SIC 2014: Pesquisa analisa impacto de exercícios na prevenção da esclerose múltipla

22/10/2014 13:19

Elaine Cristina Dalazen está na oitava fase do curso de Fisioterapia do Campus de Araranguá da UFSC e desde a terceira vem trabalhando com iniciação científica. Seu interesse pelo campo foi motivado pelo pesquisador Rafael Cypriano Dutra, coordenador do curso e professor de Farmacologia e Imunologia que desenvolve, em parceria com a Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc), estudos em torno da esclerose múltipla. A doença é caracterizada por uma inflamação em estruturas de células neurais que causa a perda de movimentos. Elaine apresentou pela primeira vez seu trabalho de pesquisa que envolve o exercício físico na prevenção da doença nessa quarta, 22, primeiro dia do 24º Seminário de Iniciação Científica (SIC), que expôs os trabalhos da área de Ciências da Vida.

SIC - Elaine Dalazen - Foto Henrique Almeida-7

Elaine Cristina Dalazen está há mais de um ano elaborando a pesquisa que apresentou no 24º SIC. Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

A esclerose múltipla é uma doença ainda sem cura. Os fármacos disponíveis inibem seus efeitos mas não conseguem controlá-la completamente. Além disso causam efeitos colaterais ao organismo. O Laboratório de Fisiologia e Bioquímica do Exercício da Unesc, onde Dutra e a graduanda atuam como colaboradores, procura métodos alternativos no tratamento da doença. Os testes da pesquisadora, realizados em modelos experimentais aplicados em animais, foram aprovados pelas comissões de ética no uso de animais tanto da UFSC quanto da Unesc.

As experiências envolveram exercícios físicos praticados por ratos, tanto aeróbicos quanto de força. A pesquisadora constata que os exercícios inibiram o crescimento da inflamação nesses animais. Os aeróbicos se mostraram mais efetivos e, de acordo com Elaine, isso se deve ao fato de diminuírem o estresse oxidativo, que fragiliza a célula e facilita a propagação da esclerose múltipla. Os testes ainda não foram aplicados em humanos, mas a pesquisadora, que acompanha os estudos sobre a doença há dois anos, se diz empolgada com os resultados e pretende continuar na área de pesquisa acadêmica, mesmo após a conclusão de sua graduação.

O 24º Seminário de Iniciação Científica (SIC) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) segue até sexta-feira, dia 24, no piso superior do Centro de Cultura e Eventos da UFSC.

Gabriel Volinger/Estagiário de Jornalismo da Agecom/DGC/UFSC