‘Eu me importo! e você?’: Coleta Seletiva Solidária é inédita na UFSC

07/06/2017 11:15

Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC

Muitas pessoas se importam e vestiram a camisa, literalmente, para a inauguração da Coleta Seletiva Solidária (CSS) da UFSC, nesta terça-feira, 6 de junho, no auditório “Teixeirão” do Centro Tecnológico (CTC).

E você? Convencer a comunidade universitária e externa será, a partir deste marco, um desafio diário para todos que se preocupam com as questões ambientais. Com essa ação inédita na UFSC, a instituição assume um compromisso ambiental, educacional e ético, com forte viés social, uma vez que integra ao processo as cooperativas e associações de catadores.

A iniciativa prevê que todo resíduo segregado pela comunidade universitária seja depositado nos coletores seletivos, para serem selecionados e supervisionados. Na sequência, associações e cooperativas de catadores farão a destinação correta do material. Em média, a UFSC produz 60 toneladas de recicláveis por mês, que eram despejados nos aterros sanitários.

A princípio serão distribuídos 20 coletores, com divisão para Recicláveis e Rejeitos, no campus de Florianópolis, no bairro Trindade, e no Centro de Ciências Agrárias (CCA), no Itacorubi. Nesta primeira fase de implantação da CSS, será feita a reciclagem de papel, plástico, vidro e metal. Atualmente a equipe de Gestão de Resíduos trabalha para a implementação da coleta de orgânicos.

O evento foi prestigiado pelo reitor, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, o secretário de Obras, Manutenção e Meio Ambiente, Paulo Roberto Pinto da Luz, a presidente da comissão para CSS e engenheira sanitarista e ambiental, Sara Meireles, a prefeita da UFSC, Soeli Soares de Moraes, e os representantes catarinenses do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), Dorival dos Santos e Marisa Pereira.

Sara destacou a importância da construção coletiva da CSS e, em homenagem a todos que contribuíram, pediu para que se levantassem os membros da comissão, estagiários da Gestão de Residuos, do Neamb (Núcleo de Educação Ambiental), Coordenadoria de Gestão Ambiental, servidores e terceirizados da Prefeitura Universitária, Agecom, TV UFSC, CTC, professor Armando (Armando Borges de Castilhos) e integrantes do Laboratório Lareso, as fundações Feesc, Fapeu, Funjab, Certi, Fepese, alunos agentes ambientais, Instituto Çaracura de Permacultura, apoiadores e parceiros como Provac, Instituto Lixo Zero e Comcap.

“Soubemos aproveitar o que a UFSC tem de melhor, no ensino, pesquisa e extensão, e chegar ao modelo adequado de Coleta Seletiva, porque a gente trabalhou em parceria com alunos, professores e técnicos-administrativos e, com certeza, houve também apoio e confiança da Administração Central”, declara a engenheira. O trabalho da UFSC considerou o tripé da sustentabilidade: economicamente viável, socialmente justo e ecologicamente correto.

A implantação da CSS atende ao Decreto Federal 5940/2006, mas não cumpre somente uma exigência legal. Sara aponta que a UFSC está ciente da legislação e de como é importante para a evolução do sistema de saneamento do país. Como parte das ações institucionais, a elaboração dos planos de Logística Sustentável e o de Gerenciamento de Resíduos (este será lançado no segundo semestre). Para a implantação da Coleta Solidária, percebeu-se  que necessitava de planejamento extra, já que envolvia uma quantidade muito grande de resíduos e a ação de vários atores.

Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC.

Dorival dos Santos, presidente da Federação das Associações e Cooperativas de Catadores de Materiais Recicláveis de Santa Catarina (FECCAT-SC) e representante do movimento nacional, ressalta a  importância da parceria com a Universidade e como esta ação reflete no município, no estado, no Brasil e no mundo. “Estamos aqui para somar e servirá de modelo para o país”.

Marisa Pereira, também representante do MNCR, agradece a UFSC por ter inserido os catadores na CSS, “pois para nós é uma conquista. O que iremos fazer é o que a gente entende. Se todos os grandes geradores fizessem o que a UFSC está fazendo já seria muito”.

Cancellier disse que, no primeiro ano, a gestão esteve muito presente na questão ambiental, e elegeu como um dos eixos uma UFSC Saudável. Saudou de forma especial a Dorival e Marisa, pois “uma das funções da universidade é exatamente esta, possibilitar este relacionamento com o externo. Às vezes somos acusados de discutir somente os nossos assuntos e esquecemos que ao redor da Universidade existe um povo, uma economia, existe gente e este tipo de atividade que se realiza hoje, que permite essa integração da nossa instituição com o mundo real, que é geradora de renda, de riqueza, contribui para melhorar a vida das pessoas”. E pediu para que cada um seja reprodutor desse conceito e que a ação de reciclar se torne uma prática comum.

O descerramento da placa da CSS e a exposição do coletor seletivo fizeram parte dos momentos finais. A placa será afixada no contêiner instalado no CTC que, devido ao mau tempo, será grafitado na próxima sexta-feira, 9 de junho.

Mais informações na página da CSS.

Rosiani Bion de Almeida/Agecom/UFSC

 

Confira o vídeo da campanha:

 

Saiba mais:

Como funcionará a Coleta Seletiva Solidária na UFSC?

Inicialmente, será voltada aos materiais gerados em ambientes internos do campus João David Ferreira Lima, na Trindade; e no Centro de Ciências Agrárias (CCA), no Itacorubi – salas de aula, secretarias, salas administrativas, de apoio etc -, que é de onde é gerada a maior parte dos materiais recicláveis na universidade. Nesses ambientes serão instalados coletores seletivos (com compartimento para recicláveis secos, rejeitos e papéis) alocados em pontos estratégicos para que a comunidade universitária possa descartar o seu resíduo de forma correta.

O número de coletores móveis irá aumentar à medida que a coleta seletiva tiver sucesso. Para 2018 está prevista a instalação de lixeiras seletivas para ambientes externos, inaugurando, assim, a coleta seletiva de áreas externas na universidade. Também em etapa posterior, será implementada a coleta de resíduos recicláveis úmidos (orgânicos). Futuramente, pretende-se expandir a coleta os demais campi e instalações da UFSC não contempladas nessa primeira etapa.

Qual será o caminho do resíduo reciclável?

Podemos descrever o ciclo da coleta seletiva solidária de recicláveis da seguinte maneira: o gerador descarta um resíduo reciclável nos coletores seletivos; o colaborador da limpeza promove a coleta segregada destes resíduos e leva até o local de armazenamento temporário (container localizado no CTC) diariamente; a organização de catadores habilitada para a coleta seletiva na UFSC coleta o material do container e recolhe os recicláveis semanalmente, levando-os para a central de triagem; após a triagem, os recicláveis são enviados para as empresas de reciclagem.

 

Quais as orientações ao público da UFSC?

Para participar da Coleta Seletiva Solidária, é necessário promover a separação correta dos resíduos sólidos e descartá-los em locais adequados. Na primeira etapa da campanha, haverá coletores distribuídos pela UFSC nos centros de ensino, na Biblioteca Universitária (BU), nas Reitorias 1 e 2, no Centro de Cultura e Eventos, no Colégio de Aplicação (CA) e no Núcleo de Desenvolvimento Infantil (NDI). Divulgaremos mapas e todos os coletores estarão sinalizados para orientar a correta segregação do material.

Os coletores terão três compartimentos distintos: verde para os resíduos recicláveis, azul para papéis e cinza para rejeitos e orgânicos. No compartimento dos recicláveis, você pode descartar os seguintes materiais: caixas de papelão, papéis de embrulho, sacolas plásticas, copos plásticos e de isopor, garrafas plásticas, latinhas de alumínio, caixas multicamadas (caixas tetrapack de suco).

Para vidros, sugerimos que descarte no PEV de vidros, localizado em frente ao Centro de Eventos da UFSC, de onde a Comcap recolhe e encaminha para a reciclagem do material. No compartimento para papéis deverão ser descartadas folhas brancas e de papel reciclado, impressas, em branco ou de rascunhos. Jornais, revistas, folhetos e embalagens de papel devem ser depositados no compartimento de recicláveis. É importante que todos os resíduos recicláveis e papéis estejam limpos.

Já no compartimento dos rejeitos e orgânicos, serão descartadas as cascas de frutas e restos de alimentos, guardanapos, toalhas e lenços de papel molhados ou engordurados, sachês de chá, balas, chicletes, lápis e borrachas, fitas e etiquetas adesivas, papel metalizado (embalagens de salgadinhos, bolachas e barras de cereal). Quando iniciar a coleta seletiva de orgânicos, estarão disponíveis pontos de entrega voluntária juntos às lanchonetes. Cada um deverá fazer a sua parte. A UFSC fará sua parte em disponibilizar o sistema de coleta seletiva com inclusão de catadores, caberá ao usuário segregar corretamente seus resíduos e passar a ideia adiante. Quem se importa, separa.

Quais as orientações para aqueles que decidirem adotar essa prática em suas casas?

A primeira orientação é buscar informações sobre a coleta seletiva na sua cidade, para que saiba os dias em que o caminhão da coleta seletiva passa na sua rua. Em Florianópolis, a Comcap disponibiliza todas as informações sobre o sistema em seu site. A partir disso, você realiza a separação dos resíduos sólidos que gera em casa, segregando e acondicionando adequadamente os recicláveis, como plástico, metal, papel e vidro, para encaminhar à coleta seletiva.

Para os orgânicos, é interessante promover a compostagem, com métodos que podem ser feitos em sua residência, como o minhocário ou a compostagem. Por fim, acondicione os rejeitos em sacos plásticos e descarte para serem recolhidos nos dias em que o caminhão da coleta convencional passa pela sua rua, sempre de forma adequada para que animais não rasguem os sacos com os rejeitos. Na internet há muitas informações sobre como praticar a responsabilidade socioambiental com os resíduos.

Informações retiradas do UFSC Explica, de maio de 2017.