Game educativo incentiva cooperação entre crianças

08/02/2011 14:13

Fotos de testes preliminares com crianças participantes do programa SESI Atleta do Futuro

Ainda neste ano será disponibilizado para download gratuito o primeiro game brasileiro para ser jogado com dois mouses conectados ao computador. Além de divertir, ele pode facilitar o aprendizado sobre a Mata Atlântica em Santa Catarina por vir acompanhado de material de apoio ao professor, para uso em sala de aula a partir do quarto ano do ensino fundamental.

O jogo está sendo desenvolvido no Laboratório de Educação Cerebral da UFSC . Ele foi financiado pela Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina (Fapesc), após seu projeto ter sido selecionado por meio de uma chamada pública voltada a estimular a inovação para valorizar a biodiversidade.

Chamado “Mata Atlântica, o bioma onde eu moro”, o game educativo será testado por alunos do Colégio de Aplicação da UFSC a partir de abril. Em 2010, sua versão demo foi submetida a 45 crianças e todas adoraram a possibilidade de jogar em dupla, conforme dito num artigo que os pesquisadores publicaram na revista SBGames.

“Observamos que boa parte das crianças começou a jogar agindo de forma competitiva, querendo superar o seu colega em velocidade. Depois, elas perceberam que a vitória só seria conquistada se houvesse trabalho em equipe. Então, começaram a dialogar durante o jogo e logo a dupla comportava-se de forma colaborativa”, lê-se no artigo.

Entre seus autores, está o professor Emílio Takase, pesquisador e neurocientista da UFSC que desenvolve inovações neurotecnológicas. “Todos os meus projetos têm a ver com neurociência e cognição, como este e outros jogos cognitivos que exigem mais a atenção e a memória de trabalho na realização das atividades durante o jogo”, diz Takase. No caso do jogo sobre a Mata Atlântica, o foco é estimular a colaboração e o trabalho em equipe. Isso porque os jogadores não competem entre si, mas precisam realizar uma meta comum (como identificar animais que vivem em cada um dos ecossistemas do bioma Mata Atlântica). Um jogador não consegue avançar para a etapa seguinte sem que seu companheiro tenha terminado as tarefas da etapa anterior.

Avatar

O jogo inicia com uma animação que culmina no mapa político de Santa Catarina. Logo, a equipe enfrenta seu primeiro desafio: conhecer a localização dos ecossistemas do Bioma Mata Atlântica, montando uma espécie de quebra-cabeça. Em seguida, este mesmo mapa se transforma em menu de navegação para dar acesso às seis etapas seguintes do jogo. Acompanhada por um avatar – cuja função é servir de referência nas atividades que as crianças estarão realizando –, a equipe deve explorar cada um dos seis ecossistemas, e conhecer a fauna característica de cada um. Caso o tempo da aula tenha terminado antes do fim do jogo, é possível obter uma senha e retornar, outro dia ou em outro computador, ao mesmo ponto do jogo.

A bióloga e autora de materiais paradidáticos Cristina Santos vem realizando o levantamento de informações e coordenando a produção de conteúdo para o game. Ela ajudou a recriar no game as paisagens da Mata Atlântica – desde bromélias até árvores de grande porte –, a selecionar as 36 espécies animais que aparecem no game e a escolher como avatar a versão em estilo cartoon de um pássaro ameaçado de extinção devido ao tráfico de animais silvestres: o papagaio de peito roxo.

“Edutenimento”

O game “Mata Atlântica, o bioma onde eu moro” vai introduzir a tecnologia multi-mouse nas escolas do Brasil. Em alguns estabelecimentos de ensino, os laboratórios de informática só dispõem de um computador por aluno e as crianças têm de trabalhar formando dupla ou trio, alternadamente. A decisão dos pesquisadores da UFSC de fazer um game para ser jogado com dois mouses foi tomada não apenas como solução paliativa para a falta de infra-estrutura das escolas, mas como estratégia educacional.

O jogo é uma forma de “edutenimento” por ensinar mediante situações lúdicas e prazerosas, sem banalizar o processo de aprendizagem. “O resultado é um game divertido, constituído de conteúdo educativo”, afirmou Ana Beatriz Bahia, responsável pelo design do game e integrante do estúdio de criação digital Casthalia.

A equipe chefiada pelo neurocientista e pesquisador EmílioTakase está transformando jogos tradicionais como o quebra-cabeça, individuais como o Sudoku e os de tabuleiro em jogos eletrônicos cooperativos.

Até o momento, não existem games deste tipo que tratem da Mata Atlântica: “O jogo que estamos desenvolvendo preencherá esta lacuna, tendo como público-alvo os estudantes das escolas públicas de Santa Catarina – já que aborda a biodiversidade da Mata Atlântica neste estado. Ele será oferecido aos professores do Ensino Fundamental como material paradidático, permitindo ampliar e aprofundar os conteúdos previstos no currículo”, conclui o professor.

Para saber mais, acesse www.educacaocerebral.com.
Ou entre em contato com o professor Emílio Takase, pelos fones
(48) 3721 8284 e (48) 9111 8601.

Heloísa Dalanhol – Assessoria de Imprensa da Fapesc