Consulta Reitor 2018: cerca de 40 mil eleitores podem comparecer às urnas nesta quarta

27/03/2018 18:34

Se essa fosse uma eleição municipal, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) estaria entre as 30 principais cidades catarinenses em número de eleitores. No último pleito para escolha de prefeito e vereadores, a cidade de Içara contou com 39.027 eleitores, um pouco menos do que são aptos à consulta pública para reitor da universidade, que será realizada nesta quarta-feira, 28 de março, das 8 às 21 horas, nos campi de Araranguá, Blumenau, Curitibanos, Florianópolis e Joinville.

Os 40.241 eleitores deverão comparecer aos 17 locais de votação e contabilizar a escolha por um dos três candidatos em uma das 64 seções eleitorais. Estão atualmente aptos a participar, por categoria: 34.643 estudantes, 3.134 técnico-administrativos e 2.464 docentes.

Nas urnas, os votantes encontrarão afixados cartazes contendo informações sobre os candidatos na seguinte ordem: 52, Ubaldo Cesar Balthazar; 57, Edson Roberto De Pieri; 80, Irineu Manoel de Souza, com a respectiva foto de cada um deles.

Para que a consulta pública possa acontecer, diversos fatores foram fundamentais. Uma Comissão Eleitoral com seis membros foi instituída na UFSC em novembro de 2017, por meio da Portaria n° 001, composta por representantes docentes, discentes e técnico-administrativos dos segmentos ANDES/UFSC, APG/UFSC, APUFSC, DCE/UFSC e SINTUFSC, para atuar na organização da consulta. Representantes nos campi foram nomeados para colaborar com a Comeleufsc com o envio de informações. Também foi necessário conseguir o número mínimo de 576 mesários, entre servidores e estudantes, para atuarem no dia de votação em 1º turno. Ainda, a parceria com o Tribunal Eleitoral Regional (TRE/SC) tem sido fundamental para capacitar os mesários que trabalharão pela primeira vez em um processo eleitoral, como também para que a universidade contabilize os votos em urnas eletrônicas e conte com a presença de técnicos do TRE em cada um dos campi da UFSC no dia de votação.

A movimentação eleitoral na UFSC envolve investimentos financeiros (R$ 13 mil ao TRE), de tempo por parte dos servidores e estudantes, e de infraestrutura para remanejar e adequar os locais de votação. Entretanto, como se trata de uma consulta pública, o fato do voto não ser obrigatório faz com que o comparecimento às urnas seja geralmente baixo. Em 2015, somente 36% da comunidade universitária votou no 1º turno. Na categoria estudantes, o índice é o mais baixo: somente 30% compareceram às urnas. A categoria docente é a que mais exerceu o direito ao voto, com 77% de comparecimentos, seguido da categoria técnico-administrativa, com 69,5% de presença.

Para as estudantes Tatiane Maidanchen, 9ª fase do curso de Farmácia, e Fabiana Raquel Coelho, 3ª fase do curso de Fonoaudiologia, é fundamental que os estudantes utilizem esse espaço para fazer valer os seus direitos. “Sempre participo das eleições da UFSC e amanhã vou votar, mas ainda estou indecisa. Acredito que votar é a hora de exercermos o nosso papel, porque quem não vota não tem o direito de reclamar depois”, diz Tatiane. Para Fabiana será a primeira votação na UFSC, e ela pretende participar: “Acho ruim não votar, porque se temos a oportunidade de fazer valer o nosso voto, temos que estar engajados e exercer o nosso direito, depois não dá pra reclamar.”

Fernanda Scheidt, técnica-administrativa da UFSC e responsável em convocar e organizar os mesários que atuarão no Centro Tecnológico (CTC), reforça como é importante participar dos processos da universidade como forma de contribuir com a UFSC. “O que eu sinto, às vezes, é muita falta de vontade e envolvimento das pessoas com isso. Alguns só vêm votar se tem aula naquele dia, ou se passam pelo local, ou se trabalham ali perto. Falta, ainda, muito envolvimento e a percepção de que, com a participação, podemos influenciar nas atividades que desempenhamos no nosso dia a dia”.

Para o presidente da Colemeufsc, Paulo Rizzo, a baixa adesão no pleito como eleitor ou como mesário pode estar relacionada com a frustração e o descrédito com que a população brasileira passa com a política nacional atualmente. “As eleições na UFSC já foram mais participativas. Nós fazemos eleições diretas desde a década de 1980, sendo que o primeiro reitor eleito diretamente foi Rodolfo Joaquim Pinto da Luz (1984-1988). Era um período em que se lutava pela democratização do país e fazer a eleição para reitor era uma movimentação política. Hoje em dia parece que há uma frustração geral em torno da política e a sua crise tem um efeito contraditório, fazendo com que as pessoas queiram se isentar em participar.”

A logística da Consulta Pública

Os trabalhos com os mesários iniciam às 7 horas da manhã, com a retirada das urnas e malotes junto à Comissão Eleitoral, e se encerram às 21 horas com o fechamento das seções, emissão do relatório de votação e entrega das urnas eletrônicas.

No CTC, local que abrigará o maior número de urnas (10 no total), estão envolvidos 210 mesários. “É um trabalho árduo, mas que deve ser visto como de responsabilidade de todos. Os horários em que mais tivemos dificuldades em encontrar mesários é justamente para o início das atividades e para o encerramento”, reforça Fernanda. Paulo comenta que na véspera da consulta em 1º turno a Comissão Eleitoral ainda estava em busca de mesários. “O local em que tivemos mais dificuldades foi no Campus Blumenau.”

Para que estivessem preparados para o pleito, cerca de 400 mesários receberam capacitação do TRE nos dias 21 e 26 de março. Eles estarão identificados com crachás da cor Amarela e foram orientados a prestar informações aos votantes. Os membros da Comissão Eleitoral, identificados com o crachá Azul, e os delegados e fiscais dos candidatos, de crachá Branco, também poderão prestar informações. Em caso de dúvidas, a Comeleufsc estará atendendo em regime de plantão no telefone (48) 3721.6041 ou presencialmente na Sala dos Conselhos, localizada no térreo da Reitoria I, das 7 h até o encerramento da apuração, previsto para acontecer por volta das 23 h.

O voto é presencial e não pode ser efetivado em trânsito. Para exercer o seu direito, o eleitor deve apresentar um documento oficial com foto ou o seu crachá institucional. A lista com os locais de votação estão disponíveis AQUI e também na lista da Seção 242 (Complementar Estudantes de Pós-graduação).

Todas as informações da Consulta Pública estão disponíveis na página da Comissão Eleitoral.

Nicole Trevisol /Jornalista da Agecom /UFSC 

Atualizada em 28/03/2018.