Biblioteca Central homenageia Anita Garibaldi com Sala de Consulta a obras raras

23/05/2017 13:10

Sala Anita Garibaldi, na BU. (Foto: Divulgação)

A Biblioteca Universitária (BU/UFSC) batizou a Sala de Consulta às Obras Raras com o nome Anita Garibaldi, em homenagem à mulher catarinense, que foi um exemplo de dedicação e coragem. A nomeação foi sancionada pelo Gabinete da Reitoria.

Foram colocadas, ao lado da Sala, retratos em acrílico sobre tela de Anita Garibaldi e Antonieta de Barros – primeira deputada negra e mulher em Santa Catarina, que desde abril de 1996 também é homenageada pela BU com a nomeação da Sala ao lado da agora instituída Sala Anita Garibaldi. Anita e Antonieta, mulheres protagonistas nas lutas políticas de seus tempos.

Retratos de Anita Garibaldi e Antonieta de Barros, pela artista Narcisa Amboni. (Foto: Divulgação)

Os retratos foram pintados pela artista plástica Narcisa Amboni, bibliotecária e servidora da UFSC, que prestou 36 anos de serviços à Universidade. Ambas as telas integraram a exposição “Elas São: Galeria de Mulheres“, realizada nos meses de março e abril deste ano na Biblioteca Central.

Ao final da exposição Narcisa doou as telas à BU/UFSC, juntamente com as telas de Berta Lutz, pioneira nas lutas femininas no Brasil, e o próprio autorretrato de Narcisa que deverá compor a “Galeria das Diretoras da BU”, a ser viabilizada em breve.

Sobre Anita Garibaldi
Ana de Jesus Ribeiro era seu verdadeiro nome. Nasceu na localidade de Morrinhos, Laguna, no ano de 1821. Filha de Bento Ribeiro da Silva e de Maria Antônia de Jesus Antunes. O dia e o mês de seu nascimento são ainda ignorados. Adolescente transfere-se com a família para a vila de Laguna, onde casa com Manuel Dutra de Aguiar. Mas uni-se a Giuseppe Garibaldi quando este chegou à Laguna com as tropas revolucionárias de Davi Calabarro. Por ter participado na Guerra dos Farrapos, e haver lutado pela libertação da Itália, Anita, como a chamava Garibaldi, celebrizou-se como a Heroína dos dois Mundos. Morreu em Madriole, próximo a Santo Alberto, Itália, a 4 de agosto de 1849. Existem monumentos em sua memória, em Roma, na Itália, e em diversas cidades brasileiras.
(GOMES, Manuel. Memória barriga-verde. Florianópolis: Lunardelli, 1990. p. 49).

 

Mais informações:
3721-2465