Laboratório no CCE cria estrutura para projetos de ponta em produção de imagens

04/02/2015 17:37

As obras de construção do laboratório TecMídia, no Centro de Comunicação e Expressão (CCE) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), foram iniciadas no dia 5 de janeiro e tinham previsão inicial de estarem concluídas no início de julho, mas estarão realmente finalizadas em fevereiro de 2016. A estrutura, financiada por recursos da UFSC e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), faz parte do CT-Infra e terá equipamentos de última geração, similares aos utilizados nas grandes produções de cinema internacional.

O novo laboratório será montado em duas etapas: a primeira, já iniciada, será de construção física do espaço; em seguida, inicia-se a fase de montagem e instalação dos equipamentos. Assim como outros laboratórios do CT-Infra da UFSC, o TecMídia será utilizado para pesquisas de diversos cursos da Universidade, e conta em sua equipe com pesquisadores dos departamentos de Expressão Gráfica, Jornalismo e Letras.

“Os projetos CT-Infra são, por natureza, multiusuários. São laboratórios que possuem normativas elaboradas pela Pró-Reitoria de Pesquisa (Propesq) e por um comitê gestor envolvendo os pesquisadores que efetivamente utilizam o espaço”, explica o professor Elias Machado, diretor do Departamento de Projetos da Propesq.

O TecMídia será um amplo estúdio, com câmeras e computadores de última geração para a produção de material audiovisual de alta complexidade, com múltiplas aplicações.  “É um grande laboratório, em um projeto multidisciplinar. É um espaço para produzir e formar pessoas para trabalhar com hipermídia, o qual pode ser utilizado pela comunidade para produzir conteúdo para a TV UFSC ou para o curso de Cinema”, destaca Machado. “É um dos primeiros grandes laboratórios multiusuários do CT-Infra para as áreas de Ciências Humanas e Ciências Sociais e Aplicadas. Mostra que é viável fazer investimentos de grande porte nessas áreas. Vai ser um espaço de alto nível”, elogia o diretor.

O projeto original do TecMídia, que data de 2008, só foi licitado em 2014, após uma força-tarefa para a elaboração dos projetos de arquitetura e engenharia, e a alocação de recursos adicionais pela UFSC. O laboratório terá área construída de mais de 770 m², e a obra foi contratada pelo Regime Diferenciado de Contratações (RDC), pelo valor de R$ 2.268.189,54 – dos quais R$ 1.361.664,91 foram repassados pela Finep, e R$ 906.524,63 serão recursos próprios da Universidade. Originalmente a Finep aprovou R$ 500 mil para o projeto, insuficiente para a execução do TecMídia.  Como construiu o Centro de Pesquisa em Tecnologias de Cuidado em Enfermagem e Saúde (Cepetec), outra obra CT-Infra com recursos próprios, a UFSC solicitou o remanejamento de R$ 761.664,91 destinados ao Cepetec para complementar o orçamento do TecMídia. Se for somado o aporte de recursos próprios e remanejados, o investimento da UFSC será de R$ 1.668,189,54.

Inspiração na indústria cinematográfica

Com o passar do tempo, já que se tratava de um projeto de 2008, foi necessário atualizar a tecnologia e as aplicações do TecMídia. O Grupo de Pesquisa do coordenador do projeto, professor Milton Luiz Horn Vieira – prioritariamente formado por alunos de pós-graduação –, tem por objetivo avaliar as metodologias de desenvolvimento adotadas com base nas técnicas de criação de conteúdo e usabilidade que descrevem modelos de conteúdo para hipermídia.

O professor Vieira explica que o TecMídia vai ser um grande espaço de “aquisição de movimentos”. “Vamos poder alavancar significativamente os estudos de animação. Para se ter uma ideia, o trabalho que cinco animadores seniores fazem em um mês poderá ser feito em uma tarde no TecMídia. Imagine a celeridade desse tipo de projeto na formação dos nossos estudantes. Não existe nada igual, no Brasil, aos equipamentos que temos e que estamos adquirindo”, ressalta Vieira.

A captura de movimentos, possível com as câmeras de última geração que estarão disponíveis no TecMídia, é apenas uma das atividades a serem desenvolvidas no laboratório. Essa tecnologia em específico já é aplicada a projetos de pesquisa em parceria com o Hospital Universitário (HU) e o Departamento de Morfologia, e a estudos desenvolvidos com atletas de alto desempenho e pessoas que usam próteses, entre outros.

O professor Vieira garante que assim que a etapa de construção estiver finalizada, será possível instalar com rapidez os equipamentos. “Ainda em 2015 poderemos ter alunos estudando ali”, prevê o coordenador. A ideia, segundo Vieira, é preparar os alunos para o mercado, em parceria com a indústria. “Vamos poder dar apoio a empresas de Santa Catarina que hoje não podem competir com empresas de fora do país”, acrescenta.

O diretor adjunto do CCE, Arnoldo Debatin Neto, também elogia o projeto. “Vemos com bons olhos. É um espaço que irá promover interfaces com outros cursos, gerar novos conhecimentos, gerar a inserção dos cursos de graduação e programas de pós-graduação em tecnologias avançadas. Imaginamos inclusive a possibilidade que se desenvolvam coisas novas, com a interface com outros laboratórios. É um campo muito fértil”, complementa Neto.

A obra do TecMídia, que teve o projeto revisado e aprovado pelo Departamento de Projetos de Arquitetura e Engenharia, está sendo fiscalizada pelos engenheiros Marcelo Vardanega, Paulo Roberto Medeiros dos Santos e Ricardo Friedrich de Franceschi, do Departamento de Fiscalização de Obras (DFO). A evolução do projeto pode ser acompanhada pelo site do DFO.

 

Mayra Cajueiro Warren
Jornalista / Diretoria-Geral de Comunicação

Claudio Borrelli/Revisor de Textos da Agecom/Diretoria-Geral de Comunicação/ UFSC