UFSC e Educação a Distância: uma relação de longa data

29/09/2017 14:53

Visão completa da plataforma de integração acadêmica com o primeiro sistema online de matricula que se tem notícia do país. Montagem: EaD/UFSC

O ensino não presencial existe há muito tempo, viabilizado, primeiro, por correio e, no século XX, por rádio e televisão. Contudo, somente com a revolução das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), as redes, computadores e os novos canais de comunicação romperam definitivamente as barreiras de tempo, espaço e público-alvo. Essa verdadeira revolução ocorrida nas últimas décadas teve uma história particular na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Da pré-história aos primeiros programas EaD

A Educação a Distância (EaD) da UFSC já tem mais de 30 anos de história. A EaD não chegou nesta universidade como tecnologia adquirida de terceiros. Foi fruto de visão estratégica, de muita pesquisa e de uma produção tecnológica multidisciplinar.

Em 1985, o computador pessoal tinha somente quatro anos de idade e a internet ainda demoraria oito anos para ser lançada. E naquele ano, o Departamento de Engenharia de Produção da UFSC colocou a EaD em seu plano estratégico e previu que iniciaria os primeiros projetos em 10 anos.

E, justamente em 1995, foi criado o Laboratório de Ensino a Distância (LED), operacionalizando os primeiros cursos, ainda por sistema de videoconferência (já que a internet tinha velocidade de 19K).

Sistema de defesas online que o LED criou no final dos anos 1990. Montagem: EaD/UFSC

Mas não se tratava somente de fornecer formação a distância. Os desafios eram muitos: que conteúdos os alunos deveriam acessar? como poderiam fazer matrículas a distância? como promover aprendizagem sem a interação presencial com o docente?. Esses e muitos outros temas foram tratados nas pesquisas e nos desenvolvimentos tecnológicos da pós-graduação da UFSC.

Ainda em 1995, a UFSC iniciou a disponibilização na íntegra de suas teses e dissertações para que os alunos de EaD pudessem acessá-las. A universidade americana Virgínia Tech, tida como pioneira em bancos digitais de teses, reconheceu que a primeira monografia online da internet foi obra da UFSC.

No ano seguinte, engenheiros da Picture Tel VC Systems tiveram que modificar o seu sistema de videoconferências, que havia sido adquirido pelo LED. O chamado “Socrates” não atendeu inicialmente a metodologia de EaD do laboratório – quando um aluno a distância tossia, a imagem do professor, que era transmitida a vários lugares ao mesmo tempo, desconectava automaticamente para mostrar o local de origem da tosse.

Em apenas um ano, a UFSC não só já utilizava a videoconferência, cotidianamente, como promoveu a primeira defesa de pós-graduação do país com examinadores conectados diretamente dos EUA.

Conquistas reconhecidas

As demandas por comunicação de Santa Catarina cresciam também provocadas pela EaD da UFSC, que foi projeto partícipe da Rede Catarinense de Ciência e Tecnologia (RCT) – a primeira rede de internet do Estado. Essas demandas impulsionaram outros pioneirismos da UFSC:

  • E-mail para todos: a UFSC foi a primeira universidade brasileira a conceder contas de e-mails a todos os alunos (1996);
  • Certificação: a Secretaria Acadêmica da Engenharia de Produção recebeu certificado ISO 9000, a primeira no país a ter credencial de qualidade de processos (1996);
  • Aprendizagem e simulação: a UFSC foi uma das primeiras universidades a criar ambientes virtuais de aprendizagem e a utilizar a Realidade Virtual como instrumento de educação para capacitações em situações de risco (entre 1996 e 2000). Ex: treinamento de risco em exploração de petróleo na Petrobras;
  • Origem do Lattes: a UFSC foi a primeira universidade a criar um sistema de informação acadêmico para a pós-graduação integrado aos sistemas de Capes e CNPq (1996). A “Plataforma Stela” foi a origem da Plataforma Lattes, lançada em 1999, desenvolvida pelo Grupo Stela, o mesmo que criou a plataforma integrada da UFSC.

Neiva estreia, em 1996, o sistema Stela que automatizou a Secretaria da Pós-Graduação e integrou os sistemas Capes e CNPq. Foto: EaD/UFSC

Nos anos seguintes, o LED já possuía vários projetos pioneiros de educação a distância e semipresencial, realizados em parceria com várias instituições públicas e privadas no país. Em colaboração com departamentos e cursos de diferentes centros da UFSC, foram produzidos até 2002 cursos presenciais e virtuais de especialização, capacitação, mestrado e doutorado, tanto para instituições acadêmicas como para Petrobras, Caixa Econômica Federal, Instituto Interlegis, Senai, Ministério da Saúde, Ministério da Educação, Capes, Finep, CNPq, entre outras.

Para tal, além da produção era necessário pesquisar e avançar no conhecimento sobre EaD. Segundo dados da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed) e de um levantamento de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), a UFSC chegou a ser responsável por 75% das pesquisas nacionais indexadas na área.

A produção e as pesquisas da UFSC em EaD deixaram legados reconhecidos. Neiva Aparecida Gasparetto Cornélio, coordenadora administrativa do Laboratório de Educação em Rede (antigo LED), era responsável pela Secretaria Acadêmica do Programa de EaD nos anos 1990. Recorda-se que os cursos semipresenciais da UFSC e as pesquisas da pós-graduação ajudaram a criar processos e regulamentação para a EaD brasileira. Na época ainda não havia uma legislação especifica e o projeto piloto aconteceu na Universidade Federal do Ceará (UFC). Aliás, a própria denominação “semipresencial” foi criada para diferenciar as aulas do LED.

Gregório Jean Varvakis Rados, atual secretário de Educação a Distância da UFSC. Foto: Jair Quint/Agecom/UFSC

EaD institucionalizada

O professor do Programa de Pós-Graduação de Engenharia e Gestão do Conhecimento (EGC), Roberto Carlos dos Santos Pacheco, era o coordenador do Grupo Stela. Em retrospectiva, lembra que a EaD é um exemplo marcante da troca da sociedade industrial para a de informação. Pioneiros na UFSC perceberam esta transformação em meados dos anos 1980 e criaram projetos e pesquisas que se tornaram referências internacionais. Nas décadas seguintes, a EaD se tornou um recurso presente em praticamente todas as unidades educacionais e com benefícios à própria educação presencial.

Essa institucionalização da EaD na UFSC ocorreu em 2004, com a criação da Secretaria de Educação a Distância (Sead). Segundo o professor e atual secretário, Gregório Jean Varvakis Rados, “A Sead busca articular e dar suporte ao desenvolvimento das ações institucionais de educação a distância, tanto nos cursos de graduação da Universidade Aberta do Brasil (UAB) como em cursos de pós-graduação lato sensu, aperfeiçoamento e capacitação da UFSC”.

Núcleos produtores de Educação a Distância

LabGestão – Laboratório de Produção de Recursos Didáticos para Formação de Gestores. Criado em 2013, após sucessivos projetos de EaD, o LabGestão realiza a produção, criação, implantação, monitoramento e manutenção de recursos didáticos dos projetos educacionais do curso de Administração (CAD) da UFSC;

Laed – Laboratório de Ambiente de Ensino a Distância. É responsável por gerenciar os Ambientes Virtuais dos cursos de Licenciatura em Matemática, Física, Filosofia e Especialização em Matemática, na modalidade a distância. Coordenação: Nereu Estanislau Burin;

Lantec – Laboratório de Novas Tecnologias. Criado em 1995, no Centro de Ciências da Educação (CED), dá suporte aos cursos de licenciatura da UFSC. Coordenação: Andrea Brandão Lapa;

LED EGC – Criado em 1995 no Programa de Engenharia de Produção da UFSC e transferido ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento (EGC), em 2004. Laboratório de Educação em Rede. Coordenação: Marcio Vieira;

Rede e-Tec (Formação Profissional para Estudante de EM) – Coordenação: Araci Hack Catapan;

Telessaúde SC – Criado em 2005, o Núcleo que oferece apoio assistencial e atividades de educação permanente aos profissionais de saúde por meio de diversos serviços. Coordenação: Maria Cristina Marino Calvo.

 

Dados EaD UFSC

· Graduação: 2.284 alunos matriculados em 10 cursos.
· Especialização: 396 alunos matriculados em dois cursos
· Cursos: 12 cursos – 10 de graduação e dois de especialização

· Polos: 34 polos. Cada curso atua em determinado número de polos, dependendo do curso e da quantidade de turmas.

· Professores e tutores: em agosto deste ano trabalharam 101 professores (coordenadores e professores) e 168 tutores.

· Formados:
Em relatório de 7/8/2017, formaram-se 2.642 alunos nos cursos de graduação desde 2006
Em relatórios de 31/7/2017, formaram-se 1.016 alunos nos cursos de especialização

Além das unidades que viabilizam cursos de EaD, a UFSC conta com uma divisão na Coordenadoria de Capacitação de Pessoas (CCP), que promove educação a distância por meio de cursos aos seus servidores que atuam fora do campus sede. A estrutura foi criada em 2012 e tem a coordenação de Patric da Silva Ribeiro.

Grupos da UFSC

Além de estar instrumentalizada em diferentes unidades da UFSC, a EaD permanece tema de pesquisa e desenvolvimento tecnológico na Universidade. Segundo o Diretório de Grupos de Pesquisa no Brasil do CNPq, a UFSC tem 14 grupos dedicados à educação a distância, contextualizados nas ciências humanas, ciências sociais aplicadas e nas engenharias.

EaD em perspectiva

O professor Roberto Pacheco identifica três fases da EaD na UFSC e no país:

  • Educação por correspondência (entre 1970 e 1994): mediada por material enviado por correio e por programas de rádio e TV, permitindo que muitos brasileiros buscassem educação;
  • EaD Digital pré-institucionalizada (de 1994 a 2005): quando as TICs eram vistas como meios de educação, primeiro, na imaginação de protagonistas e, posteriormente, em projetos inovadores de pesquisa e experimentação. Nesse período, os desafios da EaD impulsionaram inovações nas comunicações, nos modelos pedagógicos e na criação de unidades multidisciplinares nas universidades. Contudo, para o grande público e para a maioria dos centros educacionais, a educação a distância era revestida de incredulidade e desconfiança;
  • Institucionalização (a partir de 2005): com a criação do Programa UAB, a EaD se tornou uma referência pública para programas educacionais, com sistemas de avaliação específicos no MEC e reconhecimento de igualdade (quando não superioridade) à educação presencial convencional.

A UAB é um sistema composto por instituições públicas de ensino superior (estaduais e federais). O programa é executado desde 2006 na UFSC, sob a coordenação da Capes. Cabem às instituições oferecer corpo docente qualificado, formular projetos pedagógicos e recursos didáticos, expedir diplomas e certificados, e oferecer tutoria a distância.

Um dos papéis da universidade aberta é atender ao cidadão que não tem acesso ao conhecimento, seja pela questão social ou econômica. Neiva complementa que a EaD é fundamental em um país tão grande como o Brasil, de forma a minimizar as desigualdades. “No início, havia ainda muita resistência à EaD, porém não foi possível virar as costas para esta realidade que se estabelecia”.

Segundo o professor Gregório “a UAB potencializou recursos para que os cursos de graduação se desenvolvessem. Na UFSC a EaD se tornou multidepartamental e multicentro”. E para ele, de fato, “a UFSC e universidades parceiras não só não deram as costas como fizeram da EaD um fator de geração de pesquisa, inovação e, principalmente, inclusão social”.

 

Com informações da Sead, LED e EGC

Agecom/UFSC