Curso de Relações Internacionais promove aula magna com ‘Dr. Rosinha’

13/04/2017 16:26
Mesa de abertura da aula magna. Foto: Ítalo Padilha

Mesa de abertura da aula magna. Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC

O curso de Relações Internacionais em parceria com a Pós-Graduação e o Centro Acadêmico (Cari) promoveram no dia 12 de abril uma aula magna ministrada pelo médico Florisvaldo Fier, conhecido como “Dr. Rosinha”.

Dr. Rosinha atuou como deputado federal pelo estado do Paraná por quatro mandatos, entre 1998 e 2015. Foi integrante da Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul, ocupou a Presidência da Comissão Parlamentar Conjunta de 2003 a 2005 e a Presidência do Parlamento do Mercosul, entre 2008 e 2009. Em janeiro deste ano finalizou seu trabalho como Alto Representante Geral do Mercosul, cargo que exercia desde 2015.

Na mesa de abertura da aula magna estavam presentes Alexandre Marino, pró-reitor de Graduação da UFSC; Irineu Manoel de Souza, diretor do Centro Socioeconômico (CSE); Mónica Salomón, chefe do Departamento de Economia e Relações Internacionais; Lucas Pereira Rezende, coordenador do Curso de Graduação em Relações Internacionais; Clarissa Franzoi Dri, coordenadora do Curso de Pós-Graduação em Relações Internacionais e Fernando Bassi, vice-presidente do Cari.

Dr. Rosinha deu início à palestra fazendo uma contextualização política e histórica sobre o surgimento do Mercosul. O cenário político da América do Sul nos anos 80 não contava com a integração econômica e política entre os países do continente e o primeiro passo rumo a essa integração foi a assinatura da Declaração do Iguaçu, em 1985, por parte do Brasil e da Argentina. No ano seguinte, o Programa de Integração e Cooperação Econômica (Pice) também desempenhou um papel importante na integração comercial entre esses dois países. Explica que “nesse período os países eram marcados por dívidas e desemprego, por isso os anos 1980 foram chamados década perdida”.

Já no fim da década a formulação do Consenso de Washington contribuiu para que os países da América do Sul se aproximassem e dessem origem ao Mercosul, em 1991. Essas medidas fizeram com que as exportações e importações entre Brasil e Argentina crescessem de 1991 a 1997, mas no fim da década de 1990 a crise política e econômica prevaleceram. A partir daí Dr. Rosinha diz que “as respostas passaram a vir das ruas com a eleição de Lula no Brasil, Néstor Kirchner na Argentina e Evo Morales na Bolívia.

Por fim, Dr. Rosinha fez uma avaliação geral do trabalho do Mercosul e concluiu que muitos avanços foram alcançados nos 25 anos de existência do bloco, porém as crises financeiras e políticas fizeram com que os planos atuais ficassem estagnados.

Giovanna Olivo/Estagiária de Jornalismo da Agecom/UFSC