Aula-espetáculo com Antonio Nóbrega marca abertura da 4ª Semana da Dança

09/05/2018 17:13

Somente as luzes do palco estavam acesas. Um dançarino faz movimentos introduzindo seu espetáculo, sai do palco e, no telão um vídeo com inúmeras manifestações culturais brasileiras é passado. Assim começa a apresentação do artista Antônio Nóbrega. Após a apresentação do vídeo, Nóbrega aparece contando um pouco sobre as manifestações culturais e o surgimento de seu interesse pela cultura popular. A explicação se estende até a segunda parte com coreografias que apresentam muito bem as danças populares brasileiras. O espetáculo é todo conduzido dessa forma, intercalando prática e teoria.

O público, que segue atento ao espetáculo, vibra a cada novo movimento feito por Nóbrega e seus bailarinos. O artista explica: os passos são todos pensados, porém, procurando manter a espontaneidade. Em determinado momento, ele convida seus bailarinos a tocarem alguns instrumentos e solicita que a plateia tente se movimentar no ritmo em que os seus bailarinos tocam. Todos participam, empolgados, sendo que nesse momento ele explica o conceito de Tempo Sincopado: o ponto alto do espetáculo. O bailarino finaliza o espetáculo com quatro performances de dança contemporânea, e o artista é aplaudido de pé.

Neste clima de aula-espetáculo, de interação e de aprendizado foi realizada na noite de terça-feira, 8 de maio, a abertura da 4ª Semana da Dança UFSC. A solenidade levou ao Auditório Guarapuvu, do Centro de Cultura e Eventos da UFSC, cerca de 800 pessoas. As atividades da semana iniciaram na segunda feira, 7, porém, a abertura oficial ocorreu no segundo dia, com a aguardada apresentação do bailarino Antonio Nóbrega.

Maria de Lurdes Alves Borges, atual secretária de Cultura e Arte, aproveitou a cerimônia de abertura para contar um pouco sobre a história da Semana e a organização do evento deste ano. Também prestigiaram a solenidade a vice-reitora, Alacoque Lorenzini. O evento é uma realização da Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária (Fapeu) e da Secretaria de Cultura e Arte (SeCArte), com apoio do Departamento de Cultura e Eventos, do Departamento de Artes, do Centro de Desportos (CDS), do Estado de Santa Catarina, da Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte e da Fundação Catarinense de Cultura, Funcultural e Edital Elisabete Anderle/2017. 

4ª Semana da dança

O projeto da Semana da Dança de 2018 foi submetido ano passado e contemplado com o prêmio Elisabete Anderle, da Fundação Catarinense de Cultura. Nesta edição, a curadoria decidiu que o conceito seriam ‘as danças populares num encontro com a dança contemporânea’. Para isso, nomes da cultura popular foram convidados, dentre eles, o artista popular Antônio Nóbrega, considerado “um mestre da sabedoria popular”. Além de Nóbrega, outro artista popular que se apresenta no evento é Luiz de Abreu, criador da obra ‘Samba do Crioulo Doido. Luiz discute a questão do artista negro na dança contemporânea brasileira. Atistas locais também estão inclusos na programação.

Para Vera Lúcia Amaral Torres, que ministra aula de dança no Centro de Desportos (CDS), embora em Santa Catarina existam festivais de dança, eles têm caráter competitivo. “Não existem eventos que façam mostras de dança como a Semana, por isso organizar esse evento é extremamente importante”. Para Ivo Caoê, chefe da Divisão de Apoio Administrativo da SeCArte, a semana é uma oportunidade para difundir a dança, para dar acesso às pessoas, e “só uma instituição como a UFSC pode proporcionar isso”, diz.

 

Histórico

A Semana da Dança da UFSC nasceu por meio do diálogo entre membros da SeCArte, em 2010, e profissionais ligados à dança que atuavam na universidade. Foi em 29 de abril daquele ano, Dia Internacional da Dança, que a UFSC promoveu o Dia da Dança envolvendo apresentações artísticas locais. A partir dessa ação surge a ideia da Semana, organizada no ano seguinte. Para isso, foi feita uma chamada de editais para que os artistas interessados participassem. Nesse evento, foram feitas mostras de dança, um festival de vídeo-dança e oficinas. “Teve essa dimensão que nos impressionou e a gente não tinha a estrutura que a gente tem hoje. A gente foi melhorando”, diz Vera Torres. A segunda edição foi realizada em 2016 e a terceira ano passado.

Aline Souza Pereira / Estagiária de jornalismo na Agecom / UFSC

Fotos: Henrique Almeida / Agecom / UFSC