Ex-aluna de Jornalismo da UFSC lança livro sobre os desaparecidos no México

12/06/2018 15:56

Marcado para a próxima sexta-feira, 15 de junho, às 20 horas, no Instituto Arco-Íris, o lançamento do livro Sepultura de palavras para os desaparecidos – Histórias dos buscadores do México, da jornalista e ex-aluna da UFSC Luara Wandelli Loth, que no evento vai falar sobre o processo de apuração e escrita. Publicado pela Editora Insular, a obra aborda o drama das famílias dos desaparecidos na busca de fossas clandestinas.

O livro também enfatiza o sequestro e desaparecimento, em 2014, de 43 alunos da Escola Normal Rural Raúl Isidro Burgos, no vilarejo de Ayotzinapa, no estado mexicano de Guerrero, cujos corpos ou restos mortais jamais foram encontrados. A tragédia, que continua mobilizando famílias e movimentos sociais, provocou o surgimento de grupos de buscadores de valas e fossas clandestinas por todo país. A divulgação, na opinião da autora, pode ser considerada uma “arma contra a banalização dos desaparecimentos, já que a violência manteve curva crescente, mesmo após o escândalo de Ayotzinapa”.

Os grupos de buscadores, embora politicamente divididos, desafiam um Estado dominado pelo narcotráfico, onde polícia, políticos e organizações criminosas andam de mãos dadas ou atadas.

Luara, na época estudante de Jornalismo da UFSC e intercambista da Universidade Estadual do México (UEM), testemunhou o desaparecimento dos 43 normalistas. A violência indignou e chamou a atenção do mundo. De volta ao Brasil, ela não teve dúvidas: escolheu a tragédia dos desaparecidos como tema para desenvolver o seu trabalho de conclusão de curso.

Foto: Luara Loth

Retornando ao México em 2015, onde permaneceu até março de 2016, Luara Loth exerceu perigosamente o jornalismo investigativo, acompanhando pessoalmente o trabalho do grupo de buscadores. São histórias, fotos e depoimentos que emocionam até os leitores mais insensíveis.

A grande reportagem, ora transformada em livro pela Editora Insular, denuncia e reabre uma ferida que nunca vai cicatrizar e para qual a humanidade jamais poderá fechar os sentidos. Até porque, como avisa a autora, o mundo não conseguirá dormir um “sono tranquilo” enquanto não devolver os corpos dos normalistas e demais desaparecidos. Essa é, aliás, a pena que o livro Sepulturas de palavras sentencia para a humanidade!

O trabalho, originalmente, foi orientado pelo professor Carlos Locatelli, do curso de Jornalismo da UFSC. Já o livro tem apresentação do historiador Waldir Rampinelli e “orelha” da professora de Jornalismo Daisi Vogel.

O Instituto Arco-Íris está localizado na Travessa Ratclif, 56, área central de Florianópolis.