Projeto estuda formas para melhorar o tráfego urbano aplicando sistemas de informação e controle

24/06/2003 15:17

Já é meio-dia, você precisa se deslocar com rapidez até o centro da cidade e, neste horário, as vias devem estar bastante congestionadas. Para decidir qual a melhor maneira de chegar até lá, você acessa um banco de dados na internet e encontra todas as informações de que precisa para tomar essa decisão de forma eficiente. Descobre que, se for de ônibus, provavelmente vai demorar 15 minutos, descerá em um ponto a 20 metros do local onde quer chegar e irá gastar determinado valor de tarifa. Se for de carro, poderá percorrer um trajeto menos congestionado, demorando alguns minutos e podendo estacionar o veículo em apenas dois estacionamentos que ainda possuem vagas, gastando um certo valor.

Esta é uma das situações que os pesquisadores do Departamento de Automação e Sistemas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) envolvidos no projeto SINCMobil (Sistema de Informação e Controle para Mobilidade Urbana) pretendem tornar possível até o final de 2006,

período de finalização da pesquisa iniciada em abril deste ano. O projeto conta também com o apoio de pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com recursos do CNPq, Finep e Sepin e parceria com uma empresa fornecedora de soluções para controle de tráfego urbano, a Brascontrol Indústria e Comércio Ltda. Através de um possível acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo (CET/SP), o SINCMobil poderá vir a ser aplicado na maior cidade da América Latina.

Além dos usuários que buscam se deslocar na cidade usando transporte coletivo ou carro, este sistema será útil também para quem desenvolve o planejamento urbano e para quem trabalha com a logística do transporte de cargas e com a gerência das frotas de ônibus. “Com o mesmo banco de dados que auxilia o usuário comum, um operador que controla a entrega de determinada carga poderá escolher qual o melhor trajeto para cada dia e horário da semana, considerando informações disponíveis no arquivo histórico daquelas vias públicas”, explica um

dos pesquisadores do projeto SINCMobil, professor Werner Kraus Junior. Essas informações disponíveis no banco de dados são obtidas através da coleta de dados feita por equipamentos de monitoração das vias que controlam automaticamente e em tempo real a abertura e

fechamento dos semáforos, de acordo com a circulação de veículos.

O projeto SINCMobil trabalha com duas áreas interligadas: o sistema de

informação e o sistema de controle. A função do sistema de informação é a de disponibilizar os dados sobre o tráfego urbano em tempo real, o que possibilita, por exemplo, que qualquer pessoa acesse informações através da internet para decidir qual o itinerário que vai tomar. Por sua vez, o sistema de controle procura diminuir o atraso nas viagens e o número de paradas dos veículos, através do

controle em tempo real dos semáforos, a inversão do sentido de circulação das vias em determinados períodos e a colocação de placas com mensagens de apoio ao motorista, informando, por exemplo, que determinada via está congestionada e sugerindo um outro trajeto. “No Rio de Janeiro já existem placas informativas dizendo se o tráfego está lento ou rápido. A nossa idéia é de através dessas placas

não apenas informar, mas também propor ao motorista um outro caminho”,

completa o pesquisador e professor Carlos Montez.

“Estamos buscando desenvolver um sistema de controle de tráfego aplicado à realidade nacional”, explica Werner. Segundo ele, a tecnologia dos sistemas de controle de tráfego utilizados em algumas cidades do Brasil, além de caras, são muito limitantes, uma vez que cada sistema trabalha com seu próprio protocolo fechado de comunicação entre os controladores de semáforo e a central de controle.

O protocolo fechado impede que qualquer outro sistema diferente seja implantado, uma vez que não há como conhecer a forma de comunicação utilizada no sistema. “Trabalhando com protocolos fechados, se você troca a central de controle, vai precisar, por exemplo, trocar todos os controladores de cada semáforo. Isso cria uma dependência por conta do domínio do segredo desse protocolo”, completa Werner. Para solucionar esta limitação, o projeto da UFSC trabalha com protocolos abertos que permitirão ao usuário conhecer como funciona a comunicação do sistema, podendo adaptar qualquer equipamento àquele modelo.

A área de controle de tráfego em tempo real surgiu para melhorar a operação dos semáforos, tradicionalmente realizada a partir de contagens feitas por horário que resultava em um padrão fixo de abertura e fechamento dos semáforos. Entretanto, como o tráfego é dinâmico, o plano de horários logo se torna desatualizado.

No mundo, o primeiro sistema de controle em tempo real desenvolvido foi o Scoot (Splite Cicle Optmization Offset Time), na Inglaterra, na década de 70. Esses primeiros sistemas não consideravam a importância do sistema de informação, que dá apoio ao usuário das vias. “Resolver o problema do trânsito era controlar os semáforos. Só depois se percebeu que combinar informações sobre rotas, estacionamentos e gerência de frotas de ônibus podia auxiliar o sistema de controle. Além disso, percebeu-se que era possível transformar os dados obtidos

através dos sensores de semáforos em informações úteis para o usuário das vias”, conta Werner.

As duas áreas do projeto – a de sistema de informação e de sistema de controle – estão se desenvolvendo paralelamente usando como referência uma arquitetura padrão norte-americana, a NIS (National ITS Architecture), que agrupa um conjunto completo de serviços e usuários que precisam ser considerados em um sistema de transportes. Até agora já foi desenvolvido pelo grupo um software que interliga a central de controle aos semáforos. Também já foi adquirido um “simulador de cidade”, que é uma plataforma computacional que permite aos pesquisadores testar os modelos desenvolvidos em simulações de tráfego numa cidade virtual.

Fonte: Núcleo de Comunicação do Centro Tecnológico

Antropóloga da UFSC convive seis meses com povos indígenas da Amazônia e lança livro

23/06/2003 18:20

A professora do Departamento de Antropologia da UFSC, Antonella Mª Imperatriz Tassinari, lança nesta quinta-feira, 26/6, o livro No Bom da Festa – O Processo de Construção Cultural das Famílias Karipuna do Amapá. Publicado pela Editora da Universidade de São Paulo, o livro é produto de pesquisas da autora junto aos povos indígenas do Baixo Rio Oiapoque, no Norte do Amapá, região fronteiriça com a Guiana Francesa. O lançamento acontece às 21h, após a realização de nova edição do projeto Antropologia e Cidadania, no auditório do Museu da Imagem e do Som, no Centro Integrado de Cultura (CIC).

Para estruturar o estudo relatado no livro e defendido como tese de doutorado junto à Universidade de São Paulo, a professora fez uma pesquisa de campo durante seis meses nas aldeias Karipuna. Os períodos de visitas aconteceram entre os anos de 1990 e 1993. De acordo com a professora, a escolha dessa população indígena para o estudo deve-se ao fato de ser um povo pouco pesquisado. Outra motivação é o fato de ser uma população que tem contato com comunidades não indígenas há muitos anos.

A pesquisadora explica que os reflexos desse contato são bastante visíveis no conjunto de festas vividas pela população Karipuna. Entre festas puramente indígenas, são também comemoradas festas como a do Divino Espírito Santo e a data de Sete de Setembro. Essa vivência de festas inspira o título da obra – No Bom da Festa… – e permeia toda a obra da pesquisadora. “O conjunto de festas acabou criando uma sociabildiade entre essa população Karipuna e as comunidades não indígenas”, explica a autora. A partir de uma abordagem que considera a cultura como um processo de transformação, a obra toca em temas clássicos da antropologia como cosmologia, mitologia e parentesco, aliados às questões próprias deste século: identidades étnicas, mudanças e elaborações culturais.

Informações 232 0941, com a professora Antonella Mª Imperatriz Tassinari

Trabalhadores discutem Previdência com deputados

23/06/2003 17:57

Professores e técnico-administrativos da UFSC participam nesta terça, 24 de junho, em parceria com os demais trabalhadores públicos federais, estaduais e municipais, de um debate aberto no Plenário da Assembléia Legislativa, a partir das 19 horas. Eles vão discutir, juntamente com o especialista em Previdência, Ivo Loyola, com todos os deputados estaduais, os problemas que a reforma da Previdência proposta pelo governo federal pode trazer para a nação brasileira. A promoção do debate é do Fórum Catarinense em Defesa da Previdência Pública e Solidária. Os trabalhadores querem sensibilizar os deputados para que conheçam bem o projeto antes de assumirem a posição de apoio ao mesmo.

UFSC promove encontro sobre drogas

23/06/2003 17:53

A Comissão de Prevenção ao Uso Abusivo de Drogas da UFSC promove nesta quinta-feira, 26/6, o I Encontro das Universidades Catarinenses Sobre Prevenção ao Uso Abusivo de Drogas. As atividades serão realizadas no auditório da Reitoria, a partir das 8h30min. Os temas em debate serão ‘Política de Prevenção nas Instituições de Ensino Superior’, com um representante da Secretaria Nacional de Anti-Drogas (Senad), e ‘Prevenção na UFSC’, com a apresentação da de Prevenção ao Uso Abusivo de Drogas da UFSC.

O encontro vai permitir a troca de experiências entre as universidades participantes e a proposição de ações conjuntas. O evento é realizado no Dia Internacional contra o Uso Abusivo de Drogas. O objetivo é que, além das universidades, toda a comunidade universitária participe. Para mobiliza-la, a Comissão está encaminhando a programação do encontro ao Diretório Central de Estudantes, aos diretores de centro das UFSC e aos coordenadores de curso.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no local do evento. Informações com Lúcia, pelo telefone 331 9611

Inscrições para o Curso Gratuito de Informática aos domingos nesta terça

23/06/2003 10:01

Curso Gratuito de Informática aos domingos. Inscrições de 8 às 10h, no Centro de Convivência/1º andar. O objetivo é a inclusão digital.

Pré-requisitos: 1- desempregados ou trabalhadores com renda familiar de até 4 salários mínimos; alunos do terceiro ano do ensino médio da rede pública, com situação sócio-econômica familiar que não ultrapasse a 4 salários mínimos.

O resultado será divulgado a partir do dia 26 de junho na Central de Apoio a Eventos (prédio do Centro de Convivência), ou pelos telefones 331 9559 e 331 9781.

O curso começa no dia 29 de junho e dura 8 domingos (total). As aulas serão realizadas aos domingos de manhã (das 8h às 12h) e à tarde (das 14h às 18h) no Laboratório de Informática da UFSC. No final do curso os participantes recebem um certificado.

Informações 331 9559 ou 331 9781

Universidade promove debates sobre políticas de inclusão social

20/06/2003 17:37

No Rio de Janeiro, o procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, considerou inconstitucional o sistema de cotas para negros e pardos, portadores de deficiência física e alunos de escolas públicas, da forma como foi instituído pelo governo do Rio de Janeiro. O sistema foi pioneiramente adotado na Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e na Uenf (Universidade Estadual do Norte Fluminense). Na Universidade de Brasília (UnB), o sistema foi instituído e deve passar a funcionar a partir de 2004. Em Santa Catarina, a UDESC está estudando a possibilidade de adotar um programa de ação afirmativa que possa garantir maior acesso a afro-descendentes em seu próximo vestibular.

Para estimular o debate sobre o tema políticas de inclusão social, que vem gerando discussões nacionais e também em Santa Catarina, com o é o caso do destino de cotas para afro-descendentes nas universidades públicas, a UFSC promove dois debates na próxima semana. Os encontros acontecem no auditório do Museu da Imagem e do Som, no Centro Integrado de Cultura (CIC).

Na quarta-feira, 25/6, o projeto Quartas Transdisciplinares promove o debate ‘Cotas para negros na universidade’, a partir de 19h. O encontro será coordenado pela professora Maria Elisa S. De Caro, diretora da Casa de Cultura da Universidade Estácio de Sá e integrante do Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFSC. O debatedor será Paulino de Jesus Cardoso, professor na UDESC de História da África e também coordenador do grupo Multiculturalismo, Educação e História de População de Origem Africana. O professor é um defensor do sistema de cotas. Participa também o professor Marcelo Tragtenberg coordenador do GT etnia gênero e classe da Apufsc

O projeto Quartas Transdisciplinares foi criado com o objetivo de divulgar as atividades desenvolvidas no âmbito do Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFSC. A meta é atrair o público em geral para o debate de temas atuais e polêmicos, que possam ser discutidos sobre a ótica da interdisciplinaridade.

Na quinta-feira, 26/6, a partir das 19h é a vez do tema entrar em debate no encontro do projeto Antropologia e Cidadania, do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFSC. O assunto será abordado a partir do tema ‘Políticas da Igualdade e Políticas da Diferença: qual sujeito?’, contando com a participação de cinco professores da UFSC que têm trabalhado com o assunto: Sonia Weidner Maluf, Antonella Tassinari, Joana Pedro, Flávia Helena de Lima e Simone Schmidt. O projeto Antropologia e Cidadania vem sendo realizado desde agosto de 2000. Em encontros mensais, os antropólogos do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFSC apresentam seus trabalhos na sala multimídia do MIS/CIC, levando à comunidade reflexões e resultados das pesquisas que estão sendo realizadas pelos núcleos do programa.

Informações:

Sobre o projeto Quartas Transdisciplinares Informações com professor Rafael Rafaeli, pelo telefone 331-9405

Sobre o debate de cotas informações com:

Maria Elisa S. De Caro – , fone 9972 2411

Paulino de Jesus Cardoso – , fone 9981 6111

Sobre o Projeto Antropologia e Cidadania e o lançamento do livro No Bom da Festa, informações com a professora Antonella Tassinari, fone 331 9714 ou 232 0941

Mais de 3000 alunos participaram da I Mostra Ambiental do Maciço Central de Florianópolis

20/06/2003 16:04

Para o sociólogo alemão Claus Offe, uma das estratégias preferidas dos detentores do poder é o não reconhecimento de uma determinada realidade, situação ou acontecimento. Essa “não realidade” implica em “não decisões”, ou seja, na ausência deliberada de ações ou políticas públicas em relação a ela. Este tem sido um dos traços mais constantes do atual poder municipal de Florianópolis quando o tema é a chamada ocupação irregular, em moradias “sub-normais”, do Maciço Central do Morro da Cruz e de outras áreas habitadas pelas populações mais pobres de nossa cidade.

Por isso mesmo é tão importante o trabalho realizado pelas comissões de Meio Ambiente e de Educação do Fórum do Maciço, esta última envolvendo direção e professores de mais de uma dezena de escolas básicas estaduais e centros de educação infantil que vêm buscando formas mais adequadas para atender os milhares de crianças desses morros.

Através da I MOSTRA AMBIENTAL DO MACIÇO CENTRAL DE FLORIANÓPOLIS (Assembléia Legislativa, 04-06/06/2003 – Semana Mundial do Meio Ambiente), essas escolas puderam explicitar os contrastes Morro-Cidade e alguns de seus trabalhos e projetos: reciclando o lixo, estudo da sexualidade, sabor e saber, a luta contra a violência da pobreza, da fome e da exclusão, que culmina no narcotráfico.

Mais de 3.000 alunos participaram da Mostra expondo trabalhos, cantando, dançando, representando ou percorrendo todos os painéis e estandes, os olhos brilhantes e o sorriso largo pelo orgulho de despertar em todos os outros visitantes a emoção, a ternura e o reconhecimento de seu valor cidadão.Mas acima de tudo, tornando visível e concreta a exigência de uma verdadeira integração cidade-maciço através de políticas públicas para a qualidade da vida, as políticas que lhes vêm sendo sistematicamente negadas pelo faz-de-conta insensível de quem finge que eles, ou seus pais, irmãos e avós, simplesmente não existem.

Luiz Fernando Scheibe

Professor do Departamento de Geociências da UFSC

Professora lança livro sobre povos indígenas Karipuna

18/06/2003 18:41

A professora do Departamento de Antropologia da UFSC, Antonella Mª Imperatriz Tassinari, lança esta semana o livro No Bom da Festa – O Processo de Construção Cultural das Famílias Karipuna do Amapá. Publicado pela Editora da Universidade de São Paulo, o livro é produto de dez anos de pesquisa da autora junto aos povos indígenas do Baixo Rio Oiapoque, no Norte do Amapá, região fronteiriça com a Guiana Francesa. O lançamento acontece na próxima quinta, 26/6, às 21h, após a realização de nova edição do projeto Antropoloiga e Cidadania, no Museu da Imagem e do Som, no Centro Integrado de Cultura (CIC), em Florianópolis.

Fruto de seis meses de pesquisa de campo nas aldeias Karipuna, o livro apresenta uma etnografia contemporânea desta população. Aborda temas clássicos da antropologia como cosmologia, mitologia e parentesco, aliados às questões próprias deste século: identidades étnicas, mudanças e elaborações culturais. A autora é doutora em Antropologia pela Universidade de São Paulo e professora do Departamento de Antropologia da UFSC.

Informações 232 0941

Editora da UFSC lança obra sobre infecção urinária

18/06/2003 18:16

A Editora da UFSC promove nesta terça-feira, 24/6, às 19h30min, no Café Matisse, Centro Integrado de Cultura, o lançamento do livro Infecção do trato urinário – aspectos práticos no diagnóstico e tratamento (R$ 12,00), de Ana Maria Nunes de Faria Stamm. A obra é considerada por especialistas como leitura obrigatória de estudantes de medicina ou médicos de qualquer especialidade com interesse no tema.

A literatura estrangeira aponta a infecção do trato urinário como uma das infecções bacterianas mais freqüentes no ser humano. Só nos Estados Unidos ela é responsável por cinco a sete milhões de consultas médicas anualmente. O impacto econômico gerado é grande, com custos elevados em atendimento ambulatorial, chegando a um bilhão de dólares por ano.

Mais informações 331-9408, 331-9605 e 331-9686, www.editora.ufsc.br ou

Abertas inscrições para nova edição da Especialização de Enfermagem no Cuidado à Família

18/06/2003 17:58

Reconhecido por contribuições nas áreas de assistência, pesquisa e extensão com famílias, o Departamento de Enfermagem da UFSC está oferecendo mais um curso de Especialização de Enfermagem no Cuidado à Família. As inscrições para o curso estão abertas até o dia 11 de julho. O curso será realizado no período de 1 de agosto desse ano até o dia 2 de julho de 2004.

O objetivo é formar especialistas em enfermagem no cuidado à família com competência técnica e humanística. A capacitação é voltada para enfermeiros, mas formandos do curso de graduação em enfermagem do semestre 2003/1 poderão inscrever-se, desde que apresentem a inscrição do Conselho Regional de Enermagem até a matrícula. Serão oferecidas 32 vagas, sendo duas vagas específicas para servidores da UFSC.

Informações: (48) 331-8767 / 331-8976

www.nfr.ufsc.br

Expediente na Universidade será normal na sexta-feira, depois do feriado de Corpus Christi

18/06/2003 16:51

As atividades da Universidade Federal de Santa Catarina serão normais na sexta-feira, dia 20, conforme decisão do Conselho Universitário quando da aprovação do calendário acadêmico 2003.

Apenas na quinta-feira, 19, feriado de Corpus Christi, não haverá aulas, estando suspensas as atividades administrativas. Funcionam na quinta somente os setores essencias, como o Hospital Universitário.

Sistema de cotas para negros nas universidades públicas será abordado no Projeto Quartas Transdisciplinares

18/06/2003 16:49

As políticas de ação afirmativa, como as cotas para negros nas universidades, podem apontar caminhos na discussão e na solução de problemas de exclusão ou são apenas ações paliativas? Com o objetivo de debater estas e outras questões, o Projeto Quartas Transdisciplinares da UFSC terá como tema o polêmico sistema de cotas para negros em universidade públicas. O debate será realizado na próxima quarta-feira, 25/6, a partir de 19h, no Museu da Imagem e do Som, no Centro Integrado de Cultura (CIC).

O encontro será coordenado pela professora Maria Elisa S. De Caro, diretora da Casa de Cultura da Universidade Estácio de Sá e integrante do Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFSC. O debatedor será Paulino de Jesus Cardoso, professor na UDESC de História da África e também coordenador do grupo Multiculturalismo, Educação e História de População de Origem Africana. O professor é um defensor do sistema de cotas.

O projeto Quartas Transdisciplinares foi criado com o objetivo de divulgar as atividades desenvolvidas no âmbito do Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFSC. A meta é atrair o público em geral para o debate de temas atuais e polêmicos, que possam ser discutidos sobre a ótica da interdisciplinaridade. Informações pelo telefone 331-9405

Sobre o debate de cotas informações com:

Maria Elisa S. De Caro – , fone 9972 2411

Paulino de Jesus Cardoso –

UFSC acompanha teleconferência preparatória para a Conferência Mundial de Educação Superior + 5

18/06/2003 16:45

Fotos: Jones Bastos/Agecom

Fotos: Jones Bastos/Agecom

Cerca de 30 pessoas acompanharam na manhã de hoje, no Laboratório de Ensino à Distância da UFSC (LED), a teleconferência “Brasil e Paris + 5: o futuro da Educação Superior”, com o Ministro da Educação Cristovam Buarque. O LED transmitiu a teleconferência através do sinal enviado do auditório da Embratel em Brasília, onde o encontro foi realizado. A TV Cultura também fez a transmissão do evento. Além do ministro, participaram o secretário de Educação Superior, Carlos Roberto Antunes dos Santos, reitores, professores e entidades representativas das universidades federais públicas.

O objetivo foi apresentar a essas classes o que o MEC defenderá na Conferência Mundial de Educação Superior + 5, que acontece de 23 a 25 de junho, em Paris. No encontro internacional, o ministro Cristovam Buarque fará o discurso de abertura e o secretário Carlos Antunes falará, dentro da comissão Evolução das Estruturas e Sistemas de Ensino Superior, sobre o tema Universidade e inclusão social.

Em sua exposição na teleconferência, Cristovam Buarque falou do papel das universidades, da validade do diploma e do isolamento das instituições de ensino em relação à sociedade. O ministro disse que vai levantar, na conferência francesa, a necessidade de se revitalizar o diploma, de se oferecer reciclagem para os professores e uma formação permanente aos alunos, permitindo que, após formados, eles possam fazer outros cursos com livre acesso. “Temos que aproveitar o momento de mudança pelo qual o país passa para criar um novo modelo de universidade”, declarou. Mais de uma vez o Ministro reafirmou o compromisso do MEC de tratar a educação não como um bem comercial, contrariando o que defende a OMC.

Buarque disse ainda que é fundamental criar um laço entre as universidades e o ensino básico, através de licenciaturas e dos cursos de pedagogia. “Temos que colocar os alunos das universidades dentro das escolas”. Falou também de uma ‘família universitária mundial’, onde os estudantes poderiam fazer parte da graduação em outras instituições através de cursos de teleconferência ou de ensino à distancia via internet.

O ministro encerrou sua exposição afirmando que fará sete apelos diferenciados: às universidades dos países ricos, às universidades dos países pobres, às universidades dos países emergentes, aos professores, aos governos, à Unesco e aos jovens. Explicou que reformas não mudam a situação por elas mesmas, pois é essencial que esses segmentos da educação participem do processo.

Após a exposição do ministro, a teleconferência contou com a interatividade por meio de correio eletrônico e fax. O público de diversos locais do país pôde fazer perguntas e contribuir com sugestões para a participação brasileira na conferência internacional. Os participantes perguntaram sobre autonomia universitária, investimento em áreas prioritárias de pesquisa, ações para viabilizar a internacionalização das universidades de forma não predatória e maneiras de sensibilizar a comunidade que demonstra restrições às mudanças.

O reitor da UFSC, Rodolfo Pinto da Luz, estava no encontro em Brasília e colocou a gratuidade do ensino público como essencial, até porque, como ele mesmo explicou, a expansão das universidades privadas tem limite. O reitor disse ainda que é necessário investir na educação como um todo, desde o ensino fundamental até o ensino superior.

A discussão em Paris volta a ocorrer cinco anos após a primeira conferência, realizada também na capital francesa. O encontro deste ano tem por objetivo avaliar ações implementadas pelos governos e repensar o futuro da Educação Superior.

Teleconferência com Ministro da Educação será transmitida ao vivo pela TV Cultura, canal 2 de Florianópolis

18/06/2003 09:24

A teleconferência com o Ministro da Educação e o Secretário da Sesu começa daqui a pouco, às 10 horas. Quem quiser participar no campus pode acompanhar a transmissão do auditório do Laboratório de Ensino a Distância.

Quem preferir assistir de outro local pode acompanhar o programa pela TV Cultura, canal 2. A transmissão começa às 10 horas e perguntas e sugestões podem ser encaminhadas por fax – (61)410-9194, 410-9195 ou 410-9196 – ou por correio eletrônico no endereço

Sistema de cotas para negros nas universidades públicas será abordado no Projeto Quartas Transdisciplinares

17/06/2003 15:53

As políticas de ação afirmativa, como as cotas para negros nas universidades, podem apontar caminhos na discussão e na solução de problemas de exclusão ou são apenas ações paliativas? Com o objetivo de debater estas e outras questões, o Projeto Quartas Transdisciplinares da UFSC terá como tema o polêmico sistema de cotas para negros em universidade públicas. O debate será realizado na próxima quarta-feira, 25/6, a partir de 19h, no Museu da Imagem e do Som, no Centro Integrado de Cultura (CIC).

O encontro será coordenado pela professora Maria Elisa S. De Caro, diretora da Casa de Cultura da Universidade Estácio de Sá e integrante do Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFSC. O debatedor será Paulino de Jesus Cardoso, professor na UDESC de História da África e também coordenador do grupo Multiculturalismo, Educação e História de População de Origem Africana. O professor é um defensor do sistema de cotas.

O projeto Quartas Transdisciplinares foi criado com o objetivo de divulgar as atividades desenvolvidas no âmbito do Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFSC. A meta é atrair o público em geral para o debate de temas atuais e polêmicos, que possam ser discutidos sobre a ótica da interdisciplinaridade. Informações pelo telefone 331-9405

Sobre o debate de cotas informações com:

Maria Elisa S. De Caro – , fone 9972 2411

Paulino de Jesus Cardoso –

Estudante da UFSC busca patrocínio para participar do Campeonato Brasileiro de Bodyboard

17/06/2003 15:14

A estudante da UFSC, Katherine Melo, 27, colocada entre as oito melhores atletas do Brasil na categoria bodyboard, está buscando patrocínio para participar de uma etapa do Campeonato Brasileiro. A competição acontece no próximo final de semana, em Maceió, na Praia do Francês. Estudante de Letras da UFSC, Katherine ficou colocada em terceiro lugar no circuito estadual e é a atual líder do ranking catarinense.

Natural de Florianópolis, a atleta estima um custo de R$ 2.500,00 para participar da etapa do campeonato brasileiro de bodyboard. Entre as oito melhores atletas no ranking brasileiro nessa categoria, cinco são catarinenses.

Expediente na Universidade será normal na sexta-feira, depois do feriado de Corpus Christi

17/06/2003 12:32

As atividades da Universidade Federal de Santa Catarina serão normais na sexta-feira, dia 20, conforme decisão do Conselho Universitário quando da aprovação do calendário acadêmico 2003.

Apenas na quinta-feira, 19, feriado de Corpus Christi, não haverá aulas, estando suspensas as atividades administrativas. Funcionam na quinta somente os setores essencias, como o Hospital Universitário.

UFSC vai ter espaço para quem quiser acompanhar teleconferência com Ministro da Educação

17/06/2003 12:24

A teleconferência contará com a interatividade por meio de correio eletrônico e fax. Além do debate, os participantes poderão contribuir com sugestões na participação brasileira na Conferência Mundial de Educação Superior + 5, que acontecerá de 23 a 25 de junho, em Paris, França.

Os interessados em participar da teleconferência do Ministério da Educação já podem enviar suas perguntas e sugestões para o endereço eletrônico ou para os números de fax (0XX61) 410-9195/410-9196.

A teleconferência será transmitida a partir das 10 horas da manhã desta quarta-feira, dia 18, do auditório da Embratel (120 lugares), no SCS, quadra 5, bloco E, térreo, e sintonizada por antena parabólica no Transponder 6A1,f reqüência 3910, polarização horizontal.

Instituições de ensino vão contratar 6 mil profissionais

16/06/2003 18:40

O secretário de Educação Superior, Carlos Antunes, anunciou que os ministérios da Fazenda e do Planejamento autorizaram a abertura de 6 mil novas vagas para contratação de professores e técnicos administrativos para as universidades federais e Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefets). As instituições serão autorizadas a realizar os concursos ainda este ano, disse.

De acordo com Carlos Antunes, destas 6 mil vagas, 4 mil serão para

servidores e 2 mil para professores. Autorizada a abertura das vagas, explicou, a secretaria vai definir os critérios de distribuição entre as universidades e Cefets, mas os reitores e diretores das instituições terão liberdade de escolher onde usar as vagas, em que cursos e em quais categorias. Para o secretário, o objetivo dessa medida é atenuar o déficit de cerca de 7 mil professores e 25 mil servidores. “Estamos fazendo uma projeção das demandas para os próximos anos e a forma como podemos fazer o preenchimento”, informou.

Avaliação

Numa análise preliminar dos cinco meses de trabalho na

Secretaria de Educação Superior (SESu), Carlos Antunes disse que já

foram definidos os eixos e que o principal é a educação como

estratégia de governo para o desenvolvimento social do Brasil, que

abrange a construção de um novo modelo para a universidade

brasileira, a escola ideal e a erradicação do analfabetismo. Na

parte específica da universidade, os outros eixos são a autonomia,

avaliação e a expansão para além do papel tradicional (ensino,

pesquisa e extensão), buscando a inserção na sociedade.

A universidade sob um novo contrato social, explicou, terá

compromisso com a expansão dos cursos noturnos e do ensino a

distância, a interiorização, a ocupação de vagas ociosas, a abertura

de novos cursos e auxílio estudantil. Carlos Antunes disse que a

forma de avaliação do Ensino Superior também está sendo reestudada

por uma comissão de especialistas criada para esse fim e que tem

prazo, até agosto, para apresentar o trabalho. “Queremos uma

avaliação que não desclassifique uma universidade em detrimento de

outra; que não seja utilizada como marketing das instituições; uma

avaliação séria, que permita, dentro de um conjunto maior de

parâmetros, poder dar à sociedade uma posição real da qualidade

daquela instituição que está sendo avaliada” afirmou.

O Financiamento Estudantil (Fies) também está sendo modificado para

atender os alunos que mais precisam e oferecer bolsas de estudo para

estimular as carreiras do magistério e apoiar os professores em

exercício.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Ministério da Educação.

Ministro da Educação e secretário de Educação Superior realizam a primeira teleconferência ao vivo e interativa

16/06/2003 18:09

O ministro da Educação, Cristovam Buarque, e o secretário de Educação Superior, Carlos Roberto Antunes dos Santos, participam, na próxima quarta-feira, 18, da teleconferência Brasil e Paris + 5: o futuro da Educação Superior. Reitores, professores e entidades representativas das universidades federais públicas estão convidados para o evento, que será transmitido ao vivo, entre 10 e 11h30.

A teleconferência contará com a interatividade por meio de correio eletrônico e fax. Além do debate, os docentes poderão contribuir com sugestões na participação brasileira na Conferência Mundial de Educação Superior + 5, que acontecerá de 23 a 25 de junho, em Paris, França.

No evento internacional, o ministro Cristovam Buarque fará o discurso de abertura da conferência francesa. Já o secretário Carlos Antunes falará, dentro da comissão Evolução das Estruturas e Sistemas de Ensino Superior, sobre o tema Universidade e inclusão social.

A discussão em Paris volta a ocorrer cinco anos após a primeira conferência, realizada também na capital francesa, em 1998. O encontro deste ano tem por objetivo fazer uma avaliação das ações implementadas pelos governos de todas as nações, repensar o futuro da Educação Superior e apresentar propostas para os próximos anos.

Recentemente, a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) enviou aos governos de todos os países formulários solicitando informações dos projetos efetivados e como eles foram executados. A pesquisa contemplou, ainda, dados comparativos entre a situação das universidades em 1998 e como elas se encontram em 2003.

Assim como na primeira reunião, a segunda também será marcada por mesas-redondas, palestras e exposições e contará com a presença de membros da Unesco, de fundações, de organizações não-governamentais,

ministros e chefes de delegações, reitores, líderes sindicais, líderes sindicais e estudantes.

Os docentes interessados em participar da teleconferência do Ministério da Educação já podem enviar suas perguntas e sugestões para o endereço eletrônico ou para os números de fax (0XX61) 410-9195/410-9196. Para saber o local de recepção do evento, devem procurar a reitoria da sua universidade.

A teleconferência será transmitida do auditório da Embratel (120 lugares), no SCS, quadra 5, bloco E, térreo, e sintonizada por antena parabólica no Transponder 6A1,f reqüência 3910, polarização horizontal.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Ministério da Educação.

Projeto de extensão da UFSC participa da promoção da etapa Regional Sul de Goalball

16/06/2003 18:03

Em parceria com a Associação Catarinense para Integração do Cego/ACIC, o Projeto de Extensão Sábado no Campus: Esportes Adaptados, do Centro de Desportos UFSC, promove na próxima semana uma etapa da Regional Sul de Goalball. A competição acontece nos dias 20 a 21 de junho, na Base Aérea de Florianópolis. No dia 20 de junho estará previsto para as 8h o cerimonial de abertura e logo após o início da competição. Estes jogos serão classificatórios para o Brasileiro das séries “A” e “B” a serem realizados na cidade do Rio de Janeiro, no final do ano. A entrada é franca.

O Goalball, esporte praticado pelos portadores de deficiência visual, foi criado em 1946, pós II Guerra Mundial, com fins terapêuticos. O objetivo deste esporte é marcar gol na equipe adversária. Cada equipe é composta por 3 jogadores titulares e 3 reservas. Atualmente o Goalball é um esporte Paraolímpico, onde o Brasil, em agosto desse ano, no Canadá, estará disputando uma das vagas para as Paraolimpíadas de Atenas/2004.

Mais informações com o coordenador do Projeto Sábado no Campus: Esportes Adaptados, professor Luciano Lazzaris Fernandes, fone 3319462 r/20 – 91165604, ou mail:

Estudantes de Arquitetura projetam cafeteria para o Palácio Cruz e Souza

16/06/2003 17:42

Estudantes da disciplina de Planejamento Arquitetônico e Paisagismo I, do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFSC, apresentam nesta terça-feira, os projetos de implantação de uma cafeteria no Museu Histórico Palácio Cruz e Souza. A apresentação acontece às 8h30min, na sala 002 do Departamento de Arquitetura. Estarão presentes a administradora do museu, Susana Bianchini Simon e o museólogo, Max José Müller.

A professora da disciplina, Alina Santiago, já coordenou em anos

anteriores outros projetos de extensão em parceria com a Fundação

Catarinense de Cultura e o Instituto do Patrimônio Histórico e

Artístico Nacional. “O que é interessante nessas parcerias é que,

através delas, os alunos estão discutindo a realidade e as atuais

necessidades da cidade. Além disso, é importante que a universidade colabore com a implantação de um projeto como esse”, explica Alina.

Saiba Mais

Museu Histórico Palácio Cruz e Souza

Antigo Palácio do Governo, o Museu Histórico Palácio Cruz e Souza recebeu visitas ilustres, como D. Pedro I (1826) e D. Pedro II (1845 e 1865). O Palácio também foi palco de um episódio dramático durante a Revolução Federalista, quando, em 1891, foi tomado de assalto por revolucionários que se colocaram contra a política de Floriano Peixoto em Santa Catarina, o vice-presidente em exercício na época.

Entre 1894 e 1898, no governo de Hercílio Luz, o prédio foi reformado,

perdendo, a partir de então, as características coloniais originais e

assumindo linguagem eclética, repleta de elementos decorativos.

O Palácio, tombado pelo Estado e pelo Município, deixou de sediar o

gabinete do governador do Estado em 1984. Funciona como museu desde

1986. Foi restaurado em 1977 e em 1984. Em 1979 passou a ser denominado Palácio Cruz e Sousa, em homenagem ao grande poeta catarinense.

Fonte: Núcleo de Comunicação do Centro Tecnológico

VIII Encontro Nacional de Economia Política inicia nesta terça-feira

16/06/2003 12:48

Começa nesta terça-feira, 17 de junho, no auditório do Centro Sócio Econômico da UFSC, o VIII Encontro Nacional de Economia Política. As inscrições podem ser feitas na secretaria do Curso de Pós-Graduação em Economia. A taxa é de R$ 15,00 para estudantes e R$30,00 para os demais. A abertura oficial acontece no dia 18, no Hotel Castelmar.

Os cursos oferecidos são: ‘Reestruturação Bancária em Contexto de Globalização Financeira’, com Luiz Fernando de Paula da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e ‘Epistemologia e Retórica da Economia’, com Ana Maria Bianchi da Universidade de São Paulo (USP).

Na quinta e sexta-feira, 19 e 20 de junho, o evento prossegue no Hotel Castelmar, com a apresentação de trabalhos e conferências. A inscrição para os dois últimos dias pode ser feita no local, custa R$ 35,00 para integrantes da Sociedade Brasileira de Economia Política e R$ 70,00 para os não associados. Estudantes pagam R$ 15,00.

Informações: 331-9901.

UFSC sedia encontro de Cursos de Economia de Santa Catarina

16/06/2003 12:33

O Reitor da UFSC, Rodolfo Joaquim Pinto da Luz abriu oficialmente, às 10 horas desta segunda-feira, o 8º Encontro dos Cursos de Economia de Santa Catarina. A promoção é do Departamento de Economia da UFSC e do Conselho Regional de Economia de SC.

Na cerimônia de abertura a Universidade foi homenageada pelas entidades dos economistas com uma placa alusiva aos 60 anos de criação do Curso de Economia. O Curso foi implantado em 1943, e federalizado em 1960, compondo com outras faculdades a Universidade Federal.

A programação do Encontro de Cursos de Economia de Santa Catarina prevê discussões sobre a situação dos cursos, diretrizes curriculares, novas propostas e uma palestra sobre “Alternativas de política econômica para o Brasil”.

Professor Nilson Lage é nomeado para dirigir o Instituto Brasileiro de Informação Científica e Tecnológica

16/06/2003 11:01

O professor Nilson Lage, do Curso de Jornalismo/CCE/UFSC, foi nomeado no dia 11 de junho para a diretoria do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e assumirá o cargo em cerimônia oficial em Brasília nas próximas semanas. O professor inicia imediatamente um período de transição, estudando nomes para funções de confiança e avaliando a situação atual do IBICT. O Instituto, ligado ao Ministério de Ciência e Tecnologia, é responsável pela divulgação de avanços científicos e tecnológicos brasileiros.

O grande desafio, segundo Lage, será dinamizar e ampliar a atuação do Instituto. “É preciso que o IBICT se volte para o futuro, no desenvolvimento de novas tecnologias de informação. É importante, por exemplo, a produção de conteúdo para as novas mídias, como a Internet2” afirma . Lage pretende também articular um projeto de televisão de baixo custo, que viabilizaria a produção de TV em nível laboratorial e comunitário, envolvendo escolas. A nomeação do professor se deve, em parte, a este projeto de TV comunitária.

O professor Nilson Lage foi à Brasília, na semana passada, discutir com o ministro Roberto Amaral um apoio para a implementação do projeto de televisão de baixo custo. Amaral gostou da idéia e acabou por indicar Lage para a diretoria do IBICT. Outro fator que contribuiu para a nomeação, além da grande experiência e competência do professor, foi a forte ligação do Instituto com a UFRJ – universidade na qual Lage é professor aposentado. Ampliar este tipo de ligação entre o Instituto e as universidades, em especial a UFSC, é uma das metas de Lage.

“Pretendo abrir várias frentes de coordenação, para aproximar o Instituto ao ambiente acadêmico” declara. Lage considera fundamental, por exemplo, a publicação do material produzido pelas pós-graduações na Internet, para facilitar o acesso aos novos conhecimentos. “No momento estou apenas formulando idéias, tenho que conferir se elas são possíveis” conclui.

O professor viajou à Brasília na quinta-feira para acertar as datas da cerimônia de posse e fazer a primeira avaliação do Instituto. A partir do momento em que começar a trabalhar pretende ficar na capital federal de segunda a sexta e retornar, nos fins de semana, para Florianópolis, onde manterá a família. O professor lamenta ter que abandonar as disciplinas que vinha ministrando no Curso de Jornalismo da UFSC e não poder mais trabalhar nos dois livros que vinha elaborando – um sobre teoria do texto e outro sobre informação e mídia.

Fonte: www.jornalismo.ufsc.br