Dia do Professor: estudantes destacam a importância dos professores em sua formação

14/10/2016 18:09
Professora Eneida Oto Shiroma, do curso de Pedagogia da UFSC. Foto: Daniela Caniçali.

Professora Eneida Oto Shiroma, do curso de Pedagogia. Foto: Daniela Caniçali/Agecom/UFSC

Em homenagem ao Dia do Professor, perguntamos a alunos de diversos cursos da UFSC sobre os professores que marcaram suas vidas. Esses depoimentos reafirmam o importante papel que os profissionais da educação cumprem na sociedade.

Bruno Senra Sinésio e Silva, Letras – Inglês

“José Roberto Basto O’Shea foi um professor incrível! Ele é excelente, leva o trabalho muito a sério, é extremamente dedicado. Todos os professores e alunos do curso gostam muito dele. Ele tem muito conhecimento e ótima didática. Fiz apenas duas matérias com ele, infelizmente. Tive outros professores muito bons mas, para mim, ele é realmente o melhor. Ele me ensinou a nunca desistir. Sua trajetória de vida é a prova de que, se você se esforçar, você consegue conquistar seus objetivos.”

Arthur Ardino Dobler, Artes Cênicas

“Aprendi muito com a professora Elisana De Carli, nas disciplinas Teoria das Artes Cênicas I e II. Ela tem um domínio enorme da teoria e é muito verdadeira na forma de ensinar. Quando não sabe de algo, ela diz ‘não sei, tenho que pesquisar’ e depois nos indica as melhores leituras. As aulas dela foram muito boas. Ela me ensinou que é importante continuar averiguando sempre, pois muitos fatos são na verdade especulações. Devemos ter em mente, como pesquisador, que não é possível dizer que temos 100% de certeza. Isso me motivou a considerar as coisas como algo que ‘está por enquanto’, pois futuramente posso mudar totalmente de ideia. É importante estar aberto ao conhecimento sempre.”

Professor Werner Kraus, do curso de Engenharia Elétrica. Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC.

Professor Werner Kraus, do curso de Engenharia Elétrica. Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

Giovana Barros Gomes, Filosofia

“A professora Marina dos Santos, que ensinou Ética, Ontologia e História da Filosofia I foi muito importante para mim. Ela ensina com clareza, mostra a importância da matéria e nos faz realmente compreender o assunto. Ela trata os alunos de igual pra igual, quase como se fosse uma amiga, ao mesmo tempo em que é nossa professora.”

Lucas Ozéias, 22 anos, Enfermagem

“A professora que mais marcou minha graduação foi Susane Lopes, de Histologia, na primeira fase do curso. Ela demonstrava saber como é ser aluno, ela se importava, se colocava no nosso lugar.”

 Yeo Jim Kinoshita Moon, 21 anos, Farmácia

“Alessandra Smaniotto, que me deu aula de Química Analítica Teórica, foi a melhor professora que tive. O pessoal da Farmácia tem muita dificuldade com contas. Ela não só ensinava bem, mas repetia quantas vezes fosse preciso. As aulas eram muito boas, ela sentava ao nosso lado e perguntava se tínhamos entendido. Nenhum outro professor foi tão atencioso com os alunos quanto ela.”

Mariah Roussenq Bonelli Neves, 19 anos, Farmácia

“O professor que mais me marcou positivamente foi o Oscar Bruna Romero. Dava pra ver nos olhos dele que ele realmente gostava do que estava fazendo.”

Professor Mauro Titton, do curso de Pedagogia da UFSC. Foto: Daniela Caniçali/Agecom/UFSC.

Professor Mauro Titton, do curso de Pedagogia. Foto: Daniela Caniçali/Agecom/UFSC

Isabella Coelho, 20 anos, Farmácia

“O professor Flávio Reginatto, das aulas de Farmacognosia e Análise Farmacopeica, marcou minha graduação. Ele realmente tem o dom de ensinar, cativa os alunos de maneira descontraída e consegue ser amigo ao mesmo tempo em que ensina. As aulas dele são encantadoras. Ele é uma pessoa iluminada, sabe transferir com excelência o que sabe. A cada aula retomava os conteúdos ministrados nas aulas anteriores para relembrar os alunos e nos ajudar a memorizar o conteúdo. Tenho grande admiração por este professor, ele me inspira a querer ser uma boa profissional e ter o mesmo amor pela profissão que ele tem.”

Luiz Fernando Vieira Alves, 21 anos, Direito

“A Aline Beltrame de Moura é uma professora nova, que se esforça muito para que os alunos entendam a matéria. Ela é bem acessível, muito didática e carismática. As aulas dela são dinâmicas e ela sabe o momento de ser mais descontraída.”

Beatriz Clasen, 20 anos, Jornalismo

“Uma professora que me marcou foi a Valci Zuculoto. Ela tem milhares de coisas para fazer, mas sempre tem tempo para ajudar e ensinar um pouco de tudo que sabe, do jornalismo e da vida! O que aprendo com ela diariamente é muito importante e vai fazer diferença na minha vida.”

Tainan Toldo, 19 anos, Jornalismo

“Cárlida Emerim, sem dúvida! Ela me dava o ânimo que eu precisava toda semana. Eu podia estar me sentindo mal com tudo, mas quando chegava na aula dela, eu me esquecia dos problemas. Ela sabia me deixar focado naquilo será meu futuro.”

 Maria Julia Schweitzer, 22 anos, Ciências Contábeis

“Uma professora que marcou minha formação foi a Valdirene Gasparetto. Ótima profissional, com uma postura ética e séria em sala de aula, sempre centrada, desenvolvendo atividades de maneira didática, facilitando nosso aprendizado. Admiro ela por sua inteligência e dedicação.”

 Ion Neto, 20 anos, Ciência da Computação

“O professor que mais me marcou foi o Daniel Santana, da disciplina Introdução à Matemática Discreta. Desde o primeiro dia de aula, na primeira fase, ele incentivava o uso de softwares livres, reforçava o papel da universidade na construção de um conhecimento voltado para o nacional e não só para o exterior. Ele sempre incentivou os alunos a pensar na capacidade de excelência que a ciência da computação brasileira pode ter sem precisar ser somente um serviço para grandes potências.”

Anna Carolina Uhlemann, 20 anos, Engenharia Mecatrônica – Joinville

“Eu gosto das aulas da professora Viviane Lilian Soethe porque ela ensina com paixão e isso nos motiva muito. Ela conta sobre quando estava no nosso lugar e de como é importante se dedicar, fazer as coisas acontecerem para ter um bom resultado lá na frente. Ela fala a nossa língua, tenta sempre fazer com que a gente se interesse pelo que está ensinando. A relação não é só de professor-aluno, não tem aquele ar de superioridade. Ela conversa e tenta saber como a gente está, procura ter um feedback.”

Jéssica Zanella, 24 anos, História

“O que eu mais admiro nos meus professores é a força de vontade, a inteligência e principalmente a dedicação com a universidade, com as pesquisas, e com os alunos. Em alguns casos, eles ‘adotam’ os alunos, ajudando não só na vida acadêmica, mas nos seus problemas de vida. Ser professor na situação em que o Brasil se encontra é um ato revolucionário. É ir contra tudo e contra todos, para melhorar a situação de vida e buscar novos horizontes para várias pessoas. Isso deve ser muito gratificante, quando você pode contribuir para uma transformação na vida de alguém. Eu admiro esse dom que eles têm.”

Depoimentos coletados por Bruno Rosa, Gabriel Daros, Giovanna Olivo, Manuella Mariani, Matheus Pereira / Estagiários de Jornalismo da Agecom/UFSC