Hospital Universitário recebe R$ 887 mil referente à 1ª parcela do Rehuf

11/01/2018 10:51

O Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago (HU/UFSC) recebeu, via distribuição de recursos do Programa de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), R$ 887.927,78 a serem aplicados em investimento e custeio. O repasse de verbas no primeiro mês do ano é um fato histórico, segundo a superintendente do HU, Maria de Lourdes Rovaris.

A parcela inicial em 2017 foi liberada somente em maio. “A partir de uma demanda levada à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que gerencia o HU/UFSC, espera-se que os repasses este ano aconteçam mensalmente, o que nos garante uma melhor execução dos planos de trabalho e investimentos futuros. O recurso foi recebido com comemoração”.

O valor será dividido em duas áreas: R$ 743.224,08 para custeio e R$ 144.703,70 para investimento. “O maior volume de recurso será destinado para custeio, o que representa o pagamento de terceirizados e compra de material de assistência ao paciente. O restante será utilizado em pequenos ajustes, como compra de seladoras de material de esterilização, ar-condicionado para o Centro Cirúrgico e troca de carrinhos da lavanderia”.

O orçamento do Hospital Universitário em 2017 foi cerca de R$ 62 milhões, recebido por meio de duas fontes. A primeira delas, que representa o maior volume, é o Gestor Estadual, neste caso a Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina, sendo que em 2017 foram recebidos 40,3 milhões. A segunda fonte é o Rehuf, em que foram recebidos cerca de R$ 21 milhões no ano passado.

“Este orçamento deve ser mantido para 2018, o que atenderá a demanda do HU. Deste valor, R$ 1,9 milhão foi aplicado em investimentos, como a aquisição de raio-x portátil, ambulância, máquina de hemodiálise, mobiliário, videogastroscópio e videocolonoscópio”, explica a superintendente.

Fechamento da emergência e falta de atendimentos

 

No decorrer do ano de 2017 ocorreu, durante alguns dias, o fechamento da emergência adulto do hospital. Segundo a superintendente, a superlotação dos leitos disponíveis na emergência do Hospital foi desencadeada pelo fechamento de uma unidade de clínica médica, em 2013. “A nossa capacidade instalada, hoje, dificulta a emergência adulto. Não temos problema com material de consumo, mas precisamos contratar pessoal. A expectativa é de que, na próxima semana, a Ebserh libere um cronograma de retomada de contratações mensais do concurso, o que vai atender gradativamente a capacidade instalada do HU”.

Rovaris também considera que algumas das dificuldades enfrentadas pela emergência adulto possuem fatores externos ao próprio HU, como a ausência de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) na região da Trindade e a cultura populacional em se dirigir à emergência hospitalar ao invés de procurar a Unidade Básica de Saúde. Destaca, ainda, que não há relatos de falta de material de assistência e nem de problemas referentes ao pagamento de empresas terceirizadas.

 

Planejamento para o futuro

Os investimentos necessários para a aquisição de equipamentos do HU serão definidos por meio do Núcleo de Engenharia Clínica. Obras e melhorias seguem o Plano de Reestruturação do HU, de 2010, e o Plano Diretor Estratégico, de 2016. “Assim, quando os recursos são recebidos, já sabemos como serão aplicados”, reforça Maria de Lourdes.

As prioridades para o primeiro semestre de 2018 são as seguintes: Reforma do Centro Cirúrgico, que custará cerca de R$ 1 milhão; Adequação da Cirurgia Ambulatorial; Adequação da Unidade de Quimioterapia.

“Para realizar essas obras buscamos recursos à parte com a Ebserh ou através de parcerias, como as já firmadas por meio de editais com o Ministério Público do Trabalho, a Associação Amigos do HU e a Justiça Federal”, explica a superintendente.

Nicole Trevisol / Jornalista Agecom / UFSC

Ítalo Padilha /Agecom / UFSC