Departamento de Matemática inicia mudanças na oferta de disciplinas para os cursos de graduação

10/05/2017 16:56

Professor Giuliano Boava, coordenador de ensino do departamento de Matemática. Foto: Jair Quint/Agecom/UFSC.

O departamento de Matemática da Universidade Federal de Santa Catarina (MTM/UFSC) recebe, a cada semestre, uma demanda de disciplinas muito maior do que seu corpo docente comporta. Além de duas graduações, dois mestrados e um doutorado, o departamento oferece disciplinas para outros 32 cursos da UFSC. “Quase todo semestre, várias disciplinas ficam sem professor. Não conseguimos atender a toda essa demanda. Isso vem gerando um desgaste no departamento, um mal-estar que nos incomoda bastante”, explica o coordenador de ensino, Giuliano Boava.

Outra dificuldade enfrentada pelo departamento são as frequentes reprovações, o que aumenta ainda mais a procura por turmas adicionais. “Muitas vezes, o aluno reprovado não consegue vaga para cursar a mesma disciplina no semestre seguinte, pois não damos conta de suprir essa demanda extra”, afirma Giuliano. Com o objetivo de solucionar esses problemas, foi criado o “Projeto de Unificação da Matemática”, que já começou a implementar mudanças no ensino e na oferta de disciplinas em diversos cursos da UFSC.

Mudanças

Turma de Pré-cálculo do curso de Engenharia Elétrica. Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC.

Uma das primeiras mudanças foi a criação de uma disciplina nova: Pré-cálculo. Com um índice de reprovação que chega a 60% em Cálculo, surgiu a necessidade de ofertar uma disciplina de base, com conteúdo do Ensino Médio. “A ideia é preparar os alunos para que não tenham mais tanta dificuldade, diminuindo assim o índice de reprovação”, explica Giuliano. Pré-cálculo está sendo ofertada pela primeira vez este semestre para todos os cursos do Centro Tecnológico (CTC). É uma novidade na UFSC, mas outras universidades brasileiras e estrangeiras oferecem a disciplina, como a UFMG e a UFRGS.

Outra medida foi a padronização das disciplinas de Cálculo. A partir de agora, não serão mais oferecidas disciplinas específicas para cada curso, mas sim uma variedade menor, que atenda a diferentes cursos. “Usualmente, para cada curso, ofertávamos uma disciplina específica. Por exemplo: ‘Cálculo para Química’, ‘Matemática para Administração’. Então um aluno que reprovasse em uma delas, não tinha outra opção para se matricular. Eram mais de 30 disciplinas, com ementas semelhantes, mas códigos diferentes. Geralmente, uma não validava a outra”, afirma o professor.

A solução encontrada foi a criação de um “pacote de disciplinas”. “Com o ‘pacote’, vamos ofertar oito disciplinas para atender a todos os cursos. Cada curso vai escolher as que achar mais adequadas a suas necessidades. Mas os cursos não poderão mais determinar o conteúdo da disciplina, pois realmente não temos condições de oferecer isso”, explica Giuliano. O pacote de oito disciplinas inclui Pré-cálculo, Cálculo 1, Cálculo 2, Cálculo 3, Cálculo 4, Geometria Analítica, Álgebra Linear e Matemática Financeira.

Com a mudança, as ementas serão as mesmas, mas os exemplos aplicados continuam sendo diferentes. “Houve alguma resistência, mas os cursos acabaram cedendo à ideia da unificação, porque sabem da necessidade. Por outro lado, por mais que o conteúdo da disciplina ofertada para a Engenharia Química seja igual ao da Engenharia Civil, os exemplos serão específicos para cada turma, indicados pelos coordenadores de cada curso.”

Para o diretor do CTC, Edson De Pieri, as mudanças são positivas: “Como o vestibular não avalia o que consideramos apropriado para a disciplina de Cálculo, a oferta de Pré-cálculo evita a repetência. Ser reprovado logo no primeiro semestre é desestimulante para o aluno”. Edson também ressaltou a importância da unificação de Cálculo. “A diferença entre as ementas eram bem pequenas. A vantagem é que os alunos podem agora migrar de uma turma para outra, com a possibilidade de conviver com estudantes de outros cursos”, explicou.

Turma de Pré-cálculo do curso de Engenharia Elétrica. Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC.

Implementação

O processo de mudança se iniciou com os cursos do Centro Tecnológico (CTC), onde há a maior demanda. Neste semestre já foram implementadas as disciplinas da primeira fase; no próximo semestre, serão implementadas as da segunda fase e assim por diante. “A cada novo semestre, vamos atualizar as disciplinas. Então, até o final de 2018, o CTC já estará padronizado. A partir de 2018, todos os outros cursos da UFSC deverão se adaptar ao novo modelo. Os currículos já estão sendo adequados à nova grade de disciplinas”, explica Giuliano.

Segundo o professor, a primeira vantagem é que os alunos reprovados em Cálculo 1, por exemplo, terão mais opções para se matricular novamente. As turmas não serão mais destinadas a alunos de um curso específico, mas sim a todos. “As turmas costumavam ter entre 30 e 40 alunos. A partir de agora, podemos aumentar o número de vagas pois o excedente pode ser preenchido por alunos de outros cursos. Temos hoje uma turma com 100 alunos, mas vamos tentar manter um limite de 60, quando possível. Todo semestre será feito um remanejamento. Ao final de dois anos, esperamos oferecer apenas o que nosso corpo docente realmente comporta”, afirma o coordenador.

Cursos não presenciais

Outra mudança prevista é a oferta de disciplinas não presenciais. “O curso não presencial será destinado aos alunos reprovados que, por algum motivo, ficaram sem matrícula nas disciplinas tradicionais”, afirma Giuliano. O conteúdo será acessado online, na plataforma Moodle, onde estará disponível todo o material didático, como videoaulas e listas de exercícios. Algumas atividades, entretanto, continuam sendo presenciais, como aulas extras de exercícios, atendimento com professores e provas. “Claro que gostaríamos de atender a todos com cursos presenciais. Mas precisamos resolver o problema da carência de professores, por isso pensamos em um curso não presencial”. O coordenador explica que esses alunos não serão prejudicados, pois terão todo o suporte para fazer um curso normal. As videoaulas começam a ser produzidas este ano e a previsão é que todas estejam prontas até 2019.

“Vamos tentar aprimorar o curso a cada semestre. Cada uma das oito disciplinas terá um coordenador responsável. Os próprios professores, à medida que ministrarem as aulas, vão contribuindo para enriquecer as disciplinas com novo material didádico. Por mais que todos conheçam o conteúdo de Cálculo, cada professor tem uma visão diferente. Essa contribuição mútua pode gerar um conteúdo mais aprimorado. Aos poucos, podemos melhorar a qualidade das aulas como um todo”, argumenta Giuliano.

Graduação e pós-graduação

Desde 2016, o departamento de Matemática vem passando por mudanças. A principal delas foi a extinção do curso de licenciatura noturno. “A cada ano se formavam dois ou três alunos. Baseado nesse baixo aproveitamento e na grande demanda de professores para turmas com poucos alunos, optamos por encerrar uma graduação. Também fizemos uma reformulação nos currículos, para que o bacharelado e a licenciatura tivessem mais disciplinas em comum. Agora podemos juntar as turmas e diminuir a demanda de professor”, explica Giuliano. Com essa mudança, o departamento ficou com duas graduações: licenciatura diurno e bacharelado.

Segundo o coordenador, a carga adicional de aulas também é prejudicial aos professores pois eles ficam com tempo reduzido para pesquisa e publicação de artigos. “Os professores deveriam cumprir a carga mínima de aulas e dedicar o tempo restante para outras atividades, como pesquisa, extensão e orientação. Isso contribuiria para o desenvolvimento da pós-graduação. É o crescimento da pós e o desenvolvimento da pesquisa que faz o departamento se destacar. Nosso desafio é fazer isso sem prejudicar os professores, nem os outros cursos.” O departamento de Matemática tem hoje 69 professores efetivos e 4 professores visitantes.

Futuro

O projeto de unificação da Matemática terá, futuramente, outros desdobramentos. A experiência da padronização das disciplinas no campus de Florianópolis poderá ser replicada para os outros campi: Araranguá, Curitibanos, Joinville, Blumenau. “Outra ideia são as provas unificadas: todos os cursos farão exatamente a mesma prova no mesmo dia. A prova unificada homogeniza o nível e o formato da avaliação. Não haverá uma mais fácil e outra mais difícil para a mesma disciplina”, afirma Giuliano.

Segundo o coordenador, o projeto também poderá criar um canal mais próximo com os ensinos fundamental e médio: “Existe um vão muito grande entre escolas e universidade. As escolas não se comunicam e as universidades não informam às escolas o que esperam dos alunos quando entram. O exame de proficiência em pré-cálculo será um indicador do que se espera dos alunos que entram. Podemos fornecer nosso material didático de pré-cálculo para as escolas”. A expectativa é de que, com todas as novas medidas, em dois anos o ensino da Matemática na universidade estará reformulado e a carência de professores estará, temporariamente, resolvida.

Cursos que ofertam disciplinas do departamento de Matemática
Centro de Ciências Físicas e Matemáticas (CFM) Matemática – Bacharelado
Matemática – Licenciatura
Física – Bacharelado
Física – Licenciatura
Meteorologia
Química – Bacharelado
Química – Licenciatura
Centro Tecnológico (CTC) Ciência da Computação
Engenharia de Alimentos
Engenharia de Automação
Engenharia Civil
Engenharia Elétrica
Engenharia Eletrônica
Engenharia de Materiais
Engenharia Mecânica
Engenharia de Produção
Engenharia Química
Engenharia Sanitária e Ambiental
Centro de Ciências Agrárias (CCA) Agronomia
Ciência e Tecnologia de Alimentos
Engenharia de Aquicultura
Zootecnia
Centro Socieconômico (CSE) Administrção (Diurno)
Administrção (Noturno)
Ciências Contábeis (Diurno)
Ciências Contábeis (Noturno)
Ciências Econômicas (Diurno)
Ciências Econômicas (Noturno)
Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH) Geologia
Oceanografia
Centro de Ciências Biológicas (CCB) Ciências Biológicas
Centro de Comunicação e Expressão (CCE) Secretariado Executivo

Mais informações na página do departamento Matemática ou pelo telefone (48) 3721-3661.

Daniela Caniçali/Jornalista da Agecom/UFSC