UFSC executa 89% dos recursos para compra de equipamentos de projetos CT-Infra

15/04/2015 16:02
Máquina comprada com recursos CT-Infra já está em operações na Fazenda Ressacada (Foto: Divulgação/Propesq)

Máquina comprada com recursos CT-Infra já está em operações na Fazenda Ressacada (Foto: Divulgação/Propesq)

A Coordenadoria de Projetos Institucionais, vinculada ao Departamento de Projetos da Pró-Reitoria de Pesquisa da UFSC, executou 89% dos recursos destinados à aquisição de equipamentos de médio e grande porte para pesquisas dos projetos CT-Infra. Em 2014, foram adquiridos 74 novos equipamentos, com destaque para cinco máquinas agrícolas para a Fazenda Experimental Ressacada, a fim de serem utilizadas em atividades de implantação de lavouras, tratos culturais e com animais. Em 2013, o índice de execução era de 75% (58 equipamentos adquiridos); em 2012, apenas 58% dos recursos foram executados (14 equipamentos adquiridos).

Os equipamentos foram adquiridos pelos projetos CT-Infra com recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP). São aparelhos nacionais e importados para uso em laboratórios multiusuários, que beneficiam mais de um departamento ou centro de ensino. O aumento no índice de execução dos projetos deve-se, em grande parte, a uma nova estratégia de gestão descentralizada e automatizada. É o que destaca o pró-reitor de Pesquisa, Jamil Assreuy. “A estrutura de gerenciamento dos projetos CT-Infra está funcionando com alta eficiência. É assim que estamos conseguindo executar de forma imediata quase todos os recursos liberados pela FINEP para a compra de equipamentos. Nosso lema e meta é que os recursos para compra de equipamentos, uma vez liberados pela FINEP, sejam utilizados em 24 horas, no máximo a partir da entrega da documentação pelos pesquisadores”, ressalta o pró-reitor.

Assreuy acrescenta que, além dos valores que chegam, eventuais rendimentos gerados pelos recursos já depositados são utilizados para a compra de novos equipamentos ou para melhorar a proposta original. O coordenador de Projetos Institucionais, Gustavo Rossa Camelo, ressalta que foi possível adquirir muitos equipamentos de suporte, como no-breaks e peças de reposição, o que garante a realização de pequenos reparos ao longo do tempo. “Muitos não são nem instalados pelas empresas sem que haja uma rede elétrica estabilizada. Por isso, buscamos adquirir também esses outros aparelhos complementares”, explica.

Gestão descentralizada

Antes de maio de 2012, todo o processo de gerenciamento dos projetos CT-Infra era centralizado com o diretor do Departamento de Projetos de Pesquisa, que executava os orçamentos. Naquele ano foi criado o Núcleo CT-Infra/UFSC e, em 2013, esse setor se transformou na Coordenadoria de Projetos Institucionais. A nova estrutura possibilitou um fluxo ágil de aquisição dos equipamentos para executar os recursos repassados pela FINEP, com a implantação de um serviço eletrônico de solicitação de compras, o qual funciona em sincronia com a fundação de apoio credenciada pela UFSC que faz os encaminhamentos diretamente com os fornecedores.

O diretor do Departamento de Projetos, Elias Machado, destaca que, se o ritmo de aquisições continuar no nível atual, muito provavelmente até o final do primeiro semestre de 2015 será possível executar 100% dos recursos para a aquisição de equipamentos recebidos até 2014. “Conseguimos fazer isso porque foi criado um setor, com dois administradores especializados, atuando com esse foco. É tudo feito on-line. A compra pode ser solicitada pela página, sem a burocracia que exigia que, por exemplo, o pesquisador viesse à Pró-Reitoria de Pesquisa fazer a sua solicitação. Houve um enorme avanço na profissionalização dos processos”, ressalta Machado. “Além disso, o processo é transparente. O coordenador do projeto de pesquisa hoje tem acesso à planilha de custos dos projetos e sabe detalhadamente o que tem que ser comprado e o que temos de recurso – tudo isso on-line”, acrescenta o diretor.

A Pró-Reitoria de Pesquisa pede aos coordenadores de projetos CT-INFRA que atentem para o fato de que deve haver a aprovação prévia da FINEP sempre que houver a alteração na rubrica de nacional para internacional ou vice-versa ou, ainda, nos casos de mudança nos equipamentos aprovados no projeto original. “Como a financiadora somente analisa um pedido após a manifestação sobre a demanda anterior, nestes casos, o atendimento dos pedidos pode atrasar porque o ritmo do processamento depende da autorização da FINEP, explica Elias Machado. O mesmo critério vale para a incorporação dos rendimentos bancários sobre a parcela de recursos dos subprojetos. Legalmente os rendimentos são da FINEP, que tem a prerrogativa de autorizar ou não a sua incorporação pela Universidade para a aquisição de novos equipamentos ou o pagamento de serviços.

Confira, na tabela abaixo, como os recursos CT-Infra foram aplicados de 2012 a 2014:

RECURSOS CT-INFRA 2012 2013 2014
Total de projetos vigentes 7 8 6
Total aprovado em projetos R$ 45.235.336,00 R$ 55.742.790,00 R$ 52.286.532,00
Recurso recebido R$ 16.611.224,00 R$ 20.951.514,08 R$ 18.653.316,00
Recurso utilizado R$ 9.608.650,91 R$ 15.756.090,14 R$ 16.588.836,10
Índice de execução financeira dos recursos disponibilizados 58% 75% 89%

 

Mayra Cajueiro Warren
Jornalista/Diretoria-Geral de Comunicação

 

Confira as fotos: