UFSC sedia Jogos Escolares Paradesportivos até domingo, 8

06/07/2018 12:19

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) sedia até domingo, dia 8, a 9ª edição dos Jogos Escolares Paradesportivos de Santa Catarina (Parajesc), competição que envolve 408 paraatletas vindos de 197 escolas catarinenses, além da presença de técnicos, árbitros e dirigentes. Em disputa as modalidades de atletismo, basquete de cadeira de rodas, bocha paralímpica, natação, goalball, judô, voleibol sentado , tênis de mesa, tênis de cadeira de rodas e futebol sete. Além da UFSC, outros locais estão recebendo as competições, como o ginásio Waldir Schmidt com o tênis de mesa, e o Ginásio da Elase com a natação. Os Parajesc são destinados a estudantes com idade entre 12 a 17 anos com deficiências física, auditiva, intelectual e visual.

Na manhã de sexta-feira, 6, os atletas de tênis em cadeira de rodas César Adolfo Gomes da Silva Filho, 15 anos, e Guilherme Marinho Zimerman, 14 anos, treinavam com a professora e também atleta Marina Ferreira da Rosa em uma das quadras do Centro Desportivo (CDS). Sobre cadeiras de rodas adaptadas especialmente para o esporte, os estudantes exercitavam os movimentos de golpe com destreza e convicção.

Para os meninos de Itajaí que treinam sempre juntos, estar em quadra é uma satisfação. “Sempre quis praticar esportes. Depois que comecei a jogar tênis quis continuar. Me sinto feliz porque tivemos essa oportunidade, fazemos novas amizades, conheci o Jucélio” diz Guilherme.  Jucélio da Silva Torquato é atleta catarinense de tênis de cadeira de rodas e conquistou a vice colocação no Cruyff Foundation Junior Masters, a Masters Cup Juvenil do Tênis em Cadeira de Rodas, que aconteceu em janeiro deste ano na França. “O torneio reúne os melhores tenistas da modalidade”, conta Marisa com orgulho, ao complementar que “Jucélio começou com 12 anos, como eles, e hoje tem várias conquistas. Hoje, os meninos participam de competições e já estão despontando”.

César, por exemplo, treina de duas a três horas por dia e conta com o suporte de Jucélio para dicas e orientações. “Eu sempre treino com ele e aprendo muitas técnicas, movimentos e práticas”, revela. O menino possui chances de integrar a seleção brasileira no próximo ano. “Precisamos subir um degrau de cada vez”, fala Marisa.

Segundo João Cascaes, coordenador técnico da Federação Catarinense de Esporte (Fesporte), dos Parajesc saem os melhores atletas entre 12 e 17 anos e que formarão a delegação catarinense que vai competir na etapa nacional,  as Paralimpíadas Escolares, de 20 a 25 de novembro em São Paulo. ” Santa Catarina sempre fica entre os três melhores, principalmente porque somos referência no Brasil nas competições paralímpicas”.

As competições iniciaram ao meio-dia de sexta-feira, 6 de julho, e seguem até minutos antes do Jogo do Brasil na Copa do Mundo. No sábado, 7, os atletas retomam as competições que seguem até domingo, 8. Segundo Cascaes, a estrutura da UFSC foi escolhida por abrigar em um único local aparato físico para realizar a competição, alojamento e alimentação. “Não precisar sair do complexo esportivo para alimentação e estadia é fundamental, quanto mais próximo melhor. Além disso, o acesso dos cadeirantes às quadras, por exemplo, está sendo tranquilo e o espaço do CDS de grande valia”.

Alexandre Farias Luz, coordenador de Políticas Públicas para a Pessoa com Deficiência da Prefeitura de Florianópolis, entende que é fundamental competições que envolvam esse público como forma de fomentar a sua participação social como também para que as cidades repensem os seus processos de acessibilidade. “Há dificuldade para encontrar locais adaptados, acessíveis, por isso momentos como esse são importantes para parar, repensar e começar outras atividades que desenvolvam  a mobilidade da pessoa com deficiência para deixá-la independente. O paradesporto faz com que o deficiente tenha independência e as pessoas precisam entender a importância dessa prática desportiva”.

O ato de sair das suas casas para competir gera um movimento positivo que provoca autonomia aos deficientes. Para o classificador funcional Jefferson Roberto Seeber é preciso investimento para que os estudantes possam se preparar para o Parajesc. “Alguns possuem estrutura e se preparam, mas outros são estudantes regulares e chegam aqui ‘crus’. O esporte precisa ser tratado de maneira articulada para que os indivíduos atuem como esportistas, conhecendo as regras e as técnicas do esporte, como forma de ocupar o espaço esportivo e o seu tempo livre ocioso. Assim estaremos investindo na prevenção”.

A abertura do Parajesc 2018 aconteceu na noite de quinta-feira, 5, às 18h30 no auditório da Reitoria. Participam ao todo cerca de 20 municípios, sendo que 17 deles estão alojados na UFSC. A etapa estadual dos Parajesc é uma promoção da Fesporte, em parceria com a Prefeitura de Florianópolis e Secretaria de Estado da Educação.

Equipe Agecom

Pipo Quint / Agecom / UFSC