16ª Sepex: estandes defendem a imagem de cobras, sapos, tubarões e raias

20/10/2017 11:13

Desmistificar a má-fama de répteis, tubarões e raias é o objetivo de dois estandes na 16ª Semana de Pesquisa, Ensino e Extensão (Sepex) da UFSC. Lado a lado, o Laboratório de Ecologia de Anfíbios e Répteis (Lear), com o projeto “Mitos e Curiosidades da Herpetofauna”, e o Laboratório de Biologia de Teleósteos e Elasmobrânquios (Labitel) explicam a importância destes animais no ecossistema.

O estande do Lear exibe espécimes sapos, pererecas, rãs, cobras e tartarugas com a finalidade de “tirar o medo das pessoas e mostrar que eles não são ruins, como muitos pensam”, explica o estudante de Ciências Biológicas Anderson Rosa. Ele diz que as cobras são as que mais assustam e que as tartarugas, as que as pessoas acham mais “bonitinhas”. O projeto existe há quatro anos e neste ano o Lear focou também em jacarés. “Eles sempre estiveram aqui, as pessoas é que estão percebendo mais os bichos”, completa Anderson.

No Labitel, os visitantes podem tocar nos exemplares de tubarões e raias e também em mandíbulas. “Nosso objetivo é mostrar a beleza destes animais e a importância para o ecossistema”, diz o aluno de Ciências Biológicas Leonardo Soares. Ele conta que, entre os visitantes, os mais jovens têm a mente mais aberta, e que a rejeição aparece em pessoas mais velhas.

Os estandes do Lear e Labitel estão na seção de meio ambiente da Sepex.

Mais informações no site da Sepex.

 

Caetano Machado/jornalista da Agecom/UFSC

Fotos: Ítalo Padilha/Diretor de Fotografia da Agecom/UFSC