Diversidade e resistência são temas de evento promovido por estudantes indígenas

20/04/2017 16:17

O dia 19 de abril foi marcado pelo evento de “Resistência dos Povos Indígenas” na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A comunidade universitária pode acompanhar no hall e no auditório da Reitoria debates, rodas de conversa e exposições, organizados por alunos indígenas.

A data é nacionalmente conhecida como “Dia do Índio”, porém os estudantes explicam que não comemoram esse dia, mas lutam por mais direitos e inclusão. O aluno de Direito, Jafe Sataré-Mawé, diz que “devemos resistir e não comemorar, pois o dia do índio é todos os dias. Estamos buscando mais visibilidade dentro da universidade”.

Evento de Resistência Indígena - Foto: Henrique Almeida

Evento de Resistência Indígena. Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

No encontro foi exibido o documentário “Resistir – vários povos, uma só luta”, com direção de Ítalo Mongconãnn, estudante de Cinema e indígena do povo Xokleng. O documentário apresentou a perspectiva dos estudantes dentro do campus, as perguntas frequentes e a sua integração na Universidade. Em seguida houve mesa de debates e conversas, com Marcos Moreira, líder Guarani, Joziléia Kaigang, doutoranda em Ciências Sociais e coordenadora da Licenciatura Intercultural indígena, Laura Parintintin, estudante Ciências Sociais e Jafe Sateré-Mawé, estudante de Direito.

A secretária de Ações Afirmativas e Diversidades, Francis Solange Vieira Tourinho, destaca o apoio da secretaria na diversidade e ressalta que “o dia nacional do índio é uma data pra gente trabalhar a inclusão. Nós somos pioneiros em Licenciatura Indígena, o único curso da Região Sul, então a UFSC é diversa e ela tem que ser inclusiva, e para isso, a gente precisa trabalhar a empatia e a aceitação das pessoas”. A vice-reitora Alacoque Lorenzini estava presente e disse estar orgulhosa do evento organizado pelos estudantes e que eles merecem mais visibilidade e respeito.

No local, além dos estudantes indígenas, estavam presentes os familiares que tiveram seus artesanatos expostos para a venda.

Manuella Mariani/Estagiária de Jornalismo/Agecom/UFSC

Fotos: Henrique Almeida/Agecom/UFSC