agentes culturais

A mesa redonda 3 da III Conferência Municipal de Cultura de Florianópolis, que aconteceu entre os dias 19 e 20 de março, no Centro de Cultura e Eventos da UFSC, teve como tema a Integração e a Transversalidade, e focou o debate na dinamização dos equipamentos culturais, criação de portais de comunicação integrados e fomento das políticas artísticas e culturais do município.

 

Mediada por Alfredo Manevy, professor de Cinema da UFSC, a mesa contou com proposições e provocações de Maria de Lourdes Borges, da Secretaria de Cultura e Arte (SeCarte) da UFSC; Célia Gillio, da BM&A; e Maria Teresa Piccoli, representando o SESC de Santa Catarina. Cada debatedor teve alguns minutos para compartilhar experiências com os demais participantes da mesa e provocar as possíveis propostas.

 

Maria de Lourdes apresentou a Secarte e as parcerias já realizadas em atividades culturais. “A proposta é que haja uma unidade da universidade com a cidade. É interagir e ser comunidade”, afirmou Maria de Lourdes. A música foi o fio condutor da fala de Célia Gillio, nas oportunidades aos artistas brasileiros em participar de feiras internacionais. Já Maria Teresa trouxe a experiência do SESC como espaço cultural e propôs que “os setores envolvidos (na cultura) sentem junto para haver uma integração de fato”.

 

Convergência da mesa
Aproximadamente 30 atores culturais ligados a instituições artísticas, pontos de cultura, museu e outras instituições participaram da mesa. Apesar do leque de setores artísticos representados na reunião, as propostas dos participantes convergiram para temáticas semelhantes, observadas as necessidades de cada setor e os locais atendidos, ou mal atendidos, pela atual política cultural de Florianópolis.

 

Dessa forma, foram levadas à plenária propostas de programas estratégicos que abrangem os seguintes setores: Programa para atender a circuitos, espaços e equipamentos culturais, instalando e criando novos e dinamizando os já existentes; Criação de Edital Municipal de Pontos de Cultura, assim como editais e ações voltadas às Bandas de Música e criação de um centro de arte contemporânea e outros espaços públicos de excelência; Integração do transporte público para facilitar a mobilidade e acesso às atividades culturais, as quais se concentram à noite e aos finais de semana (tal proposta vai ao encontro do Plano Diretor, também em discussão em Florianópolis); Sinalização da existência dos espaços culturais existentes; Criação de programas de aprimoramento institucional da cultura, transparência e critério para melhor distribuição dos recursos; e Capacitação dos agentes e gestores culturais. Há a necessidade ainda de divulgação das atividades culturais no município, sendo propostos mapeamento e cartografia cultural da cidade, valorizando os artistas locais, além da criação de portais de comunicação e informação.

 

Foi mencionada ainda a importância dos próprios proponentes e também da comunidade em geral de fiscalizar e acompanhar as propostas dos programas, para dar continuidade ao Plano Municipal de Cultura e fazer com que as propostas sejam efetivamente colocadas em prática.

 

Texto e foto de Valéria Valdeci Martins – Ponto de Cultura Educação Musical Popular (Banda da Lapa), que participou da Cobertura Colaborativa da III Conferência Municipal de Cultura de Florianópolis – Coordenação: Pontão Ganesha.

Palestra inaugural de Relações Internacionais com Ademar da Cruz Junior

21/03/2012 11:05

Globalização,  inovação e sistema internacional: o Brasil frente às transformações da economia mundial é o tema da palestra inaugural da graduação e do programa de pós-graduação em Relações Internacionais da UFSC. Ministrada por Ademar Seabra da Cruz Junior (Ministério das Relações Exteriores), a aula acontece na terça, 27/03, às 16h, no auditório do Centro de Ciências  Jurídicas (CCJ).

Ademar é diplomata, professor, doutor em Sociologia (USP), mestre em Ciência Política (UnB) e Filosofia das Ciências Sociais (LSE – Londres). Autor de Justiça como Eqüidade  (Lumen Juris, 2004), Diplomacia, Desenvolvimento e Sistemas Nacionais de Inovação (FUNAG, 2011) e de diversos artigos, no Brasil e no exterior, sobre globalização, política e economia política internacional. É pesquisador do Centro de Estudos da Cultura Contemporânea de São Paulo (CEDEC-SP) e ex-docente da UFRGS, FGV-RJ e do Instituto Rio Branco, em Brasília. Chefiou o Setor de Ciência e Tecnologia da Embaixada em Londres e chefia a Divisão de Ciência e Tecnologia do MRE.

O seu livro Diplomacia, Desenvolvimento e Sistemas Nacionais de Inovação (Brasília: Funag, 2011) pode ser baixado gratuitamente do portal da editora: www.funag.gov.br/biblioteca

Informações pelos e-mail: e

Feira de Livros tem lançamentos de romance e poesia alemã nesta quarta

21/03/2012 10:38

Duas obras serão lançadas na Feira de Livros da Editora da UFSC na tarde do dia 21: o romance épico Ao que minha vida veio, de Alckmar dos Santos, vencedor do Concurso Salim Miguel de Romance e a antologia poética Seis décadas de poesia, de Rosvitha Blume e Markus Weinenger. Os três autores, Alckmar, Rovitha e Markus Weinenger estarão na Tenda dos Autores às 17 horas para uma conversa com os leitores. Até o dia 4 de abril, em uma grande tenda coberta na Praça da Cidadania, a Editora está expondo com até 70% de desconto 1.800 títulos e cerca de 20 mil exemplares, entre lançamentos do seu catálogo, das instituições livreiras que integram a Liga de Editoras Universitárias e de outras editoras reconhecidas no mercado.

Vários livros estão sendo lançados na presença dos autores em uma sala aclimatada dentro da feira, preparada especialmente para esse encontro com o leitor, sempre às quartas-feiras, às 17 horas. Para embalar o momento, às 19 horas a editora promove a apresentação do Duo Ariramba, com Adriana Cardoso (voz) e Trovão Rocha (contrabaixo). “Queremos promover não apenas a comercialização de livros, mas patrocinar o encontro entre escritores e seu público”, diz o editor Sérgio Medeiros.

E na tarde do dia 28, Silveira de Souza, autor da coletânea de contos Ecos no Porão II, livro incluído pela Coperve na Lista do Vestibular 2013 da UFSC, conversará sobre a obra, que terá o lançamento de sua segunda edição pela EdUFSC. No mesmo dia, Lincoln Frias virá de Belo Horizonte para o lançamento de A ética do uso e da seleção de embriões (vencedor do Grande Prêmio UFMG de Teses de 2011). Editado com apoio da Fapemig, o livro traz uma discussão filosófica emergente sobre as questões morais e sociais em torno dos avanços da ciência na área da genética.

.

Rovitha e Markus lançam Seis décadas de poesia às 17h

Poesia, conto, romance, filosofia, bioética, história, sociologia e literatura, além de obras didáticas de engenharia, física e matemática estão entre os 21 lançamentos programados para a Feira de Livros da Editora UFSC, que entrou na sua terceira semana com um público diário de duas mil pessoas. Aberta ao público, a mostra começou na segunda-feira (5), marcando a volta às aulas na UFSC e funciona de segunda a sexta, das 8:30 às 19 horas, com extensão do horário nas quartas-feiras até as 20h30min.

A EdUFSC preparou outros lançamentos inéditos especialmente para a feira, como O Espelho da América: de Thomas More a Jorge Luis Borges, de Rafael Ruiz, que desbrava a história da primeira modernidade da América através da literatura clássica. Estão na lista dos novos livros também Ongs e políticas neoliberais no Brasil, de Joana Aparecida Coutinho, Bioética, do filósofo José Heck e Percursos em teoria da Gramática, de Roberta Pires de Oliveira e Carlos Mioto.

Além de promover os lançamentos, a editora está oferecendo com descontos obras que tiveram grande repercussão no ano passado, como Homo academicus, do sociólogo francês Pierre Bourdieu, traduzido pela professora do curso de Pedagogia da UFSC Ione Valle. Ligação direta, ensaio inédito do filósofo italiano Mario Perniola sobre as relações entre estética e política e O liberalismo de Ralf Dahrendorf, lançamento de Antônio Carlos Dias Júnior, também se destacam na mostra.

Mais uma novidade: o editor Sérgio Medeiros avisa que está indo para a gráfica esta semana Riverão Sussuarana, o grande romance do cineasta Glauber Rocha, coeditado com o Itaú Cultural, que deverá ficar pronto para a última semana da feira, assim como Códices, do historiador e pesquisador mexicano Miguel León-Portilla, considerado o maior especialista em escritas ameríndias (maia e asteca) da atualidade.

 

.

Ao que minha vida veio, de Alckmar dos Santos, foi vencedor do Prêmio Salim Miguel de Romance de 2011

Feira de livros da Editora UFSC/ Liga de Editoras Universitárias
Data:5 de março a 4 de abril
Local: Praça da Cidadania da UFSC
Horário de funcionamento: segunda a sexta, das 8:30 às 19 horas (quartas-feiras, das 8:30 às 20h30min)
Tardes de autógrafos e conversa com autores – Horário: a partir das 17 horas.
Local: Tenda dos autores junto à Feira
Alckmar dos Santos, vencedor do I Concurso Romance Salim Miguel com Ao que minha veio
Rosvitha Blume e MarkusWeininger, autores de Seis décadas de poesia alemã
Data: 21 de março, a partir das 17 horas

Silveira de Souza, autor da coletânea de contos Ecos no porão 2,
Lincoln Frias, doutor em filosofia, autor de A ética do uso e da seleção de embriões, de (vencedor do Grande Prêmio Tese do Ano da UFMG 2011)
Data: 28 de março, a partir das 17 horas

 

Leia mais:

O florescimento da poesia na capital mundial da guerra

Romancista premiado conversa com leitores na Feira de Livros da EdUFSC

 

Por Raquel Wandelli/ Jornalista na SeCarte

Palestra sobre desafios da alimentação abre primeiro Doutorado em Nutrição da Região Sul

21/03/2012 10:18

O professor Pedro Israel Cabral de Lima: emoção no retorno à pós-graduação que ajudou a avaliar. Fotos: Wagner Behr / Agecom

“Não foi na Sourbonne ou em outra universidade que travei contato com o fenômeno da fome”. A frase de Josué de Castro, médico, nutrólogo, professor, geógrafo, cientista social, político, ativista brasileiro que dedicou sua vida ao combate à fome foi lembrada na manhã desta terça-feira, 20 de março, durante a aula inaugural do Doutorado em Nutrição da UFSC.

Convidado a marcar na Universidade Federal de Santa Catarina o início do primeiro doutorado da área na Região Sul (nono no país), o professor Pedro Israel Cabral de Lima, da Universidade Federal de Pernambuco, contextualizou a relevância e atualidade do trabalho do médico nascido no Recife, na palestra “Alimentação e Nutrição: de Josué de Castro aos dias atuais”.

O pesquisador da UFPE recuperou a trajetória e a visão de Josué de Castro sobre a problemática da fome – e a partir de gráficos, fotos e vídeos demonstrou como muitos desafios são ainda atuais e pertinentes na trajetória do profissional da área de nutrição.

Geografia da Fome
Josué de Castro nasceu em 1908, no Recife, e morreu em 1973, na França. Cresceu próximo aos mangues do Recife, “habitados por retirantes e caranguejos”. Aos 21 anos se formou em medicina, em 1951 assumiu a presidência do Conselho Executivo da FAO (agência da Organização das Nações Unidas para a alimentação e agricultura), foi também embaixador do Brasil na ONU e criou uma associação mundial de luta contra a fome. Entre suas publicações mais relevantes estão O Problema da Alimentação no Brasil, Geografia da Fome e Geopolítica da Fome.

“Um marco de Josué de Castro é a luta pelo desenvolvimento humano sustentável e muitas de suas preocupações e ideais permanecem vivos”, frisou o professor Pedro Israel Cabral de Lima. Para ressaltar a importância do conhecimento científico, salientou para a plateia integrada por professores, mestrandos e doutorandos que há tantos métodos quantos forem os problemas e os investigadores existentes (citando frase de José Carlos Koche, autor de Fundamentos de Metodologia Científica: Teoria da Ciência e Prática da Pesquisa e lembrando mais um ensinamento que Josué de Castro deixou aos pesquisadores).

“Josué não se limitou a um único método, buscou ferramentas em diversas áreas, como a Antropologia Social, Geografia, Economia, Genética, Biologia, Epidemiologia. Baseou sua forma de pensar o problema da fome na interação entre diversas ciências”, disse Pedro Israel. Em mais uma associação de sua palestra com a Pós-Graduação em Nutrição da UFSC, elogiou o objetivo do programa e suas linhas de pesquisa (veja abaixo), atuais e relevantes diante da complexidade e da responsabilidade para formação de profissionais da área de nutrição e alimentação.

O palestrante destacou também a importância da UFSC contar com seis grupos de pesquisa nesse campo (abaixo) e mostrou admiração pelo trabalho de relevância acadêmica e com interface social dos projetos de extensão.

O professor lembrou que, mesmo com alguns números estagnados na América Latina, a fome no mundo ainda preocupa (são 71 milhões de pessoas em insegurança alimentar no Brasil). “Para o profissional da área, é um desafio entender a cultura alimentar de cada região, as dietas básicas, as influências, as dificuldades no controle do sobrepeso e das doenças decorrentes da má alimentação”, salientou.

A partir de pesquisas, lembrou de questões preocupantes, como a preferência entre adolescentes por biscoitos, salsichas, sanduíches, salgados. E a “dieta de risco” de adultos, caracterizada pelo baixo consumo de frutas e verduras, alto consumo de gorduras saturadas.

Com fotografias de décadas atrás e atuais, o professor Pedro Israel Cabral de Lima ilustrou o problema da alimentação inadequada com a mudança no corpo da população de Olinda – em 1947 as fotos registram perfis longilíneos, em 2012, homens e mulheres com excesso de peso. “Parecem figuras de Botero”, preocupa-se o professor, citando o famoso pintor e escultor colombiano que se destacou com figuras de contornos arredondados.

Além de abordar a má alimentação, Pedro Israel Cabral falou da “Fome Oculta”, problema caracterizado pela carência de micronutrientes como o ferro (estudos mostram índices preocupantes de anemia em crianças), de vitamina A (cuja carência pode provocar problemas na visão) e de B1 (com diagnóstico recente de diversos casos de Beribéri no Brasil, doença que provoca fraqueza muscular e dificuldades respiratórias).

Fazendo história

Rossana Proença: “Lutamos cinco anos junto à Capes para montar o programa”

“Esse momento é a realização de um sonho que começou em 1997, quando um grupo de oito professores estruturou o projeto da Pós-Graduação em Nutrição da UFSC”, lembrou no início do encontro a coordenadora do programa, professora Rossana Proença. “Lutamos cinco anos junto à Capes para montar o programa, que foi aprovado no final de 2001 e começou em 2002. No começo eram oito alunos”, resgatou Rossana.

Atualmente a Pós-Graduação em Nutrição da UFSC tem 20 professores (em breve serão 24 credenciados), 53 alunos no mestrado e 10 iniciando o doutorado. São 36 bolsistas, 102 mestrandos já se formaram e serão outras 23 defesas de mestrado até julho. Entre os profissionais formados, 86% têm publicações com o programa e 70% estão em atividade docente.

“Os números refletem o que estamos fazendo para atender os critérios que nos avaliam. Nosso conceito na Capes passou de 3 para 4 e hoje nosso Departamento atua em todos o níveis, da graduação ao doutorado, como somente outros oito no país fazem”, disse Rossana, registrando também como conquista a criação da área de Nutrição na Capes.

“Os doutorandos chegam para compartilhar esse sonho conosco. Agora a consolidação do doutorado, da produção científica, de laboratórios e a internacionalização são novos desafios”, comemorou a coordenadora.

Mais informações: http://ppgn.ufsc.br / / (48) 3721-5138

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Saiba Mais:

Grupos de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UFSC:
– CECANE/SC (Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar do Estado de Santa Catarina)
– Grupo de Pesquisa em Comportamento e Consumo Alimentar
– Grupo em Nutrição Clínica e Aplicada
– Grupo Nutrição e Saúde
– NEPNE (Núcleo de Estudo e Pesquisa em Nutrição Experimental)
– NUPPRE (Núcleo de Pesquisa de Nutrição em Produção de Refeições)

 Linhas de Pesquisa:
– Diagnóstico e intervenção nutricional em coletividades
– Estudo dietético e bioquímico relacionado com o estado nutricional
– Nutrição em produção de refeições e comportamento alimentar

Objetivo:
O objetivo geral do Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UFSC é a formação de pesquisadores inovadores, resolutivos e geradores de conhecimento em uma área interdisciplinar envolvendo a interface Alimentação, Nutrição e Saúde. A formação acadêmica tem ênfase na construção, desenvolvimento e disseminação de conhecimentos científicos, preparando profissionais qualificados para o Ensino Superior e para a pesquisa neste campo do conhecimento.

 

Conferência traz especialistas mundiais em alvenaria estrutural para o Brasil

21/03/2012 10:10

Barry Haseltnine (um dos responsáveis pela norma de alvenaria estrutural do Mercado Comum Europeu), Gregg Borchelt (presidente da Associação da Indústria de Blocos Estruturais dos Estados Unidos), Adrian Page (University of Newcastle, Australia), Robert Drysdale (McMaster University, Canadá), Richard Klingner (University of Texas, Estados Unidos), Jason Ingham (The University of Auckland, Nova Zelândia), Nigel Shrive (University of Calgary, Canadá) e Paulo Lourenço (Universidade do Minho, Portugal) estão entre os especialistas que vêm ao Brasil no mês de junho para a 15ª Conferência Internacional de Alvenaria Estrutural. O evento será realizado de 3 a 6 de junho, em Florianópolis (SC).

O engenheiro Barry Haseltnine tem uma vida inteira de experiência como consultor, trabalhando em projetos de muitos edifícios e na elaboração de normas. Teve papel fundamental na retomada do uso de estruturas de alvenaria pela indústria da construção ao propor testes com explosões induzidas de gás, depois do acidente de Ronan Point. A torre de 22 andares, localizada em Newham, leste de Londres (Inglaterra), sofreu um colapso parcial a partir de uma explosão. Os testes mostraram que a alvenaria era muito mais forte do se esperava. A partir dos resultados, Barry participou da formulação de regras para evitar o colapso progressivo de edifícios, integrou diversos comitês e se tornou presidente do comitê para normalização da alvenaria estrutural.

Outro conferencista, o professor Richard Klingner, da University of Texas (EUA), tem como área de especialização a engenharia estrutural, com ênfase na investigação analítica e experimental da resposta de estruturas à ação de terremotos. Possui papel de liderança nas atividades de muitas comissões técnicas dos Estados Unidos e outros países, incluindo o American Concrete Institute e a Sociedade Americana de Testes e Materiais.

Entre os pesquisadores brasileiros que participam do encontro está o professor Márcio Corrêa, do Departamento de Engenharia Estrutural da Escola de Engenharia de São Carlos. Seus objetos de pesquisa são edifícios altos, alvenaria, reforço, análise numérica e experimental de concreto. Corrêa participou das comissões mistas para rever as normas brasileiras de concreto e alvenaria, sendo o coordenador da comissão de elaboração da Norma Brasileira de Alvenaria Estrutural em Blocos Cerâmicos. Participou também da elaboração da Norma de Projeto de Alvenaria Estrutural em Bloco de Concreto.

“O evento é uma oportunidade única para que profissionais da construção e acadêmicos do Brasil possam interagir com as maiores autoridades do mundo em alvenaria estrutural e tirar partido da experiência que podem transmitir sobre os projetos, as construções e as pesquisas nesta área tão importante da construção”, avalia o professor do Departamento de Engenharia Civil da UFSC Humberto Ramos Roman, que compartilha a coordenação da Conferência Internacional de Alvenaria Estrutural com o professor Guilherme Aris Parsekian, do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Racionalização, produtividade e qualidade

De acordo com Roman, a alvenaria estrutural pode ser empregada em prédios de vários pavimentos e devido a vantagens como flexibilidade, economia, valor estético e velocidade tornou-se uma tecnologia de construção largamente empregada no mundo. “A grande vantagem é a possibilidade de incorporar facilmente conceitos de racionalização, produtividade e qualidade, produzindo construções com bom desempenho tecnológico aliado a baixo custo”, explica.

Empregado desde a antiguidade, o processo construtivo que se caracteriza pelo uso de paredes como estrutura de suporte continua atual e impõe desafios para a indústria da construção. No Brasil, milhões de unidades residenciais em alvenaria estrutural foram erguidas na última década. Importantes edifícios históricos, patrimônio da humanidade, dependem de restauração e reabilitação.

Nos últimos 30 anos, a partir de extensos trabalhos de pesquisa, da imaginação de projetistas e de grande melhoria da qualidade dos materiais, a alvenaria estrutural conquistou maiores e mais visíveis avanços do que qualquer outra forma de estrutura usada na construção civil. “Em consequência disso, pode-se afirmar, com segurança, que a alvenaria estrutural é o mais econômico e moderno método de construção. Em países como Inglaterra, Austrália, Alemanha e Estados Unidos é o mais utilizado e de maior aceitação pelo usuário”, contextualiza o pesquisador.

No Brasil, a técnica de cálculo e execução em alvenaria estrutural é relativamente recente (do final dos anos 60) e pouco conhecida da maioria dos profissionais da Engenharia Civil. Mas a abertura de novas fábricas de materiais e o surgimento de grupos de pesquisa tem feito com que mais construtores utilizem o sistema. “Esperamos que os participantes possam passar a aplicar em seus empreendimentos e em suas pesquisas pelo menos parte do conhecimento adquirido durante o congresso”, complementa Roman.

Agenda científica e técnica
Foram recebidos para o congresso mais de 160 artigos técnicos de cerca de 30 países, que terão apresentações entre os dias 4 e 6 de junho. A expectativa de participação é de cerca de 350 conferencistas brasileiros e 300 estrangeiros. Além de conferências e apresentação de trabalhos, a agenda prevê palestras técnicas e minicursos internacionais sobre tópicos especiais em alvenaria.

Dia do Construtor
Para o domingo 3 de junho, está sendo organizado o Dia do Construtor. O pré-evento tem a finalidade de discutir de maneira prática a construção em alvenaria estrutural no Brasil e no mundo. Serão sessões técnico-científicas de pesquisadores e membros da indústria da construção. A agenda é direcionada a projetistas, produtores de materiais e componentes para a construção e construtores.

Organização

Estão à frente da organização da 15ª Conferência Internacional de Alvenaria Estrutural a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), com apoio da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade de São Paulo (USP) e das instituições internacionais Universidade do Minho (Portugal), University of Calgary (Canadá) e University of Newcastle (Austrália).

Mais informação no site http://www.15ibmac.com/home/, com os coordenadores do evento Guilherme Aris Parsekian () e Humberto Roman ()

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Saiba Mais

Principais vantagens da alvenaria estrutural:

– possibilidade de obtenção de maior economia do que a de prédios estruturados;
– redução no uso de madeira para formas e na mão-de-obra em carpintaria;
– menor uso de concreto, de ferragem e de mão-de-obra de ferreiro;
– simplificação nas instalações, evitando rasgos nas paredes;
– menor espessura de revestimentos;
– facilidade de encontrar ou de treinar mão-de-obra qualificada;
– adaptação fácil à grande variedade de usos funcionais;
– facilidade maior de detalhamento de projetos;
– maior rapidez e facilidade de construção;
– menor número de equipes ou de subcontratados de trabalho;
– extrema facilidade de supervisão da obra;
– ótima resistência ao fogo;
– ótimas características de isolamento térmico e acústico;
– grande flexibilidade arquitetônica pelas pequenas dimensões do bloco;
– possibilidade de detalhamentos estéticos bastante atraentes;
– grandes possibilidades arquitetônicas e estruturais.