Palestra ‘Suicídio na América do Sul’ com professora da Universidade de Antióquia, dia 12

08/06/2018 12:10

A palestra “O Suicídio na América do Sul – O que tem a dizer sobre questões socioculturais” será realizada nesta terça-feira, 12 de junho, às 9h30, no Auditório do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH). O evento conta com a presença da professora Andrea Lissett Pérez, da Universidade de Antióquia, mestre e doutora em Antropologia Social pela UFSC, que contextualiza o tema:

A forma de morrer é um sinal tanto dos estilos de vida quanto das condições que regulam a existência e o devir social. Por sua natureza imprevisível, a morte desnuda de maneira patética e dramática a própria condição humana. Abre, à flor da pele, os meandros da vida social, mostra suas feridas e fala das subjetividades ali expostas. Se sabemos ler seus signos, também podemos nos aproximar das distintas semânticas sociais e das formas como os sujeitos recriam tais universos.

O sujeito narra com o suicídio uma gramática existencial que, apesar de sua singularidade, deixa rastros da forma de vida, dos fios e tensões sociais que o condicionam. É um estado de ser e estar no mundo que, da perspectiva do sujeito, chega a um limite em que a única saída possível é a própria eliminação. Justamente, esse estado forte e limítrofe que confronta a normalidade social constitui um estado propício para tentar penetrar os tecidos sociais e as maneiras como os sujeitos interatuam e dão significado a suas vidas.
Esses são os motivos ontológicos pelos quais a morte e o suicídio se tornam campos férteis para fazer leituras antropológicas do social, no caso da presente pesquisa, no contexto da América do Sul, tentando aprofundar em três linhas de interesse: (a) a perspectiva socioespacial, reconhecendo os territórios onde se concentram os maiores índices de suicídio e as lógicas ali imersas; (b) os elementos contextuais e culturais que informam e fazem plausível esta prática social e (c) os sujeitos sociais mais afetados que proporcionam pistas das subjetividades em tensão e as formas de sofrimento social.