Mostra de filmes ‘Sylvio Back 8.0’ celebra os 80 anos do cineasta catarinense

01/09/2017 18:21

O cineasta Sylvio Back é homenageado pelos seus 80 anos de vida com a “Mostra Sylvio Back 8.0 – Filmes Noutra Margem”. A Mostra exibe, durante os finais de semana de setembro, 12 filmes do cineasta – todas as exibições são gratuitas e abertas ao público. A abertura oficial conta com a presença do autor e acontece no dia 08 de setembro, às 19 horas, no Cinema do CIC – Centro Integrado de Cultura, em Florianópolis, com o filme ‘Lost Zweig’. Logo após a exibição do filme de abertura, haverá debate com o diretor.

Serão exibidos, ao longo de quatro finais de semana (entre 08/09 e 01/10), 12 longas-metragens produzidos pelo cineasta. “Com temáticas ficcionais que procuram desvendar o outro lado da história oficial do Brasil, passando pela colagem/bricolagem de soberbas imagens de arquivos (nacionais e estrangeiras), ao confronto memorial e contemporâneo da saga de homens e feitos que parecem nunca ter existido, a obra de Sylvio Back promove uma releitura crítica única e origial da realidade e do passado remoto e recente do país” – palavras da jornalista e professora de cinema Solange Straube Stecz.

José Henrique Nunes Pires (Zeca Pires), também diretor de cinema e amigo pessoal de Back, define que “é difícil de rotular o cineasta Sylvio Back. Mas sua cinematografia vai na contramão da história oficial com filmes instigantes, poéticos e históricos”. Ambos os cineastas atuaram juntos na direção (Zeca Pires como assistente) do filme “O Contestado – Restos mortais” e “Cruz e Sousa – O Poeta do Desterro” — filmes que também serão exibidos na mostra.

Nunes Pires é também um dos organizadores da mostra e diz que a ideia surgiu em função da notoriedade do cineasta Sylvio Back e da importância de sua obra no contexto nacional.  Aproveitando a recente celebração do octagésimo aniversário do autor, a “Mostra Sylvio Back 8.0 – Filmes Noutra Margem” vem para valorizar a obra de um filho das terras catarinenses. Coordenando a Mostra ao lado do presidente da Cinemateca Catarinense, Pedro Mc, Zeca Pires conclui: “Não faltam justificativas e méritos para Sylvio Back”.

A mostra está organizada em ordem cronológica, com exceção do filme de abertura, escolhido devido à sua temática oportuna para o debate. Santa Catarina está iniciando esta mostra que homenageia o cineasta octogenário; depois de Florianópolis, será realizada em outras cidades e estados, e já está confirmada para Curitiba, Porto Alegre e Rio de Janeiro.

Sylvio Back

Autor de 38 filmes e detentor de 76 prêmios nacionais e internacionais, Sylvio Back é cineasta, poeta, roteirista, escritor e produtor. Filho de imigrantes, pai húngaro e mãe alemã, nascido em Blumenau (SC), 1937.

Autodidata (ou, nas suas palavras: “Aprendi cinema vendo e ‘lendo’ filmes”), sem nunca ter sido assistente de outro cineasta, Back opta por trocar a contemplação pela realização. Desde “As Moradas” – seu primeiro curta –, Back roteirizou, dirigiu e produziu (e coproduziu) trinta e oito filmes – entre curtas, médias e doze longas-metragens, os mais recentes, o docudrama “O Contestado – Restos Mortais”’ (118 min., 2010) e “O Universo Graciliano” (84 min., 2013) – o primeiro filme sobre a vida-obra-e-morte do escritor Graciliano Ramos.

Chamado de “Cacique do Sul” por Glauber Rocha,  justamente por ter uma obra conectada à civilização do Extremo-Sul, epíteto que acaba de ser atualizado para “Cacique do Brasil” por Cacá Diegues em correspondência ao cineasta Zeca Pires que, com seu texto, abre o belo catálogo da mostra, organizado com design e capa do cineasta Pedro MC, presidente da Cinemateca Catarinense.

Referindo-se à mostra, que leva o jovial título de “Sylvio Back 8.0 – Filmes Noutra Margem”, Back sublinha que “nesse embalo de garimpo fílmico-existencial é que topei dar passagem a esta inestimável retrospectiva em Florianópolis para cravar minha nova idade. Que os filmes falem por mim, eles sempre foram melhores do que eu! Que o digam as dezenas de colaboradores, como o citado Zeca Pires e a cineasta Maria Emília de Azevedo, com quem, prazerosamente, compartilho a honra e a obra que, se subsiste, é graças ao estro e à expertise deles”.

Obra aberta

Neste relato exclusivo, Sylvio Back confessa que guarda “… ralas e rasas glórias do passado a festejar. Pelo contrário. Em quantas meu cinema foi omitido, esquecido, desqualificado, ridicularizado, vitima de incompreensões, ou surdamente, patrulhado à direita e à esquerda, só porque caminho com os próprios pés e não alimento espírito de horda. Jamais flertei com o público, a crítica ou a mídia”. E conclui: “São seis décadas circunavegando pela cultura brasileira a bordo de uma obra aberta, que não procura apascentar almas ou fundar verdades unívocas, nem levar o espectador pelas mãos. Adoro deixá-lo na maior orfandade, apenas com suas idiossincrasias, literalmente, consigo próprio. Ele cá e os fotogramas piscando incólumes nas telinhas e telonas pelos anos afora”.

Os Filmes a serem exibidos:

08/09 às 19h – Lost Zweig (2003 / 114 min)
09/09 às 20h – Lance Maior (1968 / 100 min)
10/09 às 20h – A Guerra dos pelados (1971 / 98 min)
15/09 às 20h – Aleluia, Gretchen (1976 /118 min)
16/09 às 20h – Revolução de 30 (1980 / 118 min)
17/09 às 20h – República Guarani (1982 / 100 min)
22/09 às 20h – Guerra do Brasil (1987 / 84 min)
23/09 às 20h – Rádio Auriverde (1991 / 70 min)
24/09 às 20h – Yndio do Brasil (1995 / 70 min)
29/09 às 20h – Cruz e Sousa – O Poeta do Desterro (1999 / 86 min)
30/09 às 20h – O Contestado – Restos Mortais (2010 / 118 min)
01/10 às 20h – O Universo Graciliano (2013 / 84 min)
completando uma homenagem de Eduardo Paredes com o especial “Retratos Brasileiros, Sylvio Back” (26min / Canal Brasil)
A partir do segundo fim de semana de outubro, a mostra será exibida e reprisada pela TV UFSC. Acompanhe a programação no site www.tv.ufsc.br.

Lost Zweig, o filme da abertura da mostra:

(2003, 35 mm, cor, 114 min) Argumento original e roteiro, baseado no livro, “Morte no Paraíso”, de Alberto Dines, com Nicholas O’Neill, produção e direção.

Eleito entre os “50 melhores filmes da década” pelo jornal “O Globo” (2009), o filme narra a última semana de vida do escritor austríaco Stefan Zweig, que planejou o suicídio ao lado da mulher. O austríaco Stefan Zweig se apaixonou pelo Brasil ao visitar o país pela primeira vez, em 1936. Cinco anos depois o judeu veio definitivamente, fugindo do nazismo. Estava acompanhado de sua mulher, Lotte, 27 anos mais jovem. No carnaval de 1942, o casal é encontrado morto na cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro. O misterioso ato leva a crer que o intelectual e a esposa se suicidaram num obscuro pacto de morte, questão que desperta incógnitas até os dias atuais.

Realização:

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Secretaria de Cultura e Arte – SeCArte

Departamento Artístico Cultural – DAC

TV UFSC

Apoio:

Governo de Santa Catarina – Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte

Fundação Catarinense de Cultura – FCC

Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina – MIS-SC

Cinemateca Catarinense – ABD.SC

77 letras – Selo e Desenho Editorial

Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul)

Cinema & Audiovisual – Universidade do Sul de Santa Catarina

Cineclube Cinema Unisul
Veja links relacionados ao cineasta

www.facebook.com/Sylvio-Back-80-Filmes-Noutra-Margem

www.facebook.com/events
Serviço

O que: Abertura da “Mostra Sylvio Back 8.0 – Filmes Noutra Margem”, com apresentação do filme “Lost Zweig” (classificação indicativa: 12 anos) seguida de debate com o diretor do filme

Quando: de 8 de setembro a 1º de outubro de 2017

Onde: sala de cinema do CIC (os filmes também serão apresentados no canal TV UFSC, NET 15 e 6.1 aberto, digital)

Quanto: gratuito e aberto ao público

Mais informações no Facebook ou pelos telefones (48) 3664-2555 (CIC) e (48) 3721-2385 (DAC/UFSC)

 

Paulo Marcos de Assis/Estagiário de Jornalismo/DAC/SeCArte/UFSC, com textos do catálogo oficial da Mostra