Professores da UFSC lançam volume dois do livro ‘Crítica à razão acadêmica – reflexão sobre a universidade contemporânea’

03/08/2017 12:16

O volume número dois do livro Crítica à razão acadêmica – reflexão sobre a universidade contemporânea, da Editora Insular, organizado pelos professores da UFSC Nildo Ouriques e Waldir Rampinelli, será lançado no dia 8 de agosto, terça-feira, às 19 horas, no Hall da Reitoria da UFSC.

O volume apresenta um histórico sobra a universidade europeia e latino-americana, sua origem, sua função na sociedade e os objetivos que a movem. O leitor também encontra textos sobre a profunda mudança que aconteceu na universidade latino-americana depois dos anos 1970, durante os processos de ditadura em todo o continente, quando o pensamento crítico foi banido. O livro traz ainda debates sobre a comunicação pública na UFSC e uma análise dos estudantes de economia sobre o processo de discussão e construção do currículo. 

O livro rejeita o “caráter europeizante e colonial da universidade atual, os caminhos que trilha, e a cada vez mais necessária construção de uma universidade revolucionária, voltada à realidade nacional”. Também há críticas à CAPES, à SBPC, ao academicismo, à mentalidade colonial , à lógica de departamentos “que não vivencia a solidariedade nem a cooperação, apenas reproduzindo o capital”.

“O livro trata da origem da universidade; das ditaduras de segurança nacional e de seu direcionamento nas pesquisas; do autoritarismo dos docentes ao impor aos estudantes as reformas curriculares; da miséria humana e pedagógica que toma conta dos departamentos, com uma competição desmedida entre seus pares e com grupos ditos de pesquisa que se protegem como gangues; da duvidosa seleção de estudantes para o sistema de pós-graduação; da universidade internacionalizada que nada mais é que uma universidade colonizada; enfim, da universidade reprodutora dos interesses das classes dominantes”, explica um dos organizadores, Waldir Rampinelli.

Entre os autores estão Elaine Tavares, Elder Arceno, Franz Hinkllamert, Gilberto Felisberto Vasconcellos, Gustavo Pinto de Araújo, Nildo Ouriques, Pietro Aruto, Renan Cantor e Waldir Rampinelli.

Mais informações na página do Iela.