Inscrições para o 22º Seminário de Iniciação Científica da UFSC devem ser feitas até 13 de agosto

17/07/2012 09:19

Destaques da Iniciação Científica foram selecionados em evento obrigatório para os jovens cientístas

Estão abertas até 13 de agosto as inscrições para o 22º Seminário de Iniciação Científica da UFSC. O encontro será realizado nos dias 17, 18 e 19 de outubro, em conjunto com a 11ª Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão (Sepex).

A participação é obrigatória para bolsistas de iniciação científica da UFSC, mas podem se inscrever graduandos de outras instituições de ensino superior. No site sic.ufsc.br há orientações sobre resumos, entre outros tópicos, e o formulário de inscrição.

A maioria dos projetos será apresentada na forma de painéis, no piso superior do Centro de Cultura e Eventos, entre 15h e 18h. Na quarta-feira serão avaliados estudos da área de Ciências da Vida (Bolsistas cujos orientadores sejam do CCA, CCB, CCS e CDS); na quinta-feira de Ciências Exatas e da Terra (Bolsistas cujos orientadores sejam do CTC e CFM) e na sexta-feira de Ciências Humanas e Sociais (Bolsistas cujos orientadores sejam do CFH, CCE, CED, CSE e CCJ). Alguns trabalhos serão selecionados para apresentações orais.

Todos os trabalhos de alunos da UFSC, inscritos e apresentados,
concorrem ao prêmio Destaques da Iniciação Científica 2012.

Informações: / Fone: (48) 3721-9332

Leia também:
UFSC terá representação de cinco jovens cientistas na Reunião Anual da SBPC
Inscrições para o 22º Seminário de Iniciação Científica da UFSC devem ser feitas até 13 de agosto

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Relação entre sistema canabinóide endógeno e álcool será discutida na Reunião Anual da SBPC

17/07/2012 08:26

Encontro é etapa obrigatória para bolsistas de iniciação científica

Contemplado na extensa programação da 64ª Reunião Anual da SBPC, o tema efeitos do álcool no sistema nervoso central será discutido por pesquisadores da área de Farmacologia da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, um dos maiores eventos científicos do país, será realizada de 22 a 27 de julho, na Universidade Federal do Maranhão, em São Luís (MA).

O encontro com abordagem no álcool é patrocinado pela Sociedade Brasileira de Farmacologia e Terapêutica Experimental, e coordenado pela professora Silvânia Maria Mendes de Vasconcelos, do Departamento de Fisiologia e Farmacologia, da Faculdade de Medicina da UFC. Também será palestrante o professor Reinaldo N. Takahashi, do Departamento de Farmacologia UFSC, que vai trabalhar com o tema ´Participação do sistema endocanabinóide na dependência ao álcool`.

“Como o público será heterogêneo, pretendo efetuar uma abordagem usando evidências obtidas no laboratório, numa linguagem didática e compreensível para a comunidade em geral”, adianta o professor Takahashi.  Segundo ele, será enfatizado que tanto o uso da cannabis como o de bebidas alcoólicas constitui prática antiga, que se confunde com a história do ser humano. O pesquisador vai abordar também semelhanças entre as duas substâncias: em doses baixas  podem induzir hipotermia, analgesia, disfunção motora, euforia e estimulação. Em doses altas, sedação, e em uso repetido ou crônico, tolerância e dependência.

“Pesquisas efetuadas no Laboratório de Farmacologia UFSC não encontraram evidências de envolvimento de mecanismos canabinóides no consumo de álcool. Entretanto, estudos mais recentes realizados no exterior sugerem que drogas bloqueadoras de receptores  canabinóides cerebrais podem atenuar o consumo, não só de álcool, como também de outras drogas como a cocaína e a nicotina”, destaca o professor. Segundo ele, o efeito paradoxal de um derivado de droga bastante consumido, a maconha, atuar em eventual tratamento de dependência de outras drogas, será discutido na mesa-redonda.

– Mais informações na UFSC: / Telefone: (48) 3721-9764 Ramal: 227

Programação científica da 64ª Reunião Anual da SBPC

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Saiba Mais:

– Relação entre sistema canabinóide endógeno e álcool será discutida na Reunião Anual da SBPC

Conferências e mesas-redondas com a participação de professores da UFSC na Reunião Anual da SBPC:

Conferência: VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E IDENTIDADE SOCIAL
Terça-feira, 24/7/2012 – das 10h30min às 12h
Conferencista: Maria Edair Görski (UFSC)
Apresentador: Marco Antonio Martins (UFRN)
Local: Centro Paulo Freire – Miniauditório – Sala 209 Asa Sul
Proponente: Associação Brasileira de Linguística

Mesa-Redonda: EFEITOS DO ÁLCOOL NO SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC)
Terça-feira, 24/7/2012 – das 15h30min às 18h
Coordenador: Silvânia Maria Mendes Vasconcelos (UFC)
Participantes: Reinaldo Nóbrega de Almeida (UFPB) e Reinaldo Naoto Takahashi (UFSC)
Local: Núcleo de Esportes – Miniauditório 1
Proponente: Sociedade Brasileira de Farmacologia e Terapêutica Experimental

Mesa-Redonda: REALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL
Quinta-feira, 26/7/2012 – das 15h30min às 18h
Coordenador: Marcelo Miranda Viana da Silva (IMPA)
Participantes: Cesar Zucco (UFSC), Mirella Moura Moro (UFMG) e Celso Pinto de Melo (UFPE)
Local: Centro Paulo Freire – Miniauditório – Sala 307 Asa Sul

Mesa-Redonda: PLANTAS MEDICINAIS DO NORTE E SEU POTENCIAL TERAPÊUTICO
Quinta-feira, 26/7/2012 – das 15h30min às 18h
Coordenador: Thereza Christina Monteiro de Lima (UFSC)
Participantes: Sonia Maria de Faria Freire (UFMA), Luce Maria Brandao Torres (IB-SP) e Antonio José Lapa (UNIFESP)
Local: Centro Paulo Freire – Miniauditório – Sala 109 Asa Sul
Proponente: SBPM

Mesa-Redonda: SEGURANÇA NA UNIVERSIDADE
Sexta-feira, 27/7/2012 – das 15h30min às 18h
Coordenador: José Vicente Tavares dos Santos (UFRGS)
Participantes: Natalino Salgado Filho (UFMA) e Roselane Neckel (UFSC)
Local: Centro Paulo Freire – Miniauditório – Sala 307 Asa Sul

Leia mais sobre pesquisas da UFSC:
UFSC terá representação de cinco jovens cientistas na Reunião Anual da SBPC
Pesquisa identifica consequências do uso de salto alto
Consequências do milho transgênico na fauna de besouros é tema de pesquisa
Estudo avalia que rotulagem de alimentos não segue padronização e pode confundir consumidor
Pesquisa avalia doenças causadas por contaminação atmosférica ocupacional
Laboratório de Protozoologia celebra 30 anos dedicados à pesquisa e à formação
Sub-rede de Desastres Naturais será coordenada pela UFSC
Pesquisas com goiabeira-serrana conquistam prêmio da Sociedade de Botânica Econômica dos Estados Unidos
Estudos têm resultados promissores para tratamento do AVC e de queimaduras com células-tronco
Pesquisa da UFSC sobre melhoria de ossos sintéticos é apresentada em congresso na China
UFSC se destaca no Prêmio Capes de Tese
Vida do educador Vilson Steffen é tema de documentário
Laboratório realiza ensaios para certificação de implantes de silicone pelo Inmetro
– Pesquisa sobre engenharia metabólica e evolutiva de leveduras conquista Prêmio Top Etanol
Professores da UFSC lançam publicação sobre mudanças climáticas
– Pesquisadores estudam mosquitos na Ilha de Santa Catarina

Conferência aborda o desafio de construir mapas coletivamente

16/07/2012 18:06

Professor Goodchild recebe a medalha Peter Burrough em homenagem ao seu trabalho sobre precisão em sistemas de informação geográfica

Ferramentas cada vez mais populares em computadores e celulares, os mapas hoje ganharam uma nova configuração em projetos colaborativos como Wikimapia e Open Maps. Neles qualquer pessoa pode construir seus mapas, incluir informações geográficas e referências de lugares onde circula. Ao mesmo tempo, não existem mecanismos que assegurem que os dados sejam verdadeiros ou precisos. Este é o principal desafio do cenário atual da informação geográfica apontado pelo especialista Michael Goodchild, da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, Estados Unidos. Ele foi o convidado especial da décima edição do Simpósio Internacional Sobre Avaliação de Precisão Espacial em Recursos Naturais e Ciências Ambientais, onde fez a conferência de abertura.

Goodchild é um dos maiores especialistas em georreferenciamento e também um dos primeiros pesquisadores que pensou em colocar um mapa no computador. Na palestra “The Accuracy of Volunteered Geographic Information” (A precisão da informação geográfica voluntária), assinalou o amplo potencial das iniciativas coletivas: são milhões de pessoas que participam, algumas voluntariamente e outras de forma involuntária, a um custo mínimo. As atualizações são feitas em tempo real. O professor explica que uma das vantagens é que essa rede densa de observadores pode ajudar no gerenciamento de emergências.

Um dos exemplos foi a construção coletiva de mapas após o terremoto que devastou o Haiti no dia 12 de janeiro de 2010. No início, os grupos de resgate contavam com um mapa pouco detalhado de Port-au-Prince, capital do país. Com o passar do tempo, os grupos foram construindo os mapas das ruas da cidade, de forma a auxiliar a chegada da ajuda aos que mais precisavam.

Outro exemplo é o georreferenciamento de notícias na web, postagem no Twitter ou de imagens no Flickr. Trata-se de uma forma de organizar uma grande quantidade de informação, relacionando-a ao lugar de origem ou de referência geográfica. Por meio dessas informações foi possível monitorar um incêndio ocorrido em 2009 nos arredores da cidade de Santa Bárbara, Califórnia.

Ao mesmo tempo que possuem um grande potencial, as iniciativas voluntárias apresentam diversos problemas. Não há um controle de qualidade, metadados, nem padronização, ou seja, os dados não apresentam nenhum dos aspectos que caracterizam as informações geográficas oficiais. Para resolver essa questão, Goodchild apresenta três propostas. Uma delas é o que denomina de “solução da multidão”. É a mesma utilizada no desenvolvimento de software proposto por Linus Towards, criador do Linux: quantos mais olhos para revisar, mais preciso o dado se tornará. A segunda é a “solução social”, em que uma hierarquia de moderadores revisa os dados submetidos, como ocorre na Wikipedia. Por fim está a “solução geográfica”, que utiliza as regras da geografia e da sintaxe para determinar se um fato geográfico reportado é falso ou verdadeiro.

Antes de ministrar a conferência, o professor Goodchild foi o homenageado com a medalha Peter Burrough, pesquisador falecido em 2009, autor de obras de referência sobre princípios de Sistemas de Informação Geográfica. Sediado pela primeira vez na América Latina, o Simpósio reuniu mais de 100 pesquisadores, dos quais 40 estrangeiros, no Hotel Porto do Sol, no bairro Ingleses, Florianópolis, de 11 a 13 de julho. O simpósio foi organizado pela International Spatial Accuracy Research Association (ISARA) e pela Commission on Modelling Geographical System of the International Geographical Union. No Brasil, as entidades responsáveis pelo evento foram a UFSC e a Universidade Estadual de Santa Catarina (Udesc).

Por Laura Tuyama, jornalista da Agecom. Foto: Henrique Almeida, Agecom.

Recategorização da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo pode ter impacto sobre banco de algas calcáreas

16/07/2012 10:25

Imagens subaquáticas de rodolitos no Rancho Norte, local da saída de campo realizada na última quinta-feira. O material foi cedido pela equipe de pesquisadores.

O Brasil irá na contramão da história se reverter sua Reserva Biológica Marinha do Arvoredo à classificação de parque nacional. País líder na elaboração da Convenção Sobre Diversidade Biológica, com metas para 2010 de 10% de ambiente costeiro protegido, atualmente preserva em áreas marinhas devidamente protegidas cerca 1,5% de seu litoral – e terá uma repercussão internacional negativa se abrir à visitação pública uma de suas duas únicas reservas biológicas marinhas federais.

A preocupação do coordenador do Laboratório de Ficologia da UFSC, Paulo Horta, resultou em convite a jornalistas para uma saída de campo ao banco de algas calcáreas localizado no Rancho Norte da Ilha do Arvoredo (uma das quatro ilhas que formam a Reserva Biológica Marinha do Arvoredo). Durante a visita, realizada na última quinta-feira, 12 de julho, Horta e quatro pós-graduandos que têm estudos relacionados à reserva demonstraram preocupações com a possibilidade de entrada no local de barcos para o mergulho recreativo.

Fundo do mar tridimensional
Considerada local de alta diversidade quando comparada a outros pontos do litoral brasileiro, a Reserva Biológica Marinha do Arvoredo tem entre os representantes da flora marinha macroalgas do grupo das Rhodophytas  algas vermelhas que têm seus mantos, chamados de rodolitos, distribuídos por diferentes locais do litoral brasileiro.

Na área da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo há bancos de rodolitos na Ilha do Arvoredo, na Deserta e Galés. “São estruturas que conferem tridimensionalidade ao ambiente e formam oásis sobre a areia do fundo do mar”, explica Horta, que desde seu mestrado trabalha com algas calcáreas e atualmente coordena projeto nacional para melhor conhecimento das espécies no litoral brasileiro.

Pesquisador da área de Botânica Marinha, ele lembra que as algas são capazes de realizar fotossíntese, sendo em grande parte responsáveis pela renovação do oxigênio do ar atmosférico e daquele que está misturado na água, necessário aos seres aquáticos aeróbicos. Têm também função primordial no ciclo de vida do ambiente marinho. São chamadas de organismos produtores, pois produzem tecidos vivos a partir da fotossíntese, e estão na base da cadeia alimentar: sustentam os animais herbívoros (peixes, caranguejos, moluscos, etc), que sustentam os carnívoros, e assim por diante.

“São também biofábricas de carbonato de cálcio”, complementa o professor sobre as algas presentes na Reserva do Arvoredo, capazes de realizar fotossíntese e de transformar carbono em carbonato de cálcio, formando estruturas que fornecem alimento e habitat para diversos seres marinhos.

Na visão de Paulo, o banco da Reserva do Arvoredo é uma área que depende de preservação, tanto pela importância para o ambiente marinho e para comunidades que dependem de recursos pesqueiros, como pela fragilidade. “Ainda se procura entender porque, mas estas algas têm um crescimento muito lento, mais ou menos 1% ao ano. Para se ter 10 centímetros são mais de 100 anos”, exemplifica.

“Imagine vários barcos parados aqui, soltando sua âncora sobre esse ambiente”, destacou o pesquisador na saída de campo. Ele critica a defesa da recategorização em parque com base no fator econômico e de geração de empregos e de renda.

“Os projetos de pesquisa também geram renda, criam trabalho”, defende o pesquisador que lamenta a priorização dos benefícios da reserva a curto prazo. “Será como matar a galinha dos ovos de ouro. A proteção da biodiversidade é suficiente justificativa para se manter a reserva”, considera o professor. Ele estima que cerca de 20 projetos de pesquisa são desenvolvidos atualmente no local, a maioria por pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina.

Visão de longo prazo
O doutorando Anderson Batista, do Laboratório de Biogeografia e Macroecologia Marinha, que estuda estruturas temporais de peixes recifais, acompanhou a saída de campo e mergulhou para observar as espécies na reserva.

“Tinha pouca gente por lá”, brincou ao finalizar o mergulho na Ilha do Arvoredo. Ele explica que é comum uma redução das populações de peixes no inverno e reforça a ideia de que a reserva deveria ser protegida a partir de uma visão de longo prazo.

“Para gerar frutos, sendo capazes de exportar organismos, as reservas levam 30 a 40 anos. Nós agora estamos com 22 anos da Reserva do Arvoredo e reverter em parque seria um enorme retrocesso”, considera o doutorando que em seu mestrado também trabalhou com censos visuais de comunidades de peixes e observou uma biomassa 240% maior na área da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo do que em outras ilhas não protegidas no litoral de Santa Catarina.

“Não é uma Ilha (Arvoredo) proibida, como estão dizendo. Há uma grande área no lado sul em que qualquer pessoa pode ir, as escolas, as prefeituras, onde o mergulho é permitido. Várias pessoas podem usufruir, ter benefícios, mas alguns locais precisam ser intangíveis, para o bem da nação”, complementa Horta.

Âncoras sobre os rodolitos, toque e coleta (inerentes à curiosidade humana), barulho dos barcos, poluição dos motores, movimentação do sedimento do fundo do mar com nadadeiras, lixo, impacto nas comunidades de seres marinhos e aves são algumas das perturbações que preocupam a equipe. Na UFSC, o Departamento de Botânica e o Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal aprovaram posição institucional contra a recategorização da reserva.

Mais informações:
– Paulo Horta: (48) 3721-8544 /
– Janayna Bouzon: (48 3721-8541 /
– Anderson Batista: (48) 3721-5521 / 3721-9099 /

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Saiba Mais:

A Reserva Biológica Marinha do Arvoredo
Foi criada por decreto em 12 de março de 1990
 É constituída pelas ilhas Galés, Arvoredo e Deserta, e pelo Calhau de São Pedro
– Tem área de 17.600 hectares e engloba águas dos municípios de Florianópolis, Governador Celso Ramos, Porto Belo, Bombinhas e Tijucas.

Reservas Biológicas Marinhas no Brasil:
–  Representam 53.849 ha (0.02% da área total marinha brasileira), divididas em duas únicas, federais: Atol da Rocas (RN), com área de 36.249 há (68,64%), e do Arvoredo (SC), com área de 17.600,00 ha (31,36%) (inclusas as áreas marinha e terrestre)

Unidades federais de conservação marinha em Santa Catarina:
– Estação Ecológica de Carijós ………….. 712,00 ha (0,33%)
– A.P.A Anhatomirim…………………………. 3.000,00 ha (1,40%)
– A.P.A da Baleia Franca……………………156.100,00 ha (72,80%)
– Reserva Extrativista do Pirajubaé…….. 37.062,90 ha (17,28%)
– Reserva do Arvoredo……………………… 17.600,00 ha (8,21%)

 Recategorização para parque marinho
Foi debatida em audiência pública no dia 9 de julho, no Auditório Antonieta de Barros, na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, em Florianópolis. A audiência foi convocada pelos deputados federais Rogério Peninha Mendonça (PMDB/SC) e Esperidião Amin (PP/SC), atendendo pedido da bancada de deputados do Estado. Os parlamentares pretendem apresentar Projeto de Lei que transforma a reserva biológica em parque nacional, uma categoria de unidade de conservação menos restritiva e que permite a visitação.

A Associação das Escolas e Operadoras de Mergulho do Estado de Santa Catarina e a Associação Empresarial de Bombinhas, com o apoio de outras entidades, estão engajadas no Movimento Pró Parque Marinho. A ideia é que um projeto de lei que transforma em Parque Nacional a Reserva Biológica Marinha do Arvoredo seja apresentado na Câmara dos Deputados. Após a apresentação, será distribuído às comissões parlamentares, onde deve passar por nova rodada de debates. No final do processo, deverá ser apreciado e votado pelo plenário da Câmara dos Deputados. Aprovado, seguirá para o Senado Federal, onde passa por processo semelhante. Depois precisa ser sancionado pela presidente Dilma Roussef.

Leia mais sobre pesquisas da UFSC:
UFSC terá representação de cinco jovens cientistas na Reunião Anual da SBPC
Pesquisa identifica consequências do uso de salto alto
Consequências do milho transgênico na fauna de besouros é tema de pesquisa
Estudo avalia que rotulagem de alimentos não segue padronização e pode confundir consumidor
Pesquisa avalia doenças causadas por contaminação atmosférica ocupacional
Laboratório de Protozoologia celebra 30 anos dedicados à pesquisa e à formação
Sub-rede de Desastres Naturais será coordenada pela UFSC
Pesquisas com goiabeira-serrana conquistam prêmio da Sociedade de Botânica Econômica dos Estados Unidos
Estudos têm resultados promissores para tratamento do AVC e de queimaduras com células-tronco
Pesquisa da UFSC sobre melhoria de ossos sintéticos é apresentada em congresso na China
UFSC se destaca no Prêmio Capes de Tese
Vida do educador Vilson Steffen é tema de documentário
Laboratório realiza ensaios para certificação de implantes de silicone pelo Inmetro
– Pesquisa sobre engenharia metabólica e evolutiva de leveduras conquista Prêmio Top Etanol
Professores da UFSC lançam publicação sobre mudanças climáticas
– Pesquisadores estudam mosquitos na Ilha de Santa Catarina

UFSC terá representação de cinco jovens cientistas na Reunião Anual da SBPC

13/07/2012 09:14

Contemplados com Bolsas de Iniciação Científica, os seis graduandos foram homenageados em cerimônia no início desse ano

Selecionados em um seminário que teve a apresentação de mais de 800 projetos, cinco estudantes de graduação reconhecidos com o prêmio Destaque da Iniciação Científica 2011 representarão a UFSC na 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.

Guilherme Ricken (Direito), Guilherme Wagner e Paulo Leonel Teixeira (do Curso de Engenharia Mecânica),  Paulo Victor da Fonseca (Ciências Econômicas) e Vandrize Meneghini (Educação Física) apresentarão seus trabalhos na Jornada Nacional de Iniciação científica, um dos eventos paralelos à Reunião da SBPC, que este ano será realizada de 22 a 27 de julho, na Universidade Federal do Maranhão, em São Luís (MA). A estudante Francis Pereira Dias (Ciências Biológicas), também reconhecida com o prêmio, está nos Estados Unidos pelo programa Ciência Sem Fronteiras e não participará da SBPC. A Pró-Reitoria de Pesquisa, setor responsável pelas bolsas de iniciação científica na Universidade, vai custear inscrição, hospedagem e transporte.

Contemplados com Bolsas de Iniciação Científica, os seis graduandos tiveram a oportunidade de participar de projetos de pesquisa coordenados por professores da UFSC. A escolha de seus trabalhos aconteceu durante o 21°Seminário de Iniciação Científica, encontro ligado à Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão (Sepex) e etapa obrigatória para quem recebe bolsa de iniciação científica. O seminário é realizado para avaliação dos projetos por professores da UFSC e também de outras universidades. Em 2011 foram convidados avaliadores da Escola Paulista de Medicina (Universidade Federal de São Paulo), da Escola de Engenharia de São Carlos (também ligada à USP) e do Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense (UFRJ).

Engenharia espacial e botânica
Os títulos dos trabalhos dos estudantes selecionados como Destaques da Iniciação Científica são um indicativo da complexidade e da relevância das pesquisas premiadas. Guilherme Wagner desenvolveu o projeto ´Análise Experimental de um Sistema de Bombeamento Capilar com Elemento Poroso Cerâmico em Ambiente de Microgravidade´. Ele explica em seu resumo que evaporadores capilares cerâmicos representam um avanço na tecnologia mundial para a dissipação de calor e controle de temperatura de operação de componentes eletrônicos, com potencial aplicação em ambiente de microgravidade (ambiente espacial, por exemplo).

Relacionado à área de Engenharia Térmica e desenvolvido junto ao Laboratório de Combustão e Engenharia de Sistemas Térmicos, ligado ao Departamento de Engenharia Mecânica da UFSC, o estudo está integrada a uma linha de pesquisa que busca colaborar com o desenvolvimento de tecnologia nacional para projeto e fabricação de circuitos de transferência de calor − sistemas com aplicação nas áreas espacial e industrial.

A caracterização da anatomia das folhas de duas plantas, uma delas com ocorrência somente em Florianópolis, é tema de outro trabalho premiado. O estudo de Francis Pereira Dias, ligado ao Laboratório de Anatomia Vegetal do Departamento de Botânica, enfoca epífitas (plantas que crescem sobre o tronco de árvores) e rupícolas (organismos que vivem sobre paredes, muros, rochedos ou afloramentos rochosos) e representam grande parte da diversidade das Florestas Tropicais Úmidas. São espécies com estruturas anatômicas, adaptadas à restrição de água e à busca de irradiação solar.

Francis caracterizou o formato das folhas de duas espécies (a epífita Codonanthe gracilis e a rupícola Sinningia bullata, que só ocorre em Florianópolis), relacionando suas características às condições ambientais. O trabalho integra a Rede em Epífitas de Mata Atlântica: Sistemática, Ecologia e Conservação, do Programa Nacional de Apoio e Desenvolvimento da Botânica, financiado pela Capes.

Os estudantes avaliados como Destaques da Iniciação Científica 2011 e que serão levados à SBPC também abordaram os temas aptidão funcional e comportamento sedentário em idosos; sistemas para controle de ângulo em turbinas eólicas; análise econômica teórica do fenômeno de migração rural-urbana e a construção jurídica do Estado Interventor nos Estados Unidos.

Mais informações: Departamento de Projetos de Pesquisa  / (48) 3721-9332

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom
Fotos: Wagner Behr / Agecom

Saiba Mais:

Conferências e mesas-redondas com a participação de professores da UFSC na Reunião Anual da SBPC:

Conferência: VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E IDENTIDADE SOCIAL
Terça-feira, 24/7/2012 – das 10h30min às 12h
Conferencista: Maria Edair Görski (UFSC)
Apresentador: Marco Antonio Martins (UFRN)
Local: Centro Paulo Freire – Miniauditório – Sala 209 Asa Sul
Proponente: Associação Brasileira de Linguística

Mesa-Redonda: EFEITOS DO ÁLCOOL NO SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC)
Terça-feira, 24/7/2012 – das 15h30min às 18h
Coordenador: Silvânia Maria Mendes Vasconcelos (UFC)
Participantes: Reinaldo Nóbrega de Almeida (UFPB) e Reinaldo Naoto Takahashi (UFSC)
Local: Núcleo de Esportes – Miniauditório 1
Proponente: Sociedade Brasileira de Farmacologia e Terapêutica Experimental

Mesa-Redonda: REALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL
Quinta-feira, 26/7/2012 – das 15h30min às 18h
Coordenador: Marcelo Miranda Viana da Silva (IMPA)
Participantes: Cesar Zucco (UFSC), Mirella Moura Moro (UFMG) e Celso Pinto de Melo (UFPE)
Local: Centro Paulo Freire – Miniauditório – Sala 307 Asa Sul

Mesa-Redonda: PLANTAS MEDICINAIS DO NORTE E SEU POTENCIAL TERAPÊUTICO
Quinta-feira, 26/7/2012 – das 15h30min às 18h
Coordenador: Thereza Christina Monteiro de Lima (UFSC)
Participantes: Sonia Maria de Faria Freire (UFMA), Luce Maria Brandao Torres (IB-SP) e Antonio José Lapa (UNIFESP)
Local: Centro Paulo Freire – Miniauditório – Sala 109 Asa Sul
Proponente: SBPM

Mesa-Redonda: SEGURANÇA NA UNIVERSIDADE
Sexta-feira, 27/7/2012 – das 15h30min às 18h
Coordenador: José Vicente Tavares dos Santos (UFRGS)
Participantes: Natalino Salgado Filho (UFMA) e Roselane Neckel (UFSC)
Local: Centro Paulo Freire – Miniauditório – Sala 307 Asa Sul

Avanços e desafios da precisão de dados geográficos integram pesquisadores na Capital

10/07/2012 11:32

Uma conferência com o geógrafo Michael Goodchild, da Universidade da Califórnia, abre na noite desta terça-feira, 10 de julho, a décima edição do Simpósio Internacional Sobre Avaliação de Precisão Espacial em Recursos Naturais e Ciências Ambientais. Pela primeira vez sediado na América Latina, o evento reúne mais de 100 pesquisadores (40  de outros países), no Hotel Porto do Sol, em Ingleses, Norte da Ilha.

“Será uma conferência histórica. Michael Goodchild foi um dos primeiros pesquisadores que pensou em colocar um mapa no computador”, destaca o professor do Departamento de Geociências da UFSC Carlos Antônio Oliveira Vieira.

Considerado o “pai” da Ciência Informática Geográfica, Goodchild será homenageado com a medalha Peter Burrough (pesquisador falecido em 2009, autor de obras de referência sobre princípios de Sistemas de Informação Geográfica) .

“Florianópolis é um importante centro geográfico e conseguimos reunir aqui cientistas de diversos países, além de pesquisadores do IBGE, Instituto Militar e USP, entre diversas outras entidades”, informa o professor da UFSC, membro da comissão organizadora do encontro, uma promoção da Associação  Internacional de Pesquisas Espaciais de Precisão e da Comissão sobre Modelagem de Sistemas Geográfica, ligada à União Geográfica Internacional.

A UFSC compartilha a organização do simpósio com a Udesc. O evento acontece desde 1994 e já foi realizado nos Estados Unidos, Canadá, Holanda, Austrália, Portugal, China e Reino Unido.

Segundo Vieira, a precisão espacial trata de diversos produtos cartográficos. É uma área do conhecimento com aplicações em diferentes campos que dependem de medidas precisas – como dados de inventários de recursos naturais e de suporte a obras de engenharia, em que a incerteza e a imprecisão podem gerar prejuízos e insegurança.

O tema vem ganhando cada vez mais importância com a disponibilidade de grandes quantidades de dados espaciais, programas de amostragem e sensores remotos, o advento de sofisticados Sistemas de Informação Geográfica, softwares de processamento de imagem e acesso a recursos avançados de computação. “Se houver erro na metodologia, o erro se propaga e no final é muito maior”, lembra  o professor.

Vieira contextualiza que até pouco tempo a construção de mapas era atribuição do Exército e do IBGE. O maior número de pessoas trabalhando com o desenvolvimento destes materiais, nem sempre tecnologicamente capacitados para esta função, é uma das preocupações no meio científico.

“Atualmente muitas pessoas, e não apenas técnicos, produzem mapas e disponibilizam as informações no computador, mas não há garantias de que essa informação será precisa”, alerta o professor que por mais de 10 anos foi coordenador do Núcleo de Geoprocessamento da Universidade Federal de Viçosa (e que desde 2010 atua junto ao Departamento de Geociências da UFSC, conciliando a partir de maio suas atividades docentes e de pesquisa com a chefia de Gabinete da Reitoria da UFSC).

O evento prossegue até sexta-feira (13 de julho), com conferências, palestras, workshops e apresentação de trabalhos de especialistas em ciências ambientais, recursos naturais, estatística espacial e ciência da informação.

De acordo com os organizadores, é a primeira vez que atividades do seminário são organizadas em colaboração com a Comissão Sobre Modelagem de Sistemas Geográfica, ligada à União Geográfica Internacional. A expctativa é de que a iniciativa amplie a rede de colaboração brasilerira com instituições internacionais.

Mais informações: Carlos Antonio Oliveira Vieira / (48) 3721-8593

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Estudo avalia que rotulagem de alimentos não segue padronização e pode confundir consumidor

09/07/2012 07:46

No Brasil, a rotulagem nutricional nos alimentos industrializados contém as informações sobre o valor energético (ou valor calórico), conteúdo de gorduras (saturada e trans), proteínas, carboidratos, sódio e fibras. Estes dados nutricionais são referentes a uma porção em gramas ou mililitros do produto alimentício e não ao produto inteiro. A porção é previamente definida por uma legislação brasileira e representa uma recomendação de consumo para pessoas sadias a cada vez que o alimento é consumido, com intuito de promover a alimentação saudável. No rótulo deve constar, ainda, a informação da medida caseira referente à porção, por exemplo, uma xícara ou uma unidade.

No entanto, a declaração de porções diferentes entre alimentos similares e a apresentação de medidas caseiras difíceis de serem aplicadas na prática podem comprometer o uso da rotulagem nutricional nas decisões de compras dos consumidores. “Isso ocorre em função da dificuldade de comparar as informações nutricionais e entender os dados disponíveis nos rótulos”, avalia a nutricionista Nathalie Kliemann, que estudou a rotulagem em seu mestrado.

A dissertação desenvolvida junto ao Programa de Pós-Graduação em Nutrição e ao Núcleo de Pesquisa de Nutrição em Produção de Refeições (NUPPRE) da UFSC analisou como a porção e a medida caseira estão sendo declaradas nos rótulos dos alimentos industrializados ultraprocessados. O estudo foi realizado em um grande supermercado de Florianópolis.

Foram analisados 2.072 alimentos, que apresentaram uma variação significativa na declaração do tamanho da porção. Os resultados revelam uma variação mínima de 70% (21 a 30g entre biscoitos salgados), chegando a uma variação máxima de 765%, entre pratos preparados prontos e semiprontos (55 a 420g).

“Para a simples comparação de valores nutricionais entre alimentos similares é preciso realizar cálculos, em virtude da falta de padronização do tamanho da porção”, avalia Nathalie. Segundo ela, o estudo também mostrou 9,3% de alimentos que apresentaram porção menor do que o recomendado. A nutricionista ainda observou que grande parte desses alimentos apresentaram menor densidade energética e maior peso total quando comparado com outros.

Um exemplo encontrado foi o de dois doces de amendoim,o primeiro tinha porção de 15 gramas e 78 kcal; o segundo de 20 gramas e 84 kcal.  A nutricionista alerta que se ambos seguissem a porção de referência, que é de 20 gramas, o primeiro alimento seria aquele com maior valor energético por porção, embora em uma leitura rápida possa parecer o contrário. São informações que, na opinião da profissional, podem induzir o consumidor a equívocos em relação à composição nutricional do alimento.

“As informações disponíveis nesses rótulos infringiram o direito do consumidor a informações corretas e fidedignas”, considera Nathalie, que foi orientada em sua pesquisa pela professora Rossana Pacheco da Costa Proença e contou com a colaboração da professora Marcela Boro Veiros (ambas ligadas ao Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UFSC).

De acordo com as nutricionistas, é possível que diante da baixa densidade energética de alguns alimentos, o tamanho da porção pode estar sendo utilizado para ressaltar essa característica. Além disso, porções muito pequenas, em embalagens grandes, podem dificultar o entendimento do tamanho da porção na rotulagem nutricional, especialmente pelo fato de não haver a obrigatoriedade da informação sobre o número de porções presentes na embalagem.

Com relação à medida caseira, o estudo detectou termos pouco específicos, como “colher”, sem especificação do tipo. Além disso, o uso de tipos de medida caseiras inadequadas aos alimentos, como em um queijo de minas a medida caseira ser uma colher, sendo que esse alimento geralmente é consumido em fatias. Outro exemplo é um queijo no palito, em que a medida caseira é uma fatia, quando uma unidade deveria ser cada queijo no palito. “Esses resultados evidenciam a necessidade de definição de regras mais claras e coerentes para a declaração da medida caseira”, avalia Nathalie.

Ela lembra que estudos realizados no Brasil e no exterior indicam que as informações sobre porção e medida caseira são pouco lidas pelos consumidores e estão entre os itens com menor nível de compreensão por eles. “Mas considerando a rotulagem como uma política de apoio para a difusão de informações nutricionais e a promoção de escolhas alimentares saudáveis, torna- se indispensável a revisão da legislação brasileira, assim como maior fiscalização das informações disponíveis aos consumidores”, alerta a nutricionista.

Mais informações:

Nathalie Kliemann:
Marcela Boro Veiros:
Rossana Pacheco da Costa Proença: / (48) 3721-2218 / (48) 3721-5042

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Saiba Mais
Padronização
A Organização Mundial da Saúde recomenda que as informações nutricionais nos rótulos sejam padronizadas, precisas e compreensíveis, que permitam a comparabilidade entre alimentos similares e auxiliem na determinação do consumo. Para isso, aconselha que haja monitoramento dessas informações fornecidas aos consumidores, como também que se utilize a rotulagem nutricional como um instrumento de educação para o consumo.

 Brasil aceita variação
Apesar dessas recomendações, a legislação brasileira permite que sejam declarados nos rótulos de alimentos porções com tamanhos diferentes daquelas recomendadas. É permitido que a porção nos rótulos seja até 30% maior ou menor que a recomendada pela legislação. Por exemplo, os biscoitos que têm porção recomendada de 30 gramas, podem declarar nos rótulos porções de 21 a 39 gramas. Além disso, nem todos os alimentos têm uma porção recomendada na legislação, como é o caso dos pratos prontos para o consumo, como lasanhas e pizzas. Para esses alimentos, a porção deve corresponder até 500 kcal do alimento.

Leia mais sobre pesquisas da UFSC:
Pesquisa avalia doenças causadas por contaminação atmosférica ocupacional
Laboratório de Protozoologia celebra 30 anos dedicados à pesquisa e à formação
Sub-rede de Desastres Naturais será coordenada pela UFSC
Pesquisas com goiabeira-serrana conquistam prêmio da Sociedade de Botânica Econômica dos Estados Unidos
Estudos têm resultados promissores para tratamento do AVC e de queimaduras com células-tronco
Pesquisa da UFSC sobre melhoria de ossos sintéticos é apresentada em congresso na China
UFSC se destaca no Prêmio Capes de Tese
Vida do educador Vilson Steffen é tema de documentário
Laboratório realiza ensaios para certificação de implantes de silicone pelo Inmetro
– Pesquisa sobre engenharia metabólica e evolutiva de leveduras conquista Prêmio Top Etanol
Professores da UFSC lançam publicação sobre mudanças climáticas
– Pesquisadores estudam mosquitos na Ilha de Santa Catarina
Tese produz subsídios para aproveitamento sustentável de bromélia nativa da Mata Atlântica
Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha comprova redução de peixes no litoral
– Monografia sobre digestores anaeróbios para tratamento do lixo urbano é premiada
UFSC desenvolve sistema para monitorar alimentação e atividades físicas entre crianças de 7 a 10 anos
Pesquisa reforça indícios de que condições na infância afetam obesidade em adultos
UFSC abre inscrições para curso sobre células-tronco
Laboratórios do CDS avaliam atleta da patinação de velocidade
Presidente da Petrobras Biocombustível visita Laboratório de Remediação de Águas Subterrâneas
Prevenção do câncer é tema iniciação científica entre “pesquisadores mirins”
Universidade testa capsulas de erva-mate

 

Laboratório de Protozoologia celebra 30 anos dedicados à pesquisa e à formação

06/07/2012 07:48

Desde a fundação, mais de 100 estudantes de graduação e de pós-graduação realizaram sua formação científica no laboratório

Referência estadual para o diagnóstico da doença de Chagas e de leishmanioses no período de 2001 a 2010, desde 2003 reconhecido pelo Ministério do Meio Ambiente como fiel depositário de amostras do patrimônio genético, com um banco de tecidos e de DNA de diferentes espécies animais e vegetais, o Laboratório de Protozoologia da UFSC comemora neste sábado, 7 de julho, 30 anos de fundação.

A data será marcada por uma confraternização no Hotel Torres da Cachoeira, no Norte da Ilha, reunindo representantes da Administração Central da UFSC , professores e estudantes que atuam no setor (veja programação abaixo). O fundador do laboratório, o professor e ex-reitor Bruno Schlemper Júnior, fará uma palestra sobre as três décadas do setor.

Ligado ao Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia do Centro de Ciências Biológicas da UFSC, o laboratório desenvolve estudos sobre diferentes espécies de parasitos humanos e animais, assim como sobre seus vetores (hospedeiros intermediários capazes de transmitir doenças). Desde o início, sua equipe colaborou com diferentes órgãos no auxílio do diagnóstico da doença de Chagas e de leishmanioses, doenças tropicais também chamadas de negligenciadas, em função do baixo investimento em pesquisas, sobretudo de empresas privadas, como a indústria farmacêutica. Também já foram desenvolvidos trabalhos com a esquistossomose e a malária.

No caso da leishmaniose, incluída pela Organização Mundial da Saúde entre as seis mais importantes doenças de origem parasitária no mundo, os processos de diagnóstico vêm avançando graças a técnicas sofisticadas de biologia molecular usadas no Laboratório de Protozoologia. As pesquisas também permitem verificar as linhagens mais virulentas dos parasitos, possibilitam estudos sobre a epidemiologia da doença e podem apontar os fatores de risco mais importantes na transmissão.

A equipe atua ainda em projetos de extensão que buscam familiarizar os médicos com a leishmaniose, doença que provoca feridas e é confundida com outras patologias como a hanseníase, câncer de pele e micoses. “Conseguimos um grande avanço com esses projetos. O reconhecimento dos sintomas já é bem mais comum nos hospitais do Estado”, explica o professor Mário Steindel, que divide a coordenação do Laboratório de Protozoologia com o professor Edmundo Grisard.

Outra importante linha de pesquisa da equipe é o estudo da atividade anti-Trypanosoma cruzi (que provoca a Doença de chagas) e anti-Leishmania spp. de espécies vegetais da mata atlântica e do cerrado. O trabalho inclui também a investigação de compostos sintéticos que possam colaborar com o combate destas doenças.

Projetos Genoma
O desenvolvimento de modernas técnicas de biologia molecular no Laboratório de Protozoologia permitiu a ampliação das ações para a área da genômica (que possibilita o sequenciamento de genes de diferentes organismos, informação básica para busca de aplicações futuras).

Os trabalhos nesse campo iniciaram nos anos 90, com colaborações ao Projeto Genoma Brasileiro – Rede Nacional de Sequenciamento de DNA. Depois vieram o Programa de Investigações de Genomas Sul (PIGS); o Programa Genoma do Estado do Paraná (Genopar); o Projeto Genoma EST do Camarão Litopenaeus vannamei e o Projeto Genoma do Anopheles darlingi, entre outros que trabalham com espécies de importância médica, econômica ou social.

O Anopheles darlingi, por exemplo, é o principal transmissor da malária no Brasil. A expectativa é de que o sequenciamento de seu material genético forneça subsídios para compreensão das formas como a doença é transmitida e auxilie em novas estratégias de controle.

O Programa de Investigações de Genomas Sul levou ao mapeamento do genoma da bactéria Mycoplasma hyopneumoniae, causadora da pneumonia de suínos de criação e responsável por perdas significativas aos produtores. Alguns genes já foram escolhidos para testes diagnósticos e elaboração de vacinas.

“O sequenciamento completo ou de parte de um genoma é a base de um processo para que a informação contida no DNA seja explorada e compreendida por pesquisas em muitas áreas, como a genômica funcional e a proteômica”, salienta o professor Edmundo Grisard.

Segundo ele, com a evolução dos trabalhos, colaborações internacionais foram estabelecidas com diferentes instituições. Entre elas, a University of California Los Angeles (EUA), a Universidad Mayor de San Simon (Bolivia), a Pontificia Universidad Javeriana, a Universidade de Antioquia e Universidade del Tolima (Colombia) e com o Biomedical Research Centre, School of Medicine, Health Policy and Practice, da University of East Anglia (Inglaterra).

No Brasil, entre as principais instituições parceiras estão Instituto Oswaldo Cruz (RJ), Instituto Carlos Chagas (PR), Centro de Biotecnologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC). Todos os trabalhos envolvem a formação de recursos humanos e vêm resultando na publicação de diversos trabalhos científicos. Desde a fundação, mais de 100 estudantes de graduação e de pós-graduação realizaram sua formação científica no laboratório.

Mais informações: http://proto.ufsc.br/ / (48) 3721-5516 / 3721-5517

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Programação:
9h30min – Abertura
– Profa. Roselane Neckel – Magnífica Reitora da UFSC
– Prof. Jamil Assreuy Filho – Pró-Reitor de Pesquisa da UFSC
– Profa. Sonia Gonçalves Carobrez – Diretora do CCB/UFSC
– Prof. Carlos Roberto Zanetti – Chefe do MIP/CCB

10h – Palestra Prof. Bruno Rodolfo Schemper Júnior
“Os 30 anos do Laboratório de Protozoologia da UFSC”

11h – Palestra Prof. Fernando de Ávila Pires
“Importância da Parasitologia na atualidade”

12h às 14h – Almoço

14h – Reapresentação do programa TV UFSC Entrevista

14h30min – Egressos e seus caminhos

Estudos têm resultados promissores para tratamento do AVC e de queimaduras com células-tronco

28/06/2012 16:30

Uma metodologia que pode melhorar o diagnóstico da neoplasia mieloproliferativa e resultados promissores em modelos animais sobre o uso de células-tronco para recuperação do AVC e de queimaduras foram apresentados nesta quinta-feira, 28 de junho, em seminário de avaliação do Programa de Pesquisa para o SUS (PPSUS).

O encontro foi realizado no auditório do , no ParqTec Alfa. Pela manhã, cinco projetos, todos da UFSC, foram relatados à coordenação geral do PPSUS, ligada ao Ministério da Saúde, representantes da Fapesc, para avaliadores da Secretaria Estadual da Saúde e CNPq. O seminário prossegue nesta sexta-feira, totalizando a avaliação de 28 projetos da UFSC, FURB, Udesc, Unesc e Univali.

Um dos trabalhos da UFSC foi apresentado pela professora Maria Cláudia Santos da Silva, que atua junto ao Laboratório de Oncologia Experimental e Hematologia, ligado ao Centro de Ciências da Saúde e ao Hospital Universitário. A pesquisadora mostrou estudos que comprovam benefícios de investigar a mutação JAK2V617F no diagnóstico das neoplasias mieloproliferativas, anomalias celulares do organismo relacionadas a uma série de doenças e de difícil avaliação.

Em sua opinião, a investigação da mutação poderia ser adotada pelo SUS, pois em laboratórios privados o exame é de alto custo (cerca de R$ 700,00) e muitos pacientes não têm condições de realizá-lo. “Teríamos diagnóstico mais eficiente e rápido, e melhora da qualidade de vida, com início mais rápido do tratamento e redução da evolução para outras complicações”, avaliou a professora.  Segundo ela, atualmente o laboratório ligado à UFSC é o único em Santa Catarina que realiza o exame. Um dos desafios para adoção do teste é criar um código de cobrança para realização gratuitamente via Sistema Único de Saúde.

Tratamento do AVC
Células-tronco foram o foco de outros dois trabalhos apresentados nesta quinta-feira. As pesquisas desenvolvidas junto ao Laboratório de Células-Tronco e Regeneração Tecidual, ligado ao Centro de Ciências Biológicas da UFSC, indicam resultados animadores, em modelos animais, para o tratamento do Acidente Vascular Cerebral (AVC) e de queimaduras.

O professor Márcio Alvarez da Silva relatou pesquisa sobre a obtenção de células-tronco a partir de placentas e seu uso em enxertos na região cerebral de camundongos. Segundo ele, os experimentos mostraram que as células-tronco humanas obtidas em placentas apresentam características muito semelhantes às obtidas na medula óssea. Usadas em enxertos, permitiram a recuperação e a proliferação celular na área afetada pela isquemia, colaborando com a redução da lesão cerebral dos camundongos.

De acordo com o professor, o trabalho mostra a recuperação significativa na área da lesão, não apenas com a proliferação das células enxertadas, mas com regeneração de outras do próprio animal – fenômeno observado por meio de marcadores moleculares e que será investigado pela equipe. O trabalho terá também continuidade com a avaliação motora de animais que recebem as células-tronco provenientes de placenta na região lesada pelo AVC.

Queimaduras
Resultados otimistas para o tratamento de queimaduras a partir da terapia com células-tronco foram demonstrados por outra pesquisadora do mesmo laboratório. A professora Andréa Gonçalves Trentin apresentou estudos que envolvem equipe multidisciplinar na busca da melhoria do atendimento a pacientes com queimaduras. Com o objetivo de usar células-tronco do próprio paciente, a equipe que em outros estudos já trabalhou com células da placenta, crista neural, cordão umbilical e obtidas a partir de dentes agora investiga o potencial de diferenciação de células-tronco da pele do couro cabeludo humano, a partir de fragmentos obtidos em cirurgias plásticas. Segundo ela, os testes demonstraram a diferenciação desse material em diversos tipos celulares. Entre eles, células-tronco mesenquimais, que podem gerar células nervosas, ósseas e de gordura, e não apenas queratinócitos, mais presentes na epiderme, principal foco da pesquisa.

O trabalho possibilitou também a avaliação de duas matrizes de regeneração dérmica já disponibilizadas pelo mercado para tratamento de queimados em hospitais, e sua performance em associação com células-tronco. Avaliada em modelos animais, essa combinação acentuou a vascularização e acelerou o processo de regeneração da pele dos animais. “Estamos em análises finais, mas os resultados são muito bons e fornecem bases para outros estudos ”, destacou a professora.

Pesquisas sobre a AIDS
O professor Aguinaldo Roberto Pinto, do Departamento de Microbiologia e Parasitologia da UFSC, detalhou estudo sobre a diversidade genética do vírus HIV e resistência primária a antirretrovirais em pacientes soropositivos. Segundo ele, além de uma distribuição desigual de infectados pela Aids, com maior número em países africanos, há também uma diferenciação em relação aos subtipos de vírus prevalentes em diferentes regiões.

A pesquisa financiada pelo PPSUS confirmou que o tipo de vírus prevalente na região da Grande Florianópolis é o subtipo C – enquanto no país 70 a 90% é do subtipo B, o mesmo que prevalece na maioria dos países da América Latina, América do Norte e Europa Ocidental.

O trabalho envolveu também a avaliação da resistência primária – já presente no vírus no momento que o paciente se infecta. A partir de 82 amostras de sangue de soropositivos nunca tratados, foi identificado um índice de 8,3% pacientes com vírus que possuem mutações capazes de gerar resistência a diferentes fármacos. Segundo Aguinaldo, os dados poderão ser ampliados para outras cidades em novos projetos e oferecer subsídios para a escolha de tratamentos mais adequados.

O último trabalho da manhã abordou o desenvolvimento de estratégias para melhoria das características do saquinavir, um antiviral usado na terapia anti-HIV. As pesquisas permitiram novas formulações do fármaco a partir de processos simplificados, sem exigência de equipamentos sofisticados, matéria-prima nacional e de baixo custo. Uma das metas do trabalho é reduzir os cursos de produção e melhorar a biodisponibilidade, relacionada à quantidade do fármaco que é absorvida e utilizada pelo organismo.

“As pesquisas comprovam a melhoria da absorção intestinal e reforçam o papel do Brasil no desenvolvimento de antirretrovirais”, salientou o doutorando em Farmácia Thiago Caon, responsável pela apresentação do trabalho.

O PPSUS é coordenado nacionalmente pelo Ministério da Saúde, via Departamento de Ciência e Tecnologia (Decit). Nos estados, os recursos são repassados aos projetos selecionados regionalmente por meio do CNPq e das Fundações de Apoio à Pesquisa – em Santa Catarina, via Fapesc.

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Informações sobre o Seminário de Avaliação do Programa de Pesquisa para o SUS: Fernanda Beduschi Antoniolli / (48) 3215-1218 /

Mais informações na UFSC:

– Diagnóstico da neoplasia mieloproliferativa: Maria Cláudia Santos Silva / / (48) 3721-9712
– Células0-tronco: www.lacert.ufsc.br  / / (48) 3721-6905
– Diversidade genética do vírus HIV: Aguinaldo Roberto Pinto /  / (48) 3721-5206
– Melhoria das características do saquinavir: Thiago Caon / (48) 3721-5207

Leia também:

Boa nutrição melhora qualidade de vida durante tratamento para câncer de mama

Trabalhos que serão apresentados nesta sexta-feira:

lista_de_aprovados_2

Pesquisa da UFSC sobre melhoria de ossos sintéticos é apresentada em congresso na China

22/06/2012 08:45

Segundo José, foi muito importante apresentar o trabalho para uma plateia onde estavam autores que são referências mundiais na área de biomateriais

A UFSC deixou sua assinatura em um dos principais congressos do mundo na área de biomateriais. Trabalho desenvolvido junto ao Grupo de Pesquisa em Biomateriais, ligado ao Núcleo de Pesquisa em Materiais Cerâmicos e Vidros (Cermat), do Departamento de Engenharia Mecânica, foi apresentado durante o 9th  World Biomaterials Congress, realizado na China no início de junho.

O Grupo de Biomateriais desenvolve produtos voltados ao corpo humano e o estudo apresentado na China é parte do doutorado de José da Silva Rabelo Neto. Físico, com investigações sobre a produção de ossos em laboratório desde sua graduação, José estuda agora a adição de estrôncio e de magnésio em um pó sintético semelhante à composição do osso humano. O pó é constituído por hidroxiapatita, um fosfato de cálcio que forma 70% dos ossos. Para a síntese em laboratório são usadas soluções químicas sob parâmetros específicos e controlados.

De acordo com o pesquisador, estimular a densificação de ossos e colaborar com a redução da rejeição são algumas das vantagens do novo material. “Ele pode estimular a formação do osso natural na região em que for usado”, destaca José. Ele explica que compostos do gênero já são usados em outros países, mas no Brasil o desenvolvimento do osso sintético com adição de elementos químicos é pioneiro. “Foi muito importante apresentar o trabalho para uma plateia onde estavam autores de artigos que leio há anos e que são referências mundiais na área”, comemora José.

Ortopedia e odontologia
“Chama-se de dopar o material”, explica o sergipano que fez seu mestrado na USP, em Ciências do Material, e desenvolve seu doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciencias e Engenharia de Materiais da UFSC, com orientação do professor Márcio Celso Fredel. Segundo ele, o novo material tem potencial para uso na ortopedia e odontologia (o esmalte que cobre os dentes também é formado pela hidroxiapatita).

Uma das aplicações do osso sintético em pó com adição das substâncias poderia ser, por exemplo, recobrir próteses metálicas usadas em articulações, prevenindo a rejeição no corpo e melhorando a integração implante-osso. Como o novo material melhora a densidade óssea, também tem potencial para auxiliar no controle da osteoporose.

José explica que a incorporação do estrôncio aumenta a massa óssea, estimula a formação dos ossos e melhora as propriedades mecânicas do material. O magnésio provoca mudanças no cristal do pó, deixando mais semelhante ao osso natural e diminuindo sua dissolução e fragilidade. As aplicações dependem de pesquisas futuras, voltadas a transformar o material pesquisado por José em um produto.

Mercado
Novas fases do trabalho terão suporte do Projeto PRONEX-BioEng, um dos núcleos de excelencia em pesquisa contemplados na Chamada Pública 004/2010 da Fapesc. Para chegar ao mercado, o novo osso sintético poderá também ter apoio do programa Sinapse da Inovação, promovido pela Fapesc e realizado pela Fundação Certi com o objetivo de prospectar e transformar boas ideias do meio acadêmico em negócios de sucesso.

O Sinapse está dando suporte à criação da empresa Innovacura Biomateriais, há menos de um ano encubada no Parque Celta – Pedra Branca, e que tem José Rabelo como um dos diretores. Segundo ele, dois pedidos de registro de patentes de futuros produtos já estão sendo encaminhados. Além disso, durante sua viagem para a China, o físico fez contatos com empresas de biomateriais com interesse no mercado brasileiro e também com o Centro Nacional de Pesquisas de Engenharia em Biomateriais, sediado na Universidade de Sichuan, buscando oportunidades de colaboração com o Brasil.

Mais informações: José da Silva Rabelo / / (48) 3721-7702

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom
Fotos da Galeria: Wagner Behr / Agecom

 

Saiba Mais:

Projeto PRONEX-BioEng
O Núcleo de Excelência em Engenharia Biomecânica e Biomateriais, integrante do Instituto BioSanta-UFSC, reúne grupos e laboratórios da UFSC, Fundação Certi, Univille e Udesc, nas áreas de medicina, engenharia mecânica, engenharia de materiais, engenharia química, matemática, física, química e biologia.

O objetivo é o desenvolvimento e a disseminação de conhecimentos relacionados ao projeto, fabricação, testes de validação, desempenho mecânico e bioquímico, estudos citológicos e clínicos de implantes e dispositivos para o setor da saúde. O PRONEX-BioEng é financiado pela Fundação de Pesquisa de Santa Catarina (Fapesc) e pelo CNPq.

Principais objetivos:
 – Desenvolvimento de produtos e implantes biomédicos, além de apoio à industrialização, visando reforçar a indústria catarinense e brasileira neste setor.

– Formação de pessoal especializado no desenvolvimento, validação e industrialização de produtos biomédicos.

– Geração e transferência de conhecimentos sobre a produção e industrialização de produtos biomédicos por meio da divulgação em revistas especializadas, conferências, seminários e cursos para a comunidade.

– Apoio à implantação de novas empresas oriundas de pesquisas desenvolvidas (spin off) no setor de fabricação de produtos e implantes biomédicos.

Leia também:
Núcleos de excelência receberão verbas da Fapesc: das 17 propostas, 16 são da UFSC
UFSC e universidade alemã cogitam criar curso de Bioengenharia

 

 

Semana da Pós-Graduação em Química traz reflexões sobre universidade e pesquisa

19/06/2012 16:32

“Precisamos pensar como julgamos nosso impacto como cientistas”, instigou o palestrante

Bioquímico, educador, professor do Instituto de Química da Universidade de São Paulo e vice-presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), o professor Hernan Chaimovich Guralnik foi um dos convidados da manhã desta terça-feira, 19 de junho, da 1ª Semana da Pós-Graduação em Química da UFSC. O encontro que traz à Universidade palestrantes de destaque na área científica prossegue até sexta-feira, com minicursos, palestras e apresentações de trabalhos desenvolvidos junto à Pós-Graduação em Química – um dos programas de excelência da UFSC, conceito 7 na Capes.

“Ele sempre esteve ativamente envolvido em política científica e administração, e mesmo assim continuou publicando”, destacou na apresentação do palestrante o professor do Departamento de Química e da Pós-Graduação em Química, Faruk Nome, representante da UFSC na ABC.

Integrante das comissões que criaram o Curso Interdisciplinar de Pós-Graduação em Biotecnologia e a graduação em Ciências Moleculares da USP, Guralnik organizou sua fala na temática Universidade, Ciência e Desenvolvimento. Partiu de definições, lembrando que a ciência é uma forma especializada de estudo – mas também um agente prático e um fator cultural.

“Como forma de estudo é uma procura por conhecimento com metodologia específica, mas não se pode deixar de lado também o princípio do prazer. Se não for assim, é melhor mudar de carreira”, salientou o professor, pesquisador 1A do CNPq desde 1979, com registro em seu Currículo Lattes de 3.600 citações. Ele defendeu também a necessidade de que o pesquisador cultive um “ceticismo responsável e liberdade de questionamento”.

“Essa é uma liberdade que se conquista, não vem como mágica”, ressaltou o palestrante. Segundo o vice-presidente da ABC, como agente prático a ciência é uma fonte de poder, que permite modificar a natureza e influenciar a sociedade – e como agente cultural uma forma de pensar, avaliar e decidir.

Com relação à integridade do processo científico, Guralnik lembrou que este requer publicação e análise dos pares  – caso contrário passa às “ciências ocultas”. Enfatizou também: “O cientista hoje não pode mais se dedicar exclusivamente à procura do conhecimento sem reconhecer sua responsabilidade social”.

Tocando em questionamentos e dilemas da ciência, citou a contradição entre “melhor ciência” e o olhar para a realidade local. “Precisamos pensar como julgamos nosso impacto como cientistas”, instigou o palestrante.

O professor lembrou que o Brasil integra um seleto grupo composto por Rússia, Estados Unidos e China (nações com área maior do que 4 milhões de k2 ,  com população superior a 100 milhões de habitantes e PIB superior a 5 bilhões de dólares). “Por isso é importante saber onde se quer ir”, enfatizou, citando a USP como uma universidade que publica mais do que países como Chile e Colômbia – mas em termos de país o Brasil tem ainda um longo caminho a percorrer na ciência, com um número pequeno de citações por trabalhos científicos, complementou.

A má distribuição da pesquisa por áreas geográficas, a produção extremamente concentrada em algumas universidades e em algumas áreas do conhecimento foram outros problemas lembrados pelo palestrante sobre a ciência brasileira. “Sobre patentes nem vou falar”, disse, em seguida, defendendo a necessidade de aumento do número de cientistas nas empresas, “ou não teremos inovação”.

“O papel social do cientista exige a melhor ciência”, defendeu o vice-presidente da Academia Brasileira de Ciências, que fez também duras críticas às universidades (em sua opinião, instituições ortodoxas, conservadoras e ineficientes diante dos recursos que recebem). É necessário pensar que estrutura universitária queremos, disse o professor, que trabalhou na parte final de sua palestra a necessidade de diferenciação do ensino superior e o conceito de Universidades de Classe Mundial. Segundo ele, entre as características desejáveis para estas universidades estão o desenvolvimento da ciência, tecnologia, cultura e a capacidade de integrar o que ocorre no país e no mundo.

Por: Arley Reis / Jornalista da Agecom
Fotos: Brenda Thomé/Bolsista de Jornalismo na Agecom

Saiba Mais:
1º Semana da Pós-Graduação em Química
Tem o objetivo de divulgar os avanços da Química, as pesquisas desenvolvidas no Programa da UFSC e no Brasil, além de incentivar a troca de conhecimentos e o estabelecimento de parcerias entre os participantes.

Próximas conferências e programação

Data: quarta-feira (20/06)
Horário: 10h

– Nanopartículas metálicas suportadas para aplicações em catálise
Profa. Liane Marcia Rossi (USP)

– Métodos de decomposição da energia como instrumento para a compreensão de processos químicos
Prof. José Walkimar de Mesquita Carneiro  (UFF/RJ)

Data: quinta-feira (21/06)
Horário: 10h

– Métodos de decomposição da energia como instrumento para a compreensão de processos químicos
Prof. Dr. José Walkimar de Mesquita Carneiro /Departamento de Química / Universidade Federal Fluminense (UFF/RJ)
Apresentador: Prof. Dr. Giovanni Finoto Caramori – UFSC

Data: sexta-feira (22/06)
Horário: 9h30min
Conferência de Encerramento:

Avaliação CAPES na área de Química – Perspectivas
Prof. Luiz Carlos Dias (UNICAMP)

 

Dia Mundial do Meio Ambiente: projeto busca uso sustentável de bromélia da Mata Atlântica

06/06/2012 08:45

Expectativa é de que a espécie com potencial econômico possa ser usada em programas de diversificação ou de incremento de renda para comunidades rurais e semi-urbanas

“Seus frutos são ingeridos tanto in natura como em preparados, como remédio contra a tosse, com ação expectorante nas infecções respiratórias, recomendados para o tratamento de asma e de bronquite. Os mesmos frutos são considerados antihelmínticos, sendo que seu sumo tem ainda efeito sobre tecidos decompostos, deixando feridas completamente limpas”. A descrição do potencial da Bromelia antiacantha, publicada pelo padre pesquisador Raulino Reitz no fascículo da Flora Ilustrada Catarinense “Bromeliáceas e a malária – bromélia endêmica” permanece como estímulo a novos estudos.

O pensamento do padre botânico de que “Todas as plantas são potencialmente úteis” está presente na tese ´Uso e manejo de Caraguatá (Bromelia antiacantha) no Planalto Norte Catarinense: está em curso um processo de domesticação?`, em desenvolvimento junto ao Programa de Pós-Graduação em Recursos Genéticos Vegetais da UFSC.

O trabalho da bióloga Samantha Filippon com a bromélia nativa da Mata Atlântica é uma continuidade dos estudos iniciados em seu mestrado, orientado no mesmo programa pelo professor Maurício Sedrez dos Reis (e agora com coorientação do professor Nivaldo Peroni). “Esperamos que com o aprofundamento dos estudos etnobotânicos se possa resgatar e caracterizar junto à comunidade local as formas de manejo da espécie”, explica Samantha.

Conservabio
A pesquisa é realizada em áreas da Floresta Nacional de Três Barras, administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão ambiental do governo brasileiro. A floresta é localizada no planalto norte de Santa Catarina, entre os municípios de Três Barras e Canoinhas. O trabalho envolve a comunidade de Campininha, que participa do projeto “Rede para geração do conhecimento na conservação e utilização sustentável dos recursos florestais não madeiráveis da Floresta Ombrófila Mista”, sigla Conservabio. A iniciativa é financiada e coordenada pela Embrapa.

Os estudos de Samantha são executados em uma área de floresta secundária, utilizada como mangueirão para animais cerca de 60 anos atrás, e onde atualmente existe uma grande densidade da Bromelia antiacantha. Se estendem também a uma área caracterizada como mata nativa, em que há décadas foi realizada exploração madeireira, e a algumas propriedades rurais na comunidade.

A meta é esclarecer aspectos sobre o manejo do caraguatá nas paisagens com maior interferência humana, principalmente na confecção das cercas vivas. O projeto vai buscar informações sobre a seleção das plantas, de onde vêm as mudas, quem faz as cercas e porque – pois ainda que não sejam mais utilizados os antigos mangueirões, ainda são feitas cercas com a bromélia. Estas estruturas de gravatá são utilizadas há décadas, o que foi comprovado por Samantha ao visitar as propriedades e em relatos de agricultores de que algumas existem há cerca de 70 anos.

Domesticação
Em sua dissertação, a bióloga já havia observado que vários agricultores praticaram ou praticam algum tipo de manejo sobre o caraguatá. “Pelo fato de existir manejo e seleção de plantas, principalmente para as cercas vivas, seja por vigor, facilidade de manuseio ou crescimento rápido, pode estar em curso um processo de domesticação dessa espécie pela comunidade local”, considera Samantha, que tem como desafio em sua tese elucidar aspectos culturais envolvidos no uso e manejo da bromélia. Sua investigação associa   estudos demográficos (para documentação de padrões de propagação, brotação, frutificação e crescimento, entre outros) a pesquisas genéticas e etnobotânicas.

“Essa espécie mostra potencial econômico e seu uso pode ser estimulado com a utilização em programas de diversificação ou de incremento de renda para comunidades rurais e semi-urbanas”, considera a bióloga. “Mas são necessários mais estudos para avaliar o impacto da extração sobre a diversidade genética e a regeneração natural, assim como sobre sua disponibilidade para a fauna, o que pode auxiliar o estabelecimento de estratégias sustentáveis de manejo”, complementa.

Segundo ela, ainda que a Bromelia antiacantha reúna características medicinais, alimentícias, ornamentais e industriais, é uma espécie pouco estudada quanto a seu uso. Em pesquisa na literatura, Samantha não encontrou estudos sobre a domesticação do caraguatá, apesar da expressiva utilização em comunidades rurais do Planalto Norte Catarinense e também no Rio Grande do Sul.

Ecologia da espécie
Outros pesquisadores já descreveram características medicinais, alimentícias, ornamentais e industriais (para fabricação de fibras para tecidos, cordoaria e de sabão) do caraguatá. Sua utilização na medicina popular é descrita desde a década de 1940.

No trabalho de mestrado desenvolvido entre o final de 2007 e o início de 2009, Samantha observou que na comunidade de Campininha, em Três Barras (SC), o caraguatá tem três usos principais: xarope expectorante (feito com frutos maduros), palmito (retirado da base das folhas da bromélia) e em cercas vivas. A pesquisa também possibilitou um maior conhecimento sobre a ecologia da planta, sua reprodução, período de floração e predadores.

Segundo Samantha, um levantamento preliminar indica o início da construção de um mercado para o caraguatá. Há comercialização em bancas medicinais em mercados públicos, feiras e eventos relacionados à biodiversidade ou a plantas medicinais. A comercialização acontece tanto em cacho como em pacotinhos contendo cerca de 100g. Há também comercialização de mudas,  licores e geleias. A defesa da tese está prevista para o inicio de 2013.

Mais informações: / Fone: 48 3721-5322

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Leia também:
– Dia Mundial do Meio Ambiente: UFSC representa América Latina na Copa do Mundo de Barcos Solares
– Mata Atlântica é destaque da Semana de Meio Ambiente na UFSC
– Livro aponta que práticas ambientais provam mudança de valores no Brasil

Especial Pesquisa:
Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha comprova redução de peixes no litoral
– Monografia sobre digestores anaeróbios para tratamento do lixo urbano é premiada
UFSC desenvolve sistema para monitorar alimentação e atividades físicas entre crianças de 7 a 10 anos
Pesquisa reforça indícios de que condições na infância afetam obesidade em adultos
UFSC abre inscrições para curso sobre células-tronco
Laboratórios do CDS avaliam atleta da patinação de velocidade
Presidente da Petrobras Biocombustível visita Laboratório de Remediação de Águas Subterrâneas
Prevenção do câncer é tema iniciação científica entre “pesquisadores mirins”
Universidade testa capsulas de erva-mate

Pesquisador defende que acesso aberto ao conhecimento científico depende de visão política

05/06/2012 14:11

Chan: “A Wikipedia é um instrumento que nos ajuda a pensar como trabalhar com a sabedoria”

“Acesso aberto não é apenas reduzir preços. É um modelo mais equitativo de troca do conhecimento. É uma dimensão filosófica”, defendeu na UFSC na manhã dessa terça-feira, 5 de junho, o professor Leslie Chan, do Departamento de Ciências Sociais da Universidade de Toronto (Canadá). Doutor em Antropologia, pioneiro no uso da web para troca de conhecimento e aprendizagem, Chan é um dos convidados do 3º Simpósio Brasileiro de Comunicação Científica, que prossegue até esta quarta-feira no auditório da Reitoria. O objetivo é debater a disponibilização livre, gratuita e sem barreiras ou restrições financeiras e técnicas à literatura científica, assim como a preservação digital do conhecimento científico.

Falando em favor da ciência global e pública, o professor lembrou que diversos desafios da humanidade não respeitam fronteiras e dependem da pesquisa colaborativa e em rede. “Como vamos reduzir a pobreza, combater doenças, se não temos acesso aberto?”, questionou, enfatizando que a questão da produção científica é tão importante como outras que desafiam a humanidade, como o acesso à água.

Citando diferentes iniciativas de acesso livre ao conhecimento científico, Chan considerou também desafios e dilemas, como a necessidade de mais educação e maior consciência sobre como trabalhar com um conceito que leva em conta a troca global de conhecimentos. Em uma visão de futuro, disse que o periódico científico nos modelos atuais deve se tornar obsoleto. Segundo ele, as discussões avançam, países da Europa, os Estados Unidos e entidades como a Unesco discutem diretrizes para o acesso livre ao conhecimento científico – assim como o Brasil, que, destacou o professor, tem papel importante nessa discussão, na produção e disponibilização de estudos em áreas estratégicas, como a biodiversidade.

“Anos atrás essa era uma discussão ridícula”, lembrou Chan, complementando que atualmente o debate está além da vida acadêmica, é divulgado pela mídia e chega ao público geral. Em sua opinião, a sociedade que paga impostos e tem seus recursos usados para a pesquisa deve também ter acesso aos resultados que são obtidos e publicados pela comunidade científica.

“A Wikipedia é um instrumento que nos ajuda a pensar como trabalhar com a sabedoria”, considera o professor. “Deveríamos tirar vantagens desses ambientes colaborativos”, ressaltou, abordando também a necessidade de reflexões sobre critérios de uso de conteúdo, de que a comunidade científica repense suas métricas (que envolvem critérios como o número de citações de um artigo por outros estudiosos) e até sobre o impacto que mídias sociais podem ter na divulgação da pesquisa. “Os fatores de impacto da ciência estão cada vez mais sendo desafiados. Precisamos abrir nossas cabeças para mudar métodos tradicionais”, continuou o palestrante.

O 3º Simpósio Brasileiro de Comunicação Científica  é uma  promoção é do Departamento de Ciência da Informação (CIN) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PGCIN) da UFSC. Na tarde desta terça-feira será realizada mesa-redonda com a participação do professor Leslie Chan e da professora Elena Maceviciute, que leciona na Universidade de Boras, Suécia, e na Universidade da Lituânia, e tem entre suas áreas de pesquisa bibliotecas digitais, preservação digital e gestão da informação. A partir de 17h está prevista conferência sobre a Revista Encontros Bibli, periódico digital do Departamento de Ciência da Informação da UFSC, e a partir de 18h participação da Associação Catarinense de Bibliotecários (ACB). Amanhã, a partir de 9h, o encontro segue com o debate sobre acesso livre à informação, contando com o professor  Hélio Kuramoto (IBICT), Solange Maria dos Santos (SciELO) e Nelson Pretto (UFBA/SBPC). A tarde será dedica à apresentação de trabalhos, no auditório da Reitoria e no auditório Elke Hering, na Biblioteca Universitária.

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom
Fotos: Dayane Ros / Bolsista de Jornalismo na Agecom

Mais informações:
– Departamento de Ciência da Informação: (48) 3721-9304
– Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação: (48) 3721-8516

 

 

Livro aponta que práticas ambientais provocam mudança de valores no Brasil

04/06/2012 08:40

O autor: “Não existe mais fronteira artificial entre preservação e desenvolvimento econômico”

As práticas ambientais ou práticas de vida que consideram a relação ética do homem com a natureza estão provocando transformações na sociedade brasileira. Essa conclusão otimista, às vésperas da realização da Conferência das Nações Unidas sobre desenvolvimento Sustentável (RIO+20) e da Cúpula dos Povos, desmente a visão clássica de que a sociedade brasileira, inautêntica por excelência, é incapaz de entender uma lógica da sustentabilidade e da preservação da natureza. Resultado de uma longa pesquisa do sociólogo político e professor de ciências ambientais da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) Agripa Alexandre, essa tese sustenta que há um aprendizado político para a incorporação crescente de valores ecológicos. “Mostra disso é a expressiva votação da candidata Marina Silva nas últimas eleições presidenciais”.

O assunto é tema do livro Práticas ambientais no Brasildefinições e trajetórias, publicado pela Editora da UFSC, que será lançado em junho no Rio de Janeiro, onde o autor leciona, e no final de julho, em Florianópolis, ainda sem data definida. Por práticas ambientais a obra entende as atitudes de vida implicadas diretamente com conflitos socioambientais, a participação em movimentos ecológicos, atitudes em defesa de direitos dos animais ou contra o desmatamento, o consumo de produtos sustentáveis, a educação dos filhos para a consciência ecológica, entre outros exemplos.

Em vez de apenas reafirmar o antagonismo excludente entre ecologia e desenvolvimento econômico, que pode resultar em um efeito paralisante, Agripa enfatiza como as práticas ambientais mantêm relações com o modo de vida do brasileiro. Mostra o envolvimento dos verdes com as comunidades onde atuam, com o mercado e com o Estado, capaz de fazê-los  incorporar os valores ambientalistas. O aprendizado político que essa articulação gera resultaria, segundo o livro, na inserção efetiva desses valores pela legislação e pelas normas. Não há aqui nenhum rastro de ingenuidade: o autor deixa claro que as mudanças só ocorrem em grande parte porque os ambientalistas se valem da relação entre ecologia, cultura e economia para legitimar processos de intervenção social com o apoio financeiro do mercado e dos órgãos do governo.

Os dados apresentados são fruto de uma investigação do autor sobre mudanças no comportamento político relacionadas com a definição de papéis sociais motivada pela reorientação da política brasileira nacional e internacional. Apoiam-se, em grande medida, na pesquisa junto aos professores do Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação de Ciências Humanas da UFSC, que deu origem a sua tese de doutoramento em 2003, intitulada “Ambientalismo político, seletivo e diferencial no Brasil”.

Na tese, Agripa mostra que em sua ligação com o modo de vida dos brasileiros, as práticas ambientais estão articuladas em espaços sociais diferentes culturalmente e são também seletivas, no sentido de que encontram sustentação no mercado e nas políticas de financiamento do governo. “Infelizmente ainda é o mercado que tem o maior controle de definir o que é e o que não é sustentável”, pontua o teórico e ativista, envolvido em movimentos sociais que vão participar de forma paralela do evento oficial da Rio + 20.

A abordagem privilegia a explicação sobre o caráter social e antropológico das práticas ambientais brasileiras, desde o início da redemocratização, a partir da normatização de uma política ambiental. Discute as mudanças da vida democrática brasileira a partir da incorporação da ideia de sustentabilidade. Mostra como se articulam os ambientalistas na cena política, quais os principais projetos que defendem e como se posicionam ideologicamente, embora nem sempre de forma clara e direta.

Sobre o autor
Natural de Florianópolis, Agripa Alexandre doutorou-se no Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFSC em 2003. Foi professor da UFSC, Furb e Udesc. Desde 2010 é professor do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). Suas pesquisas e publicações discutem temas relacionados às teorias e práticas do ambientalismo, às teorias da democracia, à epistemologia das Ciências Sociais e ambientais e à educação. Publicou inúmeros artigos em revistas científicas. Atualmente está também vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Memória Social da Unirio, e é responsável pela pesquisa A constituição da memória social da ecologia política no Brasil: empoderamento, democratização cultural e mudança das concepções de esfera pública. Sobre a questão ambiental publicou: A perda da radicalidade do movimento ambientalista brasileiro (2000) e Políticas de resolução de conflitos socioambientais no Brasil (2004), ambos pela Editora da UFSC.

Leia também:

ENTREVISTA:

“Não existe mais fronteira artificial entre preservação e desenvolvimento econômico”

Raquel Wandelli – Que repercussão o senhor espera para essa obra, publicada nas vésperas da Rio+20 junho (13 a 24 de junho,  Rio de Janeiro)?
Agripa – Fui convidado para uma entrevista ao vivo no Canal Futura, nos dias 13 e 14 de junho, no período da tarde. Além disso, ambientalistas do Rio estão divulgando o livro, em sites como o da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Academia Brasileira de Ciências, jornais como O Globo. A Rio+20 é um evento muito plural, com redes de discussão interessadas na problematização do discurso da sustentabilidade e sobre a repercussão social e cultural das práticas ambientais, que são temas do livro.

R.W. – Sua pesquisa aponta que as práticas ambientais no Brasil têm um potencial transformador e ilustram mudanças de valores na sociedade brasileira. Mas na sua avaliação há uma mudança efetiva na política brasileira, tradicionalmente conservadora e antropocêntrica do ponto de vista dos direitos ambientais?
Agripa – Sim, há mudanças em curso, todavia devemos ter cuidado em avaliá-las. A tese central de meu livro é a de que existe um ambientalismo político, seletivo e diferencial no Brasil. Essas características são perceptíveis em termos bem práticos, basta ver o resultado político de Marina Silva na última eleição, com 20 milhões de votos. Isso indica mais do que uma simpatia por ela, carisma ou aceitação de sua plataforma política. Por detrás, há a incorporação de valores, assimilados seletivamente, com o mercado definindo, é claro, o que é sustentável, o que é questionável. Isso ocorre de diferentes formas, dependendo das regiões geográficas do apoio estruturante das políticas de governo e de empresas, fatores que o livro discute profundamente.

R.W. – Em 2000 o senhor publicou a obra A perda da radicalidade do movimento ambientalista brasileiro, em que aponta justamente um processo de cooptação desses movimentos pelo capital. Como avalia hoje o movimento ambientalista
Agripa – A atuação dos verdes é menos independente hoje, o que não quer dizer que abandonou a lógica de denúncia e protesto, pois ambientalismo compreende a tensão dos conflitos socioambientais – agronegócio versus agroecologia; desflorestamento para ocupação de pastagem versus defesa de terras indígenas, quilombolas e sociedades tradicionais etc. Todavia, a articulação que os ecologistas têm com as agências de governo, com o mercado e com comunidades precisa ser entendida de forma particular, caso a caso, pois não existe um único discurso ambiental, mas vários: preservacionistas, ecossocialistas, ecocapitalistas, econarquistas, ecoconservacionistas, definindo um universo de práticas ambientais com um potencial de interferência muito grande. Ou seja, não existe mais uma fronteira artificial entre preservação da natureza e desenvolvimento econômico a qualquer custo.

Existem sim vários aspectos diferenciais da política ambiental: para as cidades, saúde alimentar, preservação de áreas verdes, agricultura familiar, todas elas com aspectos locais, regionais e globais distintivos e complexos, mais ou menos utópicos, mais ou menos ideológicos (no sentido marxista desses termos).

R.W. E os responsáveis por essa transformação são os movimentos ecológicos?
Agripa – Sim, no sentido de que abalaram essa oposição entre preservação e desenvolvimento, os verdes mudaram realmente a forma de definir políticas públicas no país desde que estabeleceram marcos normativos na constituinte, fizeram-se representar politicamente, passaram a implementar políticas e ações estruturantes. O fato é que há, sim, uma clivagem política profunda na forma de conceber a vida no planeta, antes e depois dos verdes, e esse fato não deixa de ser um propósito articulador de práticas de vida também no Brasil.

Serviço:
Livro: Práticas ambientais no Brasil; definições e trajetórias
Autor: Agripa Faria Alexandre
Editora UFSC
105 páginas

Por: Raquel Wandelli / Jornalista da UFSC / 9911-0524 / 3721-9459  / / www.editora.ufsc.br

Contatos com o autor:

 

Processo que gera 11% a mais de álcool combustível durante fermentação será premiado nesta quarta-feira

30/05/2012 07:55

Artigo publicado na revista Metabolic Engineering e assinado por pesquisadores da UFSC, Universidade de São Paulo (USP) e Delft University of Technology (Holanda) será reconhecido nesta quarta-feira, 30 de maio, com o 3º Prêmio TOP Etanol – Projeto Agora, na categoria Trabalhos Acadêmicos Publicados. A premiação será entregue em Brasília.

O trabalho (Engineering topology and kinetics of sucrose metabolism in Saccharomyces cerevisiae for improved ethanol yield), por alguns meses entre os mais acessados do periódico científico, foi inscrito no concurso por Thiago Olitta Basso. Formado em Farmácia Bioquímica pela Universidade de São Paulo, Basso desenvolveu seu doutorado em Biotecnologia na USP, sob orientação do professor Andreas K. Gombert, trabalhando em um projeto do professor Boris Ugarte Stambuk, do Departamento de Bioquímica da UFSC e orientador do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia da USP.

O projeto contou com a participação de alunos da USP e da Pós-Graduação em Bioquímica da UFSC, sob coordenação do professor Stambuk,  também orientador do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia e Biociências da universidade catarinense.

Mais álcool combustível
A pesquisa possibilitou o desenvolvimento de leveduras mais eficientes para a fermentação da sacarose da cana de açúcar e melhoria da produção de etanol. O processo de modificação genética faz parte de um pedido de patente já depositado pela UFSC no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

As leveduras modificadas, testadas em condições laboratoriais controladas, possibilitaram a produção de 11% a mais do álcool combustível. O etanol é produzido a partir do açúcar presente no caldo e no melaço da cana, por meio da ação de fungos microscópicos, as leveduras, responsáveis pelo processo de fermentação.

Uma preocupação relacionada à produção de álcool para substituir os combustíveis fósseis é o avanço das áreas de cultivo da cana-de-açúcar, e qualquer incremento na produção de etanol sem implicar no aumento na área plantada é muito bem vista pelo setor.

Modificação genética
Stambuk explica que a modificação genética da levedura para melhor fermentação da sacarose faz parte do que atualmente a ciência chama de engenharia metabólica. Em testes iniciais, desenvolvidos na UFSC e USP, o estudo já havia resultado em 5 a 6% a mais de etanol usando as leveduras modificadas.

Na sequencia dos trabalhos, Thiago Basso, em colaboração com pesquisadores da Holanda, realizou experimentos de engenharia evolutiva visando melhorar ainda mais o processo. O professor explica que, simplificadamente, a engenharia evolutiva consiste em cultivar as leveduras em biorreatores extremamente controlados (equipamentos chamados de quemostatos), por inúmeras gerações, o que geralmente permite selecionar leveduras melhor adaptadas que tendem a dominar o fermentador.

Basso foi capaz de isolar uma levedura melhorada após aproximadamente 50 gerações. Ele estudou a fisiologia destes microorganismos e observou que um dos genes envolvidos na utilização da sacarose tinha sofrido uma duplicação, o que alterou a capacidade da célula de captar, processar e fermentar este açúcar.

Atualmente, graças a um auxílio financeiro da Finep, as leveduras modificadas estão sendo testadas pela Usina Cerradinho Açúcar e Álcool, de São Paulo. Os resultados obtidos com as leveduras industriais engenheradas têm sido promissores.

Mais informações:
– Thiago Olitta Basso / / (41) 9165-0867
– Boris Ugarte Stambuk / / (48) 3721-6919

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Saiba Mais: Prêmio Top Etanol

– Tem como objetivo distinguir trabalhos e seus autores em temas relativos à agroenergia, bem como personalidades que tenham contribuído de forma acentuada para o setor.

– Nas modalidades de Jornalismo e Trabalhos Acadêmicos destaca matérias, estudos e pesquisas que abordem a importância da agroenergia e/ou a interação desta com questões relativas ao meio ambiente, sustentabilidade e proteção ambiental.

– De acordo com os organizadores, concorreram ao todo 110 trabalhos de jornalismo (impresso, televisivo, rádio, agências e internet); 143 fotografias; 87 trabalhos acadêmicos e nove projetos de inovação tecnológica sobre o tema “Agroenergia e Meio Ambiente.”

Leia também:

Professores da UFSC lançam publicação sobre mudanças climáticas
Tese produz subsídios para aproveitamento sustentável de bromélia nativa da Mata Atlântica
Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha comprova redução de peixes no litoral
– Monografia sobre digestores anaeróbios para tratamento do lixo urbano é premiada
UFSC desenvolve sistema para monitorar alimentação e atividades físicas entre crianças de 7 a 10 anos
Pesquisa reforça indícios de que condições na infância afetam obesidade em adultos
UFSC abre inscrições para curso sobre células-tronco
Laboratórios do CDS avaliam atleta da patinação de velocidade
Presidente da Petrobras Biocombustível visita Laboratório de Remediação de Águas Subterrâneas
Prevenção do câncer é tema iniciação científica entre “pesquisadores mirins”
Universidade testa capsulas de erva-mate

 

Pesquisa sobre engenharia metabólica e evolutiva de leveduras conquista Prêmio Top Etanol

28/05/2012 12:15

Artigo publicado na revista Metabolic Engineering e assinado por pesquisadores da UFSC, Universidade de São Paulo (USP) e Delft University of Technology (Holanda) será reconhecido nesta quarta-feira, dia 30 de maio, com o 3º Prêmio TOP Etanol – Projeto Agora, na categoria Trabalhos Acadêmicos Publicados. A premiação será entregue em Brasília.

O trabalho (Engineering topology and kinetics of sucrose metabolism in Saccharomyces cerevisiae for improved ethanol yield), por alguns meses entre os mais acessados do periódico científico, foi inscrito no concurso por Thiago Olitta Basso. Formado em Farmácia Bioquímica pela Universidade de São Paulo, Basso desenvolveu seu doutorado em Biotecnologia na USP, sob orientação do professor Andreas K. Gombert, trabalhando em um projeto do professor Boris Ugarte Stambuk, do Departamento de Bioquímica da UFSC e orientador do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia da USP.

O projeto contou com a participação de alunos da USP e da Pós-Graduação em Bioquímica da UFSC, sob coordenação do professor Stambuk,  também orientador do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia e Biociências da universidade catarinense.

Mais álcool combustível
A pesquisa possibilitou o desenvolvimento de leveduras mais eficientes para a fermentação da sacarose da cana de açúcar e melhoria da produção de etanol. O processo de modificação genética faz parte de um pedido de patente já depositado pela UFSC no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

As leveduras modificadas, testadas em condições laboratoriais controladas, possibilitaram a produção de 11% a mais do álcool combustível. O etanol é produzido a partir do açúcar presente no caldo e no melaço da cana, por meio da ação de fungos microscópicos, as leveduras, responsáveis pelo processo de fermentação.

Uma preocupação relacionada à produção de álcool para substituir os combustíveis fósseis é o avanço das áreas de cultivo da cana-de-açúcar, e qualquer incremento na produção de etanol sem implicar no aumento na área plantada é muito bem vista pelo setor.

Modificação genética
Stambuk explica que a modificação genética da levedura para melhor fermentação da sacarose faz parte do que atualmente a ciência chama de engenharia metabólica. Em testes iniciais, desenvolvidos na UFSC e USP, o estudo já havia resultado em 5 a 6% a mais de etanol usando as leveduras modificadas.

Na sequencia dos trabalhos, Thiago Basso, em colaboração com pesquisadores da Holanda, realizou experimentos de engenharia evolutiva visando melhorar ainda mais o processo. O professor explica que, simplificadamente, a engenharia evolutiva consiste em cultivar as leveduras em bioreatores extremamente controlados (equipamentos chamados de quemostatos), por inúmeras gerações, o que geralmente permite selecionar leveduras melhor adaptadas que tendem a dominar o fermentador.

Basso foi capaz de isolar uma levedura melhorada após aproximadamente 50 gerações. Ele estudou a fisiologia destes microorganismos e observou que um dos genes envolvidos na utilização da sacarose tinha sofrido uma duplicação, o que alterou a capacidade da célula de captar, processar e fermentar este açúcar.

Atualmente, graças a um auxílio financeiro da Finep, as leveduras modificadas estão sendo testadas pela Usina Cerradinho Açúcar e Álcool, de São Paulo. Os resultados obtidos com as leveduras industriais engenheradas têm sido promissores.

Mais informações:
– Thiago Olitta Basso / / (41) 9165-0867
– Boris Ugarte Stambuk / / (48) 3721-6919

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Saiba Mais: Prêmio Top Etanol

– Tem como objetivo distinguir trabalhos e seus autores em temas relativos à agroenergia, bem como personalidades que tenham contribuído de forma acentuada para o setor.

– Nas modalidades de Jornalismo e Trabalhos Acadêmicos destaca matérias, estudos e pesquisas que abordem a importância da agroenergia e/ou a interação desta com questões relativas ao meio ambiente, sustentabilidade e proteção ambiental.

– De acordo com os organizadores, concorreram ao todo 110 trabalhos de jornalismo (impresso, televisivo, rádio, agências e internet); 143 fotografias; 87 trabalhos acadêmicos e nove projetos de inovação tecnológica sobre o tema “Agroenergia e Meio Ambiente.”

Leia também:

Professores da UFSC lançam publicação sobre mudanças climáticas
Tese produz subsídios para aproveitamento sustentável de bromélia nativa da Mata Atlântica
Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha comprova redução de peixes no litoral
– Monografia sobre digestores anaeróbios para tratamento do lixo urbano é premiada
UFSC desenvolve sistema para monitorar alimentação e atividades físicas entre crianças de 7 a 10 anos
Pesquisa reforça indícios de que condições na infância afetam obesidade em adultos
UFSC abre inscrições para curso sobre células-tronco
Laboratórios do CDS avaliam atleta da patinação de velocidade
Presidente da Petrobras Biocombustível visita Laboratório de Remediação de Águas Subterrâneas
Prevenção do câncer é tema iniciação científica entre “pesquisadores mirins”
Universidade testa capsulas de erva-mate

 

Conferência discute como evolui um dos mais antigos sistemas construtivos usados pela humanidade

28/05/2012 08:32

Usada há milênios, a alvenaria estrutural atingiu níveis de cálculo, execução e controle de uma tecnologia versátil e racionalizada. Inicialmente construída com tijolos de argila ou pedra, era uma técnica baseada em métodos empíricos. Dava origem a construções pesadas, de grandes espessuras e rígidas, que têm entre seus exemplos mais expressivos a pirâmide de Queóps (citada como uma das criações mais espetaculares e geniais da história da arquitetura) e o Farol de Alexandria (erguido na Ilha de Faros, no Egito, com 150 metros de altura, considerado uma das sete maravilhas do mundo antigo).

“Nos últimos 30 anos, a partir de extensos trabalhos de pesquisa, da imaginação de projetistas e da grande melhoria da qualidade dos materiais, a alvenaria estrutural conquistou maiores e mais visíveis avanços do que qualquer outra forma de estrutura usada na construção civil”, contextualiza o professor Humberto Roman, do Departamento de Engenharia Civil da UFSC, um dos coordenadores da 15ª Conferência Internacional de Alvenaria Estrutural, que será realizada de 3 a 6 de junho, em Florianópolis (SC).

Terremotos e explosões
Segundo Guilherme Aris Parsekian, do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), que compartilha a coordenação com a UFSC, o encontro acontece em países de expressão no desenvolvimento internacional da engenharia civil. Para obter o direito de ser sede, o Brasil competiu com Inglaterra, Alemanha e Portugal.

Barry Haseltnine, um dos responsáveis pela norma de alvenaria estrutural do Mercado Comum Europeu, está entre os conferencistas. Seu currículo destaca papel fundamental na retomada do uso de estruturas de alvenaria pela indústria da construção ao propor testes com explosões induzidas de gás, depois do acidente do edifício Ronan Point. A torre de 22 andares, localizada em Newham, leste de Londres (Inglaterra), sofreu um colapso parcial a partir de uma explosão desse tipo. A partir dos resultados, Barry Haseltnine participou da formulação de regras para evitar o colapso progressivo de edifícios, e de comitês para elaboração de normas para uso da alvenaria estrutural.

Outro conferencista, o professor Richard Klingner, da University of Texas (EUA), tem estudos para investigação analítica e experimental da resposta de estruturas à prova de terremotos. Ele participa de comissões técnicas dos Estados Unidos e outros países, incluindo o American Concrete Institute e a Sociedade Americana de Testes e Materiais.

Racionalização, produtividade e qualidade
De acordo com Humberto Roman, com o avanço tecnológico a alvenaria estrutural aliou vantagens como flexibilidade, economia, valor estético e velocidade. O aumento da oferta de blocos estruturais de qualidade, a melhoria dos cálculos, capacidade de execução e controle,  empresas investindo em equipamentos e capacitação de mão de obra e o maior número de profissionais habilitados em decorrência de ofertas de cursos ao mercado são alguns avanços.

 

Entre os desafios que devem ser discutidos no encontro estão a dificuldade de adoção de normas técnicas, o melhor entendimento estrutural de prédios de grande altura e a pequena oferta de disciplinas específicas nos cursos de Engenharia.

Salto tecnológico
“Uma das grandes vantagens da alvenaria estrutural é a possibilidade de incorporar conceitos de racionalização, produtividade e qualidade, produzindo construções com bom desempenho tecnológico aliado a baixo custo”, explica Humberto Roman.


Segundo ele, a visão no ambiente de acadêmico e de pesquisa é de que a construção civil (e não só a alvenaria estrutural, ressalta) dará mais um salto de qualidade quando for encarada de forma sistêmica. “Desde a etapa do projeto a construção deve ser encarada como um todo e o que se deve buscar é criar uma linha de montagem no canteiro de obras, à semelhança das linhas de montagem que existem em outros segmentos da indústria, como a de eletrodomésticos”, exemplifica.

Um dos requisitos, complementa, é o projeto de prédios modulados de acordo com a norma brasileira de coordenação modular, com componentes da construção também coordenados modularmente, projetados como partes de um sistema. “Isto proporcionaria que a construção fosse montada como um jogo de legos e as improvisações seriam eliminadas do canteiro de obras”, destaca o professor.

Agenda científica e técnica
Foram recebidos para a 15ª Conferência Internacional de Alvenaria Estrutural mais de 160 artigos técnicos de cerca de 30 países, que terão apresentações entre os dias 4 e 6 de junho. Além de conferências e apresentação de trabalhos, a agenda prevê palestras técnicas e minicursos internacionais sobre tópicos especiais em alvenaria.

Dia do Construtor
Para o domingo 3 de junho, está sendo organizado o Dia do Construtor. O pré-evento tem a finalidade de discutir de maneira prática a construção em alvenaria estrutural no Brasil e no mundo. Serão sessões técnico-científicas de pesquisadores e membros da indústria da construção. Durante todo o dia, palestrantes falarão sobre o uso de alvenaria estrutural no Brasil e no mundo, suas vantagens em relação a outros sistemas, custos e o que o setor produtivo deve levar em conta passar a utilizar alvenaria estrutural.

Organização
Estão à frente da organização a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), com apoio da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade de São Paulo (USP) e das instituições internacionais Universidade do Minho (Portugal), University of Calgary (Canadá) e University of Newcastle (Austrália). Entre outras instituições, o evento tem apoio da Finep, CNPq e Fapesc, com gerenciamento financeiro da Fundação de Ensino e Engenharia de Santa Catarina (FEESC).

Mais informação no site http://www.15ibmac.com/home/, com os coordenadores do evento Humberto Roman ( / 3721-7094) e Guilherme Aris Parsekian ( / (16) 3351-8262 Ramal: 241)

Por Arley Reis / Jornalista na Agecom

Leia também:

Professores da UFSC lançam publicação sobre mudanças climáticas
Tese produz subsídios para aproveitamento sustentável de bromélia nativa da Mata Atlântica
Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha comprova redução de peixes no litoral
– Monografia sobre digestores anaeróbios para tratamento do lixo urbano é premiada
UFSC desenvolve sistema para monitorar alimentação e atividades físicas entre crianças de 7 a 10 anos
Pesquisa reforça indícios de que condições na infância afetam obesidade em adultos
UFSC abre inscrições para curso sobre células-tronco
Laboratórios do CDS avaliam atleta da patinação de velocidade
Presidente da Petrobras Biocombustível visita Laboratório de Remediação de Águas Subterrâneas
Prevenção do câncer é tema iniciação científica entre “pesquisadores mirins”
Universidade testa capsulas de erva-mate

 

Dia Nacional da Mata Atlântica: game facilita ensino sobre bioma catarinense

24/05/2012 15:12
.

Três desafios: quebra-cabeças, sudoku e procure-ache: educação com diversão

Aprender os diferentes cantos de 36 aves sem sair de casa pode ser uma forma de conhecer um pouco mais do bioma catarinense neste domingo, 27 de maio, quando se comemora o Dia Nacional da Mata Atlântica.

Para ouvir os vários trinados e saber distingui-los, o jogo eletrônico educativo Mata Atlântica – o bioma onde eu moro é uma boa ferramenta: direcionado a estudantes do ensino fundamental, o game é gratuito com download a partir do site www.mata-atlantica.educacaocerebral.org. Vem acompanhado de um guia para o professor e a escola pode solicitar capacitação para uso pelo e-mail .

Criado pela equipe do Laboratório de Educação Cerebral, ligado ao Departamento de Psicologia da UFSC, o jogo foi lançado em março. De acordo com o coordenador do laboratório, o professor Emilio Takase, o desenvolvimento levou em conta a ideia de edutenimento (educação com entretenimento, diversão). Os jogadores não são adversários, mas integrantes de uma equipe e assim o game promove a relação colaborativa entre os alunos-jogadores.

Para motivar a relação colaborativa, há uma missão a ser realizada e um personagem (avatar, papagaio-de-peito-roxo) que acompanha os jogadores, dando feedbacks motivacionais (orientando o jogar e lembrando a importância do trabalho em equipe) e construtivos (acerca do conteúdo científico do game).

Takase explica que o jogo propicia aos estudantes conhecer 36 espécies de fauna associados aos ecossistemas do Bioma Mata Atlântica presentes em Santa Catarina. Traz também características marcantes das paisagens desses ecossistemas e sua localização no mapa do Estado.

A tecnologia educacional foi desenvolvida para oferecer qualidade ao Ensino de Ciências, já que o conteúdo Bioma Mata Atlântica é previsto para ser trabalhado no ensino fundamental, de acordo com os Parâmetros Curriculares do Ministério da Educação.

O desenvolvimento foi financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc), depois que o projeto do Laboratório de Educação Cerebral foi selecionado em uma chamada pública voltada a estimular a inovação para valorizar a biodiversidade. Teve também apoio do estúdio Casthalia, ligado ao polo de desenvolvedores de jogos eletrônicos de Santa Catarina (SC-Game).

Mais informações: www.educacaocerebral.com e com o professor Emílio Takase, pelos telefones (48) 3721-8245.

Por Arley Reis/Jornalista da Agecom, com apoio da Assessoria de Comunicação da Fapesc

Mecanismo para semeadura de precisão desenvolvido na UFSC conquista patente

21/05/2012 10:01

O mecanismo dosador patenteado tem princípio mecânico e é pensado para ser acoplado aos tratores

O projeto de um mecanismo para semeadura de precisão de sementes miúdas conquistou a terceira patente da UFSC junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). A proposta teve como suporte a tese “Desenvolvimento de Concepções para a Dosagem e Deposição de Precisão para Sementes Miúdas”, desenvolvida junto ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica. Os autores do invento são Ângelo Vieira dos Reis, que defendeu sua tese em 2003, e o professor Fernando Antônio Forcellini, orientador do estudo. O processo de patenteamento, que teve apoio do Departamento de Inovação Tecnológica (DIT) da UFSC,  levou sete anos.

A cultura de arroz, trigo, sorgo, cevada, aveia e centeio, todos considerados grãos miúdos, representa aproximadamente 17% da produção nacional . O mecanismo dosador patenteado tem princípio mecânico e é pensado para ser acoplado aos tratores. Foi concebido para garantir a colocação das sementes dentro da linha de semeadura com distâncias pré-definidas, tornando possível quantificar o número de grãos distribuídos por metro linear. Essas máquinas possuem mecanismos dosadores que permitem a colocação de sementes espaçadas umas das outras, dentro da linha de semeadura, com distâncias definidas, gerando assim um potencial para a redução da quantidade utilizada por hectare.

“Ficou claro que com a tecnologia atual há uma limitação na quantidade mínima de sementes que pode ser utilizada numa área, um obstáculo à redução dos custos de produção, principalmente quando se considera o preço das sementes de qualidade”, destaca Ângelo, que observou no mercado brasileiro e mundial a inexistência de semeadoras de precisão para grãos miúdos. Para sementes grandes, como o milho, há equipamentos do gênero.

A tese, base para o processo de patenteamento, descreve o estudo, o projeto, a construção de protótipos e os testes de soluções para a dosagem e a deposição, com atenção especial ao arroz. Ângelo utilizou a metodologia de projeto desenvolvida pelo Núcleo de Desenvolvimento Integrado de Produtos, que trata o processo de projeto de forma sistemática. Os estudos serviram de base para duas concepções de produto ─ um mecanismo de dosagem e de posição de semente miúdas com funcionamento mecânico e outro com princípio mecânico-pneumático. A construção de protótipos e a realização dos testes teve apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), por meio da Rede Engenharia Agroindustrial de Alimentos.

“É uma invenção, não se tornou um produto, mas ficamos contentes, pois foi reconhecido pelo INPI que não há algo assim no mundo. É um exemplo que pode ser estímulo a outros projetos”, avalia o professor Fernando Forcellini, consciente de que a transferência do conhecimento para o setor produtivo é ainda um desafio para as universidades. “A universidade está cumprindo seu papel de gerar conhecimento e formar pessoas”, complementa, lembrando que além de possibilitar um doutorado, a pesquisa envolveu estudantes de graduação, que atuaram como bolsistas de iniciação científica.

“Muitos produtos esbarram na cultura, na falta de uma visão de cadeia”, lamenta o professor sobre a visão imediatista, a lógica de ganhar sem muito esforço e a dificuldade do mercado em assumir riscos. Integrante do Instituto Fábrica do Milênio e do Grupo de Engenharia de Produto e Processo, o professor participou do desenvolvimento de vários protótipos de equipamentos para agricultores. Entre eles, um Sistema Modular para o Preparo de Solos em Pequenas Propriedades; um Picador de Cobertura Vegetal Acoplável a Tratores de Rabiças; um Separador de Sólidos de Dejetos Suínos; uma Semeadora Adubadora por Covas Acoplável a Tratores de Rabiças; um  Rolo Facas para Manejo de Cobertura Vegetal e um Implemento para a Abertura e Adubação de Sulcos no Plantio Direto.

Saiba Mais:

Patentes conquistadas pela UFSC no Brasil
– Neutralizador dinâmico viscoelástico de vibrações para cabos e linhas aéreas. Inventores: José João de Espíndola, Carlos Alberto Bavastri, Paulo Henrique Teixeira, Eduardo Márcio de Oliveira Lopes. Titulares: UFSC/ Wetzel (PI9905252-0).
– Processo de soldagem MIG/MAG pulsado com pulsação térmica ou duplamente pulsado. Inventores: Jair Carlos Dutra, Raul Gohr Junior, Larry Fiori Ollé. Titular: UFSC (PI0004698-1).
– Mecanismo dosador mecânico para dosagem de precisão de sementes. Inventores: Ângelo Vieira dos Reis, Fernando Antônio Forcellini. Titular: UFSC (PI0406293-0).

Novos pedidos de patente
Atualmente o Departamento de Inovação Tecnológica gerencia os processos de 85 pedidos de patentes, de 50 registros de programa de computador, 23 registros de marca e seis registros de desenho industrial, além de acompanhar junto com a Epagri o depósito de quatro cultivares.

O DIT presta assistência na elaboração de convênios, contratos e acordos de parcerias de projetos desenvolvidos conjuntamente com empresas e outras instituições. Também auxilia em outros assuntos, como o Direito Autoral.

Mais informações:
– Fernando Forcellini / / (48) 3721-7041
– Ângelo Vieira dos Reis / / (53) 3275-7260
Departamento de Inovação Tecnológica / / (48) 3721-9628

Por Arley Reis / Jornalista na Agecom

Leia também:
Professores da UFSC lançam publicação sobre mudanças climáticas
Tese produz subsídios para aproveitamento sustentável de bromélia nativa da Mata Atlântica
Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha comprova redução de peixes no litoral
– Monografia sobre digestores anaeróbios para tratamento do lixo urbano é premiada
UFSC desenvolve sistema para monitorar alimentação e atividades físicas entre crianças de 7 a 10 anos
Pesquisa reforça indícios de que condições na infância afetam obesidade em adultos
UFSC abre inscrições para curso sobre células-tronco
Laboratórios do CDS avaliam atleta da patinação de velocidade
Presidente da Petrobras Biocombustível visita Laboratório de Remediação de Águas Subterrâneas
Prevenção do câncer é tema iniciação científica entre “pesquisadores mirins”
Universidade testa capsulas de erva-mate

 

Professores da UFSC lançam publicação sobre mudanças climáticas

17/05/2012 09:06

As alterações do clima podem representar riscos para alguns e oportunidades para outros. O alerta faz parte da publicação ´Mudanças Climáticas – Clima de Mudanças`, lançada no âmbito do projeto Rede Europeia Sul-Americana para Avaliação da Mudança Climática e Estudos de Impacto na Bacia do Prata (Projeto Claris).
(mais…)

CIT aponta agrotóxico como principal causa de morte por intoxicação em SC

11/05/2012 13:22

Contaminação por agrotóxicos, ingestão de medicamentos e picadas de animais peçonhentos estão entre as principais causas de acidentes tóxicos em Santa Catarina. O estado registrou 150 mil ocorrências nos últimos 28 anos. Os registros apontam também para 60 mortes somente no ano passado. Esses dados, divulgados hoje pelo Centro de Informações Toxicológicas (CIT/SC), servem para chamar atenção para esse problema e prevenir acidentes, como parte da programação do Dia Estadual de Prevenção de Acidentes Tóxicos, que acontece em 14 de maio.

A intoxicação é o conjunto de sinais e sintomas que são provocados quando se inala, injeta, ingere ou se entra em contato com uma substância química em uma dose tóxica. É o caso de ingerir por engano um produto de limpeza armazenado em uma garrafa de refrigerante, por exemplo. Ou levar uma picada de abelha. A gravidade da intoxicação depende tanto da substância, sua composição e dose, quanto do paciente, seu estado de nutrição, idade e condições de saúde.

Agrotóxico – O Brasil é apontado como um dos maiores consumidores de agrotóxicos do mundo, tanto aqueles de uso agrícola como os domésticos e mesmo de produtos utilizados em campanhas de Saúde Pública. Devido à falta de controle no uso destas substâncias químicas tóxicas e o desconhecimento da população em geral sobre os riscos e perigos à saúde, estima-se que as taxas de intoxicações humanas no país sejam altas, causando a morte de 5 mil trabalhadores por ano, vítimas de agrotóxicos. Em Santa Catarina, entre todas as causas de intoxicação, o agrotóxico foi o maior responsável pelo número de óbitos no ano passado: dos 444 pacientes intoxicados, 22 morreram. Em comparação, a segunda causa de morte foi por medicamentos: 16 casos, para 2675 ocorrências.

Embora atinja a população em todas as idades, os acidentes tóxicos têm como vítimas mais vulneráveis as crianças na faixa de 1 a 4 anos. As últimas estatísticas apontam que quase seis em cada dez casos envolvendo menores de 18 anos foram acidentes com crianças na faixa etária de 1 a 4 anos. Os acidentes foram por ingestão de medicamentos, picadas de animais peçonhentos e ingestão de produtos de limpeza. “A disponibilidade dos produtos, o acesso fácil, a falta de cuidado e a falta de informações sobre riscos tóxicos são a causa de muitos acidentes tóxicos”, informa a Supervisora do CIT/SC, Marlene Zannin.

Subnotificação – Desde que o CIT/SC começou seus trabalhos em 1984, observa-se um crescimento no número de notificações. As estatísticas começaram com 162 casos em 1984 e nos últimos anos os registros estão na casa de 10 mil ocorrências por ano. “Não significa que aumentou o número de acidentes, e sim que o problema agora está mais visível, com os dados reunidos pelo serviço do CIT/SC”, afirma a supervisora clínica do centro, a médica Adriana Mello Barotto. O maior número reflete também o aumento da população e da quantidade de substâncias químicas no mercado.

“Acreditamos que devam existir muito mais casos de intoxicação, mas que não são diagnosticados por falta de conhecimento do que as substâncias causam nos seres humanos”, explica a médica Adriana. “É o caso do agricultor que utiliza muitos anos um produto e que mais tarde procura um médico falando com tem sintomas de depressão”, afirma.  Quando os sintomas não são facilmente identificados, a intoxicação acaba não sendo reconhecida. Se não é reconhecida, acaba havendo o subdiagnóstico do problema.

Atendimento do CIT/SC de 1984 a 2010.


População rural é a mais exposta ao risco de contaminação por agrotóxicos

Dos 4213 registros de intoxicações ocupacionais registrados no CIT/SC no período de2003 a2009, 1112 casos (26%) foram em decorrência de acidentes com agrotóxicos; destes, 1052 casos (25%) ocorreram com agrotóxicos de uso agrícola, e apenas 64 casos (1%) de acidentes com agrotóxicos de uso doméstico. Dos 1112 registros selecionados para estudo, houve 836 registros (75%) oriundos da zona rural contra 251 casos (23%) na zona urbana.

A análise dos números para as variáveis agente e zona é conclusiva ao afirmar que os trabalhadores rurais constituem a população mais exposta ao risco de intoxicação por agrotóxicos, seguidos pelos outros profissionais que lidam com essas substâncias, destacando-se os desinsetizadores e trabalhadores expostos em locais recentemente desinsetizados.

A análise das principais vias de exposição, com 950 casos (85,4%) incluindo a via respiratória e 537 casos (48,2%) com exposição cutânea deixa claro que o uso de equipamentos de proteção individual (EPI) é fato raro no manejo dessas substâncias, principalmente no âmbito da agricultura familiar. Pesquisa realizada na serra gaúcha, com trabalhadores agrícolas de pequenas e médias propriedades demonstrou que 35% da população do estudo nunca utilizavam máscara, luvas ou roupa de proteção51.

O mesmo trabalho mostrou ainda que a maioria da população exposta pertencia ao sexo masculino (86%) e à faixa etária dos 30-49 anos, dados muito semelhantes aos encontrados no presente estudo, com 872 casos (84%) de intoxicações em indivíduos masculinos e 721 casos (70%) ocorrendo na faixa etária dos 20-49 anos.

Dentre os subgrupos de agrotóxicos com maior número de intoxicações, os inibidores de colinesterase (organofosforados e carbamatos) perfazem a maioria das intoxicações com 343 casos (30,8%), seguidos pelos compostos de glifosato (glicina substituída) com 327 casos (29,4%) e pelos piretróides, contabilizando 186 (16,7%) registros. Os três principais subgrupos de agrotóxicos estão presentes em 76,9% dos registros de intoxicações ocupacionais por agrotóxicos. Vale ressaltar que os compostos de glifosato ultrapassariam em número os registros por inibidores de colinesterase se fossem contabilizados apenas os registros de agrotóxicos de uso agrícola.

As intoxicações ocupacionais agudas completam a maioria dos registros com 925 casos (83%) do total de 1112 atendimentos. Possuem uma ampla variabilidade clínica de apresentações, dependendo principalmente da dose e do princípio ativo envolvido em cada acidente. Entretanto, observa-se que as manifestações sistêmicas inespecíficas são referidas quase invariavelmente, sendo a náusea com 349 referências (31,3% do total; 37,7% dos agudos), os vômitos com 290 registros (26,0% do total; 31,3% dos agudos) e cefaléia com 274 registros (24,6% do total; 29,6% dos agudos), os principais sintomas.

 

Sobre o CIT

Localizado junto ao Hospital Universitário, o Centro de Informações Toxicológicas de Santa mantém um serviço de plantão 24 horas, 365 dias por ano, no qual presta informações específicas em caráter de urgência a profissionais de saúde, principalmente médicos dos centros de saúde e das emergências hospitalares. Também fornece informações educativas e preventivas à população em geral, diretamente ou por telefone. O CIT/SC é um órgão público da Secretaria de Estado da Saúde vinculado à Superintendência de Serviços Especializados e Regulação. Funciona em parceria com a UFSC e é referência no Estado na área de Toxicologia Clínica.

Contatos do CIT/SC:

Site: http://www.cit.sc.gov.br/
Telefones:
0800-646-5253
(48) 3721-8085
(48) 3721-9083
E-mail: cit@hu.ufsc.br

 

Por Artêmio Souza e Laura Tuyama, jornalistas na Agecom.

Tese produz subsídios para aproveitamento sustentável de bromélia nativa da Mata Atlântica

10/05/2012 13:39

Expectativa é de que a espécie com potencial econômico possa ser usada em programas de diversificação ou de incremento de renda para comunidades rurais e semi-urbanas

“Seus frutos são ingeridos tanto in natura como em preparados, como remédio contra a tosse, com ação expectorante nas infecções respiratórias, recomendados para o tratamento de asma e de bronquite. Os mesmos frutos são considerados antihelmínticos, sendo que seu sumo tem ainda efeito sobre tecidos decompostos, deixando feridas completamente limpas”. A descrição do potencial da Bromelia antiacantha, publicada pelo padre pesquisador Raulino Reitz no fascículo da Flora Ilustrada Catarinense “Bromeliáceas e a malária – bromélia endêmica” permanece como estímulo a novos estudos.

O pensamento do padre botânico de que “Todas as plantas são potencialmente úteis” está presente na tese ´Uso e manejo de Caraguatá (Bromelia antiacantha) no Planalto Norte Catarinense: está em curso um processo de domesticação?`, em desenvolvimento junto ao Programa de Pós-Graduação em Recursos Genéticos Vegetais da UFSC.

O trabalho da bióloga Samantha Filippon com a bromélia nativa da Mata Atlântica é uma continuidade dos estudos iniciados em seu mestrado, orientado no mesmo programa pelo professor Maurício Sedrez dos Reis (e agora com coorientação do professor Nivaldo Peroni). “Esperamos que com o aprofundamento dos estudos etnobotânicos se possa resgatar e caracterizar junto à comunidade local as formas de manejo da espécie”, explica Samantha.

Conservabio
A pesquisa é realizada em áreas da Floresta Nacional de Três Barras, administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão ambiental do governo brasileiro. A floresta é localizada no planalto norte de Santa Catarina, entre os municípios de Três Barras e Canoinhas. O trabalho envolve a comunidade de Campininha, que participa do projeto “Rede para geração do conhecimento na conservação e utilização sustentável dos recursos florestais não madeiráveis da Floresta Ombrófila Mista”, sigla Conservabio. A iniciativa é financiada e coordenada pela Embrapa.

Os estudos de Samantha são executados em uma área de floresta secundária, utilizada como mangueirão para animais cerca de 60 anos atrás, e onde atualmente existe uma grande densidade da Bromelia antiacantha. Se estendem também a uma área caracterizada como mata nativa, em que há décadas foi realizada exploração madeireira, e a algumas propriedades rurais na comunidade.

A meta é esclarecer aspectos sobre o manejo do caraguatá nas paisagens com maior interferência humana, principalmente na confecção das cercas vivas. O projeto vai buscar informações sobre a seleção das plantas, de onde vêm as mudas, quem faz as cercas e porque – pois ainda que não sejam mais utilizados os antigos mangueirões, ainda são feitas cercas com a bromélia. Estas estruturas de gravatá são utilizadas há décadas, o que foi comprovado por Samantha ao visitar as propriedades e em relatos de agricultores de que algumas existem há cerca de 70 anos.

Domesticação
Em sua dissertação, a bióloga já havia observado que vários agricultores praticaram ou praticam algum tipo de manejo sobre o caraguatá. “Pelo fato de existir manejo e seleção de plantas, principalmente para as cercas vivas, seja por vigor, facilidade de manuseio ou crescimento rápido, pode estar em curso um processo de domesticação dessa espécie pela comunidade local”, considera Samantha, que tem como desafio em sua tese elucidar aspectos culturais envolvidos no uso e manejo da bromélia. Sua investigação associa   estudos demográficos (para documentação de padrões de propagação, brotação, frutificação e crescimento, entre outros) a pesquisas genéticas e etnobotânicas.

“Essa espécie mostra potencial econômico e seu uso pode ser estimulado com a utilização em programas de diversificação ou de incremento de renda para comunidades rurais e semi-urbanas”, considera a bióloga. “Mas são necessários mais estudos para avaliar o impacto da extração sobre a diversidade genética e a regeneração natural, assim como sobre sua disponibilidade para a fauna, o que pode auxiliar o estabelecimento de estratégias sustentáveis de manejo”, complementa.

Segundo ela, ainda que a Bromelia antiacantha reúna características medicinais, alimentícias, ornamentais e industriais, é uma espécie pouco estudada quanto a seu uso. Em pesquisa na literatura, Samantha não encontrou estudos sobre a domesticação do caraguatá, apesar da expressiva utilização em comunidades rurais do Planalto Norte Catarinense e também no Rio Grande do Sul.

Ecologia da espécie
Outros pesquisadores já descreveram características medicinais, alimentícias, ornamentais e industriais (para fabricação de fibras para tecidos, cordoaria e de sabão) do caraguatá. Sua utilização na medicina popular é descrita desde a década de 1940.

No trabalho de mestrado desenvolvido entre o final de 2007 e o início de 2009, Samantha observou que na comunidade de Campininha, em Três Barras (SC), o caraguatá tem três usos principais: xarope expectorante (feito com frutos maduros), palmito (retirado da base das folhas da bromélia) e em cercas vivas. A pesquisa também possibilitou um maior conhecimento sobre a ecologia da planta, sua reprodução, período de floração e predadores.

Segundo Samantha, um levantamento preliminar indica o início da construção de um mercado para o caraguatá. Há comercialização em bancas medicinais em mercados públicos, feiras e eventos relacionados à biodiversidade ou a plantas medicinais. A comercialização acontece tanto em cacho como em pacotinhos contendo cerca de 100g. Há também comercialização de mudas,  licores e geleias. A defesa da tese está prevista para o inicio de 2013.

Mais informações: / Fone: 48 3721-5322

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Leia também:
Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha comprova redução de peixes no litoral
– Monografia sobre digestores anaeróbios para tratamento do lixo urbano é premiada
UFSC desenvolve sistema para monitorar alimentação e atividades físicas entre crianças de 7 a 10 anos
Pesquisa reforça indícios de que condições na infância afetam obesidade em adultos
UFSC abre inscrições para curso sobre células-tronco
Laboratórios do CDS avaliam atleta da patinação de velocidade
Presidente da Petrobras Biocombustível visita Laboratório de Remediação de Águas Subterrâneas
Prevenção do câncer é tema iniciação científica entre “pesquisadores mirins”
Universidade testa capsulas de erva-mate

Comunicação e divulgação científica também são desafios para pesquisa e pós-graduação

04/05/2012 10:01

A quinta sessão do fórum de planejamento para a nova administração da UFSC foi direcionada ao tema Políticas para Pesquisa e Pós-Graduação. O diagnóstico para a área foi organizado em quatro eixos e apresentado pelos professores Jamil Assreuy (pesquisa) e Juarez Vieira do Nascimento (pós-graduação). Em seguida a palavra foi aberta à plateia. Cerca de 40 pessoas participaram do encontro realizado na tarde desta quinta-feira, no auditório do Centro de Cultura e Eventos da UFSC, e também transmitido pela internet. Nesta sexta-feira serão debatidos os temas Políticas para a Extensão e Políticas para o Hospital Universitário (manhã); Políticas para Relações Institucionais e Interinstitucionais (tarde) e Políticas para a Graduação (noite).

Discussão e criação de uma política institucional para a pós-graduação, pesquisa e inovação; estímulo à implantação de projetos cooperativos com pesquisadores do hemisfério sul e articulação com autoridades para colocar o conhecimento a serviço de políticas públicas foram algumas das necessidades elencadas pela equipe de transição, que elabora relatórios a partir de entrevistas junto à Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão (PRPE) e leitura de documentos.

Ampliar o papel das câmaras, buscar a integração de bases de dados para registro de atividades de ensino, pesquisa e extensão, assim como melhoria da comunicação organizacional para facilitar o fluxo de informações foram citados como desafios para a administração das professoras Roselane Neckel e Lúcia Pacheco, que tomam posse como reitora e vice-reitora na próxima quinta-feira, 10 de maio.

De acordo com a equipe responsável pela área, há também necessidade de ampliação do número de bolsas PIBIC e de pós-graduação, de melhor identificação das estruturas financiadas pelos programas CT-Infra e Pró-Equipamentos e implantação de estatuto e regras de uso de laboratórios multiusuários  entre diversos outros temas apresentados, e que de acordo com o grupo, são síntese de uma série de pontos que estão sendo sistematizados em relatórios a serem entregues para a nova administração da UFSC.

Temas como produtivismo, regras mais claras para seleção nos programas de pós-graduação e distribuição de bolsas, sobrecarga dos docentes e necessidade de divulgação da produção científica da Universidade se repetiram nas falas da plateia.

Professores, estudantes e servidores técnico-administrativos também levantaram questionamentos sobre a tabela de progressão funcional, a falta de técnicos para os laboratórios, a necessidade de maior articulação entre graduação e pós-graduação. Entre sugestões, houve depoimentos sobre a importância de que a instituição crie veículos próprios para divulgar sua produção de conhecimento (como é o caso de eventos), a necessidade de busca de recursos via ministérios, a organização de banco de competências e a oferta de assessoria contábil e econômica como suporte ao pesquisador.

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Mais informações: www.foruns.ufsc.br, ;  (48) 9944-9414;  ; (48) 9915-3653.

Transmissão ao vivo pelo site  formaturas.paginas.ufsc.br . Acompanhe também no twitter: @foruns_ufsc.

Leia mais:

– Fórum debate permanência dos alunos na UFSC
– Fórum discute prioridade para os campi de Araranguá, Curitibanos e Joinville

– Debate sobre gestão de pessoas deflagra Fóruns de Planejamento para a Nova Administração

Saiba Mais:

Equipe de Transição – Gestão 2012-2016

Coordenação Geral:
Roselane Neckel (CFH)
Lúcia Helena Pacheco (CTC)
Edison da Rosa (CTC)
Sônia Gonçalves Carobrez (CCB)
Irineu Manoel de Souza (CSE)
Carlos Righi (CCE)
Juarez Vieira do Nascimento (CDS)
Roselane Fatima Campos (CED)
Eugênio Luiz Gonçalves (CTC)
Neiva Aparecida Gasparetto Cornélio (CTC)
Sergio Luis Schlatter Junior (CFH)

Comissões

PRPG:
Alcilene Rodrigues Monteiro Fritz (CTC)
Joana Maria Pedro (CFH)
Jouhanna do Carmo Menegaz (CCS)
Juarez Vieira do Nascimento (CDS) – Coordenador

PRPE:
Claudio Luiz de Freitas (CSE)
Cristina Scheibe Wollf (CFH)
Elias Machado Gonçalves (CCE)
Jamil Assereuy Filho (CCB) – Coordenador

PREG:
Adir Valdemar Garcia (CED)
Gabriel Bedin Slevinski (CFH)
Igor de Barros Ferreira Dias (CFH)
Renato Lucas Pacheco (CTC)
Roselane Fatima Campos (CED) – Coordenadora

PROINFRA/SEPLAN:
Américo Ishida (CTC)
Antônio Carlos Montezuma Brito (PROINFRA)
Edison da Rosa (CTC) – Coordenador
Eugênio Luiz Gonçalves (CTC)
Irineu Manoel de Souza (CSE)
Juan Altamirano Flores (CFH)
Mirian Ghizoni (CFH)
Vitor Hugo Tonin (CFH)
Waldoir Valentim Gomes Junior (CTC)

PRHDS:
Edite Krawulski (CFH) – Coordenador
Neiva Aparecida Gasparetto Cornélio (CTC)
Suzana da Rosa Tolfo (CFH)

PRAE
Domitila Souza Santos (CCA)
Luiz Fernando Scheibe (CFH)
Sálvio Roberto Oliveira (CFH)
Sergio Luis Schlatter Junior (CFH) – Coordenador

FUNDAÇÕES E RELAÇÕES INTER-INSTITUCIONAIS
Carlos Alberto Vieira (CFH) – Coordenador
Nestor Roqueiro (CTC)

HU
Irineu Manoel de Souza (CSE) – Coordenador
Luiz Henrique Gonçalves (HU)
Neiva Aparecida Gasparetto Cornélio (CTC)

SINTER
Luiz Carlos Pinheiro Machado Filho (CCA) – Coordenador
Bruno Locks Floriani (CTC)

COMUNICAÇÃO
Carlos Righi (CCE) – Coordenador
Carlida Emerim Jacinto Pereira (CCE)
Itamar Aguiar (CFH)
Paulo Fermando Liedtke (Agecom)
Tattiana Gonçalves Teixeira (CCE)

SECARTE E EXTENSÃO
Clarilton Edzard Davoine Cardoso Ribas (CCA)
Fausto Breda (CTC)
Maristela Helena Zinner Bortolini (PRPE)
Marcos Freire Montysumma (CFH) – Coordenador

 

Indústria da Construção Civil e instituições de pesquisa debatem alvenaria estrutural

27/04/2012 15:56

O aumento da oferta de blocos estruturais de qualidade, o desenvolvimento de novos materiais e técnicas e a industrialização do processo de construção estão entre os avanços na indústria. Mas o reduzido número de profissionais habilitados, mesmo que a demanda seja alta, a dificuldade de adoção de normas técnicas, o melhor entendimento estrutural de prédios de grande altura e a pequena oferta de disciplinas específicas nos cursos de Engenharia são desafios na adoção de um dos métodos mais utilizados na Construção Civil: a alvenaria estrutural.

A tecnologia adotada há milênios e que continua sendo estudada e aprimorada será o foco da XV Conferência Internacional de Alvenaria Estrutural, pela primeira vez sediada pelo Brasil. O evento será realizado de 3 a 6 de junho, em Florianópolis (SC). “É uma oportunidade para que profissionais da construção e acadêmicos possam interagir com autoridades do mundo em alvenaria estrutural e tirar partido da experiência que podem transmitir sobre projetos, as construções e as pesquisas nesta área tão importante”, destaca o professor do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Humberto Roman, que compartilha a coordenação do evento com o professor do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) Guilherme Aris Parsekian.

“Nos últimos 30 anos, com extensos trabalhos de pesquisa, a imaginação de projetistas e melhoria da qualidade dos materiais, a alvenaria estrutural tem apresentado mais visíveis avanços do que qualquer outra forma de estrutura usada na construção civil. Como consequência, é um dos mais econômicos e modernos métodos de construção. Em países como Inglaterra, Austrália, Alemanha e Estados Unidos, é o mais utilizado e de maior aceitação pelo usuário”, lembra Roman. Segundo ele, o encontro vem sendo realizado em países de expressão no desenvolvimento internacional da engenharia civil, e para obter o direito de ser sede, o Brasil competiu com Inglaterra, Alemanha e Portugal.

Barry Haseltnine (um dos responsáveis pela norma de alvenaria estrutural do Mercado Comum Europeu), Adrian Page (da University of Newcastle, Australia), Robert Drysdale (McMaster University, Canada); Richard

Klingner (University of Texas, Estados Unidos); Jason Ingham (The University of Auckland, Nova Zelândia); Gregg Borchelt (presidente do Brick Industry Association, EUA [ Associação de Indústria de Tijolos dos Estados Unidos]), Nigel Shrive (University of Calgary, Canada) e Paulo Lourenço (Universidade do Minho, Portugal) estão entre os conferencistas.

A programação prevê conferências, apresentação de artigos, cursos de curta duração e o Dia do Construtor, um pré-evento que tem a finalidade de discutir de maneira prática a construção em alvenaria estrutural no Brasil e no mundo. Serão sessões técnico-científicas de pesquisadores e empresários da indústria da construção. Essa agenda é direcionada a projetistas, produtores de materiais e componentes para a construção e construtores.

Estão à frente da organização a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), com apoio da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade de São Paulo (USP) e das instituições internacionais Universidade do Minho (Portugal), University of Calgary (Canadá) e University of Newcastle (Austrália).

Mais informação no site www.15ibmac.com/home /ou com os coordenadores do evento Guilherme Aris Parsekian () e Humberto Roman ()

Por Arley Reis / Jornalista na Agecom

Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha comprova redução de peixes no litoral

16/04/2012 08:30

Nos censos visuais os pesquisadores estimam a quantidade e o tamanho dos peixes em áreas demarcadas. Fotos: Rede Sisbiota-Mar

Resultados preliminares da Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha (Sisbiota Mar) confirmam cientificamente cenário conhecido na prática por pescadores e comunidades litorâneas brasileiras: a quantidade de peixes na costa está muito menor do que em ambientes mais protegidos, como as ilhas oceânicas. Nestas ilhas, a biomassa marinha chega a ser quatro vezes maior do que nas localizadas próximo ao litoral.

Os dados que resultam de censos visuais subaquáticos realizados em expedições marinhas serão apresentados na Austrália, no mês de julho, em um dos mais importantes eventos científicos na área de pesquisa marinha, o 12th International Coral Reef Symposium (ICRS 2012).

“As ilhas oceânicas estão muito mais preservadas do que as da costa, pois no litoral a pressão é muito maior. Era um dado já esperado e agora documentado”, informa o professor do Departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC, Sergio Floeter, coordenador da Rede Nacional.

O apoio financeiro direcionado ao Sisbiota-Mar pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) e CNPq já permitiu a realização de expedições ao Atol das Rocas, Barreirinhas e Maracajaú (no estado do Rio Grande do Norte); a Tamandaré e ao arquipélago de Fernando de Noronha (Pernambuco); a Maragogi (Alagoas); a Ilhas de Guarapari (Espírito Santo) e Baía de Todos os Santos (Bahia).

Em cada uma das saídas de campo, censos visuais possibilitaram a mensuração da biomassa. Esse dado representa a média de peixes em quilogramas, em áreas demarcadas de 40 metros quadrados. As informações são registradas pelos pesquisadores em mergulhos, com estimativas, além de quantidade, do tamanho dos peixes. De acordo com Floeter, essa é uma metodologia adotada por pesquisadores da vida marinha há mais de 20 anos. A Rede já realizou levantamentos de cerca de 100 amostras de 40 metros quadrados em cada ilha ou local da costa (o que representam aproximadamente quatro quilômetros quadrados investigados em baixo d’água em cada expedição).

Dados que já haviam sido obtidos em estudos anteriores e sua comparação com os atuais revelam grandes diferenças entre os ambientes. Em relação a ilhas de Santa Catarina, por exemplo, o ambiente oceânico de Atol das Rocas (também uma Reserva Biológicas Marinhas, assim como a Reserva Biológica Marinha do Arvoredo) tem biomassa quatro vezes maior (12.9 kg/40m² documentados no Atol e 3,3 kg/40m² em ilhas de Santa Catarina).

De acordo com Floeter, a Ilha da Trindade, localizada cerca de 1.200 quilômetros a leste de Vitória, é outro local em que foi documentada grande biomassa . “Não é um parque ou reserva, mas é muito distante, por este motivo fica mais preservada”, avalia o biólogo que integra o Programa de Pós-Graduação em Ecologia da UFSC e já orientou diversos trabalhos de graduação e pós-graduação sobre as comunidades de peixes no litoral catarinense.

No caso das ilhas de Santa Catarina, com estudos realizados pela equipe de Floeter desde 2006 e que incluem ambientes da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, os dados não são bons. “Mas a biomassa dentro da Reserva é ainda assim bem melhor do que fora dela”, ressalta o pesquisador, otimista com o trabalho proporcionado pela  pesquisa em rede, que integra estudiosos de oito universidades brasileiras (UFSC, UFRGS, USP, UFF, UFRJ, UFES, UFC e UFRPE), envolve 15 programas de pós-graduação, 15 Pesquisadores de Produtividade do CNPq e jovens pesquisadores.

Todas as equipes têm laboratórios, equipamentos de mergulho e coleta que serão direcionados a gerar  suporte científico para estratégias de conservação da biodiversidade marinha nacional

Segundo ele, a rede consolida esforços regionais iniciados há mais de uma década, permitindo que grupos de pesquisa atuem de forma harmônica e padronizada. Ela é constituída por três núcleos principais – Sul (nucleado na UFSC), Sudeste (nucleado na UFES) e Nordeste (nucleado na UFRPE). Todas as equipes têm laboratórios, equipamentos de mergulho e coleta, muitos deles comprados com recursos do edital Sistema Nacional de Pesquisa em Biodiversidade (Sisbiota), lançado pela Fapesc em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, por meio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Ao longo de três anos, devem ser aplicados quase R$3 milhões em pesquisas que vão gerar suporte científico para estratégias de conservação da biodiversidade marinha nacional e conhecimento sobre o potencial farmacológico dos biomas marinhos. Nos dias 26 e 27 de março, pesquisadores da Rede se reuniram em Vitória (ES), para integração e compartilhamento dos estudos. De acordo com Floeter, a equipe já processa também resultados promissores sobre espécies marinhas que podem contribuir com o desenvolvimento futuro de fármacos, mas que levarão ainda algum tempo para serem divulgados.

Mais informações com o professor Sergio R. Floeter, (48) 3721-5521 / e-mail

Por Arley Reis / Jornalista na Agecom

Saiba Mais:

O Sisbiota-Mar envolve a integração de mais de 25 projetos de pesquisa e extensão vigentes sintetizados em três frentes:

– Projeto 1 Ecologia – enfoque nos padrões e processos ecológicos da biodiversidade marinha brasileira

– Projeto 2 Evolução – lida com os padrões e processos evolutivos de formação da biodiversidade marinha brasileira no espaço e no tempo, em um contexto histórico

– Projeto 3 Química Marinha – tem como objetivo investigar do ponto de vista químico as relações ecológicas e aplicar o conhecimento

Leia também:
Professores da UFSC lançam publicação sobre mudanças climáticas

Tese produz subsídios para aproveitamento sustentável de bromélia nativa da Mata Atlântica
Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha comprova redução de peixes no litoral
– Monografia sobre digestores anaeróbios para tratamento do lixo urbano é premiada
UFSC desenvolve sistema para monitorar alimentação e atividades físicas entre crianças de 7 a 10 anos
Pesquisa reforça indícios de que condições na infância afetam obesidade em adultos
Pesquisadores estudam mosquitos na Ilha de Santa Catarina
UFSC abre inscrições para curso sobre células-tronco
Laboratórios do CDS avaliam atleta da patinação de velocidade
Presidente da Petrobras Biocombustível visita Laboratório de Remediação de Águas Subterrâneas
Prevenção do câncer é tema iniciação científica entre “pesquisadores mirins”
Universidade testa capsulas de erva-mate