Coral invasor é localizado no entorno da Reserva Marinha Biológica do Arvoredo

17/02/2012 08:20

O coral-sol é uma espécie invasora, pois onde se fixa domina o ambiente. Foto de Otto Schubart Neto/ Divulgação Bertuol Escola de Mergulho

Uma equipe que inclui representantes da UFSC, UFRJ, UERJ e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)  vai a campo quinta e sexta-feira (16 e 17/02) para documentar a extensão e as características de colônias de coral-sol  em área próxima à Reserva Marinha Biológica do Arvoredo, litoral de Santa Catarina.

A espécie exótica e invasora foi encontrada no início de janeiro, durante uma operação organizada pela Bertuol Escola de Mergulho, localizada em Bombinhas. É a primeira vez que o coral-sol Tubastraea coccinea é observado em costão rochoso no Sul do Brasil. Em plataformas de petróleo já havia sido documentado.

“Foi durante uma operação de mergulho recreativo, na Ilha do Arvoredo, em uma profundidade de quatro metros”, conta a bióloga Cecília Pascelli, que se formou no Curso de Biologia da UFSC e agora faz seu mestrado na UFRJ, com estudos de campo na Reserva Marinha Biológica do Arvoredo.

Ainda que o foco de suas pesquisas agora sejam as esponjas marinhas, Cecília já conhecia a beleza e a ameaça do coral invasor, que chamou sua atenção. Em uma saída de campo seguinte uma amostra foi removida e a identificação confirmada na UFSC, pela equipe do projeto Biodiversidade Marinha de Santa Catarina.

O grupo fez contato com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e também com o Projeto Coral-Sol, criado em 2005 pela UERJ e pelo Instituto de Biodiversidade Marinha com a proposta de controlar o coral exótico invasor atuando em pesquisas, monitoramentos e remoção no litoral brasileiro.

A volta ao local de ocorrência em Santa Catarina esta semana tem como objetivo investigar a distribuição e as características das colônias, como estão instaladas, entre outras características. De acordo com o professor Alberto Lindner, do Departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC, o mapeamento ajudará a equipe a definir que ação pode ser adotada com a espécie que já invadiu diversas áreas do litoral do Rio de Janeiro e São Paulo. “O tamanho da colônia que recebemos para identificação nos indica que ela tem mais de um ano, portanto sobrevive no litoral de Santa Catarina tanto no inverno como no verão”, explica Lindner.

A equipe vai também aproveitar a ocorrência para divulgar informações sobre o coral-sol no Estado, especialmente entre operadoras de mergulho, para que a possibilidade de avistar o invasor seja multiplicada. “O mergulho recreativo é uma atividade, em minha opinião, de baixo impacto, e que pode ajudar no monitoramento dos ambientes. A grande ressalva é que no caso de encontrar o coral, as pessoas não devem coletar, pois partes fragmentadas podem levar à reprodução em outros locais. As pessoas devem somente comunicar o Projeto Coral-Sol”, alerta Lindner.

“A expedição dessa semana vai nos mostrar se é viável fazer a remoção, pois há pesquisas que indicam situações em que a localização de uma espécie considerada exótica e invasora já não permite mais o seu controle, do ponto de vista de custo de remoção”, explica o professor que trabalha com a professora Bárbara Segal Ramos, também do Departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC, para iniciar um projeto de monitoramento do coral-sol em Santa Catarina.

Originário da região do oceano Indo-Pacífico, o coral-sol foi observado na década de 1950 no Caribe. Em 1990 chegou a plataformas de petróleo na Bacia de Campos, na costa norte do Rio de Janeiro, e depois a costões rochosos do Rio. Atualmente cobre grandes extensões de costão na Ilha Grande (RJ) e da Ilhabela (SP).

A espécie é considerada exótica e invasora, pois onde se fixa domina o ambiente. Sua presença pode interferir na dinâmica do bentos, que incluem esponjas e algas, entre outros organismos que vivem no substrato marinho.  Em casos extremos pode também interferir na macrofauna e gerar impactos na cadeia alimentar de alguns peixes.

Mais informações:
Professor Alberto Lindner (  / Fone: (48) 3721-4744)
Bióloga Cecília Pascelli ()

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Leia também:

Pesquisa comprova presença de corais recifais na Reserva Biológica Marinha do Arvoredo

Portal reúne informações sobre biodiversidade marinha de Santa Catarina


Professor da UFSC é premiado pelo Howard Hughes Medical Institute

26/01/2012 14:21

André Báfica

O professor André Luiz Barbosa Báfica, 36 anos, (currículo lattes), do Departamento de Microbiologia, Imunologia & Parasitologia (MIP) do Centro de Ciências Biológicas (CCB) da Universidade Federal de Santa Catarina, foi um dos 28 cientistas selecionados para receber o prêmio International Early Career Scientist (IECS), do Howard Hughes Medical Institute.  O HHMI é uma das mais importantes instituições que apóiam pesquisas na área de saúde e biologia dos Estados Unidos. O prêmio foi divulgado (www.hhmi.org/news/iecs20120124.htm) na segunda-feira, 24 de janeiro. A seleção foi feita dentre 760 jovens pesquisadores do mundo inteiro. André foi o único brasileiro a receber o prêmio de 650 mil dólares ao longo de cinco anos para desenvolver uma vacina mais eficaz para tuberculose.

(more…)

UFSC colabora com avaliação física do ciclista Murilo Fischer

22/12/2011 16:01
.

.

As pedaladas de Murilo Fischer, atleta catarinense que está na elite do ciclismo internacional, podem ser aprimoradas com a colaboração do Laboratório de Esforço Físico, ligado ao Centro de Desportos da UFSC. Na tarde desta quarta-feira, 21 de dezembro, o ciclista teve sua performance avaliada em uma série de testes realizados na Universidade.

Nas próximas semanas deve retornar (ainda sem data definida) para novas avaliações, antes de partir para a Europa e iniciar a temporada de competições. Listado entre os melhores atletas brasileiros de 2011, modalidade ciclismo estrada, Murilo Fischer venceu em 2005 a UCI Europe Tour da União Ciclística Internacional, em 2002 venceu a 17ª etapa do Circuito Di Colle Umberto, na Itália, e em 2000 foi o representante do Brasil na prova de estrada dos Jogos Olímpicos de Sydney, entre outras conquistas.

“Essa é uma parte fundamental do treinamento e sabemos que a UFSC é referência. O ideal seria fazer essa avaliação toda semana”, disse o atleta, natural de Brusque, logo depois da bateria de testes acompanhada pela equipe do laboratório e por seu preparador físico, Milton Carlos Della Giustina.

Um dos equipamentos usados nas avaliações de desempenho físico na Universidade é o cicloergômetro, uma bicicleta ergométrica ajustável, capaz de reproduzir as configurações da bicicleta de Murilo, e que é controlada via computador. O equipamento de 32 mil euros foi adquirido pela UFSC há dois anos, a partir de um projeto enviado ao Programa Capes Pró-Equipamentos, e permite que aos poucos maior esforço seja exigido do atleta, ao mesmo tempo em que uma série de variáveis são medidas e monitoradas.

“As pedaladas no equipamento e a coleta de uma gota do lóbulo da orelha de Murilo resultam em informações valiosas, como o consumo de oxigênio, a geração de gás carbônico, a produção de lactato (um subproduto do ácido láctico, “inimigo” dos atletas por provocar dores musculares e câimbra) e a capacidade do organismo de metabolizar essa substância”, explica o professor Fernando Diefenthaeler, especialista em Fisiologia do Exercício e um dos integrantes do Laboratório de Esforço Físico da UFSC.

“Se o lactato não é metabolizado, acaba sendo acumulado e gera a chamada acidose, prejudicial ao organismo. Os testes mostram quando o atleta atinge seus limites e indicam como a preparação física pode auxiliar no aprimoramento do desempenho”, exemplifica o professor. “Estes dados laboratoriais são a agulha da bússola. Eles nos mostram como conduzir o treinamento”, reforçou o preparador físico de Murilo.

Primeiro laboratório implantado no Centro de Desportos, o Laboratório de Esforço Físico é coordenado pelo professor Luiz Guilherme Antonacci Guglielmo, pesquisador que conta com uma longa experiência na área da avaliação de desempenho físico, fez mestrado e doutorado no campo de Ciências da Motricidade, área de Biodinâmica da Motricidade Humana, linha de pesquisa Metabolismo e Exercício.

O LAEF é um laboratório de pesquisa, extensão e ensino. Atualmente está instalado no Bloco V do Centro de Desportos, próximo à pista de atletismo, com uma área de 98 metros quadrados. Entre os equipamentos, destacam-se duas bicicletas ergométricas, dois analisadores de gases, aparelho para medir a força de membros inferiores e diversos materiais para medidas antropométricas.

Mais informações na UFSC:

- Luiz Guilherme Antonacci Guglielmo / / (48) 3721-9964

- Fernando Diefenthaeler / / (48) 3721-8530

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom
Fotos: Cláudia Reis / Jornalista da Agecom

 

Planetário da UFSC completa quatro décadas nesta segunda-feira

11/12/2011 17:12

Atualmente o planetário localizado no campus da UFSC no bairro Trindade está integrado ao Observatório Astronômico e a brinquedos interativos que representam um “embrião” do Parque Viva Ciência que a Universidade busca implantar no aterro da Baía Sul

Único em Santa Catarina, o Planetário da UFSC completa 40 anos no dia 12 de dezembro. Neste dia haverá sessões abertas ao público às 9h e 10h, às 14h30min e 16h. “Os planetários são simuladores do céu”, explica Edna Maria Esteves da Silva, que coordena o setor na UFSC. “Contemplar o céu estrelado numa noite sem Lua, longe da iluminação da cidade, desperta profunda emoção e encantamento nas pessoas. Os equipamentos de planetário fascinam pessoas de todas as idades, despertando muita emoção”, complementa a geógrafa.

Com 38 lugares, há anos o setor funciona em capacidade máxima, atendendo 15 mil pessoas por ano. Os visitantes são principalmente estudantes da educação básica. Em uma hora a turma recebe  informações sobre o céu da época, sobre constelações e acontecimentos astronômicos que possam ser destacados, como constelações visíveis naquele mês, eclipses ou a passagem de cometas.

Em seguida, os visitantes acompanham a exibição de filmes na cúpula do planetário, com material escolhido de acordo com a faixa etária. Toda quarta-feira o espaço é aberto ao público, a partir de 18h. Neste dia os visitantes podem também conhecer o Observatório Astronômico da Universidade, aberto para que a comunidade possa usar seus telescópios e fazer observações reais de estrelas e planetas. Todas as sextas-feiras o planetário é aberto para palestras do Grupo de Estudos de Astronomia.

Imagens e interatividade
Segundo a coordenadora do planetário, ainda que seja pequeno para atender a demanda (há sempre uma lista de espera), o setor tem como diferencial o fato de não trabalhar somente com a exibição de filmes. “A harmoniosa combinação do tema de uma sessão no planetário, com recursos de imagem, som e a interação de um apresentador podem levar o expectador a experiências ímpares de emoção”, defende Edna.

“Sempre recebemos as turmas com uma conversa, explicando fenômenos como as estações do ano, mostrando o sistema solar, respondendo perguntas, e assim percebemos que tipo de filme é mais adequado para a faixa etária que nos visita”, conta Edna.

Atuando desde 1971, o planetário da UFSC durante muitos anos funcionou com um projetor mecânico. Desde 2008 as apresentações ganharam qualidade com a instalação de um projetor digital, o Digistar, segundo do gênero na América do Sul. O equipamento foi adquirido com recursos da Finep, obtidos em projeto conjunto com a Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão. Como contrapartida, a UFSC reformou as instalações do planetário para receber o novo projetor, um poderoso banco de dados sobre Astronomia. Com ele, as sessões que eram realizadas de forma verbal, utilizando como recursos didáticos a projeção do céu, um projetor de slides e um projetor de vídeo, passaram também a ser “shows” de imagens, locução e música.

“O novo equipamento pode projetar qualquer tema. Possui um potencial multidisciplinar, combinando com a vocação do Parque Viva Ciência que a UFSC busca implantar no aterro da Baía Sul, em Florianópolis”, lembra Edna. A expectativa da equipe é que com a construção do novo espaço mais pessoas possam ser atendidas.

Mais informações sobre o planetário: / 3721-9241

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Pesquisa comprova presença de corais recifais na Reserva Biológica Marinha do Arvoredo

29/09/2011 07:54

A formação de corais recifais na Reserva Biológica Marinha do Arvoredo. Fotos: Paulo Bertuol

Em conjunto com pesquisadores da UFSC que já desenvolviam projetos junto à Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, em 2009 o biólogo e mergulhador Paulo Bertuol convidou o professor do Departamento de Ecologia e Zoologia Alberto Lindner para observar corais recifais na região. O fato despertou novos interesses acadêmicos e se tornou tema de uma dissertação de mestrado que está sendo desenvolvida junto ao Programa de Pós-Graduação em Ecologia da UFSC.

Resultados parciais dessa pesquisa foram este ano publicados em um artigo na revista Coral Reefs. “Nesse artigo reportamos a formação de corais recifais mais ao sul em todo o Oceano Atlântico, localizada na Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, ao norte de Florianópolis e a mil e quinhentos quilômetros ao sul dos recifes de Abrolhos”, destaca Lindner, que desde 1996 estuda os cnidários, conjunto de animais que inclui corais, anêmonas e águas-vivas e orienta a pesquisa de mestrado da bióloga Kátia Capel.

“Os resultados apresentados no artigo são importantes pois mostram que é possível a formação de bancos de corais recifais mesmo no sul do Brasil, em Santa Catarina”,  complementa Lindner, também coordenador o projeto Biodiversidade Marinha de Santa Catarina (veja mais abaixo).

Monitorando o fundo do mar
Desde dezembro de 2010, Kátia vai a cada três meses visitar a reserva para monitorar a população dos corais, que são da espécie Madracis decactis. A região ocupada mede 3400m² e está entre seis e 15 metros de profundidade. A maior densidade (maior número de colônias de corais por metro quadrado) concentra-se em regiões com cerca de nove metros de profundidade, e um dos aspectos já observados é que conforme a profundidade aumenta, aumenta também o tamanho das colônias.

“Para nós foi uma grande surpresa encontrar esse tipo de formação aqui no sul do Brasil. A espécie Madracis decactis havia sido registrada para Santa Catarina, mas não esperávamos observar o desenvolvimento de um banco de corais recifais no estado”, reforça Lindner.

Ao contrário do que acontece em Abrolhos, a espécie de coral encontrada em Santa Catarina não forma recifes, mas um banco de colônias livres sobre o fundo do mar. São duas hipóteses que podem explicar o desenvolvimento desses corais em forma livre.

A primeira é a de que esses animais marinhos estavam em formação rochosa e por algum motivo, como hidrodinâmica (movimento da água), se soltaram e continuaram se desenvolvendo de forma livre. A outra teoria é a de que a larva do coral pode ter se fixado em algum local móvel, como conchas, e se movimentou através das ondas, marés, ou movimento de outros animais. “Esse sítio de corais tem grande potencial para estudos e poderemos desenvolver outros projetos na região”, comemora Kátia Capel.

Vulnerabilidade
De acordo com Lindner, a formação deve ser melhor estudada e protegida, pois representa o limite sul de distribuição de corais recifais em todo o Oceano Atlântico. No Portal Biodiversidade de Santa Catarina, colorido com imagens de esponjas, medusas, corais e peixes, a equipe coordenada pelo professor alerta para a importância do conhecimento e monitoramento da fauna e flora marinha de Santa Catarina.

Logo na página de abertura o grupo destaca que modelos climáticos projetam um acréscimo na temperatura dos oceanos até 2100. Como no Brasil o litoral do estado de Santa Catarina representa o limite sul de distribuição da fauna e flora marinha tropical do Oceano Atlântico, pode ser uma das primeiras áreas no Atlântico onde os potenciais impactos deste aquecimento poderão ser detectados em organismos marinhos. “Isso faz de Santa Catarina um laboratório natural para se monitorar e descrever respostas ecológicas aos impactos antrópicos”, ressalta Lindner.

Independentemente das projeções para os próximos 100 anos, complementa o grupo formado por professores, estudantes de graduação e pós-graduação, é fundamental descrever em detalhe a biodiversidade de organismos marinhos recifais em Santa Catarina, o que pode proporcionar condições mínimas para previsões e modelos estruturados de cenários futuros. “O levantamento taxonômico e o monitoramento da costa é muito importante e se tornou um assunto de interesse da comunidade científica internacional”, destaca o professor.

A Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) financia as pesquisas por meio dos projetos Jovens Pesquisadores e Biodiversidade Marinha de Santa Catarina, enquanto o Instituto Chico Mendes (ICMBIO) auxilia com a logística e trabalhos de campo por meio da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo. A defesa da dissertação de mestrado de Kátia, que trará resultados obtidos nos estudos sobre a espécie de coral recifal Madracis decactis em Santa Catarina, está programada para o próximo ano. A pós-graduanda é co-orientada pela professora Bárbara Segal Ramos, do Departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC.

Saiba Mais:

Portal da Biodiversidade Marinha de Santa Catarina

O Projeto Biodiversidade Marinha do Estado de Santa Catarina é desenvolvido por uma equipe de professores e estudantes da UFSC. Sintetizar o conhecimento sobre a biodiversidade marinha de Santa Catarina e obter novos dados estão entre os objetivos. Dados sobre espécies de esponjas já estão disponibilizados no site www.biodiversidade.ufsc.br. A iniciativa tem apoio da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo e recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc).  O trabalho integra a Rede Sisbiota-Mar (Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha), direcionada a ampliar o conhecimento sobre a biodiversidade brasileira.

O Sisbiota-Brasil é uma iniciativa conjunta entre os ministérios da Ciência e Tecnologia, da Educação e do Meio Ambiente, do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e de 18 fundações estaduais de amparo à pesquisa, incluindo a FAPESC. Na UFSC é coordenado pelo professor Sérgio R. Floeter, também do Departamento de Ecologia e Zoologia, e integra pesquisadores de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Pernambuco e Ceará.

Mais informações com o professor Alberto Lindner (48) 3721-4744 / ou Kátia Capel

Por Rafaela Blacutt (Bolsista de Jornalismo na Agecom) e Arley Reis (Jornalista na Agecom)

Portal reúne informações sobre biodiversidade marinha de Santa Catarina

22/02/2011 07:47

Maior produtor nacional de pescado, Santa Catarina tem o mar como elemento central de sua história, cultura e economia. O Estado é também pioneiro nos estudos sobre a biodiversidade marinha, com pesquisas realizadas desde o século XIX pelo naturalista Fritz Müller. Além disso, Santa Catarina representa o limite sul de distribuição da fauna e flora marinha tropical do Oceano Atlântico e seu litoral pode se tornar um “termômetro” dos impactos e mudanças climáticas.

Levando em conta estas questões, uma equipe de professores e estudantes da UFSC desenvolve o projeto Biodiversidade Marinha do Estado de Santa Catarina. A iniciativa tem apoio da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo e recursos da Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina (Fapesc).  O trabalho integra a Rede SISBIOTA-Mar (Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha), direcionada a ampliar o conhecimento sobre a biodiversidade brasileira

Sintetizar o conhecimento sobre a biodiversidade marinha de Santa Catarina e obter novos dados estão entre os objetivos do projeto da UFSC. Dados preliminares sobre espécies de esponjas e cnidários estão disponibilizados no  Portal da Biodiversidade Marinha do Estado de Santa Catarina (www.biodiversidade.ufsc.br).

De acordo com o coordenador do projeto, o professor do Departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC, Alberto Lindner, no período de 2010-2011 o trabalho será focado nos animais marinhos mais simples, dos filos Porífera (esponjas) e Cnidária (corais, anêmonas e águas-vivas).

Na primeira versão do portal estão disponíveis as listas de espécies de esponjas e cnidários do Estado de Santa Catarina, compiladas com o apoio de alunos de graduação da UFSC e dos doutorandos João Luís Carraro, da UFRGS, e Sérgio Stampar, da USP. Para as esponjas já estão também disponibilizadas fichas de identificação, com descrição morfológica, espécies similares, distribuição, registro em Santa Catarina, taxonomia e referências bibliográficas.
Lindner explica que integram o portal somente informações  presentes na bibliografia científica.  “Não basta uma pessoa nos dizer que viu uma esponja em determinado local”, explica. Segundo ele, novos relatos sobre organismos marinhos são valiosíssimos, mas para integrar o portal o desafio da equipe é compilar literatura primária confiável, organizando as informações na internet para que possam ser acessadas de maneira simples por outros pesquisadores e também pelo público em geral.

“As listas estão entre os mais importantes componentes do portal e esperamos colaborar para um salto na acessibilidade a estes dados”, destaca o professor. Algumas fichas já disponibilizadas para esponjas fazem link com o Ocean Biogeographic Information System (OBIS), que indica a distribuição da espécie no mundo.
Tropicalização da fauna e flora marinha

O portal colorido com imagens de esponjas, medusas, corais e peixes alerta para a importância do conhecimento e monitoramento da fauna e flora marinha de Santa Catarina. Logo na página de abertura a equipe destaca que modelos climáticos projetam um acréscimo entre 2°C e 7°C na temperatura dos oceanos até 2100. Como no Brasil o litoral do estado de Santa Catarina representa o limite sul de distribuição da fauna e flora marinha tropical do Oceano Atlântico, pode ser uma das primeiras áreas no Atlântico onde os potenciais impactos do aquecimento global poderão ser detectados em organismos marinhos.

“Uma possível consequência que poderá ser observada nas próximas décadas em Santa Catarina é uma maior tropicalização da fauna e flora marinha do sul do Brasil, o que faz de Santa Catarina um laboratório natural
para se monitorar e descrever respostas ecológicas aos impactos antrópicos”, ressalta a equipe.
Independentemente das projeções para os próximos 100 anos, complementa o grupo formado por professores, estudantes de graduação e pós-graduação, é fundamental descrever em detalhe a biodiversidade de organismos marinhos recifais em Santa Catarina, o que pode proporcionar condições mínimas para previsões e modelos estruturados de cenários futuros. “O levantamento taxonômico e o monitoramento da costa é muito importante e se tornou um assunto de interesse da comunidade científica internacional”, destaca o professor.

O projeto Biodiversidade Marinha do Estado de Santa Catarina apoia também uma dissertação de mestrado que investiga a biodiversidade e a distribuição de corais na Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, em Santa Catarina.
O Sistema Nacional de Pesquisa em Biodiversidade (Sisbiota-Brasil) é uma iniciativa conjunta entre os ministérios da Ciência e Tecnologia, da Educação e do Meio Ambiente, do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e de 18 fundações de amparo à pesquisa estaduais. Na UFSC é coordenado pelo professor Sérgio R. Floeter, também do Departamento de Ecologia e Zoologia, e integra pesquisadores de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Pernambuco e Ceará.

Mais informações www.biodiversidade.ufsc.br / Alberto Lindner / (48) 3721-9460 /

Por Arley reis / Jornalista da Agecom

Leia também:

Equipes monitoram presença de águas-vivas no litoral e orientam sobre acidentes

Observações do projeto Biodiversidade Marinha do Estado de Santa Catarina, do Departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC, indicam que a espécie de água-viva que pode ter causado a maior parte dos acidentes nesse verão é Olindias sambaquiensis, descrita pelo naturalista Fritz Müller em Santa Catarina. A equipe observou e fotografou a espécie no litoral de Florianópolis e vai monitorar sua presença no Estado também no inverno.

Números disponibilizados pelo Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina (CIT), que funciona junto ao Hospital Universitário da UFSC, mostram que no final de 2010 foram registradas 48 intoxicações por celenterados (águas-vivas, caravelas e larvas) no final de 2010. No início de 2011 já foram 32 casos registrados no CIT/SC.

O Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina mantém um serviço de plantão permanente durante 24 horas. O contato deve ser feito pelo telefone 0800-643-5252. Além de registrar as ocorrências, a equipe alerta para o que fazer no caso de queimaduras por águas-vivas e caravelas:

Orientações do Centro de Informações Toxicológicas:

- Antes de entrar no mar é fundamental observar na areia da praia se existem águas-vivas mortas. Caso isto ocorra deve-se tomar mais cuidado pois provavelmente existem outras vivas no mar. É importante ter bastante atenção para não encostar em alguma.

- Como neste período do ano, quando a água é mais quente existem muitas águas vivas as pessoas deveriam levar na bolsa de praia um frasco de vinagre para o caso de um acidente

- Quando houver queimadura com água viva, não se deve colocar água doce no local, visto que os nematocistos rompem por osmose e liberam mais “veneno”, aumentando a reação local.

- Se houver tentáculos aderidos a pele, estes podem ser retirados com uma pinça ou por “raspagem” com a borda não cortante de uma faca por exemplo.

- A melhor medida a ser tomada é colocar vinagre no local. O vinagre deve permanecer em contato com a pele de 15 a 30 minutos. O ideal é “esguichar” um pouco diretamente na pele e após isso embeber um pano, por exemplo uma fralda, com vinagre e mantê-la em contato com todo o local “queimado” por 15 a 30 minutos.

- Nos casos de dor leve a moderada, pode ser utilizado um analgésico comum do tipo paracetamol ou dipirona. Se a dor for intensa ou houver outros sintomas como vômitos, é importante encaminhar o acidentado a uma unidade de saúde para ser realizado uma analgesia mais potente.

- Felizmente as águas vivas do nosso litoral não são tão tóxicas como as “australianas”. Lá as águas vivas são os animais que mais matam. Existem espécies tão tóxicas que podem causar a morte em poucos minutos.

Saiba Mais:
48 Intoxicações por Celenterados registrados no CIT/SC, no período de 2010:
Água-Viva: 43
Caravela: 4
Larva de Cnidário: 1

32 Intoxicações por Celenterados registrados no CIT/SC, no período de Janeiro a 16 de Fevereiro de2011.
Água-Viva: 30
Caravela: 2

Mais informações sobre registros de acidentes com águas-vivas e caravelas junto ao Centro de Informações Toxicológicas: (48) 3721-9083 / 0800-643-5252 (Ligação Gratuita 24h) / www.cit.sc.gov.br
/

Mais informações sobre a identificação da espécie Olindias sambaquiensis no litoral de Florianópolis: Alberto Lindner / (48) 3721-9460 /

Estudantes têm hábitos alimentares e de assitir à TV analisados em estudo

14/02/2011 15:38

Será defendida na UFSC nesta terça-feira, 15 de fevereiro, uma dissertação que avaliou a informação alimentar e nutricional da gordura trans em rótulos de produtos alimentícios comercializados em um supermercado de Florianópolis. O trabalho de Bruna Maria Silveira foi desenvolvido junto ao Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UFSC, com orientação da professora Rossana Proença.

No dia 9 de fevereiro foi apresentado trabalho sobre incidência e fatores associados ao sobrepeso/obesidade em crianças assistidas por unidades de educação infantil de Florianópolis.  Esta semana, na sexta-feira, defesa de outra dissertação importante: Hábitos alimentares, comportamento consumidor e hábito de assistir à televisão de estudantes de Florianópolis. Só no início do ano serão defendidas junto ao programa 14 dissertações. A Pós-Graduação em Nutrição funciona no Centro de Ciências da Saúde da UFSC.

Mais informações: Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Nutrição-UFSC / (48) 3721-5138

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Dissertações com defesas agendadas para fevereiro e março de 2010:

- Hábitos alimentares, comportamento consumidor e hábito de assistir à televisão de estudantes de Florianópolis

- Informação alimentar e nutricional da gordura trans em rótulos de produtos alimentícios comercializados em um supermercado de Florianópolis

- Controle do sal/sódio no processo produtivo de refeições

- Estratégias de gestão da qualidade dos vegetais e frutas fornecidos pelo Programa de Aquisição de Alimentos para a Alimentação Escolar

- Incidência e fatores associados ao sobrepeso/obesidade em crianças assistidas por unidades de educação infantil de Florianópolis

- Marcadores de estresse oxidativo em crianças e adolescentes em fibrose cística

- Efeito da quimioterapia sobre o peso corporal e o estresse oxidativo em mulheres com câncer de mama

- Avaliação do estado nutricional: comparação entre métodos de rastreamento nutricional e de composição corporal

- Qualidade nutricional, sensorial, regulamentar e sustentabilidade no abastecimento de carne bovina em unidades produtoras de refeições

- Efeito da suplementação de óleo de peixe nos marcadores da resposta inflamatória e do estado nutricional em indivíduos adultos com câncer colo-retal

- Estado nutricional, indicadores sociodemográficos, comportamentais e de escolha alimentar de comensais em restaurante de bufê por peso

- Associação entre variáveis sociodemográficas, dietéticas, estado nutricional dos pais e sobrepeso / obesidade em escolares de 7 a 14 anos de Florianópolis

- Efeito da erva-mate (ilex paraguariensis) na modulação gênica e na atividade da enzima paroxonase: estudos in vitro e in vivo

- Dieta hipossódica: modificações culinárias em preparações e a aceitação por indivíduos hospitalizados

Evento discute situação das doenças tropicais e controle das epidemias no Brasil

07/06/2010 13:51

Panorama da Influenza H1N1 no Sul do Brasil; situação da dengue em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná; expansão das leishmanioses no Sul do Brasil; coinfecções HIV/hepatites, doenças do viajante. Estes são alguns dos temas que serão debatidos no II Encontro Catarinense de Medicina Tropical Joaquim Alves Ferreira Neto. O evento marca também os 100 anos da descoberta da doença de Chagas e será realizado no Hotel Cambirela, em Florianópolis, no período de 11 a 13 de agosto. As inscrições estão abertas.

Os temas da programação foram propostos em conjunto por pesquisadores e administradores da área de saúde, levando em conta a importância e atualidade regional. O evento vai reunir especialistas nas áreas de medicina tropical e gestão em saúde, gestores estaduais e municipais, estudantes de graduação e de pós-graduação.

A promoção é da Regional de Santa Catarina da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical e da Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina, com apoio da UFSC, SUS e Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina.

Mais informações: http://www.proto.ufsc.br/sbmt/index.htm / e-mail:

Na UFSC: Laboratório de Protozoologia / fone (48) 3721-5164

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

<programação:

quarta-feira / 11/08

13h30min- Redes de Pesquisa em Doenças Tropicais no Sul do Brasil

Sociedade Brasileira de Medicina

19h30min: Conferência 1

Papel da Pesquisa e do Ensino da Medicina Tropical nos Desafios para o

Controle e Diagnose de Doenças Endêmicas

Palestrante: Pedro Tauil (UNB/DF)

Moderador: Bruno Rodolfo Schlemper Jr (UNOESC/DIVE/SES/SC)

quinta-feira / 12/08

8h30min Conferência 2

Políticas Governamentais para o Controle de Endemias/Epidemias

Palestrante: Eduardo Hage (SVS/MS/DF)

Moderador: Edmundo Carlos Grisard

10h Mesa-Redonda 1

História das Doenças Tropicais no Sul do Brasil

Doença de Chagas – Dr. Mário Steindel (UFSC/SC)

Malária – Dr. Pedro Tauil (UNB/DF)

Filariose Linfática – Dr. Bruno R. Schlemper Jr. (UNOESC/DIVE/SES/SC)

Esquistossomose – Dra. Marília Siriani de Almeida (FIOCRUZ/UFSC/SC)

Coordenador: Dr. Nelson Grisard (UFSC/SC)

10h Mesa-Redonda 2

Doenças Tropicais e Meio Ambiente

Alterações Ambientais e Doenças Tropicais – Fernando de Ávila Pires

(UFSC/SC)

Hantavirose – Sonia Mara Raboni (ICC/PR)

Leptospirose – Oswaldo Vitorino de Oliveira (UFSC/SC)

Febre Amarela – Alessandro Pecego (SVS/MS)

Coordenador: Alcides Milton da Silva (UFSC/SC)

14h15 Mesa-Redonda 3

Dengue na Região Sul do Brasil: Padrão Epidemiológico, Diagnóstico e

Perspectivas de Controle Vetorial

Diagnóstico Laboratorial da Dengue – Juliano Bordignon (ICC/PR)

Situação da Dengue em Santa Catarina – Suzana Zeccer (DIVE/SES/SC)

Panorama da Dengue no Estado do Rio Grande do Sul – Laura Londero Cruz,

(CVS/SES/RS)

Epidemiologia da Dengue no Estado do Paraná – José Lúcio dos Santos

(SVS/PR)

Coordenador: Alex Onacli Moreira Fabrin (CCZ/FLN)

14h15 Mesa-Redonda 4

Acidentes por Animais Peçonhentos

Experiência do SES Paraná no controle de escorpiões – Emanuel Marques

da Silva (SES/CIT/PR)

Aspectos clínico-epidemiológicos e tratamento de acidentes causados pela

aranha marron – Marlene Entres (HC/PR)

Papel dos Centros de Informação Toxicológica no suporte ao diagnóstico e

tratamento dos acidentes por animais peçonhentos – Dra. Marlene Zannin

(CIT/UFSC/SC)

Aspectos clínico-epidemiológicos e tratamento do acidente Botrópico – Maria da

Graça Bolsinha Marques (CVS/CIT/RS)

Coordenador: Margarete Grando (DVS/SES/SC)

17h Conferência 3

Panorama da Pandemia de Influenza H1N1 no Sul do Brasil

Palestrante: Luis Antônio da Silva (DIVE/SES/SC)

Moderador: Dr. André Bafica (UFSC/SC)

Sexta-feira – 13/0

8h30min Conferência 4

Doenças do Viajante: Regulamento Sanitário Internacional

Palestrante: Maria Aparecida Shikanai-Yasuda (USP/SP Presidente da SBMT)

Moderador: Dr. Fernando Dias de Ávila Pires (FIOCRUZ/UFSC/SC)

10h Mesa-Redonda 5

Expansão das Leishmanioses no Sul do Brasil: Vetores, Epidemiologia,

Diagnóstico e Controle

Aspectos Epidemiológicos da LTA em Santa Catarina – Maria Ernestina

Makowieck (DIVE/SES/SC)

Coinfecção HIV/Leishmania Clínica, Diagnóstico e Tratamento – Marise

da Silva Mattos (HNR-SC/FIOCRUZ-RJ)

Leishmaniose Visceral no Rio Grande do Sul – Dr. Celso dos Anjos

(CVS/SES/RS)

Situação Epidemiológica da LTA no Paraná – Enéas Cordeiro de Souza Filho

(SES/PR)

Coordenador: Eida Maria França (DIVE/SES/SC)

10h Mesa-Redonda 6

Zoonoses Emergentes e Re-emergentes: Epidemiologia, Diagnóstico,

Tratamento e Controle

Cenário atual do complexo teníase/cisticercose e a notificação obrigatória no

Paraná – Natal Jataí de Camargo (SES/PR)

Condutas diagnósticas e terapêuticas da epilepsia na NCC – Paulo T.

Bittencourt (HU/UFSC/SC)

Epidemiologia e diagnóstico da Hidatidose na Região Sul do Brasil – Arnaldo

Zaha (UFRGS/RS)

Situação Epidemiológica e Controle da Raiva no Sul do Brasil. Alda Rodolfo da

Silva (DIVE/SES/SC)

Coordenador: Suzana Zeccer (DIVE/SES/SC)

14h15min Mesa-Redonda 7

Coinfecções HIV/Hepatites: Epidemiologia, Tratamento e Perspectiva Vacinal

Situação Epidemiológica e Tratamento atual do HIV/AIDS – Dr. Luis Gustavo

Escada Ferreira (HRSJ/SC)

Perspectivas de vacina para o HIV – Dirceu Grecco (UFMG/MG)

Situação epidemiológica das hepatites no Sul do Brasil – Rosalie Knoll

(UNIVALI/SMS/Itajaí/SC)

Acesso ao Diagnóstico e Tratamento das Hepatites virais – Fábio Gaudenzi

(DIVE/HNR)

Coordenador: Aguinaldo Roberto Pinto (UFSC/SC)

14h15 Mesa-Redonda 8

Tuberculose e outras micobacterioses de importância médica: Diagnóstico,

Resistência e Tratamento

Panorama da Tuberculose no Brasil – Draurio Barreira (SVS/MS)

Perspectiva da Tuberculose Multi-Resistente – Sérgio Mendonça

(DIVE/SES/FURB)

Micobactérias não Tuberculosas na Região Sul do Brasil – Maria Luiza

Bazzo (UFSC/SC)

Pesquisa da Tuberculose em Santa Catarina – André Báfica (UFSC/SC)

Coordenador: Elma Fiord da Cruz (DIVE/SES/SC)

17 Conferência de Encerramento

Biotecnologia em Saúde: impacto no controle das doenças tropicais

Palestrante: Samuel Goldenberg (ICC/PR)

Mediador: Álvaro José Romanha

Jovens pesquisadores representam a UFSC na 61ª Reunião Anual da SBPC

07/07/2009 08:40
Estudantes recebem prêmio Destaques da Iniciação Científica

Estudantes recebem prêmio Destaques da Iniciação Científica

Seis alunos de graduação representarão a UFSC no maior encontro científico da América Latina, a Reunião Anualda Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Os estudantes participarão da 16ª Jornada de Iniciação Científica, que será realizada durante a Reunião da SBPC, de 12 a 17 de julho, em Manaus, na Universidade Federal do Amazonas (UFAM). A Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão da UFSC vai custear, além da inscrição, a hospedagem e o transporte dos jovens pesquisadores.

Os estudantes inscritos para a SBPC foram vencedores do Prêmio Destaques da Iniciação Científica, entregue em abril. Bruna Ribeiro Mileo, Cristiane Regina Muller, Diego Barneche Rosado, Raphael Antônio de Camargo Serafim, Viviane Vieira e Diana Treml apresentaram projetos na 18ª edição do Seminário de Iniciação Científica, realizado na UFSC em outubro de 2008. Pela qualidade de seus trabalhos, foram selecionados entre mais de 500 alunos contemplados com Bolsas de Iniciação à Pesquisa (BIP/UFSC) e do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC/CNPq) que participaram da mostra.

Com recursos do CNPq e da própria universidade, a UFSC investe cerca de 14 milhões anuais na iniciação científica, oferecendo cerca de 500 bolsas por ano. As bolsas permitem a participação dos acadêmicos em projetos de diferentes áreas e deflagram, em muitos casos, a carreira de pesquisador. O ambiente da SBPC, que reúne milhares de cientistas, professores, estudantes de graduação e de pós-graduação deve ser mais um incentivo ao grupo de jovens cientistas da UFSC.

Saiba Mais:

Diversidade e atualidade nos trabalhos

Aproveitamento do óleo da amêndoa de pêssego

O crescente interesse das indústrias farmacêuticas e alimentícias por produtos naturais motivou o trabalho de Bruna Ribeiro Mileo, do Curso de Engenharia de Alimentos, do Centro Tecnológico da UFSC. O projeto ´Avaliação de solventes e técnica de extração na obtenção do óleo de amêndoa do pêssego` foi direcionado ao principal resíduo do processamento dessa fruta, que é o seu caroço. Ele é constituído por uma amêndoa rica em óleo, mas normalmente é destinado à alimentação animal. Uma das maneiras de aproveitar este resíduo é extrair óleo da amêndoa.

O objetivo de Bruna em seu projeto de iniciação científica foi avaliar a técnica de obtenção e uso de diferentes solventes no rendimento do óleo de amêndoa de pêssego. As técnicas de extração utilizadas foram convencionais (soxhlet, maceração com fracionamento e hidrodestilação), mas o trabalho foi também vinculado a um projeto de mestrado que estudou uma técnica alternativa, a extração supercrítica. Além disso, foi estudado o potencial aromatizante do óleo de amêndoa de pêssego em um alimento. O produto selecionado para a aplicação foi o sorvete. O trabalho foi orientado pelo professor Julian Martinez, do Departamento de Engenharia Química e Engenharia de Alimentos.

Zoneamento do Parque Ecológico Municipal de Palhoça

A pesquisa de Cristiane Regina Muller, do Curso de Geografia, teve como objetivo realizar a caracterização biogeográfica e levantar o histórico de criação do Parque Ecológico Municipal de Palhoça/SC, para elaborar uma proposta de zoneamento de acordo com a legislação ambiental vigente. Esta unidade de conservação engloba a maior parte dos manguezais do município de Palhoça/SC. No entanto, seu processo de implementação não foi concluído e a situação de conservação é problemática, em virtude da indefinição dos seus limites, da forte pressão de urbanização no entorno e sobre a área, que dificultam sua gestão.

Segundo a estudante, por meio do mapeamento foi possível observar que o manguezal apresentou uma redução de 44,070 hectares, correspondente à diminuição de aproximadamente 10% em relação à área original na época de criação da unidade de conservação. O estudo foi orientado pela professora Ângela da Veiga Beltrame, do Departamento de Geociências.

Projeto Ilhas do Sul

O projeto que contou com a colaboração do estudante Diego Barneche

Rosado, do Curso de Biologia (atualmente cursando Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Ecologia da UFSC), possibilitou um diagnóstico sobre as comunidades de peixes próximas a cinco ilhas catarinenses. Foram realizados 89 mergulhos, entre dezembro de 2007 e abril de 2008, em 10 pontos localizados em cinco ilhas. Três pertencem à Reserva Biológica Marinha do Arvoredo (Rebio) e são protegidas por lei (Ilha da Galé, Ilha Deserta e Ilha do Arvoredo) e duas não têm restrição explícita à pesca, mas são importantes patrimônios ecológicos (Ilha do Campeche e arquipélago das Ilhas de Moleques do Sul).

O projeto ´Estrutura da comunidade de peixes recifais de ilhas catarinenses costeiras, com ênfase em biogeografia e conservação` foi orientado pelo professor Sergio Ricardo Floeter, do Departamento de Ecologia e Zoologia. Utilizando o método de censo visual (contagem de indivíduos), o estudo não detectou diferenças significativas nos valores de biomassa de espécies-alvo de pesca entre ilhas localizadas na reserva e em outras sem proteção. “A quantidade atual de grandes predadores, como meros, garoupas e tubarões é muito baixa comparada ao existente nas décadas de 50 e 60, o que é muito preocupante”, afirma Diego. A pesquisa alerta para o fato de que a fiscalização na Reserva Biológica Marinha do Arvoredo pode não estar contendo a pesca ilegal.

Nanopartículas de prata

O estudante do Curso de Química, Raphael Antônio de Camargo Serafim, direcionou sua iniciação científica ao estudo e preparação de materiais ferrofluidos de óxido de ferro e a sua impregnação em polímeros específicos (plásticos), proporcionando materiais para a indústria tecnológica. Os materiais poliméricos modificados podem ser empregados no tratamento do câncer e miomas uterinos, em técnicas conhecidas como embolização e magnetohipertermia. As nanopartículas de prata são estudadas como possibilidade de gerar uma terapia menos agressiva. Levadas com um cateter até o tumor, elas atuam de forma concentrada no local, evitando que células

saudáveis sejam afetadas, como ocorre nos tratamento como a quimioterapia.

O projeto também se valeu de resultados sobre a ação antimicrobiana dos materiais poliméricos impregnados por nanopartículas de prata, já que esse metal é um poderoso bactericida com ação potencializada quando em proporção nanométrica. Raphael desenvolveu seu trabalho junto ao Laboratório de Síntese Inorgânica e Nanocompósitos (LabSiN), ligado ao Departamento de Química, com orientação do professor César Vitório Franco. As análises e caracterizações essenciais foram realizadas em parceria com o Laboratório Central de Microscopia Eletrônica, Laboratório Interdisciplinar de Materiais e Laboratório de Microbiologia do Hospital Universitário.

Relações familiares

A estudante Viviane Vieira, do Curso de Psicologia, direcionou sua pesquisa de iniciação científica ao estudo das relações familiares, fazendo uma comparação entre famílias que moram na Capital e outras que vivem em cidades do interior de Santa Catarina. O objetivo foi identificar, por meio de questionários, como mães avaliavam seus ambientes de criação (físico, social e familiar) durante a infância, quais eram as características de seus relacionamentos na adolescência e quais as estratégias reprodutivas adotadas na idade adulta.

Participaram do estudo 50 mães residentes em três cidades catarinenses – Florianópolis e duas cidades do interior. O estudo mostrou que na capital as mães apresentam maior escolaridade e renda, assim como têm menos filhos. No interior, as participantes indicaram escolaridade menor e maior número de filhos e de parceiros amorosos.

Foi também possível identificar que o estresse familiar e as escassas condições materiais na infância têm reflexos no modo como as mulheres direcionam a sua formação familiar, incluindo número de parceiros, de filhos e espaçamento entre os nascimentos. Um relatório foi enviado para a cidade do interior oeste, descrevendo os resultados e recomendando políticas públicas direcionadas às relações entre mãe e criança, essenciais para o desenvolvimento do indivíduo. A pesquisa ´Investimento e cuidado parentais: aspectos biológicos, ecológicos e culturais` foi orientado pelo professor Mauro Luís Vieira, do Departamento de Psicologia.

Transgênicos na indústria de alimentos

Na área de Ciências da Vida um dos destaques da iniciação científica foi a estudante Diana Treml, do Curso de Engenharia de Alimentos, trabalho desenvolvido no Laboratório de Biologia Molecular do Departamento de Ciência e Tecnologia de Alimentos. Sua pesquisa verificou se produtos que contém soja e são comercializados em Florianópolis estão de acordo com o decreto brasileiro sobre rotulagem de organismos geneticamente modificados em alimentos. Essa legislação estabelece que os produtos contendo acima de 1% de OGM devem conter esta informação no rótulo: “contém transgênico”.

Foram analisadas 59 amostras não rotuladas: 47 produtos cárneos (mortadela, empanado, presunto e salsicha), além de 12 derivados de soja (proteína texturizada, extrato de soja e farinha de soja). Entre as amostras analisadas, 52 foram positivas para presença de soja e destas seis foram positivas para presença da soja Roundup Ready (RR), primeiro organismo geneticamente modificado liberado para produção e comercialização no Brasil.

Como a legislação exige a rotulagem quando os produtos contêm acima de 1% de OGM, as seis amostras positivas foram submetidas à quantificação. Após a análise foi verificado que apenas uma das amostras apresentava uma quantidade de soja RR superior a 1%, sendo necessária a sua rotulagem. O trabalho indica que a legislação referente à rotulagem de OGM está sendo cumprida pelas indústrias de alimentos. A pesquisa foi orientada pela professora Ana Carolina Maisonnave Arisi, do Departamento de Ciência e Tecnologia de Alimentos.

Por Tiago Pereira / Bolsista de Jornalismo na Agecom

Foto geral estudantes: Jones Bastos / Agecom

Mais informações:

- Bruna Ribeiro Mileo ()

- Raphael Antonio de Camargo Serafim ()

- Cristiane Regina Muller ()

- Viviane Vieira ()

- Diego Barneche Rosado ()

- Diana Treml ()

Especial Pesquisa: Estudo gera instrumento para avaliação nutricional e sensorial de bufês de café da manhã

10/03/2008 14:14
Avaliação: ´opções principais` e ´opções de melhorias`

Avaliação: ´opções principais` e ´opções de melhorias`

Pular o café da manhã, tomar só um suco, ou nem isso. O hábito pode ser ainda mais comum entre executivos, submetidos a rotinas de viagens, longas jornadas de trabalho e refeições “transformadas” em encontros de negócios. Com foco neste profissional e na importância da primeira refeição do dia, um estudo desenvolvido junto ao Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UFSC resultou em um instrumento de avaliação da qualidade nutricional e sensorial de bufês de café da manhã. Testes para o desenvolvimento do sistema AQCM (Avaliação da Qualidade do Café da Manhã) foram realizados em seis hotéis de negócios em Curitiba, no Paraná.

A ferramenta foi pensada para ser de fácil aplicação, a partir de observação visual, e para auxiliar restaurantes no momento de planejar e montar o bufê do café da manhã. Sua concepção leva em conta a oferta de alimentos saudáveis, opções de melhorias, a forma de apresentação e o fornecimento de informações completas aos clientes, entre outras questões. O sistema é resultado da dissertação ´Desenvolvimento de instrumentos para avaliação da qualidade nutricional e sensorial de bufês de café da manhã em hotéis de negócio`, de Suelen Caroline Trancoso. Integrado ao Núcleo de Pesquisa de Nutrição em Produção de Refeições (Nuppre), o estudo orientado pela professora Rossana Proença é continuidade de pesquisas direcionadas à avaliação da qualidade nutricional de bufês.

A ferramenta

O instrumento de avaliação proposto define um padrão mínimo que o estabelecimento deve oferecer para seu cliente na primeira refeição do dia. As observações referentes aos alimentos foram descritas com base nas recomendações do Guia Alimentar para a População Brasileira, publicado pelo Ministério da Saúde em 2006. O estudo ressalta que o café da manhã pode ser responsável pelo consumo de algumas ou de todas as porções diárias de grupos alimentares como os cereais, frutas e sucos de frutas, bem como leite e derivados.

Com base nos princípios da alimentação saudável, os formulários do instrumento de avaliação foram organizados em 15 grupos de alimentos, divididos em ´opções principais` e ´opções complementares`. Entre as opções principais estão leite, café e chá, sucos e água, iogurte e bebidas lácteas, cereais matinais, frutas in natura, queijos, derivados de carnes (frios), alimentos para o pão e pães.

A expressão ´opções complementares` foi utilizada para designar outros alimentos que freqüentemente aparecem em bufês de café da manhã e também foram verificados nos testes de aplicação, mas sua ausência não influenciará na qualidade nutricional e sensorial dessa refeição. Entre elas estão achocolatados; derivados de carnes (quentes), ovos, salgados e confeitaria (doces).

O instrumento de avaliação foi ainda dividido em avaliação do ambiente de café da manhã e dos alimentos da mesa de bufê. Quanto aos alimentos, além de verificar se os diferentes grupos estão contemplados, a ferramenta leva à observação da cor e aparência, bem como se o restaurante faz a identificação completa na mesa de bufê, entre outros tópicos. Em relação à identificação, o método destaca a importância da disponibilidade ao cliente de informações sobre a presença ou a ausência de substâncias como gordura trans, açúcar, colesterol, lactose e glúten.

“Esta preconização baseia-se tanto nas recomendações de escolhas mais saudáveis durante as refeições quanto no alto índice de doenças crônicas não transmissíveis, intolerâncias alimentares e obesidade em adultos”, salienta Suelen em sua dissertação. A escolha destas substâncias para identificação baseou-se em outro estudo desenvolvido junto ao Nupree e que foi focado na disponibilização de informações alimentares e nutricionais de preparações oferecidas em bufês.

Quanto ao espaço do café da manhã, a metodologia propõe observações sobre o ambiente, se é claro, arejado e sem ruídos; se a localização da mesa de bufê está em destaque no salão; se há evidências de algum critério para a disposição dos alimentos, entre outros itens.

A interpretação das respostas é qualitativa e está dividida em três critérios: menos adequadas, padrão mínimo e opções para melhorias. O formulário de interpretação ainda apresenta ao avaliador opções de como agir diante do resultado encontrado, pois junto com o quadro de resultados é apresentado um plano de ação que auxilia o estabelecimento a oferecer opções e variedades de alimentos que melhor atendam as expectativas e a complexidade das escolhas de seus clientes. “O estabelecimento poderá oferecer, por exemplo, para um cliente com intolerância à lactose, outra opção de leite que não prejudique sua saúde e que respeite a recomendação dietética para esta patologia”, exemplifica a nutricionista.

Suelen destaca que o consumo adequado do café da manhã está associado a um estilo de vida saudável. Segundo ela, há escassez de estudos sobre a produção dessa refeição e necessidade de mais pesquisas sobre o tema.“Embora difundida sua importância, o café da manhã é ainda pouco estudado no meio científico, se comparado ao número de estudos que avaliam outras refeições como lanches, almoço e jantar”, ressalta.

A autora destaca ainda que mesmo sendo utilizado o setor hoteleiro como local para a realização do estudo, a forma como o sistema AQCM foi estruturado e planejado permite a fácil aplicação e interpretação das respostas em diferentes estabelecimentos que forneçam o café da manhã. Ela lembra que os restaurantes, em diversos níveis são considerados pela Organização Mundial da Saúde como parceiros preferenciais e protagonistas importantes na promoção da saúde.

A pesquisa está inserido na temática ´Qualidade na Produção de

Refeições` do Nuppre. É uma continuidade da dissertação ´Desenvolvimento de um sistema de avaliação da qualidade nutricional, sensorial e simbólica de bufês executivos em hotéis de negócio`, de Juarez Calil Alexandre, defendida em fevereiro de 2007. Os dois estudos foram financiados pelo Edital Universal 2006 do CNPq.

Por Arley Reis / Agecom

Saiba Mais

O trabalho alerta:

- Uma alimentação inadequada pode trazer ao indivíduo diversas

conseqüências para a saúde, como o desenvolvimento de doenças crônicas associadas à alimentação, doenças cardiovasculares, obesidade, hipertensão arterial, diabetes mellitus e câncer, entre outras

- Evidências científicas relacionam o consumo freqüente de um café da manhã adequado com baixo risco de sobrepeso e obesidade em diversas faixas etárias. Esta refeição é também relacionada com uma melhoria no rendimento escolar, principalmente em crianças e adolescentes.

- O consumo adequado desta refeição pode melhorar o poder de saciedade e assim reduzir a quantidade calórica total ingerida durante o dia, principalmente a redução do consumo de lanches calóricos, que costumam aumentar o consumo energético total de carboidratos e gorduras.

- Na área de nutrição, diversos estudiosos relacionam as refeições feitas fora de casa com dietas ricas em gorduras, destacando-se a gordura saturada, colesterol e sódio; e pobres em fibras, ferro e cálcio. Também consideram que as pessoas tendem a consumir mais calorias quando comem fora de casa. Daí a importância de estudos que melhorem a qualidade nutricional dessas refeições.

- A ausência do café da manhã pode inviabilizar a elevação da glicemia, necessária às atividades matinais, e favorecer uma possível deficiência de cálcio, uma vez que nesta refeição geralmente se concentra o maior consumo diário de leites e derivados.

- Pesquisa de 2005, realizada com 329 executivos da região Sudeste do Brasil, encontrou que 83,2% deles consomem pouca gordura e 56,4% fazem atividade física regular. Entretanto, 62,9% dos executivos tinham excesso de peso e 47,7% apresentavam colesterol elevado, caracterizando um grupo de risco para doenças cardiovasculares.

Mais informações:

- Núcleo de Pesquisa de Nutrição em Produção de Refeições (Nuppre)/ e-mail:

- Pós-Graduação em Nutrição / fone (48) 3721-5138