Jornada Histórica PET debate revolução digital

23/10/2012 17:36

Wladimir Crippa, membro da Executiva Nacional do Partido Pirata do Brasil

Como parte da programação da II Jornada Histórica PET, nesta terça-feira, dia 23, aconteceu o Cine Debate, com exibição do documentário Motherboard TV: Free the Network, para incentivar a discussão sobre o futuro da internet como principal meio de reprodução de informações no mundo. Em seguida, o palestrante Wladimir Crippa, membro da Executiva Nacional do Partido Pirata do Brasil, abordou a luta pelos direitos civis na internet, revolução digital, direito autoral e patente.

O documentário narra a trajetória de Isaac Wilder, um dos diretores da Free the Network Foundation, grupo responsável por montar uma torre de internet livre, independente e descentralizada durante o Occupy Wall Street, iniciado em setembro do ano passado em Nova York. É a apresentação de uma experiência de internet livre dentro de uma manifestação popular.

“Quem nunca baixou uma música ou um filme? Tá todo mundo na ilegalidade. Ou, pelo menos, querem colocar todo mundo na ilegalidade”, diz Wladimir, referindo-se ao fato de que o maior problema de direitos autorais hoje é com as indústrias da música e do cinema. “Patente é algo que só serve para grandes empresas. A Apple vai brigar com a Samsung, mas não há condições de uma empresa pequena fazer o mesmo”, completa.

A Jornada Histórica, promovida pelo PET História da UFSC, vai até amanhã, dia 24 de outubro, no auditório do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH), com discussões sobre a importância da livre veiculação de informações e os impactos dos meios de comunicação na sociedade. O tema da edição deste ano é “História, Mídia e Sociedade de Controle”. Para ter direito a certificado de participação nas palestras e mesas de discussão, os interessados devem mandar um e-mail para , com nome completo, número de matrícula, e-mail, CPF e telefone.

Mais informações e programação completa no endereço http://pethistoriaufsc.wordpress.com/.

Isadora Ruschel / Estagiária de Jornalismo na Agecom

Foto: Wagner Behr/Agecom/UFSC