Gênero e assédio são temas de aula inaugural aos estudantes do Centro de Ciências da Saúde

03/08/2018 12:00

A energia positiva lotou o auditório da Pós-graduação no Centro de Ciências da Saúde (CCS) na manhã de quinta-feira, 2 de agosto. Os olhos e ouvidos atentos captavam expressões e sons vindos de um público repleto de histórias de orgulho e conquistas vivenciadas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

A aula inaugural construída para receber os estudantes recém-chegados nos cursos da área de saúde, por meio do processo de ingresso 2018, trouxe possibilidades de eles viverem a universidade para além da sala de aula, mas também abordou dois assuntos importantes em duas palestras: gênero e assédio.

O objetivo das palestras foi conscientizar sobre situações em que os estudantes poderão passar com seus corpos enquanto estiveram na UFSC e, depois, em suas vidas. Rodrigo Moretti, professor no Departamento de Saúde Pública, tratou sobre “Respeito e dignidade: discutindo sobre gênero”. Discorreu, em uma conversa descontraída e franca com os alunos, sobre se assumir enquanto pessoa, falar sobre seus sentimentos e angústias, além de buscarem a união e o respeito para criarmos ambientes seguros dentro e fora da universidade.

Marcela Veiros, chefe do Departamento de Nutrição, falou em seguida sobre “Respeito e dignidade: discutindo sobre assédio”. De maneira simples e informativa abordou a diferença entre assédio moral e sexual, citou exemplos de situações em que esses assédios podem ocorrer, infelizmente dentro e fora da universidade, como também falou da diferença entre machismo e feminismo, mulheres no mercado de trabalho, na política, na economia, salários mais baixos, sororidade e empoderamento. “A mudança da realidade depende de nós”, disse Marcela, que disponibilizou a sugestão do documentário The mask of you live in e apresentou o significado dos termos: manterrupting, bropriating, mansplaining, gaslighting (Think Olga).

Para o estudante Matheus Mendes, 20 anos, estudante de Medicina e natural de Curitiba (PR), foi importante terem construído um espaço dentro da universidade para abordar temas relacionados à diversidade. “Mesmo que as pessoas possam divergir em suas opiniões, é importante confrontar e trazer informações às pessoas. Também, como futuros profissionais de saúde, é fundamental entendermos mais sobre situações que envolvem a sociedade. Sou totalmente a favor de inclusão, precisamos estar abertos a entender que exitem as dificuldades para melhor atender as pessoas”, reflete ele, que afirma ter se sentido bem e acolhido pela recepção de boas-vindas. “Nós, que viemos de fora, ouvimos falar que o campus universitário é muito diverso. Isso é muito bom, mas infelizmente, ao mesmo tempo, ocorrem problemas”.

As boas-vindas

Servidores docentes e técnico-administrativos, chefes de departamento, gestores, veteranos e calouros da área de saúde acompanharam as boas-vindas realizada no CCS. O diretor do Centro, Celso Spada, desejou boas-vindas aos alunos e frisou que eles “são a razão de estarmos aqui. Vocês deram um passo importante em suas vidas, sejam questionadores e busquem a sua verdade. A nossa missão é que vocês aprendam a buscar por vocês mesmos o melhor caminho a ser trilhado, o mais justo e verdadeiro para vocês”.

O pró-reitor de Graduação, Alexandre Marino, e a secretária de Ações Afirmativas e Diversidades, Francis Tourinho, ressaltaram a importância dos alunos aproveitarem a universidade para além da sala de aula. “Temos o ensino, a pesquisa e a extensão, mas também as atléticas, os Programas de Educação Tutorial (PET), as empresas juniores. Escolham uma ação além, porque a UFSC é muito mais do que ir às aulas. Que o entusiasmo de hoje seja o mesmo no dia da formatura”, diz Marino. Tourinho complementa ao citar a existência do coral, da banda, das disciplinas optativas em outros cursos. “Vivam a universidade de maneira interdisciplinar. Vocês terão muitas aulas, mas também muita vida na UFSC que possibilita um mundo de possibilidades. Outro fator importante é a maneira com que as ações afirmativas mudaram a universidade, se trata de acessibilidade, atendimento psicológico, gênero, homofobia, racismo, suicídio. Não deixem de olhar o outro, conheçam as outras pessoas”.

Atendimento

A UFSC conta com diversas atividades, ações e programas de atendimento e auxílio aos estudantes. Uma delas, voltada aos estudantes da área da saúde, é o Núcleo de Apoio aos estudantes no CCS, localizado no 3° andar do Bloco A. A SAAD criou os Selos da Diversidade que visam desenvolver ações institucionais, pedagógicas e acadêmicas direcionadas às ações afirmativas e de valorização das diversidades na UFSC. Conheça.

Ainda, o CCS também criou um selo da diversidade que foram distribuídos aos servidores e estudantes como forma de identificar pessoas disponíveis para falar sobre assuntos diversos como gênero, assédio, racismo, machismo, entre outros.

Para Laís Siqueira, 18 anos, estudante de Farmácia natural de São Leopoldo (RS), a iniciativa de tratar sobre gênero e assédio é necessária. “Gostei muito da iniciativa da UFSC em falar sobre esses temas, em outras instituições ninguém toca nesses assuntos”, salienta ela, recordando também a satisfação com a programação previstas para o Setembro Amarelo. “Me chamou a atenção essa iniciativa, até porque muitas de nós, calouros, estamos diante de algo muito novo e bom, mas estamos longe de casa e dos amigos para enfrentar isso. Pode ser difícil nos acostumarmos a estamos sozinhos em um local diferente e distante”.

Para Marino, a UFSC está feliz em receber os novos estudantes. “Esperamos que vocês cheguem no horário, não faltem às aulas, sejam bons alunos, façam as provas, atuem como cidadãos e vivam a universidade além da sala de aula. Sejam felizes”.

 

Nicole Trevisol / Jornalista da Agecom / UFSC

Pipo Quint / Agecom / UFSC