Museu Patrimonial da UFSC inaugura primeira exposição no Centro de Eventos

18/04/2017 14:21
Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC.

Na foto, Gabriel Martins, idealizador e curador do Museu Patrimonial. Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC.

A primeira exposição do museu patrimonial da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) foi inaugurada nessa segunda-feira, 17 de abril, com a presença de ex-reitores, pró-reitores e autoridades acadêmicas. A mostra está aberta ao público, no hall do Centro de Cultura e Eventos, até 18 de maio, Dia Internacional do Museu. Gabriel Martins, um dos idealizadores e curador do projeto, abriu a cerimônia ressaltando a importância de se preservar os objetos que já não são usados, mas que conservam a história do fazer acadêmico: “Inauguramos aqui uma nova forma de vermos a gestão patrimonial da UFSC. Somos a mais antiga universidade federal do estado e temos muita história para contar. Essa história pode ser narrada com nossos instrumentos de trabalho. Neles estão concretizadas diversas atividades, algumas que não existem mais”, afirmou.

Veridiana Bertelli, outra idealizadora e curadora do projeto, reforçou seu caráter de extensão: “Além de contar a história da universidade e dos processos de trabalho, os bens expostos também levam a universidade para a sociedade e trazem a sociedade para dentro da universidade”. Para seguir cumprindo essa função, o museu foi concebido em formato itinerante. “Após essa mostra inaugural, pretendemos levar a exposição para todos os centros, todos os campi e também para fora da universidade. Queremos construir, em diferentes setores da UFSC, espaços museológicos que poderão ser visitados pela comunidade. Percebemos que existe o desejo de construir e fazer parte dessa história. Esse projeto tem muito potencial e esperamos contar com todo o apoio da administração central da universidade para transformar esse potencial em realidade”, informou Veridiana.

Veridiana Bertelli, uma das idealizadoras e curadora da exposição. Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC.

Veridiana Bertelli, uma das idealizadoras e curadora da exposição. Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC.

A ideia do museu surgiu a partir da percepção de que a história da universidade estava se perdendo a cada vez que objetos inutilizados eram descartados. “Uma máquina de escrever, um projetor de slides, por exemplo, estavam lá, adormecidos nas prateleiras. Com a vinda da Veridiana e do Gabriel ao DGP, começamos a pensar de que forma poderíamos viabilizar um novo destino aos equipamentos. E assim surgiu esse projeto, que conta a história da nossa instituição, a história do ensino, da pesquisa, da extensão, do dia-a-dia do trabalhador”, explicou Hudson Queiroz, diretor do Departamento de Gestão Patrimonial (DGP/UFSC) e coordenador do projeto.

O reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo agradeceu e parabenizou a equipe do DGP pelo trabalho, segundo ele, “da melhor qualidade” no nível da extensão: “Os servidores do DGP não só deram conta do trabalho da gestão patrimonial, como também selecionaram, entre o material que recolhiam, aqueles que hoje integram o museu. Olha a criatividade, olha a genialidade. Estou extremamente satisfeito. A equipe se mobilizou e deu, para a função administrativa, uma função acadêmica, uma função de extensão. Eles mostram que, definitivamente, o técnico-administrativo não é ‘servidor do professor’. Nesta instituição, o técnico-administrativo e o docente têm a mesma perspectiva para trabalhar no ensino, na pesquisa, na extensão, na inovação, na cultura e na arte”.

Ex-reitores

Os ex-reitores, convidados para a cerimônia, valorizaram a iniciativa de criação de um projeto dedicado à conservação da memória. Ernani Bayer, reitor da UFSC de 1980 a 1984, lembrou que os objetos da mostra preservam o início da universidade, os primórdios do processo de consolidação de todos os cursos que funcionam hoje. “Sabemos que tudo que está exposto aqui já colaborou com muitos estudos e projetos, por isso é importante mostrar essa história aos novos acadêmicos”. Ernani destacou também a relevância de haver um lugar na universidade onde se possa armazenar o material e viabilizar futuras exposições, com a história de todas as gerações da UFSC.

Ex-reitor Antônio Diomário de Queiroz. Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC.

Ex-reitor Antônio Diomário de Queiroz. Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC.

Antônio Diomário de Queiroz, ex-reitor que esteve em exercício entre 1992 a 1996, elogiou o formato do projeto: “Esse é um evento de abertura da universidade para a sociedade. É um evento de extensão. E a extensão é a função mais aberta e mais avançada da universidade”. Para Diomário, um dos maiores desafios da atualidade é contribuir para o resgate, o respeito e a proteção da memória. “Por isso essa exposição atraiu ex-reitores e nos atraiu a todos. Esse sentimento está em cada um de nós. Espero que esta ação provoque um processo amplo de valorização da nossa memória”, afirmou.

Também discursaram na cerimônia o pró-reitor de Administração, Jair Napoleão Filho — que falou sobre o pioneirismo do projeto; Maria de Lourdes Alves Borges, secretária de Cultura e Arte da UFSC; e Sidneya Gaspar de Oliveira, presidente em exercício da Fundação Catarinense de Cultura (FCC). No evento, foi inaugurado também o site do museu patrimonial, onde futuramente estará disponível um acervo online com os objetos do museu.

Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC.

Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC.

Serviço

O que: exposição do Museu Patrimonial Itinerante da UFSC.

Quando: Até 18 de maio.

Onde: hall do Centro de Cultura e Eventos.

Mais informações no site do museu, pelo e-mail , pelo telefone (48) 3721-2161.

Confira também a reportagem sobre o processo de criação do museu.

Daniela Caniçali/Jornalista da Agecom/UFSC